julho 2011



Neste domingo acordo virado, vidrado, chapado e revoltado.

Pulo na radiola (?) e tasco The Doors na vitrola (!)

– Father!

– Quié, filho?

– I want kill you!!!

– Mother!

– . . . ?

–  I want you …

Isto em jejum é porrada cerebral.

Tenho que voltar pelo menos para meu baixo astral.

Ouçamos:

http://www.youtube.com/watch?v=QHFK1yKfiGo&feature=related

E me dá uma saudade de Paris.

De quando estive no túmulo de Jim Morrison.

https://mamcasz.wordpress.com/2009/10/07/perdido-no-cemiterio-de-paris-e-morrendo-de-vontade-de-mijar/

Au bientôt, mané.


Hoje, 17 de julho, é o Dia do Homem, no Brasil.

É uma data criada em defesa da preservação do gênero.

No caso, o masculino, que a olho nu perde terreno.

Ainda bem que em Brasília já somos minoria.

Portanto, com muito mais direito.

Bem feito para as filhas da luta.

E o macho vai às compras .

Mistérios do consumo masculino no Brasil.

Pesquisa da Shoper Experience.

Começando pelo homem de vinte anos de idade.

É onde mais se apresenta o sentimento do prazer.

De comprar para si ou para presentear.

Ou ter seu principal objeto de desejo.

Geralmente é um carro,um computador, um celular último tipo….

Ou seja. Beleza, bom gosto e bem estar.

  E como se comporta, na economia, o homem acima dos sessenta anos?

Bom … só compra o necessário.

Sobra para a mulher, seja neta, bisneta ou amante.

Todas filhas da outra.

Então, bom dia do Homem.

Seja eu um garotão, tiozão, madurão ou mesmo avozão.

Um beijo (???)

Pare. Olhe. ESCUTE. Passe.

Clique:

http://snd.sc/nkdLpU

Ou:

http://www.podcast1.com.br/ePlayer.php?arquivo=http://www.podcast1.com.br/canais/canal1618/MIUDO_MAMCASZ_DIA_DO_HOMEM.mp3” frameborder=”0″ width=”450px” height=”60px” scrolling=”no”>

 


ECA 21: cinco milhões de menores no trabalho escravo.

 Vinte e um anos de existência do ECA.

 Estatuto da Criança e do Adolescente.

 Conquistas, avanços, direitos e, principalmente, muita coisa a fazer.

 Ainda.

 Por exemplo, e esta é a nossa prosa.

 Com ECA e tudo, no Brasil, hoje, temos quatro milhões e 800 mil meninas e meninos,

 dos cinco aos 17 anos de idade,

 simplesmente trabalhando para sobreviver.

 Twenty-one years of the ECA.

Statute of Children and Adolescents.

 Achievements, progress, rights, and especially a lot to do.

 Yet. For example, and this is our prose.

With this statute and everything in Brazil today,

 we have four million and 800 thousands girls and boys,

from five to 17 years old, just working to survive.

  Só lembrando que de acordo com a Organização Internacional do Trabalho,

 a Constituição do Brasil e o Estatuto de Proteção da Criança e do Adolescente,

 obrigar uma criança até os 14 anos de idade a trabalhar, é crime.

Acontece que trabalham, abaixo dessa idade,

mais de dois milhões e trezentas mil crianças.

 

 Just remember that according to the International Labour Organization,

Brazil’s Constitution 

and the Statute of the Protection of Children and Adolescents,

 forcing a child under 14 years of age is a criminal act.

But,  from five to nine years of age

are 296 illegal workers,

 Não é a toa que, na mesma pesquisa, ficou apurado que

nessa faixa de idade, dos cinco aos 9 anos,

 quatro milhões e meio de crianças informam que

NÃO frequentam a escola.

 Dos 10 aos 14 anos, temos mais um milhão e 935 mil.

Dos cinco  aos 17, a Bahia tem mais: 617 mil.

Seguido de Minas Gerais, com 578 mil,

Maranhão, 417 mil, e por aí vai.

Se a gente levar em conta a proporção da população entre os cinco e 17 anos,

os campeões negativos em trabalho infantil são os seguintes:

 Tocantins – 15,75 por cento.
Piauí – 15,03 por cento.

Rondônia – 14,93 por cento.

No wonder that, in the same survey,

it was found thatthis age group,

 from five to nine years,

four and a half million childrenreport that they do not attend school.

 From 10 to 14 years, we have over

one million and 935 thousand.

 From five to 17, the Bahia has more: 617 000.
Followed by Minas Gerais, with 578 000,

Maranhão, 417 000, and so on.

 If we take into account the proportion of the population

 between five and 17 years,
the champions negative child labor are:

Tocantins – 15.75 percent.

Piauí – 15.03 percent.

Rondônia – 14.93 percent.

Os dados nos 21 anos de existência do ECA são do IBGE,

 no último PNAD.

IBGE é o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas.

 Do governo federal.

PNAD é a Pesquisa Nacional por Amostras a Domicílio.

 E os números?

Pois então.

De cinco aos nove anos de idade,

 são 296 mil trabalhadores ilegais,

ganhando sempre menos do que meio salário mínimo.

 Cento e noventa mil deles estão no Nordeste.

 A maior parte é na agricultura, inclusive em trabalhos perigosos.

 * * *

 The data in the 21 years of the ECA are from IBGE, PNAD last.

 IBGE is the Brazilian Institute of Geography and Statistics.

 The federal government.

PNAD is the Brazilian National Sample Household. And the numbers?

  Minas Gerais, com 578 mil,

Maranhão, 417 mil, e por aí vai.

* * *

 Se a gente levar em conta a proporção da população

 entre os cinco e 17 anos,

 os campeões negativos em trabalho infantil são os seguintes:

Tocantins – 15,75 por cento.

 Piauí – 15,03 por cento.

 Rondônia – 14,93 por cento.

* * *

 No wonder that, in the same survey,

it was found that this age group, from five to nine years, four

 and a half million children report that they do not attend school.

 From 10 to 14 years, we have over one million and 935 thousand.

From five to 17, the Bahia has more: 617 000.

Followed by Minas Gerais.

With 578 000, Maranhão, 417 000, and so on.

 If we take into account the proportion of the population between five and 17 years, the champions negative child labor are:

Tocantins – 15.75 percent.

 Piauí – 15.03 percent.

Rondônia – 14.93 percent

 Ah … só para fechar a prosa.

O lero de hoje é sobre o que mesmo?

Estatuto da Criança e do Adolescente.

Hoje, ele completa 21 anos de idade.

Alcança, portanto, a maior idade.

Emancipado, pode trabalhar.

 Então, tá. Inte e axé.

Oh … just to close this talk.

The lero today about what is it?

Statute of Children and Adolescents.

Today he turns 21 years old.

 It reaches, therefore, the largest age.

 Emancipated, can work. So, okay.

Inté and Axé, Mané!

Obs.

Vinhetas de Passagem do disco “Sem Terrinha”, do MST.

Note.

Vignettes of Passage album “Landless children,”

 the MST – Movement of the Landless.

Clique

http://snd.sc/nbKuVR


Monsanto, Cargil, Bumge e outras mais.

Reis da Soja.

Vendem implementos, inseticidas, ou seja, insumos agrícolas.

Para o plantio de soja, algodão, milho-etanol, maconha, o escambau.

Entregam hoje, para semeadura em setembro, acertam o preço em sacas futuras.

Têm que ser entregues na colheita pelo preço de hoje

E fazem o tal do hedge. Swap. Fuck  na Bolsa. Beleza!

Foi minha monografia no MBA da FIA-BM&F.

Ou seja, uma tonelada de inseminantes por, digamos, 45 sacas de cannabis.

Geralmente, é soja mesmo.

O lero é por conta do artigo com link abaixo e a foto a seguir.

Antes, lembro do pau que a gente quebrava em San Francisco,CA.

Expliquemo-nos. Durante um curso.

Gringo acusando nós brazukas de acabar com a Amazônia.

E a gente retrucando no ato:

– e os vossos índios, cara pálida?

Se temos os heróis bandeirantes, tendes o John Waine, Mané.

Tem ainda, no link abaixo, justicemo-los, o Vietam.

A Monsanto, rainha da soja, fazia o agente laranja.

O desfolhante usado, para nada, no Vietnam.

Não entrava no buraco do tatu.

De onde saíram os kong e comeram os red neck.

Mas, falando isto, puxa aquilo.

Foi na minha viagem ao Vietnam do Norte, faz pouco.

O guia do partideco se apaixonou pelo garotão ianque.

Mas não me deixou conversar com uma adolescente local.

Nem lhe dar um carinho e cafuné, camuflados.

 Tipo Caramuru, vem cá que te taco fogo.

Que nem fazem os gringos na Amazônia.

Mas agora, vem aí a denúncia:

Moral da Prosa.

Nesta semana, tem mais uma reunião da SBPC, no Goyaz.

Tás lembrado da SBPC da época da fechadura?

Uma beleza.Tinha mina ativista de montão dando sopa.

Prato cheio pros poetas da Libelu.

Mas de volta para o sumiço da floresta amazônica.

E a entrada da soja que ultrapassou o cerrado.

Aliás, tá cada dia mais difícil pastar  baru, cagaita…

Por isso, antes de colocar o link, arremato:

 Enquanto isto, s ongueiras, nesta semana, na SBPC de Goyaz,

Só enchendo o  rabo de pequi …

(Me desculpe o termo. Acho que vou durar pouco no Facebook).

Então, em nome da moral, corrijo o termo:

Só enchendo o rabo de suari …

Tá legal:

De Caryocar brasiliense …

Ah, o link:

http://foodfreedom.wordpress.com/2011/07/08/monsantos-agent-orange-being-used-to-clear-brazils-rainforest/

Mais uns de arremedo de pesquisa:

http://blogdogh.spaceblog.com.br/87875/Episodio-5-Amazonia-ONGs/

Acabo de saber:

http://jaimesautchuk.blogspot.com/2011/07/materia-sobre-agente-laranja-agita.html?spref=fb


Asa Sul, parte nobre da Ilha, classe média alta.

 Não tem esquina mas tem uns botecos antigos.

Resistem bravamente ao avanço das butiques.

Entre eles, um que tem tudo de mui estranho.

Repare nas fotos:

 1 – Piauí com Embaixada de Churrasco?

2 – Bandeira do Brasil com estrela do Botafogo?

3 – Ah… um pé de pinheiro na calçada em frente.

Com direito a um monte de grimpa (?).

E ao cantador repentista no sotaque solista:

“ Pinheiro, me dá uma pinha. 

Pinha, me dá um pinhão.

Gaúcho, me dá um beijo.

Que te dou me coração. 

Daí o título acima:

Gaúcho enrustido de Brasília.

Só tem um lero.

Cerveja de garrafa grande, gelada.

Naquele protetor encardido de isopor.

E uma porção de sarapatel.

Sem contar a tiquira (?)

E o testículo de bode?

Tri-legal!!!

Assinado:

Um sulista não-gaúcho

Muito menos argentino

Inté e Axé!


Tirei umas fotos na construção do Estádio Brazil, em Brasília.

Ainda pode ser a sede da abertura da Copa do Mundo de 2014.

O de antes, Garrincha, virou pó, que nem o craque Mané.

É que construir do zero sai mais caro, rende muuuuiiiito +  

Antes de partir pras 12 arenas

 (nome políticamente correto para estádio)

Garanto que a gastança é farta.  

Tem prá toda gente.

Dava prá fazer uma porrada de hospital, escola,

igreja, bordel, bolsa esmola e tal.

Mas, primeiro, leia os gastos na Alemanha

 e depois compare com os do Braziu…

Novos estádios da 1ª divisão da Alemanha:

Augsburg: R$ 100 milhões

Mainz: R$ 140 milhões 

Estádio dasDunas (Rio Grande do Norte): R$ 400 milhões,

Castelão (Ceará) só a reforma: R$ 452,2 milhões,

Arena Amazônia (Amazonas): R$ 499,5 milhões,

         Mané Garrincha (Brasília):    R$ 671 milhões. 

   Arena Pernambuco (Pernambuco): R$ 532 milhões,

Fonte Nova (Bahia): R$ 591 milhões ou R$ 835 milhões,

(Portal 2014  x Portal Transparência)

Itaquerão (São Paulo): entre R$ 700 milhões e R$ 1,07 bilhão,

Mané Garrincha (Brasília): R$ 671 milhões:

É muito cacique pra pouco índio quer apito….

Maracanã (Rio) – Só na REFORMA:

1 bilhão e 100 milhões de reais.

Só na REFORMA.

Braziu is good,mein.

Prá roubar, meu.

Vou estourar uns bueiros da Light.

Inté e Axé !!!

Na latinha:

Resposta de Ricardo Texeira, presidente da CBF:

 

“Não ligo. Aliás, caguei. Caguei de montão”.

“A imprensa brasileira é muito vagabunda…

Não leio mais porra nenhuma.

A vida ficou leve para cacete.

Tá muito bom.”

 

Clique abaixo e vomite nele:

 

http://www.comunique-se.com.br/index.asp?p=Conteudo/NewsShow.asp&p2=idnot%3D59161%26Editoria%3D8%26Op2%3D1%26Op3%3D0%26pid%3D129356754244%26fnt%3Dfntnl


Atenção!
Esta não é uma SACANAGEM.

É uma
HOMENAGEM ao Itamar.

Tô na lida, cá em Brasília, há 30 anos, na gigolagem da palavra: poesia, rádio,

 jornalismo, oficial ou não.

Agora, blogueiro esperneante,

nada a ver com os blogueiros que mamam nas Tetas da Viúva.

De onde jorram copiosos milhões.

Pois então.

Pior que o Itamar, neste tempos de jornalista cá na Ilha, só vi o Figueiredo.

Tô falando de arranjar desafeto.

E o general-presidente Figueiredo,

 se não fez bosta nenhuma, fez a Abertura Política.

Graças a ele, sobreviveram FHC, Lula, Sarney, Collor, ACM, Ulysses.

E Dilma saiu viva da cadeia.

Ou não?

E Itamar, por que?

Ora, porque o topetudo topou tudo e arranjou uma porrada de desafeto.

Por exemplo:

FHC, Lula, Sarney, na ilha,  isto é tão antigo, tudo acaba em pó.

Por isso, nesta minha homenagem ao ITAMAR

  a imagem é umasó, e teria  fatos mil:

É da quenga artista, no Carnaval do Rio, sem calcinha,

mostrando a xoxota ao lado do Itamar Presidente.

Nem por isso ele caiu.

Era viúvo,
não tinha filhagem fora do casamento, o que acontece desde Dom Pedro II.

Filhagem ou amantagem, dependendo sexo ou gosto de cada uma pessoa.

Porque, com ele, corruptava, era afastado no ato.

 Te lembras,  HARGREAVES?

Então, Itamar, nesta segunda, tu viras pó.

Talvez sejas consumido cá na ilha,  Brasília, outra vez.

Enfileirado com Lula, Collor, ACM, Sarney, FHC ….

Lula te mandou pra Roma, ser embaixador.

FHC tentou-lhe tirar o filho, o REAL.

Sarney, oras, ainda não virou pó em Brasília.

Mas está na fila, orra, meu.

Com ou sem marrom….

Finalmentes:

1 – Thanks to artista plástica EPIDENDRUS.

2 – Acabo de falar com minha sogra de 87 anos de idade, ao telefone, e ela me pergunta:

– O Itamar, era?

E eu:

– Sei lá. Só sei que, agora, ele já era.

Ponto Final.

Pare. Olhe. Escute. Passe. Clique

http://snd.sc/m4UzTh

« Página anterior