Episódio de hoje:

                         Funcionários da Rádio Nacional de Brasília insistem em estragar a festa dos 50 anos.

                       O episódio de hoje se destina aos funcionários da Rádio Nacional que insistem em estragar a festa desses 50 anos pelo decrescimento,  juntos, com Brasília.

                        Os motivos alegados diferem por demais uns das outras e são indesculpáveis porque deveríamos estar todos reunidos nesta  festa a que não fomos convidados.

                       Uma funcionária da Rádio Nacional de Brasília alega até motivo de suicídio pela ausência dela desde os tempos em que havia o barracão ora rodovia na Asa Sul.

                       Outros dois apostam num atestado de choque em pleno ar, no vôo 1907, de Manaus a Brasília, a serviço, e colocam de testemunhas dois pilotos norte-americanos.

                      Tem um, então, ainda  mais barbudo que Jeová, que só vive de conversa com o John Lennon, os dois no Jardim do Éden, doidos para reunirem os Beatles de novo.

                      Têm os que alegam estresse pré-vida, indução apocalíptica, ingerência descontrolada de emulentes via oral, ou, simplesmente, prosseguimento do destino.

                       Portanto,  faço questão aqui de reafirmar que todas NÃO são desculpas  para que NÃO estejam presentes conosco no próximo dia 21 de abril deste ano de  2010.

                      Aliás, não sei se é o teu caso mas desde criancinha que eu detesto levar um NÃO na cara ainda mais  quando ressinto samaritanas  que se locupletam de SIM ( Amém ).

                        Mas voltando ao NÃO. Algumas das almas liberadas, neste meio século de existência da Rádio Nacional e de Brasília, continuam penadas em nossos estúdios. SIM!

                       Outras, permanecem cá entre nós, nas placas esquecidas na porta dos estúdios. Ou tu, recém( já velho ) – concursado, por acaso sabes  dizer quem foram eles?  NÃO!   

  

                        Então, estão convocados a aparecer nesta parca festa, cá e na esplanada dos mistérios, pelos 50 anos da Rádio Nacional com Brasília, os seguintes pseudo-ausentes:

                       Fausto de Faria, Octavio Bonfim, Luís Inácio, Adriano Gaierski, Raimundo Nonato, Jonas, Joaquim Jardim, Chicão, Osman, Meira Filho, Rosa, Gilvan Chaves, Sabino Romariz, entre tantos outros. Isto só aqui na Rádio Nacional de Brasília.

                      Se formos contar os ausentes da Rádio Nacional do Rio, aí  é caso para expansão da esperança na Praia Mauá, lá mesmo onde nosso primeiro manda-chuva, totalmente maluco, toma banho de mar, de gaiolinha, para ficar bom dos rins encharcados de cachaça (Dom João VI).

                       Bom, dada a bronca nos funcionários da Rádio Nacional de Brasília que insistem em estragar esta pobre festa de aniversário de meio século de tontas alegrias, segue abaixo um buquê de flores a todos eles mas, no caso de hoje, através “dela”:

                         Heleninha Bortone recebeu 6 milhões e 728 mil cartas nos 20 anos em que foi apresentadora da Rádio Nacional.

                        Tu sabes qual foi o prêmio? Pois escutes só: uma lerda de uma reles demissão sumária, sem justificativas nem nada.

                        Ela só conseguiu voltar uns cinco anos depois mas sem o mesmo espaço de antes, devido às famosas forças ocultas que abundam pelas interquadras cá deste detrito federal.

                       Pois mal.

                      Quando ela está se reposicionando na vida, na calma tácita que lhe forma o semblante, não é que  leva  outra porretada de demissão, desta vez na forma de um câncer irrevogável?

                      Para ouvir, então, a homenagem-lembrança aos funcionários da Rádio Nacional de Brasília que se foram e por isso insistem em estragar a festa dos 50 anos, clique abaixo:

 PARA OUVIR CLIQUE ABAIXO:

 http://www.podcast1.com.br/ePlayer.php?arquivo=http://www.podcast1.com.br/canais/canal1618/Heleninha_by_Mamcasz.mp3

 Mandado por uma colega de trabalho:

Gostei muito do artigo sobre nossos fantasmas. E por falar neles, o Gilvan Chaves, sempre que me encontrava perguntava gentilmente como eu “a menina” estava…( naquele tempo, em vista dele, Gilvan, eu realmente ainda era “uma menina”, de 42 anos… )

E sobre a Heleninha, até hoje é raro o dia em que não chegue uma carta lamentando a morte dela…

Você tamém se lembrou de alguém, o Jardim, esse “fantasma”, esse fumante inveterado, que primeiro foi operado de câncer no nariz e depois…

Bom, de toda a forma, valeu, valeu muito lembrar nossos fantasmas. E – se existe um “além”, que tenham uma vida mais feliz por lá….

                         Então, tá. Inté e axé.

                        Em nome do Pai, do Filho e da Mãe.

                        SIM!

                       E por que NÃO?

                       Tendo dito, sigo pro próximo episódio.

Anúncios