Estava eu hoje de manhã, 12 de outubro de 2009, a flanar por Paris, à procura, mas nem tanto, de minha mulher, que ainda não apareceu, quando eis que, de repente, a saudade bateu forte.Foi no lado de fora do Jardim de Luxemburgo, onde está o Senado, no lado de dentro.

A saudade não foi da florzinha sumida em Paris mas de Hanoi, Vietnam, onde estivemos há quatro anos, e tudo por conta de uma exposição de fotos, na grade trabalhada do Jardin du Luxemburg, sobre a vida na Indochine (Viet Nam, Laos, Cambodja, sul da China e Birmânia, atual Yanmar).

E a foto que bateu fundo foi esta abaixo, do pai dormindo ao lado de um filho, numa jangada lá do Mekong.

Junto, a poesia de arrepiar:

luxemburg vietnam photo by mamcasz

“Se um dia eu me transformar em lua nascente

Que tu sejas um arrozal, meu filho…

Se um dia eu me transformar numa planície

Que tu  sejas um pequeno animal, minha criança…

Se um dia eu me dissolver nas águas do rio

Que tu sejas a minha luz, meu querido…

Mas se um dia eu me transformar numa borboleta

Então, meu rebento, que tu te transformes em vento.”

 

luxemburg vietnam 1 photo by mamcaszluxemburg vietnam 3 photo by mamcasz
Isto me fez lembrar da minha florzinha, será que ela passou por aqui nesta rua de Paris?

Foi de quando ela estava dormindo e eu disse para ela:

Flor, quando tu dormes, me dá, sei lá, saudadades …

E mesmo que, no sonho, tu saias, agora, voando

Eu te acompanharei, no olhar,

Até teu chegar , feito criança, no depois das águas  do nosso Infinito:

luxemburg vietnam 2 photo by mamcasz

Anúncios