Tem cidades que me lembram o dia, o sol. O Rio. Fica feio de noite. Outras, nada. São Paulo. Algumas, o abstrato. Minha Brasília.  Ela é etérea. Cada cidade me reflete um símbolo anexado a ela. Sol é o Rio.  Lua é Paris,  a noite, a luz que reflete sombras nos invasores que repassam seu corpo, não desnudo de todo, e sua mente desbragada por completo. Então, Paris é a dama da noite. Não tem outra meretriz tão linda quanto ela. Com certeza. Testada e vexada. Tanto que resolvi ficar mais uns tempos por aqui, mesmo que tentado a voltar a meus fantasmas, que ainda são muitos, que nem os amigos e os inimigos, soltos por toda parte de minha mente insana:

Cartao Postal 2 Photo by Mamcasz A ópera opéra uma sinfonia de luzes tais que nem os sons das buzinas – todos, falsos. Assim é agora a Opera de Paris. Ela transmuda do vermelho para o verde para o amarelo para o azul até chegar ao amanhecer, quando ela dorme invadida por todas as não-luzes.Cartao Postal 1 Photo by Mamcasz O que mais me assombra num arco não é o que lhe volteia mas o que  por debaixo dele passa por igual, vencido ou vencedor, todos domados pelo Arco do Triunfo. Este, no final, é dele. Nem de Napoleão. Nem de Hitler.Arte em Paris 1 - photo by Mamcasz Disque M para Matar. M de Mar. Maresia. M de Montanha. M de menos. Que Mais? De Metropolitain? Cartao Postal 5 Photo by Mamcasz

Anúncios