Foi rezada, em voz alta, na porta da Granja das Águas Turvas, Brasília, residência oficial do governador Arruda-Paulo Otávio, hoje de manhã, a seguinte anti-prece dos homens públicos que têm preço.

Orai, mano:

 “ Financiador nosso que estás na terra

Santificado seja o teu negócio.

Venha a nós o teu dinheiro,

Seja feita a tua vontade,

Assim no público como no privado.

A propina nossa de cada dia nos daí hoje.

Perdoai nossos desfalques

Assim como nós perdoamos os que malversaram antes de nós.

E não nos deixeis cair na tentação da honestidade

Mas livrai-nos do flagrante e da verdade.”

Vista assim do alto a gente nem consegue cheirar a podridão dos panetones de Brasília.

 Amém, mano, digo eu.

E quem tiver ouvidos para ver e olhos para ouvir, clique a seguir na prece original da prece da propina:

http://blogs.estadao.com.br/joao-bosco/wp-content/mu-plugins/anarchy_media/flvplayer.swf?click=http://blogs.estadao.com.br/joao-bosco/wp-content/mu-plugins/anarchy_media/images/flvplaybutton.jpg&file=http://img.estadao.com.br/videos/51/FF/7A/51FF7A7C35804ECCBDD96B31A839723C.flv&showfsbutton=true?file=http://img.estadao.com.br/videos/51/FF/7A/51FF7A7C35804ECCBDD96B31A839723C.flv&autoStart=true&fs=true&click=false

Anúncios