#berlin #berlim #brasilia #brazil #brasil #corrupção #futebol

Papo 02 – Eu esqueço minha “grana” em Brasília. Em Berlim, pego de volta?

Part 02 – I forget my “money” in Brasilia. If I’m in Berlin, will I get it back?

FOTO 1 A

Em Brasília, 19 horas. E assim começa o mais antigo programa de rádio do “Brasil Maravilha”. De chegada, sofro um golpe cibernético. Zeram meu Cartão Alimentação. E aí?

Em Berlim, 4 horas da madrugada. Largo a chave dentro do apartamento do Airbnb. Já no elevador, aterrorizo-me. Lá dentro, meu colete com 3 cartões de crédito e os euros. E aqui?

Pois vamos assim para este primo papo reto entre o pensar germânico e o antagônico brazuka-portuga-latino, este famoso pela corrupção que vai do mendigo ao presidente.

In Brasilia, 19 hours. And so begins the oldest radio program of “Brazil Maravilha”. On arrival from Berlin, I suffer a cybernetic blow, here in Brasília. Anybody stoled all my Food Card. What’s up?

In Berlin, 4 o’clock in the morning. Key inside the Airbnb apartment. Already in the elevator, I terrify myself. Inside the flat, now without the keys, my vest with 3 credit cards and two thousand euros. And now?

Well, let’s go to this first, straight talk between the Germanic thinking and the antagonistic zuca-tuga-latino-ladino, this one famous for the corruption that goes from the beggar to the president.

FOTO 2 SUICIDA

Começo pelo relato de Berlim. Minha acompanhante nos últimos 40 anos esquece o colete com três cartões de crédito e débito internacionais, mais 2 mil euros em espécie (legalmente declarados, no conjunto, na saída em Brasília e na entrada na quase Europa, em Lisboa, a caminho de Berlim). A gente, a caminho do aeroporto de Tegel, madrugada, sem tempo de chamar a host do Airbnb, de origem russo-polônica. Desespero? Não. Realidade. Vamos em frente para ver no que vai dar. As chaves tinha sido deixadas dentro do flat, conforme o combinado, em cima da mesa e ao lado de um bilhete carinhoso e um presente tupiniquim ligado à caipirinha.

Continuo pelo relato em Brasília, depois eu volto para Berlim. Uma semana depois, em casa, capital do Brasil, famoso pelo maior caso de corrupção de todo o mundo, não podia dar outra. Vou ao supermercado para as recompras. Ao caixa, a surpresa. Meu Cartão de Alimentação, Green Card, com saldo acima dos R$1.500,00, economizados, estava simplesmente zerado. Desespero? Não. Realidade brasileira. Registro na política online, nas nuvens, e nos sites da Cielo e do Grupogreencard e na puta que pariu. Sorry. Continuo pretensamente calmo. Afinal, estou de volta ao meu Brasil-Brasileiro-Inzoneiro, onde até o troco ínfimo tem que ser conferido no ato.

FOTO 3 BULOW 01

De volta a Berlim. Quer dizer, Lisboa. Por conta da corrida na confusa baldeação da TAP para Brasília, que exige dez minutos em ônibus lotado, dentro do aeroporto, filas alfandeguísticas, longa caminhada por entre as lojas ditas free e, enfim, dez horas depois deste segundo ato, em casa, Brasília, reabrindo o Whatsapp com a seguinte resposta da por mim chamada “máfia russa”, dona do apartamento alugado na capital do Império Germânico, mais luterano que católico e muito menos ladino, ops, latino, vamos à mensagem, literalmente, sobre o acontecido:

“Hallo Eduardo. Ok. No problem. I will take care of it. Don’t worry!”

Algumas horas depois, chega outro Messanger direto ab Berlin to Brasília:

“Hallo, Eduardo. Everything was there: 3 Credit Card, Passcard, a Key and 2000Euros.”

FOTO 4 BULLOW 02

Pois relato então o lado ladino do meu Cartão Alimentação zerado por obra de quem será, tenho os locais das três compras efetuadas, sem a minha senha, sem o meu cartão, apenas com o natural sem-vergonhice que assolada esta Pátria Que me Pariu, vulgo P.Q.P. Por enquanto, a robótica resposta ao fato apresentado:

“O Grupo Green Card agradece pelo seu contato. Faremos o possível para responder o mais rápido possível.” Pois aguardemos. Oremos. O futuro do nosso Brasil, a quem pertence? Sei lá, porra. Enquanto isso, retroco todas as senhas possíveis e impossíveis. De fato, dois dias passados, apenas, depois de uma série de documentos assinados e mandados, a quantia volta para a conta.

Ao caminhar para manter a saúde física, a mental me alerta a cada curva. São trombadinhas, ladrões, hackers, de todos e em todos os níveis. Do pedinte ao mandante judiciário federal, passando pelo Pai de Todos, quem mesmo, onde está Ele?

– Ele está preso, babaca.

FOTO 4 BULLOW 03

Apesar deste lero que se alonga, adendo dois fatos correlatos. O primeiro, na então comunista República Tcheco-Eslováquia, hoje simplesmente Chéquia. Cidade de Kutna Hora. Minha namorada, atual companheira, esquece debaixo do colchão o colete com 2 mil dólares e os cartões de crédito. Já na Áustria, Viena, casa de um ainda amigo, morando agora em Brasília, pois ele telefona para lá e:

– Hallo. Meus amigos esqueceram umas coisas neste hotel.

– Número do quarto, dia da hospedagem, local exato onde foi deixado.

– Room número 38, debaixo do colchão, lado esquerdo de quem estiver deitado.

– Um momento, vamos verificar.

Hallo?

– Pois sim.

– Encontramos. São dois cartões em nome de … e dois mil dólares vivos. Vamos guardar no cofre do hotel. Quando vão vir buscar?

– Primeiro eles vão ter que tirar novos vistos na Embaixada.

– Tschuss.

FOTO 6 B

Segundo, acontecido há alguns meses, numa das voltas a Brasília. Atendo o telefone, uma pessoa me chama de tio, fala o nome do meu sobrinho, que mora nos Estados Unidos, fala igualzinho, não fale para ninguém, estou chegando de surpresa, mas o carro alugado em Belo Horizonte está enguiçado aqui perto de Cristalina e preciso de dinheiro para o mecânico e pode mandar a ordem na conta, espera um pouco, vou passar para o dono da oficina, a bença, tio. Resultado. Caí de pato.

Na sequência, estilo ladino-latino-tupinico-brasílico, embora morador na Capital do Brasília, com profissão respeitada, faço registro na Polícia Civil do DF, online, internet, coisa de Primeiro Mundo. Tudo escrito: nome, cpf, número da conta e banco e agência e cidade onde foi depositada a grana roubada-ludibriada. Depois, pelo telefone do banco Itaú, registro o fato, para pelo menos alertar sobre o grupo que dá golpe a partir da cadeia, usando conta de laranja. Vamos às soluções:

1 – Email da Polícia Civil Online. Lamentamos não dar sequência ao registro porque o depósito foi feito numa agência fora do Distrito Federal (Brasília). Favor comparecer pessoalmente à delegacia mais próxima da sua residência.

Resultado. Fui à primeira delegacia de Brasília, capital do Brasil, no bairro de classe média aprimorada e me acontece o seguinte, em lá chegando. Desculpe, estamos sem Internet. Mas eu quero apenas registrar uma ocorrência. Nada feito. Volte amanhã. Voltei. A Polícia tinha entrado em greve. Foi coisa de uns três anos. Dancei. Pronto.

2 – No pronto atendimento do banco comercial, o maior do Brasil. O senhor aceitou? Lógico que sim, mas fui enganado. Então, nada podemos fazer. Eu sei disso. Estou telefonando apenas para que vocês fiquem de olho nesta conta tal, do fulano de tal, na agência tal, que pertence a uma quadrilha que age de dentro da cadeia. Apenas para que vocês prestem atenção.

– Infelizmente, meu senhor, nada podemos fazer.

FOTO 7 C

Então, encerro. E aí? Berlim ou Brasília? Pode comentar. Sei que em Portugal está tendo golpe por demais com os brazucas exilados pelo aperto econômico. Mas aí não sei porque só passo correndo. Já chega o pau brasil e a cana de açúcar e o ouro e o dinheiro dos escravos que os portugas levaram do nosso Pindorama. Fico hoje por aqui mas depois eu volto com mais Alemanha, 7 – Brasil, 1.

Heil! Tschuss. Inté! Axé!

Não perca o próximo episódio:

03 – Quantas “tias” cuidam de “uma” criança em Berlim? Em Brasília…

03 – How many “aunts” care for “one” child in Berlin? In Brasilia…

FOTO 8 CRIANCA

Anúncios

              The first question has to do with invoice. The listener citizen, if you prefer no invoice, the consultation, the dentist, purchase, service, rent, finally, will be cheaper. What is your answer, huh? Depending on can be two box training, tax evasion, escape from tax, and even conspiracy. Same thing when buying a product.

Faça o teste para ver se você é corrupto ou não

                Se depender das vozes nas ruas e dos pronunciamentos oficiais, existe o entendimento comum de que é preciso combater as diversas formas de corrupção existentes no Brasil. Uma delas é começar em casa. Saiba mais.

              Ouça bem. Onde está o maior número de corruptos? No Executivo, no Legislativo ou no Judiciário? Em qualquer um deles, é fácil fazer a acusação, por se tratar de um ser distante da gente, apesar de uma prisão ou outra. Mas não é distante coisa nenhuma. São escolhidos, no caso do Congresso, ou pessoas chaves do Executivo, pelo voto direto do povo, ou seja, cada um de nós. Pela lógica, então, nossos representantes são o espelho dos que os escolheram,  ou seja, a maioria. Daí a importância do teste, neste Trocando em Miúdo de hoje, muito válido para os dias que continuamos vivendo nas ruas e que forçam votações mais apressadas, como considerar corrupção dolosa um crime hediondo. Que tal então a gente começar o teste? Lápis e papel na mão. Quer não tiver nenhum sim de resposta que atire a primeira pedra. Vamos nessa?

              Pois então. A primeira pergunta tem a ver com nota fiscal. O ouvinte cidadão, se preferir sem nota fiscal, a consulta, o dentista, a compra, o serviço, o aluguel, enfim, vai sair mais barato. Qual a tua resposta, hein? Dependendo, pode ser formação de caixa dois, evasão de divisas, fugir do pagamento de imposto, e até formação de quadrilha. A mesma coisa quando se compra um produto pirata, seja ele o que for, pode ser até remédio. Vamos em frente com o teste?

Pergunta 1

             Alguma vez a pessoa ouvinte cidadã já passou do limite de velocidade na rua, dirigindo um carro ou, pior ainda, já atravessou um sinal vermelho mesmo sabendo que isto poderia provocar um grave acidente? E na hora da multa no ato, alguém já inventou alguma desculpa esfarrapada para o seu guarda e, pior ainda, ofereceu um agrado, propina, ou seja, tentou corromper um agente público? Vale também para qualquer situação quando, na demora para pegar um documento, alguém aí fala o seguinte: Será que não dá para dar um jeitinho, meu? Hein?

Pergunta 2

           O preço pela dose uma bebida, no bar, é fixo. Alguém aí já pediu um chorinho, por fora, para o garçom?

Pergunta 3

          Fazer um puxadinho na loja, na casa, ocupando espaço de uso coletivo, é crime, inclusive financeiro.

Pergunta 4

         E gambiarra, luz sem pagar nada?

Pergunta 5

E a declaração do Imposto de Renda, tudo em cima?

Pergunta 5

E na hora do troco

Para ouvir a coluna de uso livre para as rádios do Brasil, clique abaixo:

http://radioagencianacional.ebc.com.br/materia/2013-07-02/fa%C3%A7-o-teste-para-saber-se-voc%C3%AA-%C3%A9-corrupto

Congresso Nacional do Brasil

Congresso Nacional do Brasil (Photo credit: Wikipedia)


Um a cada quatro brasileiros pratica corrupção

       One in every four Brazilians usually perform any act of bribery or corruption in everyday life. Worse. Most people think, for example, give money to the guard in order to escape the fine is hardly an act of corruption.

        Pesquisa da Vox Populi e Universidade Federal de Minas Gerais confirma que 23% dos brasileiros costuma dar dinheiro para o guarda para escapar da multa e não considera este um ato corrupto. Um a cada quatro brasileiros costuma praticar algum ato de suborno, ou corrupção, no dia a dia. Pior ainda. A maioria acha que, por exemplo, dar um dinheiro para o guarda, a fim de escapar da multa, não chega a ser um ato de corrupção. Pensa que não tem nada a ver com o chamado público. Diz que seria um ato de natureza privada. Na verdade, cá para nós, corrupção não é só as grandes, dos políticos, empresários, e as que acabam no Supremo Tribunal Federal, como está acontecendo agora. Corrupção começa de criança e dentro de casa. É assim que se aprende o certo e o errado.

              Falei em criança, não foi? Pois então. Uma criança, na escola, que na hora da prova cola em cima do colega, está sendo, na verdade, corrupto. Está desviando recursos do conhecimento alheio para proveito próprio. Ou não? Se costuma pegar escondido alguma coisa do colega, pior ainda. Está cometendo o ato de roubar uma coisa que não lhe pertence. Mesmo que o pai ou a mãe digam que não tem nada demais colar na prova. Que é sinal de inteligência, esperteza. Ah… mas eu paguei para o colega para colar dele. Pior ainda. Aí é que é corrupção mesmo. Ou não? Veja bem. Falar mal dos grandes corruptos é fácil. Praticar no dia a dia, é mais difícil. Outro exemplo e me responda direitinho. Se o comerciante prometer um preço menor você abre mão da nota fiscal, que arrecada imposto, que vai, ou deveria ir, para o benefício de todos. Pois então, você abre mão da nota fiscal para proveiro próprio?

Português: Ministro do Supremo Tribunal Federa...

Português: Ministro do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa (Photo credit: Wikipedia)

 

Rapidinho antes de terminar.
 

Teste para ver se a gente é corrupto ou não. Responda ao juiz ao lado:

 

1 – Você já falsificou carteira de estudante para pagar meia?

 

 

 

 

 

2 – Sempre declara certinho o Imposto de Renda?

3 – Em caso de troca, sempre dá na quantia certa, mesmo os centavos?

4 – Já usou TV a Cabo com o fio do vizinho?

5 – Tem gato na sua casa? Gato de luz…

6 – Alguma vez já furou fila?

7 – Ou já comprou produto falsificado porque é mais barato?

  Para me ouvir, clique no link abaixo

http://radioagencianacional.ebc.com.br/materia/2012-11-15/um-cada-quatro-brasileiros-pratica-corrup%C3%A7%C3%A3o#.UKTdEAxYY5Q.facebook

Então, tá

Inté e Axé

 

 

 


In Brazil, every year, are diverted at least six billion dollars.

Forty billion, forty thousand  millions, between 2000 and 2008.

It’s give to build 92,000 popular houses. Each year.   

Since these homes are built without the variances, which increase the cost, below, by ten percent.

That is. In the construction of a stadium, a billion, it comes out for a billion and one hundred millions.

This is only the federal government.  

In  the 5560 municipalities, a study found that there is corruption in 73 percent of them.

Among 183 countries, Brazil occupies place number 73 among the most corrupt.

Listen me!

 

http://snd.sc/NTiJ6J

 

O beabá da corrupção aqui no Brasil

No Brasil, a cada ano, são desviados, no mínimo, seis bilhões de reais.

Quarenta bilhões, eu falei bi e não milhões, entre os anos de 2000 e 2008.

Dá para construir 92 mil casas populares. Por ano.

Desde que essas casas sejam construídas sem os desvios, que elevam o custo, por baixo, em dez por cento.

Ou seja. Na construção de um estádio, de um bilhão, ele acaba saindo por um bilhão e cem milhões.

Isto só no governo federal. Nos 5.560 municípios, um estudo apurou que existe corrupção em 73 por cento deles.

 

Image

 

Entre 183 países, o Brasil ocupa o lugar de número 73 entre os mais corruptos.


Brazil, Oct-12-2011

Day of Stop All Thief !

General National Day Against Corruption!

البرازيل أكتوبر
– 12 – 2011 – لص
يوم توقف!

عام باليوم الوطني لمكافحة الفساد!

Brésil, Oct-12-2011-Journée voleur!

Générale de la Journée nationale contre la corruption!

巴西1012- 2011 –天有賊

一般國慶廉政

Brasilia, Oct-12-2011-Day Seis varas!

Kansallispäivä korruption vastaisen Yleiset!

Spain, Oct-12-2011-Día do Pega Ladrón!

Día Nacional contra a corrupción Xeral!

An Bhrasaíl, Deireadh Fómhair-12-2011-Lá thief Stop!

Lá Náisiúnta i gCoinne an Ard-Éillithe!

Brasile, ottobre-12-2011-Day ladro!

Giornata nazionale contro la corruzione generale!

Бразил, октомври-12-2011-Ден Стоп крадец!

Националниот ден на борба против корупцијата воопшто!

Brazylia, paź-12-2011-Dzień złodziej Stop!

Narodowy Dzień Przeciw Korupcji ogólne!

Brasil, Out-12-2011-Dia de Ladrão PEGA!

Dia Nacional contra
uma Geral Corrupção!

Brasil, Oct-12-2011-Dia de LADRÃO PEGA!

Día Nacional contra
un Geral CORRUPCIÓN!

Brazil, Tháng Mười-12-2011-Dia để Pega LADRÃO!

Dia Nacional ngược
a Geral Corrupcão!

Brezilya, PEGA
Ladrão için Ekim-12-2011-Dia!


Gente, hoje eu estou tão feliz.

Folks, today I’m so happy.

Hoje, é o Dia Mundial Sem Carro.

Today, it`s World Car Free Day.

Pego meu camelo (bicicleta) e vou para a luta.

I get my camel (bike) and came to fight.

Moro no Recanto das Emas, Cidade Satélite.

I live in Recanto das Emas, Satellite Town.
Brasilia, capital do Brasil.

Brasilia, the capital of Brazil.

Bem na fronteira com o Goyaz.

Well on the border with Goyaz.

Maior Entorno de Vidas Ultrapassadas.

Major Lives around outdated. 

Primeira pedalada. Dia Mundial Sem Carro. Ela falha.

In the first ride, on behalf of the World Car Free Day, it fails.
Corrente empenada, bem feito, nunca tive carro na vida.

Current warped, well done, I never drive in life.

E, pior, os coletivos estão de greve relâmpago.

Worse, the collectives are in lightning strike.

E o raio sempre cai na minha pobre cabeça.

Alwayss the  lightning strikes in my poor head.

Crasse C o caralho, sou pobre de marré.

C Crass kiss my ass, I am poor of gilts.  

Não me venham as ongueiras, não mais vestidas de chita, agora de carango vermelho, não usam espelho nem para se pentear.

Don’t give me the ongueiras, no more than calico dress, but now little car red, they do not use mirror to comb his hair.

Dia Mundial Sem Carro.

World Car Free Day.  

Acordo meus dois filhos mais a filha, todos abaixo dos cinco anos.

I sing wakup this morning to my two sons and a daughter, all under five.

– Hoje, vocês, meus filhos, vão saber o que é cidadania.

– Today, you, my children will know what is citizenship.
– O que é isto, meu pai Mamcasz?

– What fuck is it, my father Mamcasz?

– É o seguinte: hoje, Dia Mundial Sem Carro, a gente vai de …

– Well done, my little people. Today, World Car Free Day, we’re going by …

– De que, meu pai, de lotação? Obaaaaaa!!!!

– What, my father, stocking? Obaaaaaa!!

– Porra, meus filhos. Olha a cidadania. A gente vai de bicicleta!  

– Damn, my children. Look citizenship. We will ride!

Maior silêncio no barraco nesta manhã Todos Sem Carro.

More silence in my shack this morning All Car Free.

– Mas a gente nunca teve carro, meu pai.

– But we never had a car, my father.

– Por isso mesmo. Cada um na sua bicicleta. Vocês não ganharam a de vocês lá na escola? Não teve a festa de inauguração, todo mundo pedalando, o governador comunista, a secretária petista, o ministrado desinducado, os puxassacos, o escambau.

– Exactly. Each one on his bike. You did not get yours at school? They had the opening party, everyone pedaling, the Communist governor, secretary of the PT, the minister desinducado,  the puxassacos and the escambau?

– Quem, meu pai?

– Who, my father?

– Deixem de brincadeira. Hoje, em nome da sustentabilidade …

– Stop playing. Today, on behalf of sustainability …

– O que?

– What?

– Todo mundo pedalando. Bora, bora, cambada sem mãe.

– Everyone riding. Bora, bora, bunch without mother.

– Meu pai Mamcasz…

– My father Mamcasz.

– Quié, cacete!

– Quié, fuck dammit!

– A gente não tem cidadania. A gente não tem bicicleta.

– We do not have citizenship. We have no bike. No one.

– O que? Já trocaram a bicha por cráqui?

– What? It changed the tail by ace? Cocaine?

– Não, meu pai, o ministro desinducado, o governador comunista e a secretária petista pegaram a bicicleta de volta.

– No, my father, the minister desinducado, the Communist governor and secretary PT took the bike back.
– Duvido-dó! 
Filho meu não mente.

– I don`t beleave, my God. My son does not mind.

– Duvida, meu pai? Então ouça o que  a Rádio Nacional de Brasília, num programa que fala de uma tal de cidadania, já tem uns vinte dias:

– In doubt, my father? So listen to Radio Nacional of Brasilia, in program that speaks of such a citizenship, already has twenty days.

Click here:

http://snd.sc/pQ2LGt

 

Moral:

– É o seguinte, meus filhos. Dia Mundial Sem Carro o cacete. Hoje, só para zonear, a gente vai de van pirata. E tem mais. Cada um vai num Van diferente. João, numa. Maria, noutra. José, na terceira.

– The thing is o seguinte, my children. World Car Free Day, my ass. Today, just for zoning, we’ll van pirate. There’s more. Each one goes in a different van. John, with one. Maria, with another. Joseph, in the third.

– E o Senhor, nossa Pai, conhecido por Cristo, vai pra donde?

– And You, our Lord,  Father, known by Christ, where will go?

– Meus filhos, eu vou é para a puta que pariu.

– My children, I’m going to fucking hell.

– Pai!!!!!!!!!!!!

– Father!!!!!!!!

 http://g1.globo.com/distrito-federal/noticia/2011/09/entrega-de-bicicletas-recolhidas-no-df-foi-um-erro-diz-haddad.html

As fotos, de 1 a 5, são de uso público, da EBC.

O áudio, idem, da EBC.


 Dia 12 de Outubro.

Dez da Manhã.

Em todo o Brasil.

Dia da Criança.

Que está virando Gente Grande rapidinho.

Movimento Contra a Corrupção.

    http://www.movimentocontraacorrupcao.org.br/