junho 2019



Da Série “Poema de Vagar”.

tim lopes by mamcasz

Acordo na madruga com o mano Tim Lopes só sussurrando – difere de só urrando – na beira desta minha polônica orelha. Sou todo ouvido. Não duvido. Sim, divido:

– Polaquinho!!! Só quem brinca com as palavras sabe a graça que elas têm. Cadê o brinco?

Pois então. Acordo no ato. Pulo nos trinques. Olvido o ouvido. No memo, o termo do tempo da Poesia Marginal. Nem Berlim, nem Brasília. Rio da “sêde” matada nas paredes de Santa. “Séde” do Clube do Ócio. Nada de Nado no Ódio. Obrigado. Por tudo, com tudo, contudo, contínuo, “continúo”.

. . .

– Dá-lhe, polaquinho maluquinho do coquinho soltinho!

– Por que não te calas, Tim?

– Qualé?

– Qual é!

– “Uma cadeira vazia no bar…

– Que tem?

– um vazio na gente”!

. . .

Desjejuo lerdo, lento abro meu livro de cabeceira . “A Chama”, do maximorum Leonard Cohen, edição portuga “Relógio D’Água”, página 139, aberto ao acaso, xô ocaso, no poema “DEVAGAR”:

“ Chego quando chegar / Sem sinal de partida” .

. . .

Contínuo, continúo, consoante o acordado. Sou mais a vogal. Do “ah…” ao teu “uh…”.

– Qualé, polaquinho?

– Qual é! No meio tem o i.

– No meio do quê?

– Das cinco vogais sem as quais, mano Tim, nunca irias “brincar com as palavras”.

– O microfone é todo teu. Use-o na vontade.

– Pois sinta.

– Não tô sentido nada.

. . .

Repita comigo. Repila se tiveres peito. Peido no acento. Assento. Senta! Sente? Sinta! :

– Á. É. Í. Ó. Ú.

Outra vez, até adentrar no Ú.

– A. E. I. O. U.

– Qualé, polaquinho?

– Uso isso sempre nos papos poéticos nas escolas de crianças e sempre dá, certo, Tim?

– Falai!

– Falo.

– O meu.

– O teu.

– O nosso pão de cada dia. Te dou hoje…

– E no meio tem o quê?

– O “i”.

– E daí?

– Por que não te calas, Tim?

A. E. I. O. U.

No meio tem o i. Em cima dele tem o que?

– Dele quem?

– Do “i”. Id. Nem Ying nem Yang. O Id. O terceiro ângulo do triângulo. Mata o Mono. Afasta o Duo. Sobrevive o Trio.

– Um é bom, dois é pouco, três … é demais!

– Cala-te, Tim. Este não é o teu estilo. A não ser agora, no eterno etéreo.

– Desculpe, polaquinho. O microfone continua na sua…

– Mão.

A. E. I. O. U.

No meio, tem o i. Em cima dele, o ponto. Sem ele, seria o Nada. Ato contínuo, continúo:

Agora, sem o ponto, pegue o I e estique dos dois lados, cada qual até o Infinito. Direita e/ou Esquerda nas tuas mães mãos.

– Vou dar linha à pipa porque o vento está a favor, polaquinho.

– Fique mais um pouco, Ngrnh d Pstr.

– Cadê as vogais?

– O polaco comeu.

– E o que faço com o ponto que estava em cima do i agora que só estou com a linha nas minhas mãos?

– Nada!

– Mas não tem água.

– Estou no ar.

– Com o quê?

– O pingo do i.

– Cadê?

– Soprei. Só ficou a linha.

– Do trem?

– Então, polaquinho, dê linha linha à pipa …

– Que o vento está a favor.

– E o i?

– Está na tua mão.

– E o ponto?

– Assoprei.

– Não faz isso, polaquinho.

– Isso o que, Tim?

– Não desperdice. Atice. Aspire.

– O que?

– Isto aí.

– Agora, expire.

– O que?

– A fumaça do ponto em cima do i.

– Pronto.

– Respire. Fundo. Mundo, mundo. Vasto…

– Cadê as vogais? Não tô sentindo nada, Tm Lps.

– Passe o microfone, plqnh.

Ah. Alembrei do porquê acordo longe do Face nesta manhã aqui em Berlim-Brasilia-Rio-Bahia. Por causa deste poema nós quase parados na encruzilhada da linha do trem da devida Vida quase Ida. Ouça-me!!!

– Pare! Olhe! Ouça! Passe no passo. Anta, anda. Ande!

– Onde?

– Por aí. Ali. Ouça Alá. Volta Acá. Solte-se Acolá. Ali. Vá!

– Fui, polaquinho. Segura a onda, mano.

– Veja, mano Tim. . De tão “véia”, não vejo mais minha “vêia”. Nem pra remédio. Tô…

– Onde?

– Aqui.

– E daí?

– Daí que não vou.

– Aonde?

– Sei lá. Minha era já era mas continúo, contínuo, aqui.

– E Madame, polaquinho, não te mudou?

– Sim. Vida conjunta. Não só a conta. Afinal, juntamos a junta até o quase nó.

– Entendi.

– O que?

– Nada. Mudou nada, polaquinho. Inté!

– E você, Tim, mudaste? Axé!

This is the End.

Antes que me acabe.

Tá?

Tô!

Aqui.

Fico.

Anúncios

#berlin #berlim #brasilia #brazil #brasil #corrupção #futebol

Papo 02 – Eu esqueço minha “grana” em Brasília. Em Berlim, pego de volta?

Part 02 – I forget my “money” in Brasilia. If I’m in Berlin, will I get it back?

FOTO 1 A

Em Brasília, 19 horas. E assim começa o mais antigo programa de rádio do “Brasil Maravilha”. De chegada, sofro um golpe cibernético. Zeram meu Cartão Alimentação. E aí?

Em Berlim, 4 horas da madrugada. Largo a chave dentro do apartamento do Airbnb. Já no elevador, aterrorizo-me. Lá dentro, meu colete com 3 cartões de crédito e os euros. E aqui?

Pois vamos assim para este primo papo reto entre o pensar germânico e o antagônico brazuka-portuga-latino, este famoso pela corrupção que vai do mendigo ao presidente.

In Brasilia, 19 hours. And so begins the oldest radio program of “Brazil Maravilha”. On arrival from Berlin, I suffer a cybernetic blow, here in Brasília. Anybody stoled all my Food Card. What’s up?

In Berlin, 4 o’clock in the morning. Key inside the Airbnb apartment. Already in the elevator, I terrify myself. Inside the flat, now without the keys, my vest with 3 credit cards and two thousand euros. And now?

Well, let’s go to this first, straight talk between the Germanic thinking and the antagonistic zuca-tuga-latino-ladino, this one famous for the corruption that goes from the beggar to the president.

FOTO 2 SUICIDA

Começo pelo relato de Berlim. Minha acompanhante nos últimos 40 anos esquece o colete com três cartões de crédito e débito internacionais, mais 2 mil euros em espécie (legalmente declarados, no conjunto, na saída em Brasília e na entrada na quase Europa, em Lisboa, a caminho de Berlim). A gente, a caminho do aeroporto de Tegel, madrugada, sem tempo de chamar a host do Airbnb, de origem russo-polônica. Desespero? Não. Realidade. Vamos em frente para ver no que vai dar. As chaves tinha sido deixadas dentro do flat, conforme o combinado, em cima da mesa e ao lado de um bilhete carinhoso e um presente tupiniquim ligado à caipirinha.

Continuo pelo relato em Brasília, depois eu volto para Berlim. Uma semana depois, em casa, capital do Brasil, famoso pelo maior caso de corrupção de todo o mundo, não podia dar outra. Vou ao supermercado para as recompras. Ao caixa, a surpresa. Meu Cartão de Alimentação, Green Card, com saldo acima dos R$1.500,00, economizados, estava simplesmente zerado. Desespero? Não. Realidade brasileira. Registro na política online, nas nuvens, e nos sites da Cielo e do Grupogreencard e na puta que pariu. Sorry. Continuo pretensamente calmo. Afinal, estou de volta ao meu Brasil-Brasileiro-Inzoneiro, onde até o troco ínfimo tem que ser conferido no ato.

FOTO 3 BULOW 01

De volta a Berlim. Quer dizer, Lisboa. Por conta da corrida na confusa baldeação da TAP para Brasília, que exige dez minutos em ônibus lotado, dentro do aeroporto, filas alfandeguísticas, longa caminhada por entre as lojas ditas free e, enfim, dez horas depois deste segundo ato, em casa, Brasília, reabrindo o Whatsapp com a seguinte resposta da por mim chamada “máfia russa”, dona do apartamento alugado na capital do Império Germânico, mais luterano que católico e muito menos ladino, ops, latino, vamos à mensagem, literalmente, sobre o acontecido:

“Hallo Eduardo. Ok. No problem. I will take care of it. Don’t worry!”

Algumas horas depois, chega outro Messanger direto ab Berlin to Brasília:

“Hallo, Eduardo. Everything was there: 3 Credit Card, Passcard, a Key and 2000Euros.”

FOTO 4 BULLOW 02

Pois relato então o lado ladino do meu Cartão Alimentação zerado por obra de quem será, tenho os locais das três compras efetuadas, sem a minha senha, sem o meu cartão, apenas com o natural sem-vergonhice que assolada esta Pátria Que me Pariu, vulgo P.Q.P. Por enquanto, a robótica resposta ao fato apresentado:

“O Grupo Green Card agradece pelo seu contato. Faremos o possível para responder o mais rápido possível.” Pois aguardemos. Oremos. O futuro do nosso Brasil, a quem pertence? Sei lá, porra. Enquanto isso, retroco todas as senhas possíveis e impossíveis. De fato, dois dias passados, apenas, depois de uma série de documentos assinados e mandados, a quantia volta para a conta.

Ao caminhar para manter a saúde física, a mental me alerta a cada curva. São trombadinhas, ladrões, hackers, de todos e em todos os níveis. Do pedinte ao mandante judiciário federal, passando pelo Pai de Todos, quem mesmo, onde está Ele?

– Ele está preso, babaca.

FOTO 4 BULLOW 03

Apesar deste lero que se alonga, adendo dois fatos correlatos. O primeiro, na então comunista República Tcheco-Eslováquia, hoje simplesmente Chéquia. Cidade de Kutna Hora. Minha namorada, atual companheira, esquece debaixo do colchão o colete com 2 mil dólares e os cartões de crédito. Já na Áustria, Viena, casa de um ainda amigo, morando agora em Brasília, pois ele telefona para lá e:

– Hallo. Meus amigos esqueceram umas coisas neste hotel.

– Número do quarto, dia da hospedagem, local exato onde foi deixado.

– Room número 38, debaixo do colchão, lado esquerdo de quem estiver deitado.

– Um momento, vamos verificar.

Hallo?

– Pois sim.

– Encontramos. São dois cartões em nome de … e dois mil dólares vivos. Vamos guardar no cofre do hotel. Quando vão vir buscar?

– Primeiro eles vão ter que tirar novos vistos na Embaixada.

– Tschuss.

FOTO 6 B

Segundo, acontecido há alguns meses, numa das voltas a Brasília. Atendo o telefone, uma pessoa me chama de tio, fala o nome do meu sobrinho, que mora nos Estados Unidos, fala igualzinho, não fale para ninguém, estou chegando de surpresa, mas o carro alugado em Belo Horizonte está enguiçado aqui perto de Cristalina e preciso de dinheiro para o mecânico e pode mandar a ordem na conta, espera um pouco, vou passar para o dono da oficina, a bença, tio. Resultado. Caí de pato.

Na sequência, estilo ladino-latino-tupinico-brasílico, embora morador na Capital do Brasília, com profissão respeitada, faço registro na Polícia Civil do DF, online, internet, coisa de Primeiro Mundo. Tudo escrito: nome, cpf, número da conta e banco e agência e cidade onde foi depositada a grana roubada-ludibriada. Depois, pelo telefone do banco Itaú, registro o fato, para pelo menos alertar sobre o grupo que dá golpe a partir da cadeia, usando conta de laranja. Vamos às soluções:

1 – Email da Polícia Civil Online. Lamentamos não dar sequência ao registro porque o depósito foi feito numa agência fora do Distrito Federal (Brasília). Favor comparecer pessoalmente à delegacia mais próxima da sua residência.

Resultado. Fui à primeira delegacia de Brasília, capital do Brasil, no bairro de classe média aprimorada e me acontece o seguinte, em lá chegando. Desculpe, estamos sem Internet. Mas eu quero apenas registrar uma ocorrência. Nada feito. Volte amanhã. Voltei. A Polícia tinha entrado em greve. Foi coisa de uns três anos. Dancei. Pronto.

2 – No pronto atendimento do banco comercial, o maior do Brasil. O senhor aceitou? Lógico que sim, mas fui enganado. Então, nada podemos fazer. Eu sei disso. Estou telefonando apenas para que vocês fiquem de olho nesta conta tal, do fulano de tal, na agência tal, que pertence a uma quadrilha que age de dentro da cadeia. Apenas para que vocês prestem atenção.

– Infelizmente, meu senhor, nada podemos fazer.

FOTO 7 C

Então, encerro. E aí? Berlim ou Brasília? Pode comentar. Sei que em Portugal está tendo golpe por demais com os brazucas exilados pelo aperto econômico. Mas aí não sei porque só passo correndo. Já chega o pau brasil e a cana de açúcar e o ouro e o dinheiro dos escravos que os portugas levaram do nosso Pindorama. Fico hoje por aqui mas depois eu volto com mais Alemanha, 7 – Brasil, 1.

Heil! Tschuss. Inté! Axé!

Não perca o próximo episódio:

03 – Quantas “tias” cuidam de “uma” criança em Berlim? Em Brasília…

03 – How many “aunts” care for “one” child in Berlin? In Brasilia…

FOTO 8 CRIANCA


#brazil #brasil #alemanha #berlim #futebol #caipirinha #corrupção

001 – Introitus

O que me leva a partilhar este seguido-passado?

What leads me to share this followed-up?

Was bringt mich dazu, dieses Follow-up zu teilen?

001 foto 1a

Eu passo, atualmente, três meses em Berlim e três meses em Brasília. Capitais por iguais aspectos desiguais. Iguais no sorver o dinheiro púbico das regiões produtivas. Iguais por não terem, as duas, Brasíla e/ou Berlim, unidade nacional. São vitrines doutro amálgama exterior.

I currently spend three months in Berlin and three months in Brasilia. Capitals for equal unequal aspects. Equal in siphoning the pubic money from productive regions. Equal because they did not have both Brasilia and / or Berlin, national unity. They are a showcase of another exterior amalgam.

Ich verbringe derzeit drei Monate in Berlin und drei Monate in Brasilia. Großbuchstaben für gleich ungleiche Aspekte. Gleichermaßen, wenn das öffentliche Geld aus produktiven Regionen abgezogen wird. Gleich, weil sie nicht beide Brasilia und / oder Berlin hatten, nationale Einheit. Sie sind ein Schaufenster eines anderen äußeren Amalgams.

Desiguais, bom, conto aos poucos a partir deste ponto. Nas duas, eu habito no sexto andar de classe média – Wilmersdorf, fronteira com Charlotembourg, em Berlim, e Asa Sul, Plano Piloto, em Brasília. Então, siga-me por aí. Será que vai dar 7 a 1? Você é a juíza, pessoa. Então, siga-me, lá e cá.

Unequals, well, I count gradually from this point. In both, I dwell on the sixth floor of the middle class – Wilmersdorf, bordering Charlotembourg, in Berlin, and South Wing, Pilot Plan, in Brasilia. So, follow me around. Will it give 7 to 1? You are the judge, person. So, follow me, there and here.

Ungleichungen, nun, ich zähle allmählich von diesem Punkt an. In beiden wohne ich im sechsten Stock der Mittelklasse – Wilmersdorf, dort an Charlotembourg angrenzend, und im Südflügel, hier Pilotplan. Also folge mir herum. Wird es 7 zu 1 geben? Du bist der Richter, Person. Also folge mir hin und her.

001 foto 2a

Esta sequência nova, Berlim-Brasília, é de uso e distribuição públicas, cite-me ou não, falta-me não faz, depende do lado do campo em que você pensa estar. Isto pode ser acompanhado, entre outros, pelas comunidades abaixo e acima, adentro e afora, por aí, nesses tempos hodiernos de rede, ai que saudades da minha sob o coqueiral da Bahia:

This new sequence, Berlin-Brasília, is of public use and distribution, quote me or not, lack me does not, depends on the side of the field in which you think you are. This can be followed, among others, in the following places, nowadays network times, there I miss my under the coqueiral of Bahia:

Diese neue Sequenz, Berlin-Brasília, ist von öffentlicher Nutzung und Verbreitung, zitiert mich oder nicht, fehlt mir nicht, hängt von der Seite des Feldes ab, in dem Sie denken, Sie sind. Daran kann man unter anderem an folgenden Stellen, heutzutage Netzzeiten, verfolgen, da ich meine unter dem Coqueiral von Bahia vermisse:

001 foto 3

Blog do Mamcasz:

https:mamcasz.com

Com meus olhos verás Berlim:

https://www.facebook.com/polacomamcasz/

Na nossa página no Facebook:

https://www.facebook.com/eduardo.mamcasz

Com meus olhos verás Praga:

https://www.facebook.com/tchecomamcasz/

Je vous salue, Paris:

https://www.facebook.com/Je-vous-salue-Paris/

Também nos grupos de brazukas dos quais, entre outros, participo:

Brasileiros em Berlim que ninguém conta:

https://www.facebook.com/groups/860430980693917/

Brasileiros em Praga:

https://www.facebook.com/groups/BrasileirosEmPraga/

Brasileiros em Portugal que ninguém conta:

https://www.facebook.com/groups/847680595440252/

Brasileiros em Paris:

https://www.facebook.com/groups/13775565692/

001 foto 4

Pare. Olhe. Escute. E me diga na sequência à frente:

02 – Eu esqueço minha “grana” em Brasília. Se em Berlim, pego de volta?

02 – I forget my “money” in Brasilia. If I’m in Berlin, will I get it back?

03 – Quantas “tias” cuidam de “uma” criança em Berlim? Em Brasília…

03 – How many “aunts” care for “one” child in Berlin? In Brasilia…

04 – Em Berlim, deixo o “lixo” para o mendigo. Em Brasília, nein.

04 – In Berlin, I leave the “trash” for the beggar. In Brasília, nein.

05 – Prédio invadido em Berlim tem “normas”. Em Brasília, tem?

05 – Building invaded in Berlin has “rules”. In Brasilia, have it?

06 – Em Brasília, só tem mulher “pelada”. E em Berlim, pode?

06 – In Brasília, there are only “naked” women. And in Berlin, is´t possible?

07 – Cobrador na “catraca” tem mais em Berlim ou em Brasília?

07 – Does the “ratchet” collector have more in Berlin or Brasília?

001 foto 5a

Heil! Inté! Tschuss. Axé!