paris monnaie by mamcasz

Voila my 15 “seconds” of international fame. The name of this polish from Ponta Grossa, unpaved street, no sewage or treated water wholesale piá of worms, killed by constant hunger thin polenta, just out on the sign of the Mint in Paris. It’s nothing, it’s nothing, but it is almost everything. I just sinned by pride hunger for fame. Sic transit gloria mundi, do whatever. A bientôt, brown tupiniquim tribe. Au revoir.

paris monnaie ok

Voilá meus 15 “segundos” de fama internacional. O nome deste polaco de Ponta Grossa, da rua sem calçamento, sem esgoto nem água tratada, piá atacado de verminose, da fome matado pela constante polenta rala, acaba de sair no letreiro da Casa da Moeda em Paris. Não é nada, não é nada, mas é quase tudo. Acabo de pecar pela soberba fome de fama. Sic transit gloria mundi, fazer o que. A bientôt, parda tribo tupiniquim. Au revoir.

paris monnaie 03 by mamcasz

Voila mon 15 “second” de renommée internationale. Le nom de cette polonaise de Ponta Grossa, rue non pavée, ni réseau d’égout ou d’eau traitée Piá gros de vers, tué par la faim polenta fine constante, vient de sortir sur le signe de la Monnaie de Paris. Ce n’est rien, ce n’est rien, mais c’est à peu près tout. Je viens de péché par orgueil faim de gloire. Sic transit gloria mundi, faire autre chose. A bientôt, tribu de Tupiniquim brun. Au revoir.

http://youtu.be/B_JIK8rYERo

Anúncios

Image

 Foi só eu pensar neste Natal (Joyeux Noël) em Paris, por conta da premente necessidade de recuperação das horas paradas na frente do pensamento, eis que recomeço a receber mensagens do além oceano Atlântico:

 –  Bonjour monsieur Mamcasz.

–  Bom dia!

– Je suis Alexandre, votre chauffeur a Paris, qui remplace Jean-Paul. Enchanté de faire votre connaissance.

 Se não fora pelos camembert,  beaujolais e baguetes, tem ainda o jeito carismático do falar. Eu estou encantado de poder vos conhecer. De faire votre connaissance. Eis um dos muitos motivos que me levam a passar  outro Noël de novo em Paris, mon amour. E a forma como se despedem no escrito:

 – A très bientôt. Bien cordialement, viste, meu rei?

Image

 Pelo citado, referência merecida ao Monsieur Jean-Paul. Nosso chauffeur antigo em Paris. Na primeira vez, levei a ele o Cd Duplo 100 anos de Frevo no Brésil. Noutra vez, um CD do Borguetinho.  E chega a resposta, depois da apresentação do novo motorista porque ele, Jean-Paul agora está aposentando: “Une autre vie commence pour moi et mon épouse… maintenant cést le repos, les voyages, la détente.” E me devolve o amigo parisiense anos já passados:

 Je ne vous oublie pas, j’ai beaucoup aimé votre gentillesse, votre contact humain, j’écoute souvent les CDs de musique traditionelle brésiliene que vous mávez offert. Je vous remercie pour votre grande amabilité.

 – Qué isso, mon cheri amigo Jean Paul. Se estiver em Paris, vamos tomar aquele vinho juntos. Eu, vous, votre épouse e, bien sûr, notre Madame.

 – Bien cordialement mesmo…

Image

Onde ficarei, pardon, ficaremos, moi e Madame, neste Natal, em Paris? Uma única exigência. Perto da Rue Daguerre por conta da passage de pedestres, da loja de vinhos, do ponto dos frutos do mar, da bagueterie na porta de casa, do pequeno mercado, do fromage. Ah. Em cima de uma estação de metrô, aliás, uma das 380 que existem a partir de 1.900. A casa de sempre não está mais à disposição alheia. Portanto, a mais próxima aparece pelo Airbnb. Um dia antes da ida:

– Vous arrivez demain, mon petit Manzinho! J’imagine que vous avez deja l’adresse et ma….

E Madame France, a dona, com minha ficha em Praga e Buenos Aires, também replica:

 – Bonjour.

– Bom dia, madame. Na saída, posso ficar até seis da tarde, por causa do avião?

– Monsieur Mamcasz.

– Sou eu.

– Je vous fais confiance et pas de check out. Vous n’ aurez qu’à laisser les clefs dans l’appartement et claquer la porte em partant. Je ne serai em France à partir du 27.

– Pour moi, tudo bem, Madames.

Image

Pois então. Tem vários lados esta moeda. Primo pela confiança. Mútua. Depois, pela dó que dá em fechar a porta em despedida. Um bilhetinho e uma lembrança, do Brasil, em cima da mesa. A casa mais limpa de quando chegamos. Foi isto que escreveu depois a menina hospedeira em Praga.

E, finalmente, a saudades que dá, a caminho do Charles de Gaule, com o mesmo chauffeur. A lembrança dos códigos que abrem a porta da rua, do jardim e do prédio. O número do telefone. O código de acesso à Internet. Banda larga de verdade. Ah. E o de antes, quer dizer, de agora, porque estou no quase saindo daqui para Paris. 

 – Alguma coisa aqui do Brasil, fique à vontade.

 A resposta de Madame France, um bijous:

 – Je veux bien que vous nous apportiez du soleil et un peu de chaleur!

Image

 Por sinal, no áudio agora me encanta Monsieur Rufus Wainwright, em Complainte de la Butte, cantando isso:

– Petite mendigotte… Je sens ta menotte… Qui cherche ma main

Só falta o discípulo de Leonard Cohen me dizer:

– Bon voyage, Monsieur Mamcasz et Madame aussi.

http://musica.com.br/artistas/rufus-wainwright/m/complainte-de-la-butte-2/letra.html

https://clubedeautores.com.br/book/156311–BIOGRAFIA_DE_UMA_GREVE#.UrRCx_RDtuo

 

 


Image

A mi-chemin il y a une pierre
A mi-chemin il y a une perte
A mi-chemin il y a une pierre
A mi-chemin il ya une perte
La troisième perte –
Je remplis mon sac
Et je lance la pierre
Contre qui, qui, qui?

D’autre encore:

No meio do caminho encontro uma pedra
No meio do caminho encontro uma perda
No meio do caminho encontro uma pedra
No meio do caminho encontro uma perda
Na terceira perda
Eu encho o saco
Lanço uma pedra
Em quem, quem?

Image

A mi-chemin j’achoppe sur une rose
A mi-chemin j’achoppe sur la prose
A mi-chemin j’achoppe sur une rose
A mi-chemin j’achoppe sur la prose
La troisième prose –
Je garde la pierre
Conduis une perte
Adresse cette rose
Et puis je me perds dans la prose
Avec qui, qui, qui?

D’autre encore:

No meio do caminho esbarro numa rosa
No meio do caminho esbarro numa prosa
No meio do caminho esbarro numa rosa
No meio do caminho esbarro numa prosa
Na terceira prosa
Recolho as pedras
Espanto as perdas
Estendo uma rosa
Inflo o meu papo
Me perco na prosa
Com quem, quem?

Image

 No meio do meu caminho sempre tem uma Paris.

Amém!!!

EM

EM (Photo credit: Lukas834)


Image

 Hoje Madame me lava, mente e corpo, acalenta meus pensares, e me leva para uma Buenos Aires que só ela conhece e da qual sigo proibido de fornecer as coordenadas.

Adianto que a região, micro, é chamada de Vila Freud, tem palacetes e restaurantes bacanas, adonde, três séculos passados, era  enorme fonte de miel de cana.

Image

Prima parada, dois jarrito de café solo, un cigarrito, por supuesto, dia agradavelmente frio, o mesmo do final do dia, acrescido de um quadradito de lemon, que bom.

Lojas e silêncio e limpeza e pessoas e visuais todos dos tempos em que Buenos Aires era de fato a Paris da América Latina, até o almoço no Estanciero, numa Báesz.

Image

Entonces, primos e primas, para quem ofendido se fez com minhas críticas de antes sobre a outra Buenos Aires da parte vista no correndo dos turistas, hoje vai a parte linda.

Pois me siga nas fotos, bairro não nominado, que continue assim, apenas dos portenhos mais ferrenhos, ao som imaginário do Carlos Gardel do escrito por Luis Miguel:

Image

Acaricia mi sueño
El suave murmullo
De tu suspirar…

Image

Como rie la vida
Si tus ojos negros
Me quieren mirar…

Image

Y si es mío el amparo
De tu risa leve
Que es como un cantar…

Image

Ella aquieta mi herida
Todo todo se olvida…

Image

El día que me quieras
La rosa que engalana
Se vestirá de fiesta
Con su mejor color…

Image

Y al viento la campanas
Dirán que ya eres mía…

Image

Y locas las fontanas
Se contarán su amor…

Image

La noche que me quieras
Desde el azul del cielo…

Image

Las estrellas celosas
Nos mirarán pasar

Y un rayo misterioso
Hará nido en tu pelo…

Image

Luciérnaga curiosa
Que verá que eres
Mi consuelo!!!

Image

Democracia é o direito da tua voz ser ouvida mesmo que anonimamente!

 


Vinte anos passados sem  aconchego na vizinha argentina.

Troco-a por mil paragens  – From Alaska to Jerusalen.

Agora, eis-me pronto para mi Buenos Aires.

Luzes de alerta contra minha vontade.

Medo de Buenos Aires Numa Boa.

Image

Twenty years  without snuggle my neighboring argentina.

For a thousand other stops – From Alaska to Jerusalen.

Now , here I am ready for my Buenos Aires.

Whith warning lights on the top of my will.

  To enjoy Buenos Aires on very nice.

Image

Diferente dos tempos em que Buenos Aires se dizia a Paris das Américas.

E do ódio dos portenhos ao mundo  chamar de a capital do Brasil.

Eis algumas luzes de alertas acesas nesta pré-ida:

Evite as noturnas paragens de El Caminito.

Boca e Constituición na barra pesada do sul.

Palermo Soho, melhor que o curta na luz do dia.

Fotografar o fundo da alma da cidade, nem pensar.

Há trombadinhas espertos que te levam tudo no nada sentir.

Mesmo assim, pretendo curtir Buenos Aires Numa Boa.

Image

– Descobrir os matizes do inexistente Barrio Norte.

– A caminho do Barrio Chino a parada no Jardim do Parreda.

– Lunes, 18h30m, Mis tardes con Gardel. Libre e gratuido.

– Os recitais de graça na Casa de Cultura da Recoleta.

– O vinho tinto do Fin del Mundo patagônico.

– Caminhares nos passos de Sábato, Gombrowicz, Leopoldo e Pizarnik.

– Caminhar ao lado de Borges da casa dele à biblioteca municipal.

– Na Galeria Guemes virar personagem do Cortázar e acordar na Galeria Vivienne em Paris.

– Passar no quarto do Federico Garcia Lorca.

– Conversar com Exupery no quarto a escrever o Voo Noturno.

– Degustar o argentino criollo na forma do mondongo.

– Os assados com gosto de carne dos gauchos.

– Algumas milongas portenhas de bairros com partidas de truco.

E o melhor de tudo:

Curtir Buenos Aires Numa Boa

ao lado de Madame…

A statue of Gardel outside the Abasto Market i...

A statue of Gardel outside the Abasto Market in Buenos Aires, near where he grew up (Photo credit: Wikipedia)

Mi casa é tu casa, polaco, canta-me Gardel http://www.buenosaires.gob.ar/areas/cultura/museos/dg_museos/gardel%20_patio_arrabal.htm

Florales Generica na Buenas Moderna

https://www.facebook.com/pages/Ba4uapartments-Holiday-Apartment-Rentals/71690619509?id=71690619509&sk=photos_stream

O Museu do Larreta a caminho do Bairro Chino prum pisco no bar peruano

http://museos.buenosaires.gob.ar/larreta.htm

Panorama of Buenos Aires.

Panorama of Buenos Aires. (Photo credit: Wikipedia)


Hey folks, the devil August is coming!!!

 

August, the month of the mad dog. 

 

Because the spear by Julio emperor.

 

 Jealous of another emperor, the Augustus.

 

In Brazil, popping, august chills any  in the Boca of the Povo.

 

Until the memory opaque, mad:

 

Image

 

Olha agosto chegando aí gente!!!

 

Agosto, mês do cachorro louco, praga lança pelo imperador Julio, enciumado doutro imperador, o Augusto.

 

No Brasil, de estalo, agosto arrepia qualquer mandante na Boca do Povo.

 

Até pela lembrança opaca, louca.

 

22 de Agosto:

 

Presidente Juscelino Jubitscheck, o nosso JK, morre num atentado na Via Dutra,

 

de carro, SP em direção ao Rio.

 

Image

 

24 de Agosto:

 

Presidente Getúlio se mata, com um tiro na cabeça, no Palácio do Catete, no Rio.

 

Deixa a carta-testamento.

 

Image

 

25 de Agosto:

 

Presidente Jânio Quadros renuncia .

 

Sete meses depois de derrotar, nas urnas, o grande JK. 

 

Image

 

Mas agosto, com certeza, pega alguém,

 

pela mão da Morte, de surpresa, sempre:

 

Dia 2  de agosto:

 

Morre Hinderburgue e Hitler assume o Poder no lugar dele.

 

Dia 6 de agosto:

 

Estados Unidos jogam boma atômica em Hiroshima, no Japão,

 

e genocidam 200 mil pessoas, civis.

 

Dia 8 de agosto:

 

Presidente dos Estados Unidos, Nixon, renuncia depois de várias cagadas.

 

Dia 16 de agosto:

 

Morre o Rei Elvis Presley.

 

Dia 16 de agosto:

 

Morre Robert Johnson, rei do Blues, após o pacto com o Diabo.

 

Dia 18 de agosto:

 

Morre Gengis Khan, mongol, por onde passava nem a grama nascia mais.

 

Dia 21 de agosto:

 

Morre Leon Trotsky, com um golpe de picareta na cabeça, no México,

 

a mando do genocida Stalin, da Rússia.

 

Trotsky reading the Militant in 1931

Trotsky reading the Militant in 1931 (Photo credit: Wikipedia)

 

Dia 31 de agosto:

 

Morre, num acidente de carro, em Paris, perseguida pela imprensa,

 

Lady Diana, no carro do amante árabe,

 

a avó do atual bebê real da Inglaterra.

 

Pergunta final:

 

Quem vai se finar neste mês de agosto de 2013, hein?

 

 

 


With the arrival of harsh winter in Paris, the French government put into effect a law that prevents eviction until March 15. It is not to increase the population sleeping on the streets, which today can reach 150 thousand. This is the most cruel face of the Euro Crisis. Learn more.

Governo proíbe despejo em Paris até 15 de março

Com a chegada do inverno rigoroso em Paris, o governo francês põe em vigor a lei que impede despejo até 15 de março. É para não aumentar a população que dorme nas ruas, que hoje pode chegar a 150 mil. Esta é a face mais cruel da Crise do Euro. Saiba mais.

Le gouvernement interdit l’expulsion à Paris jusqu’au 15 Mars

Avec l’arrivée du rude hiver à Paris, le gouvernement français a mis en vigueur une loi qui empêche l’expulsion jusqu’à ce que Mars 15. Il ne s’agit pas d’augmenter la population de dormir dans les rues, qui, aujourd’hui, peuvent atteindre 150 000. C’est le visage le plus cruel de la crise de l’euro. En savoir plus.

Para ouvir, clique abaixo:

http://www.ebc.com.br/noticias/internacional/galeria/audios/2012/11/governo-frances-proibe-despejo-ate-15-de-marco

 

 Script Completo

Quem não paga aluguel em dia não pode ser despejado até o dia 15 de março do ano que vem. É o que manda a nova lei e vale desde o dia primeiro deste mês de novembro. Tudo por causa da crise financeira que atinge principalmente as camadas mais pobres da população. Mas atenção. Isto vale só para quem mora na chique Paris. Não é aqui para nosso pobre Brasil. Então, vamos nessa?

 …

 Pois esta é a primeira notícia que eu trago dos quinze dias que acabo de passar em Paris, a cidade mais cara da Europa. É a crise do euro. A gente está acostumado a receber as notícias da macroeconomia, das medidas tomadas pelo Banco Central Europeu, da recompra de títulos públicos desvalorizados, da queda dos índices das Bolsas de Valores e tal. Mas ninguém é da verdade do povo, do aumento das famílias, principalmente monoparentais, ou seja, formadas apenas pela mãe e filhos, que dormem nas ruas em Paris. E agora começa o inverno, com madrugadas chuvosas e a temperatura abaixo de zero. E como é que fica este pessoal que vive nas ruas?

 …

 A lei que impede, desde o dia primeiro, o despejo de famílias que não estão conseguindo pagar o aluguel em dia, em Paris, é chamada de Trêve Hivernale, ou seja, Inverno das Trevas. É uma das maneiras achadas pelo governo francês para evitar que aumente o número de famílias dormindo nas ruas. Até porque 118 mil famílias, desde o começo do ano, em Paris, foram despejadas. A maioria faz parte da população de 150 mil pessoas que dormem nas ruas da capital francesa. Acontece que, numa operação de emergência, por causa do inverno rigoroso que está começando, o governo de Paris arrumou 19 mil novas vagas, pagas por ele, em hotéis baratos da perifieria ou em albergues, alguns improvisados. Com estas novas vagas, o total chega hoje a 83.000. Só tem o seguinte. A necessidade é de 150 mil. Dois mais dois, 67 mil pessoas continuam dormindo nas ruas em Paris. Palavra do Samu francês e também da Federação Nacional das Associações de Recolhimento e Reinserção Social da França.

E só para terminar a prosa indigesta de hoje porque amanhã tem mais, trazida diretamente de Paris. E por que isto acontece na cidade mais chique do mundo? Simples. A crise do euro. O desemprego. A queda da renda. Principalmente dos emigrantes dos países em pior situação, como a Grécia, Espanha e Portugal, que imigraram em Paris, que está na fase de contenção de despesas públicas.

Então, tá

 

Inté e Axé.