Central Bank of Brazil announces new series of commemorative coins of World Heritage Cities. This time, City Goyaz. Unlike the dissemination of historical currency last year, 2011, this time at the launch, the Central Bank of Brazil placed the author of the verses of poetry, criminally omitted by the Copyright Act, the first time. Cora Coralina, a great Brazilian poet-goiana forgotten. Learn the whole story.

                        Cora Coralina.

                       Eu a conheci, conversei com ela, ao vivo, na Casa da Meia Ponte em Goyaz Velho City. A Patativa do Cerrado. Voz sumida, tal quantas fora do eixo Rio-Sampa, o de sempre. Pois agora, ela faz parte de uma moeda do Banco Central do Brasil. Peso: 27 gramas. Custo: 180 reais. Tiragem inicial (15-11-12) 2 mil e tiragem máxima de 10 mil.Os especialistas vão jogar com ela. Aliás, com ela, não. Com a cidade de Goiás, antiga capital meso-bandeirantes paulista caçadores de “bugres”. Cidade considerada Patrimônio da Humanidade. Desde 10-12-2001. Daí explico melhor. Ano passado, ao anunciar o fato, o Banco Central do Brasil colocou, no projeto de moeda, trecho da poesia da Cora Coralina, mas sem colocar o nome dela. Crime de lesa pátria. Roubo pior que o do mensalão do dito ora condenado. Daí, me rebelei aqui neste mesmo blog. Curta a primeira moeda e o post dantão e já volto.

Saiba exatamente como foi a lambança na prima volta burocrática federal. Clique abaixo.

https://mamcasz.com/2012/03/29/banco-central-do-brasil-rouba-poemas-de-cora-coralina/

E leia agora como foi a reação burócra-oficial na época . Clique de novo no velho.

http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2012-03-31/alertado-por-redes-sociais-bc-vai-incluir-nome-de-cora-coralina-em-moeda-comemorativa

                    De volta aos dias de hoje. O Banco Central do Brasil anuncia, solenemente, o lançamento da moeda comemorativa da cida patrimônio de Goiás, para mil  Goiás Velho, linda na noite dos faracocos, Quinta-feira dita santa, quantas não aprontei, meia-noite saem os azuis e os vermelhos à procura do Cristo, eis que surge o Judas, delação premiada, a cidade apagada, às escuras, tochas dos faracocos (Idade Média, meu). Voltando da rápida viagem. Pois bem. Na moeda de agora, o nosso Banco Central do Brasil, pois bem, parabéns, coloca a assinatura da grande Cora Coralina nos versos.

Agora, se tiveres a fim, clique abaixo e saiba a notícia mais atual

http://mail.terra.com.br/105.0trr/reademail.php

id=49910&folder=Inbox&cache=78B6C89C39C97141AD54355E0ABF4E3230B1408A17@SBCDF155.bc

           – Se já comprei a moeda? Que nada. Reservo a poupança para um bolo de arroz no Mercado Municipal, ou quiçá uma pamonha salgada com leve pimenta, doce de jaca da dona Jacira, pé-de-moleque do Dindo. Banco Central? Prefiro o da pracinha, coreto, picolé de coco ralado. Qualé,mané. Só fiz foi chamar a atenção dos burocratas que estavam roubando o conhecimento alheio. Corrupção incontida noturna.

Português: Casa de Cora Coralina - Cidade de G...

Anúncios

O Banco Central do Brasil decretou, nesta data, intervenção no Banco BVA S.A., com sede na cidade do Rio de Janeiro, em decorrência do comprometimento da sua situação econômico-financeira e do descumprimento de normas que disciplinam a atividade da instituição.O Banco BVA detém apenas 0,17% dos ativos do sistema financeiro e 0,24% dos depósitos, com 7 (sete) agências localizadas nos estados do Rio de Janeiro, Minas Gerais e São Paulo.

The Central Bank of Brazil declared on this date, intervention in Banco BVA SA, based in the city of Rio de Janeiro, due to the impairment of its financial situation and violation of rules that regulate the activity of the institution.Banco BVA holds only 0.17% of the financial system’s assets and 0.24% of deposits, with seven (7) agencies located in the states of Rio de Janeiro, Minas Gerais and São Paulo.

O Banco Central está tomando todas as medidas cabíveis para apurar as responsabilidades, nos termos de suas competências legais de supervisão do sistema financeiro. O resultado das apurações poderá levar à aplicação de medidas punitivas de caráter administrativo e a comunicações às autoridades competentes, observadas as disposições legais aplicáveis. Nos termos da lei, ficam indisponíveis os bens dos controladores e dos ex-administradores da instituição.

The Central Bank is taking all reasonable steps to establish responsibility, in terms of their legal oversight of the financial system. The result of the findings may lead to the imposition of punitive measures of administrative and communications to the competent authorities, subject to the applicable legal provisions. Under the law, the goods are unavailable drivers and former managers of the institution.

Brasília, 19 de outubro de 2012
Banco Central do Brasil
Então, tá.
Pra frente, Braziu!!!


Economia brasileira cresce abaixo do potencial: 1,2%

                 Who guarantees is the minutes of the Monetary Policy Committee, released early on Friday (18) by the Central Bank of Brazil. It has more in minutes, with 80 paragraphs and ten thousand words: the international crisis worries, inflation is high, pressed for food and drinks, and monetary measures continue for a sufficiently long period of time. Until now, the economy grews just 1.2%, also due to the “domestic demand, driven by moderate expansion of credit and the growth of employment and income, has been the main factor sustaining the activity.”  Ie.   The thing is ugly.

* * *

Brazilian economy grows below from the potential

Ata do Copom, divulgada na manhã desta sexta-feira (18) pelo Banco Central do Brasil. Tem mais na ata, com 80 parágrafos e dez mil palavras: a crise internacional preocupa, a inflação está alta, pressionada por alimentos e bebidas, e as medidas monetárias continuam por um período de tempo suficientemente prolongado. Até agora, a economia cresceu apenas 1,2%, assim mesmo por conta da “demanda doméstica, impulsionada pela expansão moderada do crédito, bem como pelo crescimento do emprego e da renda, tem sido o principal fator de sustentação da atividade”. Ou seja. Ainda que não pareça, a coisa está feia.

Se quiser, leia a ata completa.

Clique abaixo.

http://www.bcb.gov.br/?COPOM170


 O que o preço do arroz tem a ver com a taxa básica de juros?

Follow my reasoning. At the meeting of the Monetary Policy Committee, Copom, on Tuesday and Wednesday, financial analysts think that the basic interest rate, the Selic, may stop falling, as had been happening since August because of rising inflation. Guilt rice. And why? Foods are pressing. The accumulated since January, the price of rice rose 18.14%. Inflation 3.77%. Only in September, the increase in the price of rice was is 8.21%. Strength inflation upwards. Me “sigue” (Follow me!). 

Acompanhe meu raciocínio. Na reunião do Comitê de Política Monetária,Copom, nesta terça e quarta, analistas financeiros acham que a taxa básica de juros, a Selic, pode parar de cair, como vinha acontecendo desde agosto, por causa da subida da inflação. Culpa do arroz. E por que? Alimentos estão pressionando. No acumulado desde janeiro, o preço do arroz subiu 18,14%. A inflação, 3,77%. Só em setembro, o aumento no preço do arroz foi é de 8,21%. Força a inflação para cima. Me “sigue”.Quer dizer. Primeiro me ouça, pessoa:

http://soundcloud.com/mamcasz/pre-o-do-arroz-tem-a-ver-com-a

 

 ( Grãos de arroz trabalhados por mim em forma de caleidoscópio )

Veja bem. A inflação está um ponto acima do centro da meta traçada pelo governo e deve terminar o ano nos 5,70 por cento. Enquanto isto, o Copom vinha baixando a Taxa Selic, que está em sete e meio por cento ao ano. Tanto inflação quanto Selic continuam as mais altas do mundo. Tem analista achando, então, que na noite desta quarta-feira, no final de mais reunião do Copom, a taxa básica de juros para de cair e fica como está, tudo por causa da inflação, que não pode, de jeito nenhum, terminar dezembro acima do teto da meta, ou seja, seis e meio. E o arroz com isso?

Rice up close

Pois então. Esta subida dos preços das coisas, ou seja, da inflação, em setembro se deu justamente por causa do aumento nos preços do alimentos, tudo muito acima da média final da inflação. Aí é que entra o tal do arroz nosso de cada dia. Preste atenção. Em setembro, a inflação foi de 0,57% e o aumento do arroz foi de 8,21 por cento. Isto mesmo. No acumulado desde janeiro, inflação de 3,77 e aumento do preço de arroz de 18,14 por cento. Nos últimos doze meses, inflação de 5,28 e aumento de arroz de 21 por cento. Pior ainda. O feijão subiu 18 por cento no mesmo período. O frango, só em setembro, 4,66 por cento. Olha só o preço do prato básico na mesa do brasileiro. 

Histórico da Taxa Selic

Histórico da Taxa Selic (Photo credit: Wikipedia)

 

 E por que o arroz pode atrapalhar a queda dos juros básicos, a taxa Selic? Simples. Ele é a causa maior do aumento da inflação que, para ser controlada, o Comitê de Política Monetária costuma aumentar os juros para diminuir o consumo para ter mais produto para baratear o preço das coisas. E não tem arroz por que? Aí sim. Teve seca na Rússia e Estados Unidos, diminuiu a quantidade de arroz, o consumo subiu, o preço lá fora ficou melhor e o Brasil, só exportando o arroz que era para ficar aqui dentro. Lá fora pagam melhor. E os vizinhos do Mercosul que sempre venderam arroz para a gente? Mesma coisa. Preferem vender na Europa do que para o Brasil que, aliás, também faz o mesmo. A colheita de arroz brasileiro caiu de 13 para 11 e ainda assim o Brasil exporta dois milhões de toneladas.

 Inté, arroz com feijão.

Axé.


Banco Central está de olho nos pequenos

Os testes feitos pelo Banco Central, no primeiro semestre, também indicam, no Relatório de Estabilidade Financeiro, a continuidade na liquidez de crédito, até dezembro. Mas alertam que os pequenos bancos continuam a ser olhados de perto, principalmente na questão do capital próprio abaixo dos 11% exigidos. E o teste de estresse comprovou que, caso aconteça algum tipo de problema maior, muitos dos bancos pequenos não se aguentam em pé. Na verdade, 17 deles.

 

(Trabalho em cima da foto oficial do prédio do Banco Central em Brasília)

In addition to growth, the tests conducted by the Central Bank in the first half, also indicate, Financial Stability Report, the continued liquidity of credit until December. But it warned that smaller banks continue to be looked at closely, especially the issue of equity below the 11% required. And the stress test proved that if some problem happens more, many small not withstand standing.

Então me ouça,pessoa.

Clique.

http://soundcloud.com/mamcasz/bc-est-de-olho-nos-pequenos 


O Relatório de Estabilidade Financeira, divulgado pelo Banco Central do Brasil, dá nota quase positiva para o desempenho da economia no primeiro semestre. Mas acende alguns sinais de alerta. Aumento da inadimplência é um deles. O outro, a preocupação com a crise financeira na Europa.

Os técnicos explicam que o relatório está de olho no risco sistêmico, especialmente à sua dinâmica recente e o grau de resiliência a eventuais choques na economia brasileira. Complicado, né? Nem tanto. Traduzindo para o português da esquina.

RESILIÊNCIA é a capacidade de superar obstáculos ou resistir a pressões adversas sem entrar em surto. Pensando na economia. Por exemplo. É o Brasil continuar calmo diante da crise financeira na Europa. Tanto que o relatório do Banco Central, na página 15, lembra o seguinte, do jeito como está escrito:

“Faz-se oportuno ressaltar que o cenário externo continua sendo acompanhado, a fim de evitar que eventual deterioração da crise internacional afete negativamente a economia doméstica.”

 

Direto para o relatório. A inadimplência aumentou, sim senhor, por causa, principalmente, dos financiamentos para compra de carro.Com isso, houve maiores despesas de provisão e redução do lucro líquido. Traduzindo. Os bancos aumentaram a reserva contra calote e com isso diminuiram os lucros. Que mais? Houve elevação de 1,2 pontos percentuais no endividamento das famílias, alcançando 43,4% da renda disponível. Precisa traduzir isto? 43,4 por cento da renda das famílias já estão comprometidas com endividamentos feitos e com dificuldade de serem pagos. Ou seja. Maior estrésse.

Agora me ouça, pessoa:

http://soundcloud.com/mamcasz/economia-quase-passa-no-teste

Link para o relatório completo do BC:

http://www.bcb.gov.br/htms/estabilidade/2012_09/refP.pdf


Primeiro, a notícia, do jeito que saiu. Banco Central reduz a zero o depósito compulsório nos depósitos à vista. Não foi bem assim. Reduziu foi o adicional, que era de 12, tinha caído para seis e agora é zero. Nos depósitos à vista. Agora, o principal. O que é mesmo este tal de depósito compulsório e o que isto tem a ver com o teu bolso?

$ $ $

 Depósito compulsório é o seguinte. No final de cada expediente, cada banco tem que deixar no Banco Central, sem mexer, e nem ganhar nada com isso, 43 por cento da média diária dos saldos dos depósitos que tenham sido feitos, pelos clientes, à vista. Isto,continua. Repetindo. Além disto, o banco tinha que depositar, compulsoriamente, sem ter escolha, no Banco Central, em espécie, mais seis por cento de adicional. Isto caiu.

$ $ $

E nos casos de depósitos a prazo, tipo poupança, como é que fica? Fácil. Continua valendo a ordem do banco depositar 20 por cento da média diária dos saldos. Mas aqui fica a pergunta. No caso dos depósitos à vista, o banco não me paga nada por isso. No caso do depósito a prazo, ele paga. Se tem que colocar 20 por cento no Banco Central, quem paga? Neste caso, o Banco Central pega este dinheiro, usar no rural ou no imobiliário, e paga para o banco pagar para o cliente. Ah… neste caso a prazo, o adicional caiu de 12 para 11 por cento. Ou seja. O banco, além de 20 por cento da média dos saldos, não pode usar mais 11 por cento disso.

Então me ouça, pessoa.

http://soundcloud.com/mamcasz/bancos-t-m-390-bilh-es-no

(Foto desfocada do Banco Central em Brasília, com destaque para o ipê amarelo)