Nature Goddess!

Give me the time to party – summer –

And to stand – just saw it.

Give me the time for falling leaves

Crooked branches, nine-out

And so, to start the almost-nothing.

* * * * *

Deusa Natureza!

Dai-me o tempo de festa – verão –

E do repouso – viram?

Dai-me o tempo das folhas secas,

Galhos tortos, noves-fora,

Recomeçar do quase-nada. 

Image

Listen Me Escute:

https://soundcloud.com/mamcasz/minha-prece-pascoalina

Deusa Natureza!

Dai-me o poder  de  remover torres,

Mares e bobos sonhos :

Ser viril na ternura de um Chico de Assis

No sermão desolado da montanha

De entulhos e bagulhos.

* * * * *

Deusa Natureza!

Dai-me o milagre da multiplicação das  palavras.

Que elas instiguem nas crianças

O distante reino dos céus,

Reafirmem a decisão de malhar o Judas,

E justifiquem a intenção de crucificar  de novo o velho  Cristo.

ovo de pascoa by mamcasz

Deusa Natureza!

Dai-me o entendimento desta minha dupla convivência:

– Qual dos dois – Cristo ou Judas – ocupa

Uma cadeira vazia no bar,

Um vazio na gente?

Nesta idade, pessoa,

Às vezes,  sou um mini homem dileto,

Noutras muitas, um super rato discreto.

* * * * *

Deusa Natureza!

Dai-me  um tempo

Para continuar sendo aquilo ou isto

Judas ou Cristo –

Insisto –

Mesmo que eu durma com o Diabo

E com  o Deus,  na mesma lama,

Ou que amanheça por entre as Madalenas,

Caifás, Pilatos, Herodes, Marias,

Ou mesmo Dimas, o bom –

Qual era mesmo o nome do mau ladrão?

Image

Naturaleza Diosa!

Dame la voluntad de en el robo

Yo sea bueno,

De principio a fin.

Y luego me resucita el santo de mí

Decantado de las cenizas al viento,

* * * * *

Deusa Natureza!

Dai-me a vontade de mesmo no roubo

Na força eu ser  bom,

Do começo ao fim.

E depois, ressuscite o santo, de mim

Decantado das cinzas ao vento,

Desde que  eu  continue, no fundo,

Sendo sempre aquilo ou isto,

Judas ou Cristo.

* * * * *

Deusa Natureza!

Dai-me a certeza do retorno,

Na forma de pássaro no arco-íris plantado

Para que eu possa cantar para alguém,

Mesmo que somente para mim,

Um retumbante Hallelluya. 

* * * * *

Deusa Natureza!

Dai-me um Ovo de Páscoa

Que na duvidosa placenta de vida

Da gema renasça, por encanto,

Isto ou aquilo.

É o que mais desejo.

Sinceramente, deste  teu

Cristo, mesmo que Judas.

Image

Eduardo Mamcasz, 

Poeta Quase-Zen.

 Boa Páscoa.

Amém.

Clique e me ouça, tá?

https://soundcloud.com/mamcasz/minha-prece-pascoalina

Anúncios

Deusa Natureza!

Dai-me o tempo de festa – verão –

E do repouso – viram?

Dai-me o tempo das folhas secas,

Galhos tortos, noves-fora,

Recomeçar do quase-nada.

*  * *

Deusa Natureza!

Dai-me o poder de remover torres,

Mares e bobos sonhos :

Ser viril na ternura de um Chico de Assis

No sermão desolado da montanha

De entulhos e bagulhos.

*  * *

Deusa Natureza!

Dai-me o milagre da multiplicação das palavras.

Que elas instiguem nas crianças

O distante reino dos céus,

Reafirmem a decisão de malhar o Judas,

E justifiquem a intenção de crucificar de novo o velho Cristo.

* * *

Deusa Natureza!

Dai-me o entendimento desta minha dupla convivência:

– Qual dos dois – Cristo ou Judas – ocupa

Uma cadeira vazia no bar,

Um vazio na gente?

Nesta idade, pessoa,

Às vezes, sou um mini homem dileto,

Noutras muitas, um super rato discreto.

*  * *

all-by-mamcasz (3)

*  * *

Para me ouvir clique abaixo

http://www.podcast1.com.br/programas.php?codigo_canal=1618&numero_programa=36

* * *

Deusa Natureza!

Dai-me um tempo

Para continuar sendo aquilo ou isto

Judas ou Cristo –

Insisto –

Mesmo que eu durma com o Diabo

E com o Deus, na mesma lama,

Ou que amanheça por entre as Madalenas,

Caifás, Pilatos, Herodes, Marias,

Ou mesmo Dimas, o bom –

Qual era mesmo o nome do mau ladrão?

* * *

Deusa Natureza!

Dai-me a vontade de mesmo no roubo

Na força eu ser bom,

Do começo ao fim.

E depois, ressuscite o santo, de mim

Decantado das cinzas ao vento,

Desde que eu continue, no fundo,

Sendo sempre aquilo ou isto,

Judas ou Cristo.

*  * *

flor by mamcasz

*  * *

Deusa Natureza!

Dai-me a certeza do retorno,

Na forma de pássaro no arco-íris plantado

Para que eu possa cantar para alguém,

Mesmo que somente para mim,

Um retumbante Hallelluya.

* * *

Deusa Natureza!

Dai-me um Ovo de Páscoa

Que na duvidosa placenta de vida

Da gema renasça, por encanto,

Isto ou aquilo.

É o que mais desejo.

Sinceramente, deste teu

Cristo, mesmo que Judas.

Amém!

*  * *

Eduardo Mamcasz, Poeta Quase-Zen.

* * *

Agora, s.v.p, leia meu livro.

Clique no linque abaixo.

https://clubedeautores.com.br/book/142772–Pombal_de_Gente_Inacabada

Feliz Páscoa!

Feliz Páscoa - by Mamcasz (2)


Clique abaixo e ore junto comigo:

http://snd.sc/Hnd0Uw

Minha Prece   Pascoalina

Dai-me o tempo de festa – verão –

E do repouso – viram?

Dai-me o tempo das folhas secas,

Galhos tortos, noves-fora,

Recomeçar do quase-nada.

*  

Dai-me o poder  de  remover torres,

Mares e bobos sonhos :

Ser viril na ternura de um Chico de Assis

No sermão desolado da montanha

De entulhos e bagulhos. 

*

Dai-me o milagre da multiplicação das  palavras.

Que elas instiguem nas crianças

O distante reino dos céus,

Reafirmem a decisão de malhar o Judas,

E justifiquem a intenção de crucificar  de novo o velho  Cristo. 

*   

Dai-me o entendimento desta minha dupla convivência:

– Qual dos dois – Cristo ou Judas – ocupa

Uma cadeira vazia no bar,

Um vazio na gente?

Porque  nesta idade, pessoa,

Às vezes,  sou um mini homem dileto,

Noutras muitas, um super rato discreto.

 

Dai-me  um tempo

Para continuar sendo aquilo ou isto

Judas ou Cristo –

Insisto –

Mesmo que eu durma com o Diabo

E com  o Deus,  na mesma lama,

Ou que amanheça por entre as Madalenas,

Caifás, Pilatos, Herodes, Marias,

Ou mesmo Dimas, o bom –

Qual era mesmo o nome do mau ladrão? 

*

Dai-me a vontade de mesmo no roubo

Na força eu ser  bom,

Do começo ao fim.

E depois, ressuscite o santo, de mim

Decantado das cinzas ao vento,

Desde que  eu  continue, no fundo,

Sendo sempre aquilo ou isto,

Judas ou Cristo. 

*

Dai-me a certeza do retorno,

Na forma de pássaro no arco-íris plantado

Para que eu possa cantar para alguém,

Mesmo que somente para mim,

Um retumbante Hallelluya.

*

Dai-me um Ovo de Páscoa

Que na duvidosa placenta de vida

Da gema renasça, por encanto,

Isto ou aquilo.

É o que mais desejo.

Sinceramente, de  teu

Cristo, mesmo que Judas.

Eduardo Mamcasz

Poeta Quase-Zen

 Páscoa – 2012 

Amém!


–  Ninguém vai bater no meu povo, não !!!

Um padre anônimo.

No faroeste de Goyaz.

Ao vivo na Globo.

Corre à porta da igreja.

Destranca os cadeados.

Abre a porta do templo.

Antes de tocar o único sino

Na amena torre qual Cristo

Ele proclama ao rebanho:

–  Ninguém vai bater no meu povo, não !!! 

– Podem entrar!

Entramos.

A cena não é roteiro de cinema não.

É real.

Acontece no  Velho Oeste do Brazil.

 Santo Antônio do Descoberto.

Goyaz.

Entorno do Distrito Federal.

O rebanho obra o dia inteiro em Brasília, a 50 km.

E se aboleta de noite, passada a ponte esburacada.

Fronteira México-Estados Unidos.

Tão  Inferno.

Quão perto do Céu.

Esplanada dos Mistérios.

Praça dos Podres Poderes.

Hoje, o pau quebra.

De um lado o povo.

No meio, a praça.

Do outro, os meganhas goianos  dão porrada.

O prefeito David Leite provoca na rádio comunitária:

É coisa de meia dúzia …

É gasolina de otário.

O secretário de Insegurança de Goyaz, à distância, 150 km, inflama: 

– Isto é desobediência civil!!! 

Melhor que ele leia antes Henry David Thoreau (1849). 

DESOBEDIÊNCIA  CIVIL  JÁ  !!!

http://thoreau.eserver.org/civil.html

P.S.

No final do dia, o padre Marcelo Freitas, este é o nome dele,  do Santuário Santo Antônio, com a negra batina, agora um ser midiático nacional, fala o seguinte ao G1:

 

“Pedi negociação,

 pedi para conversar e dialogar com a polícia.

 Disse que se eles quisessem fazer algum ato,

mesmo que fosse de direito do Estado,

que não fosse dentro do terreno da igreja

 porque eu não dava essa autorização”.

 

Bem no estilo dos falecidos padres dominicanos na época da repressão, dos finados  freis Beto e Leonardo Boff,  dos bispos Evaristo Arns, Helder Camara e outros ex-santos teólogos da libertação. É, não se faz mais PT como antigamente.

Para ver o padre do faroeste brasileiro, clique abaixo:

 http://g1.globo.com/brasil/noticia/2011/01/nunca-tinha-visto-uma-guerra-diz-padre-sobre-conflito-em-cidade-goiana.html


                        Hoje, sábado de Hallelluya, o dia é só de Judas, certo ?

                        Por isso, durante a semana, nós, fantasmas unidos na confiança (Rio, Brasília, São Paulo, Tabatinga, São Luís) corremos um abaixo-asinado eletrônico através do qual afixamos nossos Judas (Xis 9) para serem devidamente  malhados na manhã deste sábado (03-abril-2010).

                        A nossa malhação particular, embora de caráter coletivo, tanto está sendo física quanto mentalmente, desde que em uníssono e a partir das dez horas desta manhã, antes, pois,  da  dita ressurreição a que todos nós teremos direito em data ainda que futura do presente.

                       Decidimos também, nesta mesma assembléia, secreta aos alheios e porventura escolhidos para serem sempre malhados, que  todos desonraríamos os eleitos mesmo que não houvesse algo pessoal que  justificasse a malhação, levando-se o prioritário do coletivo de nós.

                       

                       Mas quem é mesmo este  traidor  que, infelizmente, pode ser qualquer um de nós?

                      Estou falando do Cristo: traído, dedurado, vendido, torturado,   pregado vivo numa cruz, ao lado de dois ladrões, sendo um dele mau e o outro, bom… o Dimas permanece no inconsciente latino.

                       Pois Judas, o Iscariotes, é o mesmo que na Santa Ceia está quase junto dele, o Chefão, de quem ganhou um beijo no rosto, a la siciliana, e por um motivo muito do pragmático:

                        Judas é simplesmente o tesoureiro de campanha da turma do Zé da Galiléia. Tanto entendia de multiplicação do dinheiro (alem de peixes e pães), que vendeu o Cristo, por debaixo dos panos (cueca,  sutiã, meia ou túnica) por trinta dinheiros da época (teria sido delação premiada?).  Afinal, Cristo era o maior subversivo caçado pelos ianques romanos invasores da Palestina.

                         Tesoureiro de campanha – pode? –   independente de partido ou inteiro, aloprado ou inzoneiro, panetônico ou cachaceiro, mesmo que na falta de um Cristo, neste caso trocado por qualquer mau ladrão – acontece … –  pois ele te lembra quem,  nos perdidos dias atuais?

                           Por isso, a minha parte estou fazendo, neste momento, na mente uníssona a de um monte de colegas, ou seja, estou desejando, firmemente, do fundo do meu id,  o mal a quem nos faz o mal. Está lá na Bíblia:

                           ” Quem com ferro fere, com ferro será ferido”.

                       Só tem uma coisinha que me deixa com a cabeça perturbada neste negócio de hoje malhar o Judas,  antes que eu me purifique através da ressurreição, ou quiçá sumiço, para passar meus tempos de exílio na Índia, antes de seguir depois,  sempre escondido,  para a Capadócia a fim de me reunir ao mano João, à mãe Maria e à minha amada Madalena, até porque meu pai Zé já tinha ido de verdade.

                       E que coisa é esta?

                      Preste bem atenção neste sermão proibido a garotinhos que o papa alemão diz serem frutos de lorotas. Aliás, por que a malhação hoje é só do Judas? E por que não de Pedro, que traiu Cristo por três vezes e depois saiu dando uma de galo, tanto que virou o primeiro Papa-Chefão, mesmo depois de ter cantado pros meganhas romanos:

                      – Este cara? Nunca vi mais pelado que nem agora, aqui no Getsemani. Faz o que quiser com Ele (Jota Cristo) que não tô nem aí. E aí, Judas, tudo bem contigo? Tem dois paus pra eu aí?

                     Moral do sermão de hoje:

                      Em glorificando, pela malhação, a pessoa que me feriu, durante o ano,  estou mais é endeusando quem, hoje, na falta do outro, retirado da cruz e enterrado (vivo?), está sendo lembrado como um verdadeiro Deus-Rei, representante do Belo Anjo Lucifer (aquele que transporta a luz), que tentou dar um golpe no Paraíso, de onde foi expulso fisicamente mas continuou aprontando através de Eva (a desobediente), Caim (o pistoleiro), Judas (o tesoureiro) e tantos outros defensores do Reino do Mal (o vizinho). A malhação, portanto, é uma homenagem.

                             Então?

                             Já malhaste o teu Judas particular hoje?

                             Cuidado para não ferir a ti mesmo!

                           P.S. Este sermão de hoje foi escrito por uma pessoa que um dia foi chamado de Frei Hélio Maria Ofmcap, ou seja, eu mesmo. Duvidas? Na foto, sou o primeiro da direita:


Para ouvir minha mensagem de Boa Páscoa, clique abaixo:

http://www.podcast1.com.br/programas.php?codigo_canal=1618&numero_programa=36

*

Deusa Natureza!

Dai-me o tempo de festa – verão –

E do repouso – viram?

Dai-me o tempo das folhas secas,

Galhos tortos, noves-fora,

Recomeçar do quase-nada. 

*

Deusa Natureza!

Dai-me o poder  de  remover torres,

Mares e bobos sonhos :

Ser viril na ternura de um Chico de Assis

No sermão desolado da montanha

De entulhos e bagulhos.

*

Deusa Natureza!

Dai-me o milagre da multiplicação das  palavras.

Que elas instiguem nas crianças

O distante reino dos céus,

Reafirmem a decisão de malhar o Judas,

E justifiquem a intenção de crucificar  de novo o velho  Cristo.

*

Deusa Natureza!

Dai-me o entendimento desta minha dupla convivência:

– Qual dos dois – Cristo ou Judas – ocupa

Uma cadeira vazia no bar,

Um vazio na gente?

Nesta idade, pessoa,

Às vezes,  sou um mini homem dileto,

Noutras muitas, um super rato discreto.

*

Deusa Natureza!

Dai-me  um tempo

Para continuar sendo aquilo ou isto

Judas ou Cristo –

Insisto –

Mesmo que eu durma com o Diabo

E com  o Deus,  na mesma lama,

Ou que amanheça por entre as Madalenas,

Caifás, Pilatos, Herodes, Marias,

Ou mesmo Dimas, o bom –

Qual era mesmo o nome do mau ladrão?

*  

Deusa Natureza!

Dai-me a vontade de mesmo no roubo

Na força eu ser  bom,

Do começo ao fim.

E depois, ressuscite o santo, de mim

Decantado das cinzas ao vento,

Desde que  eu  continue, no fundo,

Sendo sempre aquilo ou isto,

Judas ou Cristo.

*

Deusa Natureza!

Dai-me a certeza do retorno,

Na forma de pássaro no arco-íris plantado

Para que eu possa cantar para alguém,

Mesmo que somente para mim,

Um retumbante Hallelluya. 

*

Deusa Natureza!

Dai-me um Ovo de Páscoa

Que na duvidosa placenta de vida

Da gema renasça, por encanto,

Isto ou aquilo.

É o que mais desejo.

Sinceramente, deste  teu

Cristo, mesmo que Judas.

Amém!

Eduardo Mamcasz, Poeta Quase-Zen.

 

Boa Páscoa – 2010.