Falência múltipla de órgãos.

E assim se vai mais um amigo antigo.

 Dividíamos cachaça e informações nos tempos da dita-dura.

Generais-presidentes.

Coronéis porta-vozes.

Ele pelo Estado de São Paulo.

Eu, pela Folha de São Paulo.

Setoristas na Presidência da República.

Palácio do Planalto. Brasília e viagens.Muitas.

Agora, incinerado, todo pó, embarca de vez.

Boa Viagem.

Augusto símbolo dos tempos em que repórter, bom…

Ainda era repórter.

Obituário.

Roubado do Cláudio Humberto:

        

                                     Foto roubada do Correio Braziliense.
 
                                    Em homenagem aos tempos em que a gente roubava …
                                    informações dos milicos e tentava publicar nos jornais.
 
                                    Gozado…
                                   O Estadão continua CENSURADO!!!
                                   Até amanhã.

 

 

Anúncios

                        Estava eu conversando um assunto rotineiro de falação do óbvio que está acontecendo  aqui na Rádio Nacional quando o colega me faz um sinal discreto e muda de assunto ao se aproximar de uma pessoa que faz de tudo para se parecer querida.
                     – Cuidado que ela é uma X-9.
                    X-9? Pois fui à pesquisa. No fato, trata-se do  Secret Agent X-9, um personagem de histórias em quadrinhos criado em 1934 por Dashiell Hammett (autor de The Maltese Falcon) e pelo desenhista Alex Raymond (famoso autor de Flash Gordon) e que chegou ao Brasil na década de 40 e viveu até 96.
                        Só com isso fiquei nas nuvens sobre o motivo da colega citada em questão ser uma X-9 e do porque diante da aproximação dela se deva mudar de assunto sem que ela perceba.
                      Pois perguntei diretamente (não a ela porque contesto mas não sou burro e sim ao dito colega de mútua confiança):

                    – O que é X-9?
                       Resposta presente no dicionário:
                       X9 é uma pessoa colega cagueta, dedo-duro, traira …

 

                     Daí que pesquei na hora a letra do rap do Cidinho e Doca chamada Fogo no X-9:

“ Por isso
Fogo no X-9
Da cabeça aos pés
Pega o álcool e o isqueiro
(Quero ouvir geral)
Fogo no X-9
Bonde da Vintém
É paz, amor e muita fé. “

                        E pensar que o fim da nossa Rádio Nacional começou em 1964 quando, no Rio, uns colegas X-9 entregaram pros milicos da ditadura então neném uma porção de funcionários gente-fina, do faxineiro até o artista-mor, o Mário Lago. Isto não aparece na Comissão da Verdade.


Leia no Observatório de Imprensa.

Profissão, Jornalista.

Jornalistas numa baita de uma encruzilha.

Eduardo Mamcasz

Diretório Acadêmico

Clique a seguir:

http://observatoriodaimprensa.com.br/artigos.asp?cod=555DAC002


  JORNALISTAS    NA  ENCRUZILHADA

A história da sindicalização dos jornalistas brasileiros começou na década de 30,  século passado,  a reboque das benesses do governo da época, no caso, do então ditador Getúlio Vargas, que concedeu a jornada de cinco horas diárias e tentou, sem êxito, em 1938, criar escolas superiores que permitissem uma profissionalização, com diploma, que só foi alcançado noutra ditadura, esta militar, em 1969, e derrubado agora, em 2009, no final de um governo democrático de viés popular.

 

Muros de Brasília - photo by Mamcasz

A partir de 1950, os jornalistas brasileiros passaram da fase dita de boemia para a sindicalização que acompanhou o processo de industrialização brasileiro, com a transição das Associações de Imprensa regionais para os Sindicatos, embora, no âmbito nacional, a Associação Brasileira de Imprensa -ABI – tenha mantido presença marcante, a partir do golpe de 1964, quando os sindicatos dos jornalistas ganharam juntas interventoras, até decair novamente, em termos de participação nacional, desde o impeachment do primeiro presidente civil eleito depois dos militares.

 

Muros de Brasília - photo by Mamcasz

A reação dos jornalistas brasileiros voltou a acontecer na década de 70, com a retomada dos Sindicatos por nomes de peso, a exemplo do Distrito Federal, onde entrou Castelinho (famoso colunista Carlos Castelo Branco), seguida de lutas enormes contra a censura, pelas Diretas Já para presidente,  de protesto por mortes de jornalistas,  o caso maior foi o de Vladimir Herzog, na prisão política em São Paulo, encerrado este ciclo com a realização de  greves de jornalistas que tinham apagado do imaginário de toda uma geração esta forma de luta de classe, ainda que corporativista.

 

Muros de Brasília - photo by Mamcasz

Finalmente, advindo o processo de transição para a democracia (saída dos militares, chegada do primeiro presidente civil eleito indiretamte – Sarney –  e afastamento do primeiro eleito diretamente – Collor), os jornalistas se encontram agora numa encruzilhada, na fase pós Informática,  perdendo cada vez mais espaço para blogueiros, lobistas, comunitários, ongueiros, assessores e outros estranhos no ninho, o mesmo acontecendo com o sindicalismo e seu envolvimento partidário, não mais político, com   preferência pelo singular  PT – CUT, e se distanciando cada vez mais   do centro da meta da maioria da classe.

 

Muros de Brasília - photo by Mamcasz

Em síntese, a classe dos jornalistas brasileiros está sem rumo, desunida, desinteressada e sem bandeira, perdida diante de investidas como o fim da exigência do diploma ou da malsucedida criação do Conselho de Comunicação Social, sofrendo da ausência de bandeiras comuns de luta e de nomes brilhantes para modernizar o movimento sindicalista do jornalismo brasileiro. 

 Enfim, devido à opção pelo singular e não pela ação pluralística, que envolva a maioria, o sindicalismo brasileiro referente aos jornalistas está nas mãos de meia dúzia que diz representar os interesses de milhares de profissionais que preferem o silêncio dos inocentes.

O que vai sair disso, ninguém sabe, nem quando, e muito menos onde.

 

Muros de Brasília - photo by Mamcasz

Boca no Trombone

 Eduardo Mamcasz

 

( Jornalista profissional sindicalizado desde 1977, primeiro no Rio depois em Brasília,  formado na UFRJ,  com passagens nos jornais O Globo, Folha de São Paulo e EBN-EBC, entre outros. Este texto foi preparado para o TCC (Trabalho de Conclusão de Curso), a pedido, por uma turma duma Faculdade de Comunicação em Brasília, quer dizer, no Distrito Federal, porque na cidade de Taguatinga. )

 

 


 
                     O palco do desenrolar deste relato de dramas constantes se situa num encontro de fantasmas da Família Nacional (ler Evangelho 5), de madrugada, no ainda hoje encardido e tombado calabouço onde funcionaram os primeiros cinema, rádio e televisão de Brasília (ler Evangelho 6), no começo da W-3 Sul, inaugurado às oito da noite do dia 4 de Junho de 1960, pelo presidente Bossa Nova, o JK, que desceu do novíssimo Simca-Chambord aos primeiros acordes do Hino da Pátria que nos pariu sob a batuta do maestro Radamés (ler Evangelho 7), seguido do show famoso Ermelindo (ler comentário 8), todos saídos direto da Praça Mauá, número sete, no Rio, via Avenida Brasil.
                      Mas falando neste Ermelindo, então artista principal da Rádio Nacional, com mais cartas de ouvintes do que votos para o presidente, acontece que, quatro anos depois, e seu fantasma está hoje aqui entre nós para confirmar, entregaria nas garras dos gorilas (ler Evangelho 9), os 61 profissionais da Rádio Nacional do então Rio por ele considerado subversivos,  sem contar outro astro daquela mesma noite, o Dilermando (ler Evangelho 10), que encantara a todos com a versão candanga do Peixe-Vivo (ler Evangelho 11), o Mário,  que depois foi salvo pela Dercy, o Dias, o Gracindo, o Walter, e até o Ovídio Chaves, que o Ibrahim Sued chamava de Carlos Machado (do teatro das mulatas de Revista) dos Pampas e que por causa deste filho da puta do César foi preso pelos milicos e sabe o que fizeram com ele, conta aqui pra gente:
fantasma 01
                          – É o seguinte, gente. Eu era da Rádio Nacional. Fui então preso por crime de opinião e por isso torturado pra caralho, literalmente, taí o Fausto Wolf que não me deixa mentir,  mesmo depois de morto. Daí,  eles fizeram o seguinte comigo. Botaram meus colhões dentro de uma gaveta e fecharam assim de repente. Puta que pariu, nunca senti dor pior do que aquela. Mas agora confesso que fui salvo mesmo é por causa de outro milico, amigo do meu pai, o general Cordeiro de Farias. Porra, vamos mudar de assunto, cambada?

 


                      – Cala a boca desta levada, Juscelino (ler  Evangelho 19),   senão você também volta a levar porrada,  mesmo que  já tenha passado  por este calabouço da Rádio Nacional,  agora encardido, numa madrugada fria,  travestido de popular, o mulato motorista no lado direito do banco do carro pedido emprestado, cagando de medo dos milicos descobrirem, pois haviam proibido o seu pisar qualquer outra vez em Brasília, e você saía escondido de seu sítio em Luziânia, seu médio médico me contou, na Zona do Ponto Zero. Mas isto foi  na sua vida passada, porque, agora,  tanto faz, somos donos,  outra vez,  das famosas asas da liberdade e, por estarmos mortos, não precisamos nem mesmo de Panteão (ler  Evangelho 20) e muito menos da morada provisória no Campo (cheio) de Esperança (ler  Evangelho 21).
PLACARADIO
                     Aqui, neste encontro, que se confirme em ata, caro Juscelino, continuas herói da Rádio Nacional, até porque pediste ao Israel (ler  Evangelho 22) que se fizesse de zonzo diante da primeira invasão de sem-teto acontecida em Brasília, a nova capital,  cometida por um grupo de colegas nossos, aqui presentes sem mais necessidade de teto ou terra, num tempo em que ainda havia espaço para tanto, ao contrário do amigo Inácio , morto por doses maciças de cachaça que o levaram a subir de Editor-Chefe da Sucursal do Jornal do Brasil a Bêbado-Oficial do Repórter Nacional (ler Evangelho 23), com primazia  para dormir na calçada aqui em frente, debaixo do pé de manga, junto à guarita de entrada. hoje modificada mas  que levava o fictício nome de Luís Otávio, o Tenente (ler  Evangelho 24) só porque tentou matar o então presidente Zé do Sarney ( ah… os fantasmas nunca morrem, ditava Bond, o James).