fevereiro 2011



 Who gets the Oscar this year, Brazil or England?

Answer in the bush: the English, of course.

 Vick Muniz or Banksy?

 Neither competes.

The films are about them and not “theirs”.

* * *

Quem leva o Óscar deste ano, o brasileiro ou o inglês?

Respondo na bucha: o inglês, lógico.

Vick Muniz ou Banksy?

Nenhum dos dois concorre  a chongas.

O filme é sobre eles e não “deles”.

Primeiro,  o filme Through The Gift Shop, da Inglaterra.

Fala do grafiteiro anônimo, o  Banksy. Um artistão.

 

 

Do outro lado, tem o  brasileiro Vic Muniz.

O filme que fala dele,  e que concorre ao Oscar, é:

Waste Land, de Lucy Walker, da Inglaterra.

Faz sucesso em Nova Iorque e tal.

Saiu do lixão da baixada carioca.

Ainda bem que não parou no Presídio de Bangu. 

 

 

Última palavra:

Waste Land está sendo traduzido como Lixo Extraordinário.

Vá ser otimista assim no Reino do Carvalho.

Waste Land quer dizer

 TERRA   DESTRUÍDA.


1)      –  O  deputado federal Francisco Everardo Oliveira Silva, o Tiririca (PR-SP -CE ), é   indicado pela liderança do partido ( Republicano?)  para integrar a comissão de EDUCAÇÃO e Cultura da Câmara dos Deputados Federais.

A clown who won a seat in Brazil’s Congress by a landslide has stayed true to his former profession by messing up his first vote. Francisco Everardo Oliveira Silva, better known by his clown name Tiririca, had pledged to back the government’s austerity proposal for a new national minimum wage in a crucial vote on Wednesday night 

 

2)      –  No final de  2010, a Líbia é eleita para o Conselho de Direitos Humanos da ONU.  

Em 2008, o país é aceito no Conselho de Segurança da dita cuja.

 

 

3)      –  Enquanto isto, em São Paulo, o mesmo PT, amigo de Fidel-Chavez-Irã-Farc-Kadaffi,   se ajoelha para levar no orifício, finge  não perder um fio  anal,  no caso dos 545 de mínimo nacional, e exige agora 845 de piso regional.

 Estou ou não  liberado para balbuciar um:

– Puta que pariu, meu Deus, Alah, Jeovah, Shiva,  o escambau.

E fodam-se os cristãos,  porque são estes os que mais me sacaneam no meu dia-a-dia.

 


                        Ao contrário da assessora da Dilma, que só a conhece pela Internet, já passei umas quatro vezes por Toritama, a caminho de Santa Cruz da Capiberibe ou Nova Jerusalem

                      Entreposto de venda   de sulanca, roupas de péssima qualidade, mas baratas, feitas na região, sem impostos porque expulsaram, literalmente, o caminhão da Receita estadual.

                        Ninguém tem Simples nem Complicado, nem carteira assinada ou CNPJ, porque quem não recebe a aposentadoria rural do INSS tem a bolsa esmola do governo, ou as duas.  

                       Agora,   Ibotirama, esta fica na Bahia, na estrada para Brasília, no meio da plantação de soja dos paulistas que adentra o Piauí, deixando todos sorrindo sem dentes na boca.

                       Pois é esta Toritama,  horrível, maior lixão nas nascentes do rio Capiberibe, que provocou a primeira bronca em público, sem finesse, por parte da presidente Dilma.

                 “Dilma falava sobre a importância de fomentar cooperativas e pequenos negócios de acordo com a vocação de cada região. Resolveu citar uma cidade de Pernambuco com experiências bem-sucedidas na área de confecção de roupas.

               “Ibotirama?”, disse em tom de dúvida e olhou para o governador pernambucano, Eduardo Campos. “Toritama”, assoprou o colega de bancada.

                “Eu falei para vocês que não era Ibotirama!”, explodiu a presidente. “Vocês vejam o que é uma ótima assessoria”, continuou, em uma tentativa de ironia. “E eles acharam esse Ibotirama sabe onde? Na internet.”

                (Carolina Freitas, de Barra dos Coqueiros – SE)”

               Ah. Ibotirama, ops, Toritama fica no agreste de Pernambuco, na mesma região de Caetés, esta com certeza tu conheces de ouvir falar, isn’t, visse, cabra da peste?


 

Levo maior susto hoje à tarde quando o jornal da TV Globo diz o seguinte:

– E vamos agora para as últimas notícias da Líbia…

E me aparecem cenas do Morro do Escondidinho, Belo Horizonte, Minas Gerais.

O povo queimando ônibus, botando a Polícia Mineira para correr.

E sendo morto pela PM.

Juro…

Daí, vou para a Líbia.

O ditador Kadafi, amigo de Lula, Chaves, Morales e otros latrinos más, discursa:

Uni, Duni, Tê…

– Vou pros braços do Chaves ou do Lula?

– Dilma me aceita de volta?


     Depois da caminhada pelo eixão, na parte boa de Brasília, abro nesta manhã de domingo o meu grande jornal paulistano, deixou de ser a Folha, que está fazendo 90 anos, já trabalhei nela, tenho a manchete que consegui com ” Abertura Lenta e Gradual”, alguém se lembra disso?

    Vou direto, por estranho que pareça, para a página do horóscopo, na parte dos capricornianos que encostam a bunda na parede, apontam os chifres para a frente, dane-se o mundo que não me chamo Raimundo, mas Eduardo, que no anglo-saxão quer dizer “homem forte e bom”

 

  “Guarde em silêncio tuas agudas observações a respeito das pessoas.

Neste momento, ninguém tem condição de compreendê-las.

Por isso, elas acabam te causando problemas.

Então, guarde em silêncio tuas agudas observações.

Um dia, quem sabe,  tu podes fazer uso delas,  no futuro.”

 

         

          Esta foto tem tudo a ver com meu horóscopo de domingo. Eu a tirei na minha penúltima viagem pelos Estados Unidos. Em Chicago, terra natal do Obama, mas com um crioulo numa situação bem diferente da dele.

        Apesar da figura morar na parte Sul de Chicago, a dita mais violenta, porque a mais pobre, ou seria o diferente, o negão está pedindo esmola no começo da Magnificent Mile, a parte mais chique da cidade que controla, através de sua Bolsa de Valores de Cereais, o preço do alimento no mundo inteiro.

        E o texto do cartaz escrito a carvão diz o seguinte:

 

 I’m J.I.H.

Please help me.

I’m hungry.

 

       Daí que joguei meu horóscopo deste domingo no lixo e continuei lendo o livro que a estagiária Carmem me emprestou, em troca do Direito à Preguiça, que lhe destinei.

     O  livro da iniciante nas lides jornalísticas fala dos segredos do Lao Tsé, apresentados pelo filósofo Sérgio Cortella, que diz o seguinte, já no intróito:

 

“Há, hoje, uma certa “miserabilidade” nas nossas vidas.

 Claro que  não tem nada a ver com a condição financeira.

É que não nos distanciamos do amargo sabor da monotonia repetitiva.

Não rompemos com o eventual conforto dessa miserabilização cotidiana.”

 

 


  Congressista de plantão!

*

Vendo minha alma

Pede-se preço bom

 Até porque o corpo

 Não é + promoção

*

( Reajuste parlamentar:  62%

Reajuste dos mínimos: 6,2% )

*

“Cá entre nós, eu votei com o povo.  Afinal, quem foi que me colocou aqui?”

Deputado Tiririca ao justificar o voto no salário mínimo de 600  reais.

Então, fica a pergunta. O palhaço quem é?

É o ladrão? É a mulher?

Ih! Esqueci a letra.

 


Próxima Página »