Acordo nesta manhã fria, cá na ilha, no sinal da W3 Sul.

Entre o Pátio Brasil e o Setor Comercial Sul.

É uma passagem intensa de forasteiros.

A maioria vinda além Satélite, porque Entorno.

Como sempre, do meu conforto, eu os observo.

Mas hoje eu fiquei mal com o DEUS deles.

Que as amigas carolas o dizem JUSTO.

Além disso, completo, ele é um GRANDE …

 Explico-me melhor.

No meio dos forasteiros, uma pessoa deficiente.

Mal das duas pernas e do único braço.

Baloiçando sua miséria ao vento seco.

A caminho do subemprego na capital federal.

Um balé da miserabilidade humana.

              Acompanhado de acordes burguezes dissonantes.                                       

                                                                                                               Ao toque do sinal de aviso do quase verde chegando,

O miserável de Dostoiévsky então força o falso passo.

A mãe honesta, cristã, terço dependurado nos peitinhos,

Engrena a marcha, ameaça acelerar; ela tem pressa.

A cria está atrasada para a escola marista.

Olho feio para ela, indico o miserável

Que se contorce na pista para chegar à calçada.

Ela bufa, nervosa, range os dentes cremados.

Não aguento e cuspo na cara da puta cristã:

                                                                                                                      – DEUS É UM CARA MUITO DO INJUSTO !!!

                                                                                                                                            – Blasfemo! Anátema! Judio!

 Deus é justo, caridoso e muito do fiel.

Repilo a coroa que se ejeta do carro e repito:

                                                                                                                   –  DEUS seria JUSTO se tivesse proteseado tuas pernas

naquele miserável ali

e implantado as deformadas dele

neste teu corpicho.

                                                                                                           Moral do lero:

                                                                                                            Graças a Deus, a  tia   exibe um belo par de coxas. 

Anúncios

 

Tô aqui atento no discurso da CNN.

O velho ditador do Egito, Osni Mubarak.

Aliado dos sionistas de Judá e dos luteranos gringos.

Que nem Cleópatra dando descarada pros romanos.

Mais enrolão que o Lula no meio do Mensalão Aloprado.

E o povão só comendo areia pelas narinas.

Enterrem logo o bicho numa das pirâmides.

 

 

Daí que vendo a odalística camaleoa acima, que me raptou, penso:

Primeiro:

Ninguém fala dos ditadores chicano-cubanos?

Matam de fome os opositores a menos (!).

Segundo:

Existe Deus, no lato sensu?

Deus-Alá-Jeová-Shiva-Exu, o escambau.

Tá tudo do lado dos ditadores.

E o povão, ó, só no inferno.

Nesta e na outra vida.

– Por que o céu é só  prá bacana do poder?

Daí, fico  +  puto ainda com  a política babona em rede na TV.

Ainda bem que acaba de cair uma chuvasca aqui em Brasília.

Vou prá minha janela e vejo este retrato da alma.

Não dou graças porque não acredito em mais ninguém.

Só no que vejo:

 

 


Quem não gosta de ganhar presente?
Pois eu os misturo, no meu aniversário, que nem faço com as pessoas.
E não é que no final dá um caldo danado de bom?
Por exemplo.
Entre os presentes, no caso, misturei dois livros.
O primeiro é este: 

 

Bom, o segundo presente, quer dizer, pessoa passada, foi  este:  

 

 
 

Na mistura dos dois presentes, a gente se encontra com deus.

Mas, afinal, quem é mesmo este cara? 

Um latifundiário que expulsou Adão e Eva? 

Aliás, no velho estilo manu militari, sem dó nem piedade. 

 Duvidas? 

 

 

São pesadas palavras ditas divinas,  fruto de um amargo remorso por ter criado a criaturinha humana. 

 Tremenda falha divina, ao se meter em criar a raça humana,  que é reforçada, neste amargo texto do Saramago: