Image Buen Dia. Buenos Aires continua acá na mesma Argentina. Mas adonde, repito-me insane. Para onde levaram a minha ex Buenos Aires querida? Mais de 50 por cento vivem na pobreza. Gente dormindo em ruas outrora nobres. Recicladores de lixo às centenas. Sujeira maior. Includo a dos politicos em campanha eleitoral.

Image

Tem tudo que é tipo de mentira, que nem nosotros ex-macaquitos brasilenhos. Tem Liberal Libertário, Nueva Esquerda, PQP e Ca4. E hoje tem Sorteio na Loteria Federal para compra de terreno para Mi Casa Tu Casa. Mais de 300 mil inscritos. Poucos serão sortedos. Asi es la vida, mi hermano latrino.

Image

 Pois a prosa de hoje é em cima da amena discussão, em pleno, Facebook, entre jornalistas de pensares diferenciados mas visões sinonímicas. Tudo começa pela amiga Olga Bardawill me chamando pela educada atenção. Di-me-la:

“Não se pode fazer analise política a partir do comentário de uma velhinha no supermercado. E que, antes de seis meses, não se pode, nem se deve formar opinião, sobre nenhum pais que se esteja visitando. Principalmente se esse pais for a Argentina.”

Image

Minha réplica, até porque entrou a velhinha do supermercado com quem falei, aliás, não só ela, mas o catador de lixo, a porteira do prédio, o velhinho da banca de jornais, o cuidador de cachorro, enfim, o pueblo. Replico assim:

“Talvez meus olhos estejam velhos por demais e vendo o que acho que estou vendo de noite. Mendigos dormindo na Avenida Santa Fé, mijando e cagando na rua outrora nobre, 50% da população argentina vivendo na pobreza, câmbio paralelo escancarado, transportes escangalhados, bairros antes familiares hoje proibidos de por eles se andar de noite. Que mais? Muito, muito mais. Ah, trombadinhas, Bolsa Família, sem teto de montão.

Image

Estou guardando muito para comentar com calma na volta. E conversando com muita gente, inclusive velhinhas de supermercados. Talvez este jornalista recomendado seja da trupe oficial, não sei. Talvez a Argentina tenha se mudado para a Patagônia, sei lá. Aqui em Buenos Aires, na verdade, está uma merda só. É só entreabrir os olhos na rua.”

Image

Pois na boa conversa, a convite de Olga, entra o jornalista argentino Alejandro Modarelli que triplica:

“No es cierto que la situacion economica sea desastrosa. Aunque en una clase media habituada a medir el bienestar escondiendo dolares en la casa, puede que no sea el mejor momento.”

Image

Ah. Tem ainda o amigo Sergio  Garachagen, só jornalista dantanhos, que corrige a Olga por ter dito que eu havia conversado com a velhinha do supermercado, em Baires, quando, de fato, ele é que havia escutado, em Copacabana, o seguinte:

“Uma senhora que, ontem, no supermercado, falava em altos brados com alguém no celular, descrevendo os horrores da decadência econômica que viu na capital porteña. “

Image

A conversa portenha, promovida pela Olga Bardawill, estava tão boa que outro jornalista, Juan Esteban Méndez, chileno, mas morando em Baires, cutuca-me com o seguinte:

“Hay mucha gente viviendo en la calle, en Buenos Aires. Pero Argentina es mucho más que una ciudad maladministrada por el inexperto y populista Macri. Hay otras ciudades, cuyos testimonios varían completamente. Y, mientras algunos consideran a Buenos Aires comparable a Rio, otros se vienen corriendo a estudiar sin tener que pagar aranceles impagables en su país, trabajando, comiendo en restaurantes, saliendo de fin de semana, colmando los aeropuertos y llenando taxis para llegar a sus casas en el centro.”

Image

Está tudo muito bueno, está tudo mui legal, mas tengo que voltar às las calles. Antes, o testemunho doutro amigo jornalista dantanho, convocado pela Olga, na tentativa de diminuir meu arrazoado, não de opinião mas de fatos vistos. Trata-se de Luiz Coutinho, ex-correspondente acá e sempre apaixonado por Buenos Aires, ontem, hoje e amanhã. Di-mo ele:

“Morei em Buenos Aires durante seis meses de 2010. Na sequência, estou lá todos os anos para a temporada de inverno. Em agosto passado, pela primeira vez, senti que a decadência física da cidade avança na direção de territórios antes considerados imunes à pobreza e à presença de sem-teto, por exemplo. Ainda é possível encontrar-se resquícios da cidade que foi considerada a Paris da América do Sul (pois os ricos sempre serão ricos), mas é certo que há bolsões de sujeira e de decadência. O centro está mais feio do que no ano passado. A sensação de insegurança aumentou. Aliás, fui roubado no metrô. Levaram minha câmera fotográfica, guardada num casaco fechado com zíper. No prédio onde moro quando estou em Buenos Aires instalaram um circuito de vídeo. Eu estava lá e vi a instalação. Além disso, o síndico do prédio disse-me que neste ano, dos 32 apartamentos do prédio de 8 andares apenas um estava ocupado por turista – aquele onde eu estava. O síndico concluiu que a inflação afastou os brasileiros. Normalmente, 10 ou 12 apartamentos de temporada estão alugados quando estou lá.”

Image

Anúncios

Economia brasileira cresce abaixo do potencial: 1,2%

                 Who guarantees is the minutes of the Monetary Policy Committee, released early on Friday (18) by the Central Bank of Brazil. It has more in minutes, with 80 paragraphs and ten thousand words: the international crisis worries, inflation is high, pressed for food and drinks, and monetary measures continue for a sufficiently long period of time. Until now, the economy grews just 1.2%, also due to the “domestic demand, driven by moderate expansion of credit and the growth of employment and income, has been the main factor sustaining the activity.”  Ie.   The thing is ugly.

* * *

Brazilian economy grows below from the potential

Ata do Copom, divulgada na manhã desta sexta-feira (18) pelo Banco Central do Brasil. Tem mais na ata, com 80 parágrafos e dez mil palavras: a crise internacional preocupa, a inflação está alta, pressionada por alimentos e bebidas, e as medidas monetárias continuam por um período de tempo suficientemente prolongado. Até agora, a economia cresceu apenas 1,2%, assim mesmo por conta da “demanda doméstica, impulsionada pela expansão moderada do crédito, bem como pelo crescimento do emprego e da renda, tem sido o principal fator de sustentação da atividade”. Ou seja. Ainda que não pareça, a coisa está feia.

Se quiser, leia a ata completa.

Clique abaixo.

http://www.bcb.gov.br/?COPOM170


Banco Central está de olho nos pequenos

Os testes feitos pelo Banco Central, no primeiro semestre, também indicam, no Relatório de Estabilidade Financeiro, a continuidade na liquidez de crédito, até dezembro. Mas alertam que os pequenos bancos continuam a ser olhados de perto, principalmente na questão do capital próprio abaixo dos 11% exigidos. E o teste de estresse comprovou que, caso aconteça algum tipo de problema maior, muitos dos bancos pequenos não se aguentam em pé. Na verdade, 17 deles.

 

(Trabalho em cima da foto oficial do prédio do Banco Central em Brasília)

In addition to growth, the tests conducted by the Central Bank in the first half, also indicate, Financial Stability Report, the continued liquidity of credit until December. But it warned that smaller banks continue to be looked at closely, especially the issue of equity below the 11% required. And the stress test proved that if some problem happens more, many small not withstand standing.

Então me ouça,pessoa.

Clique.

http://soundcloud.com/mamcasz/bc-est-de-olho-nos-pequenos 


O Relatório de Estabilidade Financeira, divulgado pelo Banco Central do Brasil, dá nota quase positiva para o desempenho da economia no primeiro semestre. Mas acende alguns sinais de alerta. Aumento da inadimplência é um deles. O outro, a preocupação com a crise financeira na Europa.

Os técnicos explicam que o relatório está de olho no risco sistêmico, especialmente à sua dinâmica recente e o grau de resiliência a eventuais choques na economia brasileira. Complicado, né? Nem tanto. Traduzindo para o português da esquina.

RESILIÊNCIA é a capacidade de superar obstáculos ou resistir a pressões adversas sem entrar em surto. Pensando na economia. Por exemplo. É o Brasil continuar calmo diante da crise financeira na Europa. Tanto que o relatório do Banco Central, na página 15, lembra o seguinte, do jeito como está escrito:

“Faz-se oportuno ressaltar que o cenário externo continua sendo acompanhado, a fim de evitar que eventual deterioração da crise internacional afete negativamente a economia doméstica.”

 

Direto para o relatório. A inadimplência aumentou, sim senhor, por causa, principalmente, dos financiamentos para compra de carro.Com isso, houve maiores despesas de provisão e redução do lucro líquido. Traduzindo. Os bancos aumentaram a reserva contra calote e com isso diminuiram os lucros. Que mais? Houve elevação de 1,2 pontos percentuais no endividamento das famílias, alcançando 43,4% da renda disponível. Precisa traduzir isto? 43,4 por cento da renda das famílias já estão comprometidas com endividamentos feitos e com dificuldade de serem pagos. Ou seja. Maior estrésse.

Agora me ouça, pessoa:

http://soundcloud.com/mamcasz/economia-quase-passa-no-teste

Link para o relatório completo do BC:

http://www.bcb.gov.br/htms/estabilidade/2012_09/refP.pdf


Recife é a região que tem a maior porcentagem de desocupados, 6,7% na última Pesquisa Nacional de Amostras por Domicílio (Pnad), divulgada pelo IBGE, que a partir de agora, passa a classificar este segmento como pessoa economicamente não-ativa.

Só uma explicação antes de continuar a prosa. Desocupado, para os técnicos do IBGE, que fazem a PNAD, Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, que acaba de ser divulgada, é simplesmente a pessoa que se cansou de procurar emprego. Não tem nada a ver com vagabundo. Pelo contrário.

Segundo o IBGE, existem hoje seis milhões e 627 mil desempregados e um milhão e trezentos mil desocupados. Ah … isto só nas regiões administrativas onde a PNAD do IBGE chega, ou seja: Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre. E nos demais?

Então me ouça, pessoa:

Quem são esses desocupados? Mais da metade  são mulheres, 35,1% nunca trabalharam, mais de um terço (33,9%) são jovens entre 18 e 24 anos de idade; 57,6% são pretos ou pardos, ou seja, negros e,  53,6% não completaram o ensino médio, ou secundário, ou segundo grau.

Então, tá.

Inté e Axé!


 This is the sum of which still remain in extreme poverty, 6.9% of the population, and in poverty, 20.6%, though these numbers have changed for the better, according to data collected by the National Survey by Household Sample (PNAD) made by IBGE, between the years 2009 and 2011, and released now.

Brasil ainda tem 54 milhões de pobres

Esta é a soma dos que ainda continuam na extrema pobreza, 6,9% da população, e na pobreza, 20,6%, ainda que estes números tenham mudado para melhor, segundo dados coletados pela Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílio (Pnad), feita pelo IBGE, entre os anos de 2009 e 2011 e, divulgados agora.

 

A prosa de hoje fica em cima da quantidade de extremos pobres, pobres, ricos e extremos ricos, além da mudança que aconteceu, quem passou para cima, de bom que ninguém caiu. E fica a pergunta que não quer calar os técnicos do IBGE, que completaram a PNAD, e do IPEA, que agora estão analisando. Os dois são do governo. É o seguinte. Se a taxa de DESEMPREGO é a melhor do últimos anos, se o número de pessoas que escapou da pobreza é mais de cinco milhões em dois anos, enquanto por que acontecem duas coisas. Uma. A economia continua caindo, principalmente a indústria, que está abaixo de zero. E o pior. Os jovens, a partir dos quinze anos, estão deixando a escola. E os pobres?

* * * * *

Vamos então para os chamados pobres. A renda familiar média mensal aumentou 14,87 por cento. Pula para 508 reais. Abaixo do mínimo. Melhor ainda. A quantidade de pobres caiu de 23,9 para 20,6 por cento do total. Notícia boa. Cinco milhões e 600 mil pobres a menos. E a ruim? Tem? É o seguinte. Pelos dados coletados pelo IBGE nesta PNAD, ainda existem, hoje, no Brasil, 40 milhões e 300 mil pobres. Somando pobres com extremos pobres a gente volta ao começo da prosa de hoje. Brasil tem 54 milhões de pobres. Ou 53 milhões e 900 mil. Que mais?

Então me ouça, pessoa:

http://soundcloud.com/mamcasz/brasil-tem-54-milh-es-de


                Primeiro, a ânsia de ter o que não tinha. Agora, a ganância de ter o que não é mais do ser. O que? Classe média, baixa, pronta para ser, de novo, simplesmente pobre, mas sem a dignidade. Por que? O povo, oras, por ora   está inadimplente, a um passo do calote amplo, geral e específico.

             Portanto, a ti, Zé Ninguém, povo no processo de êxodo da classe média C- quem não se lembra do conceito de notas escolares, do A ao E- ofereço esta canção feita pela minha amiga Janis Joplin, acompanhada da minha versão free, tipo polaco-feliniana:

* * * * *

Meu Deus,  quando é que tu vais me dar  uma Mercedes Benz, hein?

Meus amigos dirigem Porsches. Preciso compensar.

Afinal, eu suei a vida toda.

Meu Deus, quando é que tu vais me dar  uma Mercedes Benz,hein?

O Fantástico está estático tentando me achar.

Meu Deus, quando é que tu vais me dar uma TV plana,hein ?

Eu espero pela entrega a cada dia, sim,  até às três … da madrugada.

Meu Deus, quando é que tu vais me dar uma TV plana,hein?

Meu Deus, quando é que tu vais me dar uma noite chique no outro lado desta minha cidade pobre? 

Conto contigo, Meu Deus,  mas não me desaponte, viste?

Dê-me uma prova, Meu Deus, que tu me amas, mesmo na cama:

Pague a próxima rodada desta cana.

Então, Meu Deus, quando é que tu vais me dar uma noitada no outro  lado chique desta minha cidade pobre?

Everybody now, amig@s do Facebook:

Meu Deus, quando vais mudar este meu look,

Sorry.

My Lord,  quando é que tu vais me dar  uma Mercedes Benz, hein?

Todos meus amigos dirigem Porsches. Preciso compensar.

Suei a vida toda.

Meu Deus, quando é que tu vais me dar  uma Mercedes Benz,hein?

P.S.

E não me venhas com Bolsa Família, tá?

It`s all not right now.

É isso aí.

Inté e Axé.

Assinado:
Pós Janis Joplin.

http://www.youtube.com/watch?v=ORGaACYbAk0&feature=fvwrel