A convivência do melhor IDH com o pior Indice de Gini do Brasil é exposta no livro Pombal de Gente Inacabada, que acaba de ser lançado pela Internet, no Clube dos Autores, nas formas online e impresso, pelo poeta e jornalista Eduardo Mamcasz, habitante de Brasília há mais de trinta anos.

                       O livro é o resultado da participação do autor no projeto mundial National Novel Writing Month e mostra a visão microscópica do Alter Ego  à janela de um elegante apartamento em frente ao duvidoso prédio que abriga  a legião movediça  de concurseiros atraídos pelo sonho do emprego vitalício.

                “Diante de mim mora um prédio nesta parte dita nobre desta capital brasileira chamada de Brasília, apelidada de A Ilha.

             A pintura no refazer, os fios das antenas de TV à solta, a individualidade exposta em minúsculos quarto e sala.

              Nele sobrevivem pombos ciganos, itinerantes, errantes à procura do ingresso em qualquer bem remunerada sepultura estatal.”

Clique abaixo para comprar ou ler as dez primeiras páginas

https://clubedeautores.com.br/book/142772–Pombal_de_Gente_Inacabada

Image

Anúncios

 This is the sum of which still remain in extreme poverty, 6.9% of the population, and in poverty, 20.6%, though these numbers have changed for the better, according to data collected by the National Survey by Household Sample (PNAD) made by IBGE, between the years 2009 and 2011, and released now.

Brasil ainda tem 54 milhões de pobres

Esta é a soma dos que ainda continuam na extrema pobreza, 6,9% da população, e na pobreza, 20,6%, ainda que estes números tenham mudado para melhor, segundo dados coletados pela Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílio (Pnad), feita pelo IBGE, entre os anos de 2009 e 2011 e, divulgados agora.

 

A prosa de hoje fica em cima da quantidade de extremos pobres, pobres, ricos e extremos ricos, além da mudança que aconteceu, quem passou para cima, de bom que ninguém caiu. E fica a pergunta que não quer calar os técnicos do IBGE, que completaram a PNAD, e do IPEA, que agora estão analisando. Os dois são do governo. É o seguinte. Se a taxa de DESEMPREGO é a melhor do últimos anos, se o número de pessoas que escapou da pobreza é mais de cinco milhões em dois anos, enquanto por que acontecem duas coisas. Uma. A economia continua caindo, principalmente a indústria, que está abaixo de zero. E o pior. Os jovens, a partir dos quinze anos, estão deixando a escola. E os pobres?

* * * * *

Vamos então para os chamados pobres. A renda familiar média mensal aumentou 14,87 por cento. Pula para 508 reais. Abaixo do mínimo. Melhor ainda. A quantidade de pobres caiu de 23,9 para 20,6 por cento do total. Notícia boa. Cinco milhões e 600 mil pobres a menos. E a ruim? Tem? É o seguinte. Pelos dados coletados pelo IBGE nesta PNAD, ainda existem, hoje, no Brasil, 40 milhões e 300 mil pobres. Somando pobres com extremos pobres a gente volta ao começo da prosa de hoje. Brasil tem 54 milhões de pobres. Ou 53 milhões e 900 mil. Que mais?

Então me ouça, pessoa:

http://soundcloud.com/mamcasz/brasil-tem-54-milh-es-de


 With growth of 0.4% percent of the Brazilian´s economy

in the months of April, May and June,

announced just now,

the market can already visualizethe behavior 

of GDP by the end of the year,

although the forecast of 4.5 %,

of the beginning of the year, is no longer achieved.

Listen me (in brazilian language, sorry)

http://radioagencianacional.ebc.com.br/materia/2012-08-31/pib-do-segundo-trimestre-cresce-04 

Economia do Brazil cresce 0,4% no segundo trimestre

Com o crescimento de 0,4% por cento da economia brasileira nos meses de abril, maio e junho, anunciado agora há pouco, o mercado já pode visualizar o comportamento do PIB até o final do ano, ainda que a previsão de 4,5%, do começo do ano, não seja mais alcançada.

PIB. Produto Interno Bruto. Soma das riquezas, ou seja, bens e serviços, produzidos. Vale do pãozinho ao apartamento de luxo. E agora mesmo saiu o crescimento da nossa economia no segundo trimestre, veja bem, abril, maio e junho. O PIB do Brasil cresceu 0,4%. E eu com isso? Vamos nessa!

O PIB só leva em conta o produto final, explicando rapidinho, no caso do pãozinho não entra a farinha de trigo e no apartamento de luxo uma porção de coisas. É para não contar a mesma coisa duas vezes. Se eu calcular, por exemplo, o número de pneus produzidos, eu não poderia colocar o número de carros, sem tirar as rodas. Então, fico com o produto final que é o carro com IPI reduzido por mais dois meses.

De qualquer forma, o PIB do Brasil hoje é de 2 trilhões 492 bilhões e 908 milhões de dólares. O maior PIB do mundo, hoje, continua sendo o dos Estados Unidos. Mais de 15 trilhões. Em segundo, a China, com quase sete trilhões e meio. Mas no nosso caso, no primeiro trimestre do ano, ou seja, janeiro, fevereiro e março, cresce apenas 0,2 por cento. O trimestre seguinte, anunciado agora há pouco, pelo IBGE, cresceu um pouco mais . 0,4%. Este crescimento já havia sido informado no último IBC-BR. Indice de Atividade Econômica, Banco Central do Brasil. Ele antecipa o resultado do PIB, este por conta do IBGE, outro órgão do mesmo governo. Acontece que, por isso mesmo, ninguém se entende mesmo é de quanto vai ser o PIB do Brasil no final deste ano de 2012. Por exemplo.

Ministério da Fazenda. Três por cento. A partir de hoje, diz que é mais. Banco Central. Dois por cento. Analistas do mercado financeiro. 1, 8 por cento. Standard and Poors, a empresa internacional que dá notas de risco para um país, no caso o nosso Brasil. Dois por cento. E só para aumentar a confusão. No começo do ano, todo mundo jurava, inclusive o governo, que o PIB deste ano ia ser de 4,5 por cento. E por que caiu? Simples. A economia brasileira não está crescendo neste ano do jeito que todo mundo esperava. Principalmente a indústria, que está abaixo de zero.

E só para ir fechado a prosa de hoje. No lugar do PIB, Produto Interno Bruto, aliás, a riqueza do Brasil poderia ser olhada pelo lado do IDH, Índice de Desenvolvimento Humano, que é a diferença da renda entre ricos e pobres num mesmo país. Aí, o nosso Brasil continua feio. Ocupamos a posição de número 84 entre 187 países. Se ficar só no PIB, tudo bem, pulamos para a sexta maior economia do mundo.

E só para fechar.

É melhor PIBINHO de  quase meio por cento acima do que qualquer coisa abaixo de zero.

Certo?

Então, tá

Inté e Axé.

http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/noticia_visualiza.php?id_noticia=2205&id_pagina=1&titulo=PIB-varia-0,4%-em-relacao-ao-1º-trimestre-e-chega-a-R$-1,10-trilhao


 

Autor: Eduardo Mamcasz

Vinheta Abertura Trocando em Miúdo

BSB BG 1

Brasília, 21 de abril de 2010. 50 anos de idade. Mas quem é esta senhora?

Patrimônio mundial. Capital de todos nós, brasileiras e brasileiros.

BSB BG 2

(Música: primeira terra virgem desbravada, a mais esplendorosa alvorada).

Que mais?

Brasília tem a maior renda por cabeça do Brasil. Média de 37 mil reais por mês. Palavra do novo governador do Distrito Federal, Rogério Rosso:

BG ROSSO 2

(Bastante superior à média nacional pelo perfil do seu morador, pelo perfil do servidor público, pelo perfil do profissional liberal que aqui vive).

Brasília tem ainda o maior IDH do país. Calculado pela ONU, vai de zero a um. Quanto maior, melhor a qualidade de vida. O nosso é zero virgula 87.

 BG ROSSO 3

(Em função de tudo o que foi construído desde a época de Juscelino, transformando Brasília realmente numa referência nacional).

Não é a toa que na pequena Brasília, mais de mil barcos passeiam pelo Lago do Paranoá e as pessoas têm 19 mil lojas onde gastar. Brasília é uma ilha, uma maravilha, certo? Mais ou menos.

 BG 5

(Música Alceu Valença:qual é o seu nome, me chamo Brasília …)

Contra o bom IDH, Brasília tem o mau Índice de Gini, que mede a distância que existe entre pobres e ricos. Distância que, nos últimos dez anos, só fez expulsar muita gente aqui de Brasília.

 BG ROSSO 4

(Mais de 40 por cento da população que aqui vivia estão morando aonde? Exatamente nesses municípios do entorno do Distrito Federal, tanto do estado de Goiás quanto do estado de Minas Gerais)

 BSB BG 6

 (Música: se teu amor foi de hipocrisia, adeus Brasília vou morrer de saudades).

 Então, para completar esta festa dos 50 anos de Brasília, está faltando o que? Simples. Dividir melhor a renda, que chega aos 40 salários por mês, no Lago Sul, com a massa que trabalha aqui, durante o dia, e que de noite pega o caminho de volta para casa.

 BSB BG 1

Ainda assim, que viva Brasília. 50 anos de idade.

Uma senhora cidade.

 BSB BG FINAL

 (Música-Hino: Brasília capital da esperança).

 VINHETA ENCERRAMENTO (É da sua conta!)

Para ouvir bunitinho clique abaixo:

 http://www.podcast1.com.br/canal.php?codigo_canal=1618