Como é que o pessoal das classes E, D e C, de menor renda, costuma se virar nas quatro oportunidades de vida, tais quais uma reforma na casinha, começar um pequeno negócio mesmo, melhorar a barraca e dar educação para as crias?

 Para começo de prosa, a pesquisa da Federação Brasileira de Bancos divide as oportunidades em quatro pontos mais procurados e que consomem 20 por cento da renda, divididos em cinco por cento, cada uma, ou seja, reforma da casa, educação, começar um negocinho e, finalmente, ampliar o negócio próprio, mesmo que seja uma barraca na rua.

 No caso do pessoal de renda familiar baixíssima, de um salário mínimo, a classe E, não existe dinheiro para gastar com educação ou negócio. No caso de uma reforma, pequena, na casa, o mais usado é mesmo um sorteio na vizinhança, a velha rifa, isto mesmo.

( Capa do disco de Jards Macalé, censurada, em cima da Declaração Universal dos Direitos do Homem)

Então me ouça, pessoa.

http://soundcloud.com/mamcasz/ciclo-da-vida-03-pobre-gasta

Em frente. Classe D, de baixa renda. Quando aparece uma oportunidade para reformar a casa, vale a caixinha entre amigos e parentes e pegar emprestado com o patrão. Na classe C, de média renda, aparece a oportunidade de um empréstimo bancário. O mesmo empréstimo bancário é usado pela nova classe média C no caso da educaçào dos filhos. No caso da classe de baixa renda, se tiver parente que possa ajudar, tudo bem.

E o que o pessoal faz quando aparece uma oportunidade, ou necessidade, de se começar um negócio próprio, que pode ser até na forma de camelô?

 Na baixíssima renda, nem pensar. Na baixa renda, costuma-se usar a indenizaçào ao ser despedido do trabalho. Na renda familiar média-baixa, ou classe C, a mesma coisa. A indenização ao ser demitido. Agora, um passo a frente. E houver chance de aumentar um negocinho em andamento, o caminho do endividamento passa pelo crediário, cartão de crédito parcelado, cheque especial, agiota e até a rifa.

Inté e Axé.

.


 

Festa para  a baixa renda é sinal de endividamento

 As festas são garantidas através de cheque pré-datado, fiado, caixinha, crediário em nome de outra pessoa e  outras formas de endividamento. Está tudo na pesquisa da Febraban. A festa que mais compromete a já reduzida renda das classe E, D e C, entre a baixíssima e a médio-baixa renda familiar, está mesmo no final-começo de ano. Natal e Ano Novo. Casualmente, logo antes das despesas com material escolar e pagamento dos impostos anuais.

É justo na hora dessa festa de fim de ano que uma coisa une as três pobres classes. É a dívida para festejar. Na baixíssima renda, além do fiado, tem o uso do crediário em nome de outra pessoa que, quase sempre, fica com o prejuízo. Na baixa renda, classe D, vale a caixinha e o crediário próprio. Já na nova classe média C, as formas de endividamento para fazer a festa se multiplicam. Vale caixinha, crediário, cheque pré-datado, cheque especial, sorteio, empréstimo e o que vier.

Então me ouça, pessoa.

http://soundcloud.com/mamcasz/ciclo-da-vida-04-pobre-gasta-o

 Antes de partir para a próxima festa, que é o Carnaval,que leva o pobre à falência,  quase emendado com o  São João, tem a compra do material escolar e o pagamento do imposto tipo IPTU. Aí costuma ser mesmo tudo no cheque pré-datado ou pagamento parcelado. Mas voltando para a festa. Já é Carnaval. Sempre tem gasto. O de baixíssima renda garante a festa com parentes e muito fiado. O de baixa renda, com parentes e no crediário. O de baixo-média renda, pula o carnaval e o São João também, estourando o cartão ou liberando cheque pré-datado. Nem sempre com fundo.

Então, terminamos a prosa por aqui mesmo. É muita festa com pouco dinheiro, ou renda familiar sobrando para gastar com eventos sazonais. Isto se não tiver acontecido algum imprevisto no ciclo da vida. De qualquer forma, sempre tem um jeitinho de pagar depois, não é mesmo? Ou não. Por isso, vamos ficando por aqui mesmo.

 

Inté e Axé.

 


 This is the sum of which still remain in extreme poverty, 6.9% of the population, and in poverty, 20.6%, though these numbers have changed for the better, according to data collected by the National Survey by Household Sample (PNAD) made by IBGE, between the years 2009 and 2011, and released now.

Brasil ainda tem 54 milhões de pobres

Esta é a soma dos que ainda continuam na extrema pobreza, 6,9% da população, e na pobreza, 20,6%, ainda que estes números tenham mudado para melhor, segundo dados coletados pela Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílio (Pnad), feita pelo IBGE, entre os anos de 2009 e 2011 e, divulgados agora.

 

A prosa de hoje fica em cima da quantidade de extremos pobres, pobres, ricos e extremos ricos, além da mudança que aconteceu, quem passou para cima, de bom que ninguém caiu. E fica a pergunta que não quer calar os técnicos do IBGE, que completaram a PNAD, e do IPEA, que agora estão analisando. Os dois são do governo. É o seguinte. Se a taxa de DESEMPREGO é a melhor do últimos anos, se o número de pessoas que escapou da pobreza é mais de cinco milhões em dois anos, enquanto por que acontecem duas coisas. Uma. A economia continua caindo, principalmente a indústria, que está abaixo de zero. E o pior. Os jovens, a partir dos quinze anos, estão deixando a escola. E os pobres?

* * * * *

Vamos então para os chamados pobres. A renda familiar média mensal aumentou 14,87 por cento. Pula para 508 reais. Abaixo do mínimo. Melhor ainda. A quantidade de pobres caiu de 23,9 para 20,6 por cento do total. Notícia boa. Cinco milhões e 600 mil pobres a menos. E a ruim? Tem? É o seguinte. Pelos dados coletados pelo IBGE nesta PNAD, ainda existem, hoje, no Brasil, 40 milhões e 300 mil pobres. Somando pobres com extremos pobres a gente volta ao começo da prosa de hoje. Brasil tem 54 milhões de pobres. Ou 53 milhões e 900 mil. Que mais?

Então me ouça, pessoa:

http://soundcloud.com/mamcasz/brasil-tem-54-milh-es-de