Quatro prosas miúdas, a partir de hoje,

de como o pobre gasta a renda que não tem.

Quando falo de pobre, não é o remediado, muito menos a nova classe média C.

É o lascado, entre a baixíssima e a pequeno-média renda.

Ah… ficam de fora, como acontece com toda estatística,

os localizados abaixo da linha da pobreza.

São os miseráveis.

Os que sobrevivem na miserabilidade.

( Foto tirada por mim no bairro classe A do Batel em Curitiba, Paraná, Brasil)

Primeira parte da pesquisa realizada pela Federação Brasileira de Bancos – Febrabran – em cima de como o pobre gasta a pseudo renda nos chamados ciclos da vida – batizado, casamento e funeral.

A pesquisa  constata que  a população situada entre a baixíssima e a média renda, em casos de emergência, como doença grave na familia, procura mecanismos financeiros que vão do parente ao agiota. Só nisto, lá se vão 40% do quase tudo.

Então me ouça, pessoa.

http://soundcloud.com/mamcasz/ciclo-da-vida-01-pobre-gasta

Esta série específica  que repasso a partir de hoje eu acabo de aprender no curso intensivo Sistema Financeiro Nacional, que fiz na Confederação Nacional das Instituições Financeiras com a Federação Brasileira dos Bancos  (CNF-Febraban), com o professor Ricardo Escolá. Tem ainda, lógico, muito do MBA de Derivativos, na FIA, em bolsa de estudo para jornalistas de economia da BMF-Bovespa. Mais a vida…

Siga a série nos posts abaixo


 

Festa para  a baixa renda é sinal de endividamento

 As festas são garantidas através de cheque pré-datado, fiado, caixinha, crediário em nome de outra pessoa e  outras formas de endividamento. Está tudo na pesquisa da Febraban. A festa que mais compromete a já reduzida renda das classe E, D e C, entre a baixíssima e a médio-baixa renda familiar, está mesmo no final-começo de ano. Natal e Ano Novo. Casualmente, logo antes das despesas com material escolar e pagamento dos impostos anuais.

É justo na hora dessa festa de fim de ano que uma coisa une as três pobres classes. É a dívida para festejar. Na baixíssima renda, além do fiado, tem o uso do crediário em nome de outra pessoa que, quase sempre, fica com o prejuízo. Na baixa renda, classe D, vale a caixinha e o crediário próprio. Já na nova classe média C, as formas de endividamento para fazer a festa se multiplicam. Vale caixinha, crediário, cheque pré-datado, cheque especial, sorteio, empréstimo e o que vier.

Então me ouça, pessoa.

http://soundcloud.com/mamcasz/ciclo-da-vida-04-pobre-gasta-o

 Antes de partir para a próxima festa, que é o Carnaval,que leva o pobre à falência,  quase emendado com o  São João, tem a compra do material escolar e o pagamento do imposto tipo IPTU. Aí costuma ser mesmo tudo no cheque pré-datado ou pagamento parcelado. Mas voltando para a festa. Já é Carnaval. Sempre tem gasto. O de baixíssima renda garante a festa com parentes e muito fiado. O de baixa renda, com parentes e no crediário. O de baixo-média renda, pula o carnaval e o São João também, estourando o cartão ou liberando cheque pré-datado. Nem sempre com fundo.

Então, terminamos a prosa por aqui mesmo. É muita festa com pouco dinheiro, ou renda familiar sobrando para gastar com eventos sazonais. Isto se não tiver acontecido algum imprevisto no ciclo da vida. De qualquer forma, sempre tem um jeitinho de pagar depois, não é mesmo? Ou não. Por isso, vamos ficando por aqui mesmo.

 

Inté e Axé.