setembro 2012



Before the arrival of Dom João VI in Brazil, our money’s worth by weight of the PATACA. Then, it was changing its name and value. Cruzado, new cross, cruise, cruise real and ultimately unlike the beginning, in the plural becomes more reais and not réis.

Dos réis aos reais, a história do dinheiro brasileiro

Antes do Brasil ser descoberto, a moeda de troca se chamava escambo. Depois, com a chegada dos colonizadores europeus, veio a pataca. Depois dos anos 1.700, com Dom João VI chega o primeiro banco. Daí vieram os réis e o real. Com a chega da República, mil réis passam a valer um cruzeiro. Em 1964, cassam o centavo. Volta em 67, junto com o cruzeiro novo. Depois, vira Cruzado. Cruzado Novo. Cruzeiro. Cruzeiro real e, finalmente, valendo até hoje, o nosso real. E o próximo?

(Foto da pataca, que ainda vale em Macao, hoje China)  

Ao contrário dos Estados Unidos, onde o dólar é dólar desde o começo, aqui no Brasil a moeda circulante, ou seja, a representação do dinheiro, em papel ou moeda, além de ter mudado de cara uma porção de vezes também perdeu o valor de vez.

Antes da chegada do rei que fugiu de Portugal e veio para o Brasil, que vira Vice-Reino, a moeda aqui era na forma do peso. Quer dizer, o patacão valia pelo peso de ouro que ele carregava. Simples. Depois,começa a complicar.

Pois então. Chega o rei, funda o primeiro banco,chamado do Brasil que, aliás, quebra de vez quando a família volta para Portugal levando todo o ouro que estava nele guardado, garantindo a moeda que, casualmente, se chamava real, por causa do rei, e um conto dava mil réis. Hoje se fala mil reais, né?

O ouro roubado do Banco do Brasil era o que garantia a quantidade de moeda, ou dinheiro, emitido, regra que vale até hoje quando, por exemplo, circula dinheiro que, somado, corresponde a 80 por cento do nosso PIB, produto interno bruto, soma das riquezas produzidas. Sem o ouro, o Banco do Brasil, o primeiro, fechou.

Português: Cédula de 500 mil réis, emitida pel...

Português: Cédula de 500 mil réis, emitida pela Casa da Moeda entre 1836-1931. Acervo do Museu Paulista. (Photo credit: Wikipedia)

Mas voltando o rumo da prosa para o assunto de hoje. Dinheiro. Em 1942, pouco antes da Segunda Guerra Mundial, acaba o tal do conto de réis. O real. Mil réis deixam de valer um conto e passam a valer um cruzeiro. Foi então criada a figura do centavo. Em 1964, como falei, acaba o centavo.

Três anos depois, volta o coitado do centavo. Mas cai o valor outra vez. Mil cruzeiros passam a valer um cruzeiro novo. Três anos depois, 1970, nova confusão. Volta o centavo. Volta o cruzeiro. Vamos em frente que a confusão ainda não acabou.

1986. Mil cruzeiros passam a valer um cruzado. Ou seja. Um milhão cai para mil. 1989. Nova desvalorização. Mil cruzados valem um cruzado novo. Ano seguinte muda o nome de cruzado para cruzeiro. 1993. Mais uma queda. Mil cruzeiros passam a valer apenas um cruzeiro real.

Ufa… e finalmente chega o real dos dias de hoje. 1.994. Desta vez a pancada é maior. 2.750 cruzeiros passa a valer quanto? UM REAL. Aliás, este real merece uma prosa especial só para ele.

Então me ouça, pessoa. 

http://soundcloud.com/mamcasz/brasil-vai-dos-r-is-aos-reais

Português: Cédula de mil réis, emitida pela Ca...

Português: Cédula de mil réis, emitida pela Casa da Moeda no Período Imperial. Acervo do Museu Paulista. (Photo credit: Wikipedia

Anúncios

In the overview of studies completed by the International Labour Organization and the IBGE, there is still a serious information that 132 000 families in Brazil are headed by children aged 10 to 14 years old. Eighty-nine thousand children five to nine years old, working without receiving any compensation in return.

OIT: trabalho infantil no Brasil explora quatro milhões de crianças

No apanhado dos estudos concluídos pela Organização Internacional do Trabalho e pelo IBGE, ainda existe a grave informação de que 132 mil famílias no Brasil são chefiadas por crianças entre 10 aos 14 anos de idade. Do total do trabalho infantil, 89 mil crianças que trabalham, a maioria sem remuneração, têm de cinco a nove anos. CINCO ANOS DE IDADE!!!

Então me ouça, pessoa:

http://soundcloud.com/mamcasz/brasil-explora-quatro-milh-es

 Atenção. A prosa de hoje é proibida para menores de idade. Tudo o que eu vou falar  está na pesquisa da Organização Internacional doTrabalho, no Programa de Informações Estatísticas e Monitoramento do Trabalho Infantil, e do IBGE, do governo brasileiro, na Pesquisa Nacional de Amostras por Domicílio. O estudo  tem 245 páginas, acabo de ler, ele se chama Trabalho Infantil no Brasil e de cara, na manchete, grita o seguinte. O trabalho infantil, no Brasil, emprega hoje quase quatro milhões de crianças e pré-adolescentes. Mais um tapa na cara do cidadão que me escuta. Censo do IBGE de 2010. No Brasil, 132 mil famílias são chefiadas por crianças, de 10 a 14 anos.

  

(Foto em Brasília, junto ao Estádio Mané Garrincha, num domingo.)

As regiões Norte, a nossa Amazônia, tem o maior número de crianças trabalhando, na margem dos 10,8 por cento do total. Com um detalhe. As pesquisas ficam no centro urbano, não chegam ao rural. Por isso, no total, dos 5 ao 17 anos de idade. A maior parte fica com atividades infantis não agrícolas. 214 mil do total, 258 mil, arredondando. 22 mil não recebem nada. Ao contrário do Nordeste, onde o trabalho infantil envolve dois milhões e 332 mil crianças dos 5 aso 17. Então, vamos ficar, no Nordeste, no trabalho só das crianças entre os cinco e os nove anos de idade. Isto mesmo. Dos cinco aos nove. É proibido? Lógico que é. Pois então. 190 mil delas trabalham, 150 mil sem ganhar nada.

De volta ao calhamaço de 245 páginas que acabo de ler por isso vamos apressar o passo da mul, sô.Primeira pergunta do ouvinte. E trabalham por que? Agora, lendo no estudo da OIT-IBGE. No conjunto de pessoas de 5 a 17 anos de idade que não são estudantes, 12,1 por cento não frequentam a escola por terem que ajudar a família, trabalhando fora. Pulo correndo para a PNAD do IBGE divulgada na semana.  Vou ler do jeito que está escrito, tá? A população ocupada, de 5 a TREZE anos de idade, está mais concentrada em atividade agrícola, 63,5 por cento, e aproximadamente 74,4 por cento nessa faixa estão alocadas em trabalho sem contrapartida de remuneração, ou seja, não remunerados e trabalhadores para o próprio consumo ou na construção para o próprio uso.

 * * * * *

Ufa, que prosa carregada, né, mas ela existe, tem muita criança trabalhando suado por este nosso Brasil. Apressando o passo da mula na leitura das 245 páginas do estudo Trabalho Infantil no Brasil. O grupo das crianças ocupadas, de 5 a 9 anos de idade, está fortemente concentrado em trabalhos que ocupam até 20 horas semanais. 83 por cento. Na faixa dos 10 aos 14 anos de idade, cumprem jornada de trabalho de 40 horas ou mais de trabalho por semana.E só para fechar a prosa indigesta do Trocando em Miúdo de hoje, acompanhada  das músicas do CD Plantando Cirandas, do Movimento dos Sem Terrinha. Repetindo a sina.  No grupo de crianças trabalhadoras, de 5 a 9 anos de idade, 92 por cento trabalham sem contrapartidada de remuneração.

 Chega!!!

Inté e Axé!


Recife é a região que tem a maior porcentagem de desocupados, 6,7% na última Pesquisa Nacional de Amostras por Domicílio (Pnad), divulgada pelo IBGE, que a partir de agora, passa a classificar este segmento como pessoa economicamente não-ativa.

Só uma explicação antes de continuar a prosa. Desocupado, para os técnicos do IBGE, que fazem a PNAD, Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, que acaba de ser divulgada, é simplesmente a pessoa que se cansou de procurar emprego. Não tem nada a ver com vagabundo. Pelo contrário.

Segundo o IBGE, existem hoje seis milhões e 627 mil desempregados e um milhão e trezentos mil desocupados. Ah … isto só nas regiões administrativas onde a PNAD do IBGE chega, ou seja: Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre. E nos demais?

Então me ouça, pessoa:
http://soundcloud.com/mamcasz/os-desocupados-do-brasil

Quem são esses desocupados? Mais da metade  são mulheres, 35,1% nunca trabalharam, mais de um terço (33,9%) são jovens entre 18 e 24 anos de idade; 57,6% são pretos ou pardos, ou seja, negros e,  53,6% não completaram o ensino médio, ou secundário, ou segundo grau.

Então, tá.

Inté e Axé!


 This is the sum of which still remain in extreme poverty, 6.9% of the population, and in poverty, 20.6%, though these numbers have changed for the better, according to data collected by the National Survey by Household Sample (PNAD) made by IBGE, between the years 2009 and 2011, and released now.

Brasil ainda tem 54 milhões de pobres

Esta é a soma dos que ainda continuam na extrema pobreza, 6,9% da população, e na pobreza, 20,6%, ainda que estes números tenham mudado para melhor, segundo dados coletados pela Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílio (Pnad), feita pelo IBGE, entre os anos de 2009 e 2011 e, divulgados agora.

 

A prosa de hoje fica em cima da quantidade de extremos pobres, pobres, ricos e extremos ricos, além da mudança que aconteceu, quem passou para cima, de bom que ninguém caiu. E fica a pergunta que não quer calar os técnicos do IBGE, que completaram a PNAD, e do IPEA, que agora estão analisando. Os dois são do governo. É o seguinte. Se a taxa de DESEMPREGO é a melhor do últimos anos, se o número de pessoas que escapou da pobreza é mais de cinco milhões em dois anos, enquanto por que acontecem duas coisas. Uma. A economia continua caindo, principalmente a indústria, que está abaixo de zero. E o pior. Os jovens, a partir dos quinze anos, estão deixando a escola. E os pobres?

* * * * *

Vamos então para os chamados pobres. A renda familiar média mensal aumentou 14,87 por cento. Pula para 508 reais. Abaixo do mínimo. Melhor ainda. A quantidade de pobres caiu de 23,9 para 20,6 por cento do total. Notícia boa. Cinco milhões e 600 mil pobres a menos. E a ruim? Tem? É o seguinte. Pelos dados coletados pelo IBGE nesta PNAD, ainda existem, hoje, no Brasil, 40 milhões e 300 mil pobres. Somando pobres com extremos pobres a gente volta ao começo da prosa de hoje. Brasil tem 54 milhões de pobres. Ou 53 milhões e 900 mil. Que mais?

Então me ouça, pessoa:

http://soundcloud.com/mamcasz/brasil-tem-54-milh-es-de


Aprenda a falar francês à moda lusitana.

Clique-me

http://wp.me/pEGkY-2e


A região norte brasileira apresenta os melhores dados tanto de emprego quanto de massa salarial de todo o Brasil, de acordo com o último levantamento do Cadastro Geral dos Empregados e Desempregados – Caged e da Relação Anual de Informações Sociais – Rais. O estado do Amazonas é o campeão.

Pois então. Região Norte com maior aumento de oferta de empregos em todo o país. Maior aumento relativo, porque levado em conta com a média da população. Mas é importante. Primeiro, porque indica que o sonho de todo brasileiro encontrar o emprego dos sonhos no dito Sul maravilha está acabando.

Até porque está havendo uma migração ao contrário, tanto para o Norte quanto para o Nordeste. O estado do Amazonas, no Norte, é o campeão. Aumento de 11,47 por cento. O Amapá, vice-campeão. 11,90 por cento. Agora, lógico que isto tem a ver com chegada de indústrias, mineração, economia, todos exigindo melhoria na educação, que está acontecendo, porque há vagas sobrando e faltando capacitação.

 

(Foto do Rio Amazonas, perto de Manaus)

Pois então. A Região Norte tem o maior aumento de oferta de empregos em todo o país. Maior aumento relativo, porque levado em conta com a média da população. Mas é importante. Primeiro, porque indica que o sonho de todo brasileiro encontrar o emprego dos sonhos no dito sul maravilha está acabando.

Até porque está havendo uma migração ao contrário, tanto para o Norte quanto para o Nordeste. O estado do Amazonas, no Norte, é o campeão. Aumento de 11,47 por cento. O Amapá, vice-campeão. 11,90 por cento.

Agora, lógico que isto tem a ver com chegada de indústrias, mineração, economia, todos exigindo melhoria na educação, que está acontecendo, porque há vagas sobrando e faltando capacitação. Quer saber mais?

Então me ouça, pessoa:

http://soundcloud.com/mamcasz/renda-sobe-mais-na-amazonia


Mas ganham menos do que os homens.

Os números divulgados pelo Caged-Rais,

do Ministério do Trabalho,

confirmam os do IBGE.

As mulheres, apesar do avanço no mercado de trabalho,

continuam ganhando menos,

no mesmo tipo de trabalho.

Mas a diferença vem diminuindo a cada ano.

Será?

No Brasil, as mulheres são mais da metade da população, estudam mais que os homens,  têm menos chances de emprego e ganham menos  trabalhando nas mesmas funções. Isto de acordo com o IBGE. Agora,  foi divulgado o número de vagas de trabalho criadas no ano passado. Mas a prosa de hoje de mulher.   E comemorar por que? Por causa dos números do Caged e Ráis. Vamos nessa

* * * * *

Ah… Caged é o Cadastro Geral dos Empregados e Desempregados. Ráis é a Relação Anual de Informações Sociais. Tudo muito bem detalhado. Informa, por exemplo, que o mercado hoje no Brasil é ocupado 58 por cento pelos homens e 42 por centos pelas mulheres que, aos poucos, ganham terreno. Palavra do diretor de emprego do Ministério do Trabalho, Rodolfo Torélli.

Então me ouça, pessoa

 http://soundcloud.com/mamcasz/mulher-mais-instru-da-mas

Próxima Página »