Rádio Praga – 90 anos junto com nazistas e comunistas

               Para efeitos de comparação-informação. Ainda estou em Praga-República Tcheca.

           Um paiséco com pouco mais de dez milhões de cidadãos.

Comemorando 90 anos da Rádio Praga. Desde 1923.

Atenção para o detalhe:

Em 1937, isto mesmo, a então Checoslováquia tinha registrados

mais de um milhão de aparelhos de rádio.

Mas ela teve momentos que, ouvidos hoje, são vergonhosos. 

Image

Dois momentos da Rádio Praga. Os dois, bem oficiais.

Primeiro momento. O marechalzão alemão, Reinhard  Heydrich,  sofre atentado em Praga. Na hora da morte dele, 4 junho 1942, entra o locutor:

          Povo tcheco.

Me dirijo neste momento grave e triste.

Blá-blá-blá.

Morre um dos homens com mais merecimento na revolução nacional-socialista-alemã.

Blá-blá-blá.

O general Heydrich, querido em nossa terra, era estimado pelo operário tcheco.

Blá-blá-blá.

Era nosso amigo.

Bodies of men murdered at Lidice, a notorious ...

Bodies of men murdered at Lidice, a notorious crime against humanity organized by Frank and Kurt Daluege. (Photo credit: Wikipedia)

Outro momento histórico da Rádio Praga. 1968. Tanques soviéticos invadem Praga e começam a matar o povo que formava barricadas na rua. Entra o locutor oficial:

             Povo tcheco.

Não faça nada que leve a um inútil derramamento de sangue.

Blá-blá-blá.

Não ajudaremos em nada levantando barricadas.

Blá-blá-blá.

Elas estão provocando vítimas que ninguém deseja e que estão morrendo por nada.

Blá-blá-blá.

De novo, amigos, dispersem-se.

A presença de vocês aqui, diante da Rádio Praga, não tem nenhum sentido.

Blá-blá-blá.

Então, repetindo a foto do que está na parede do DOX, em Praga:

Image

 Amém.

More info at:

http://www.radio.cz/es/rubrica/especiales/90-anos-de-radio-en-la-republica-checa


                             A convivência do melhor IDH com o pior Indice de Gini do Brasil é exposta no livro Pombal de Gente Inacabada, que acaba de ser lançado pela Internet, no Clube dos Autores, nas formas online e impresso, pelo poeta e jornalista Eduardo Mamcasz, habitante de Brasília há mais de trinta anos.

                       O livro é o resultado da participação do autor no projeto mundial National Novel Writing Month e mostra a visão microscópica do Alter Ego  à janela de um elegante apartamento em frente ao duvidoso prédio que abriga  a legião movediça  de concurseiros atraídos pelo sonho do emprego vitalício.

                “Diante de mim mora um prédio nesta parte dita nobre desta capital brasileira chamada de Brasília, apelidada de A Ilha.

             A pintura no refazer, os fios das antenas de TV à solta, a individualidade exposta em minúsculos quarto e sala.

              Nele sobrevivem pombos ciganos, itinerantes, errantes à procura do ingresso em qualquer bem remunerada sepultura estatal.”

Clique abaixo para comprar ou ler as dez primeiras páginas

https://clubedeautores.com.br/book/142772–Pombal_de_Gente_Inacabada

Image


Bons tempos aqueles em que se cantava a criança feliz, feliz a brincar. Hoje, elas querem mais. Brinquedo? Depende…

E olha que o preço da boneca cobiçada, das noites de sereno, subiu, desde o Dia da Criança de 2011, 5,79%, contra uma inflação de 5,73%. Melhor então empurrar para cima da criança mais uma bicicleta, que subiu 2,25%. Ou um computador, que deixou de ser coisa de gente grande, que subiu 2,44%.

 Agora, carinho, afago, atenção, beijo, abraço, até logo, bom, aí é demais, né, gente. Dá muito trabalho para os pais. As crianças estão mais é para o consumismo. Chegam a ficar doentes. Viram umas  dominadoras. Verdade. 

 Aumenta a preocupação de educadores com o consumismo infantil que, em alguns casos, pode desencadear até mesmo doenças, como alergias, depressão, agressividade, hiperatividade, ansiedade, além de febre e irregularidades no sono.

Vamos então aos números que abalam as finanças dos pais e alimentam o ego das crianças. Até porque o Dia das Crianças é o terceiro que mais vende, com 35% do faturamento dos negociantes. 

 Pelo comércio eletrônico, o faturamento deste ano chega  aos  855 milhões de reais. Em 2011, o comércio eletrônico faturou R$ 713 milhões. Só na parte das cansativas crianças que vencem os pais pelo choro, dengo e, digamos, manobras nada éticas. Ou não?

Agora, vamos fazer um teste para saber se os pais sabem se comportar na hora de comprar um presente para o Dia das Crianças. Será que eles são gente grande, sabem colocar o presente na grade financeira doméstica ou, se for o caso, parcelar sem que isto prejudique as necessidades básicas futuras da família.

 Então me ouça, pessoa.

http://soundcloud.com/mamcasz/dia-da-crian-a-n-o-quer-mais

 


Quatro prosas miúdas, a partir de hoje,

de como o pobre gasta a renda que não tem.

Quando falo de pobre, não é o remediado, muito menos a nova classe média C.

É o lascado, entre a baixíssima e a pequeno-média renda.

Ah… ficam de fora, como acontece com toda estatística,

os localizados abaixo da linha da pobreza.

São os miseráveis.

Os que sobrevivem na miserabilidade.

( Foto tirada por mim no bairro classe A do Batel em Curitiba, Paraná, Brasil)

Primeira parte da pesquisa realizada pela Federação Brasileira de Bancos – Febrabran – em cima de como o pobre gasta a pseudo renda nos chamados ciclos da vida – batizado, casamento e funeral.

A pesquisa  constata que  a população situada entre a baixíssima e a média renda, em casos de emergência, como doença grave na familia, procura mecanismos financeiros que vão do parente ao agiota. Só nisto, lá se vão 40% do quase tudo.

Então me ouça, pessoa.

http://soundcloud.com/mamcasz/ciclo-da-vida-01-pobre-gasta

Esta série específica  que repasso a partir de hoje eu acabo de aprender no curso intensivo Sistema Financeiro Nacional, que fiz na Confederação Nacional das Instituições Financeiras com a Federação Brasileira dos Bancos  (CNF-Febraban), com o professor Ricardo Escolá. Tem ainda, lógico, muito do MBA de Derivativos, na FIA, em bolsa de estudo para jornalistas de economia da BMF-Bovespa. Mais a vida…

Siga a série nos posts abaixo


Batizado, casamento e morte, chamados de eventos do ciclo de vida, exigem dos mais pobres um gasto extra equivalente a 30% da renda familiar, segundo pesquisa da Federação Brasileira dos Bancos.

Casamento

Uma coisa interessante apurada na pesquisa é que a turma de renda baixíssima costuma se planejar financeiramente,  na forma de poupança, no caso de casamento, tipo a preparação do velho enxoval da noiva. No caso da turma de baixa renda, entre um e três salários mínimos na família, em caso de casamento, além da poupança, também se costuma à mesma ajuda dos parentes na hora da festa. Já no nova classe média C, aparece um elemento novo, que é o empréstimo bancário, o começo do endividamento, aí valendo até para a lua de mel.

Nascimento

Pronto. Casamento realizado, dívida para pagar, e vem o que? O primeiro filho. Aí, independente da renda familiar, o que vale mesmo é uma mistura de poupança e crediário. No caso do pessoal de baixíssima renda, tem mais um elemento. Comprar fiado para pagar as despesas com a festa de batisado. E passando logo para outro ciclo de vida, que é a morte, as despesas com o funeral e o enterro, que nunca sai barato. Como é que fica?

(Foto tirada por mim no Eixo Monumental de Brasília, capital com maior IDH do Brasil)

Morte

Bom. De acordo com a pesquisa sobre microfinanças nas famílias de menor renda, nos casos de morte o pessoal se vira da seguinte maneira. Os de baixissima renda apelam, em primeiro lugar, para a famosa lista de ajuda na vizinhança. Depois, uma coisa que vale para os três tipos de renda, a eterna ajuda dos parentes. No caso só do pessoal de baixa renda, aparecem as figuras do agiota e do financiamento direto na funerária.

Enterro Classe C

 E o pessoal um pouquinho melhor de vida, que os técnicos chamam de médio baixa renda, ou nova classe média C. O que ele faz em caso de morte na família?Para arranjar os 30 por cento repentinos a serem gastos com o enterro, a nova classe média usa dos seguintes instrumentos financeiros de emergência e pela ordem: parentes, financiamento na funerária, empréstimo no primeiro cartão de crédito e a abertura da linha de crédito no banco, sempre com as taxas de juros, me desculpe o ouvinte, pela hora da morte.

Então me ouça, pessoa.

http://soundcloud.com/mamcasz/ciclo-da-vida-02-pobre-gasta

Inté e axé.


Recife é a região que tem a maior porcentagem de desocupados, 6,7% na última Pesquisa Nacional de Amostras por Domicílio (Pnad), divulgada pelo IBGE, que a partir de agora, passa a classificar este segmento como pessoa economicamente não-ativa.

Só uma explicação antes de continuar a prosa. Desocupado, para os técnicos do IBGE, que fazem a PNAD, Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, que acaba de ser divulgada, é simplesmente a pessoa que se cansou de procurar emprego. Não tem nada a ver com vagabundo. Pelo contrário.

Segundo o IBGE, existem hoje seis milhões e 627 mil desempregados e um milhão e trezentos mil desocupados. Ah … isto só nas regiões administrativas onde a PNAD do IBGE chega, ou seja: Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre. E nos demais?

Então me ouça, pessoa:

Quem são esses desocupados? Mais da metade  são mulheres, 35,1% nunca trabalharam, mais de um terço (33,9%) são jovens entre 18 e 24 anos de idade; 57,6% são pretos ou pardos, ou seja, negros e,  53,6% não completaram o ensino médio, ou secundário, ou segundo grau.

Então, tá.

Inté e Axé!


Mas ganham menos do que os homens.

Os números divulgados pelo Caged-Rais,

do Ministério do Trabalho,

confirmam os do IBGE.

As mulheres, apesar do avanço no mercado de trabalho,

continuam ganhando menos,

no mesmo tipo de trabalho.

Mas a diferença vem diminuindo a cada ano.

Será?

No Brasil, as mulheres são mais da metade da população, estudam mais que os homens,  têm menos chances de emprego e ganham menos  trabalhando nas mesmas funções. Isto de acordo com o IBGE. Agora,  foi divulgado o número de vagas de trabalho criadas no ano passado. Mas a prosa de hoje de mulher.   E comemorar por que? Por causa dos números do Caged e Ráis. Vamos nessa

* * * * *

Ah… Caged é o Cadastro Geral dos Empregados e Desempregados. Ráis é a Relação Anual de Informações Sociais. Tudo muito bem detalhado. Informa, por exemplo, que o mercado hoje no Brasil é ocupado 58 por cento pelos homens e 42 por centos pelas mulheres que, aos poucos, ganham terreno. Palavra do diretor de emprego do Ministério do Trabalho, Rodolfo Torélli.

Então me ouça, pessoa

 http://soundcloud.com/mamcasz/mulher-mais-instru-da-mas