First, the facts. Seven thousand Cuban doctors are coming to Brazil. Direct agreement with the Cuban government. Who gets the money. 200 million dollars per year. A year ago, all settled. The scheme: buying the media to stop the Health care in Brazil, Brazilian doctors call for the interior and, finally, that may Cubans. Nothing against doctors coming into the Northeast explored. Much less in favor of the Cuban doctors being booed. No way they seem maid. Never. Now, resign Brazilian doctors for ten years in the same inner battle left to give vague to Cuban doctors, then, the measure passes.

Image

          Primeiro, os fatos.

Sete mil médicos cubanos estão vindo para o Brasil. Acordo direto com o governo de Cuba.

Que recebe o dinheiro. 200 milhões de dólares por ano. Há um ano, tudo acertado.

O esquema:

Comprar a mídia para acabar com o atendimento da Saúde no Brasil.

Convocar médicos brasileiros para o interior

Enfim, que venham os cubanos.

Nada contra a vinda de médicos para o interior do Nordeste explorado.

Muito menos a favor dos médicos cubanos sendo vaiados.

Nem pensar que eles parecem empregada doméstica. Jamais.

Agora, demitir médicos brasileiros que há dez anos batalham no mesmo interior abandonado, para dar vaga aos médicos cubanos, aí, passa da medida.

Image

Mente abucheado cubana: no va a ir a donde los médicos

       Mi pueblo. Estoy abichornad

       

¿Por qué hoy en día es el sábado? Nadica de nada, hombre. Es el nigga siguiente:

    Médicos de Familia, hasta diez años en los pueblos de mierda raspando el nordeste de Brasil, están ahora mesmo siendo despedidos, por teléfono, para dar paso a los médicos cubanos, por el cual el gobierno de Brasil paga 10 mil dólares al mes, la casa, la comida y más hogares de la zona.

    Ya médicos brasileños están siendo despedidos sumariamente, de la hoja, en septiembre, a pesar de que sus salarios han sido siempre muy por debajo de los diez kilómetros.

     Y ahora, cumpanheiros y cumpanheiras bolivarianas-petralhas-analfabetas-histéricas que abundan acá en Face? Es por esta razón? Y no me vengas con liberación oficialesco-enviado-pagada de papel de uso oficial para enviar en otro agujero porque en mi papel higiénico es amentolado. Ih … por poco.

      Sólo para desmitificar esta sanha cubana. Casi a dañar este mi sábado. Afortunadamente, el surubím horno interpuesto por un indio amigo suyo que da pena Xingu, como una sauna con vapores de romero, mejorana y otras delicias.

       ¿Lo ves?

    Mi fin de semana continúa el bien. En mierda médicos brasileños son generalistas de la familia de mierda en persona, en el noreste, que acaba de perder su trabajo que abrazó por vocación, lejos de la capital, donde, ahora, los gobernantes saciar dudar de la frontera sirio-libanesa.

       Yo estaba! Ou mejor. Fui, né, mané de mierda!!!

 Image

                Gente. Estou abichornado. Por que hoje é sabado? Nadica de nada, meu. É pelo seguinte, mano: Médicos da Família, até há dez anos ralando nos lugarejos de mierda do Nordeste brasileiro, estão sendo demitidos, por telefone, para dar lugar aos médicos cubanos, pelos quais o governo de Brasil paga 10 mil reais por mês, mais a casa, comida e mais o trato domésticos. Já os médicos brasileiros estão sendo demitidos sumariamente, fora da folha de setembro, mesmo que o salário deles sempre tenha sido muito abaixo das dez milhas.

      E agora, cumpanheiros e cumpanheiras bolivarianas-petralhas-iletradas-histérica que abundam aqui no Face? Fica por isso mesmo? E não me venham com release oficialesco-mandado-pago-oficializado que mando usar o papel noutro orifício porque no meu é papel higiênico amentolado. Ih… acabei mal.

      É só para desmistificar essa Sanha Cubana. Quase estrago meu sábado. Ainda bem que no forno o surubim trazido por um índio amigo do Xingu. Ele, o peixe,  sua que dá pena, parece uma sauna com vapores de alecrim, manjerona e outros acepipes.

       Tá vendo? Meu final de semana continua na boa. Na mierda estão os médicos brasileiros-generalistas-de família-da pessoa na mierda, no interior do Nordeste, que acabam de perder o emprego que abraçaram por vocação, longe da capital onde, agora, os governantes saciam a dúvida no Sírio-Libanês. Fui!!!

Anúncios

Cuba granny

Cuba granny (Photo credit: @Doug88888)

Saludo,  burguezinho de mierda.

Assine este abaixo-assinado a favor do médico cubano mandado ao Brasil.

1)-Que ele receba o salário integral pago pelo governo brasileiro;

2)-Que ele possa ir e vir onde lhe der na telha;

3)-Que ele possa pedir asilo político, se quiser;

4)-Que ele possa trazer a família dele, refém lá na Ilha de Cuba.

Enfim, burguezinho de mierda.

Que o médico cubano  seja aplaudido pelo povo que  morre no  SUS.

Para terminar, burguezinho de mierda.

Só acredito neste teu falso lero quando um, apenas um,  levar o filho, que não foge à luta, na hora da doença pior, direto para o médico cubano.

Enquanto isto não acontecer, burguezinho de mierda, vou deletar cada um de você.  

A não ser que me traga, antes, um atestado médico de atendimento da tua criança, na pior, assinado por um médico cubano que, aliás, merece toda a nossa força, neste dia 7 de setembro.

Liberdade já, ainda que tardia, para o médico  cubano, escravo aqui no Brasil.

Image


Ex-trato

 Matilde, my cuban brown coat medical, at my “cafofo”, hidden from Madame, in the seventh sexual act, insists:

– My polaquito. Cuba Libre (Free Cuba) for my is this. Look at me.

– Continue, my beladona.

– Two flakes. One, for me. Another, for you, my polaquito “caipirento”. Place the cubes of ice.

Read more, gringo:

        Image

       Matilde, a médica morena cubana que abrigo no meu cafofo-célula-aparelho, escondido de Madame, no sétimo ato, insiste:

           – Mi polaquito. Cuba Libre para mi é esto.

           – Continue, minha beladona apimentada.

         – Dois copos. Um para mi. Otro para usted, polaquito caipirento. Coloque os cubos de gelo. Aíai… este, que caiu, deixe aí mesmo. Uau… uiiii…

           – Matilde!

          – Continue, polaquito.

          – Viva Cuba Libre!

          – Ah. Dois copos altos. Cubos de gelo. Meio limão espremido em cada qual. Agora, lambe…

          – Matilde, minha médica cubana, Libertas quae sera tamem.

          – Fala mais, polaquito de mi corazón.

          – Viva Cuba Libre!

        – Mais… mais… Ah. Copo. Cubo de gelo. Meio limão espremido. Um tanto de rum. Tem que ser o rum dourado. Cachaça 51 manda para a tua Rose.

       – Matilde! Não abuse da liberdade senão tu gobierno de mierda te corta os 20 por cento do salário que o Brasil te manda para lá que nem já fez com os atletas nos Jogos Panamericanos.

        – Prefiro la muerte que viver sem tu, mi polaquito.

      – Entonces, continue com a receita de Cuba Libre, mi morenita medicinal.

       – Falta o principal. Aprendi na Venezuela, de onde vim direto para cá. No lugar de Coca-Cola, dos imperialistas ianques de mierda, eu só uso Guaraná Jesus.

      – MATILDE!!!!

      – Quié, polaquito. 

    – Só aceito se for Cuba Livre de verdade.

   – Pois entonces. É da mesma cor. Bem ladino.

    – Cuba Libre tem que ter Coca-Cola e pronto.  

    – Não tomo.

    – Toma!

    – Toma você! 

     Moral

    Despeço minha médica cubana por incompatibilidade etílica.

    Embora, noutros pormenores, ela seja doutora dos maiores pendores.

    Mas se insistir no Guaraná Jesus, no lugar de Coca-Cola, não tem Cuba Libre.

   – Matilde! Por mim, pode voltar para a Ilha de Cuba agora mesmo. Aproveita a jangada em que vieste. Ah. Passe antes no Maranhão e leve todo Guaraná Jesus que tiver por lá. E use no teu mojito comunista.

Português: O Guaraná Jesus, refrigerante típic...

 

  – Entonces, tá. Adios, mi polaquito imperialista de mierda!

    – Hasta siempre, mi cubanita.

Image


Image

Brazilian Friends and Companions People.

Tale of a pearl here parable of my polack grandmother.

Listen me.

The Army Forces support us here in Brazil.

http://copadomundo.uol.com.br/noticias/redacao/2013/06/22/com-aval-de-dilma-fifa-usa-forcas-armadas-como-trunfo-para-seguranca.htm

Brasileiras, Amigas e Companheiras Pessoas.

Conto aqui uma pérola de parábola da minha avó.

 Em sendo ela polaca, uso o  pronunciamento direto. Soco no saco. Aiiiii…..

 Meninas pessoas das ruas do meu Brasil varonil.

– Heil!  menina pessoa nóia da esquina, drogada  da vida! Xô da minha tela nacional! Eu tô falando é  pro menino barbudinho.  Meu  MPL centavinho da vovó. Movimento do Passe Livre. Vem cá, meu putinho!!! Baixando as calças em troca de uns trocados. Que nem teu pai, velho baderneiro. Bandido! Largou tua mãe buchuda e se mandou prá Cuba.

– Volta pro texto, polaco!!!

Pois então. Minha avó polaca. Da parte de mãe. Makowsky. Mais da luta do que muita véia surda por aí.  Quando a gente reclamava que os Tios da Revolução, nos almoços em família, recebiam, no prato, de mão beijada, um pedaço de polenta maior do que o nosso, meninos da rua, sem saúde-educação-transporte-emprego…

– Polaco!!!

Ouça bem o que a minha finada no corpo mas nunca deletada na mente (boa, polaco!!!), respondia para a gente, menino reclamante, logo depois de uns cascudos  – isto é para você aprender a levar porrada na vida, polaquinho da vovó – respondia, não, discursava-conclamava-pronunciava à Nação Polaca presente, olhando pros Tios da Revolução:

– Dá vinte centavos pro menino comprar um picolé que ele pára de reclamar do pedaço de polenta que o pai dele tá ganhando de graça  da Bolsa Família prás CUT-PT-UNE-MST.

Imoral:

Mais claro do que isto, impossível. Faça um curso para entender polaco.

Moral Final:

– NUNCA MAIS COMI POLENTA NA MINHA VIDA!!! MESMO MORRENDO DE VONTADE DE COMER MAIS DE UMA.

http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2013/06/mpl-diz-que-nao-convocara-novos-protestos-em-sao-paulo.html

Image

Dilma implore the military support. Now, meu!!!

Brazilian Friends and Companions People.

Tale of a pearl here parable of my grandmother.

Listen me.

The Army Forces support us here in Brazil.

 

In my  being Polish, use direct speech. Punch the bag. Ai …..

  Girls street people.

– Heil girl person noia corner, drugged life! Shoo of my screen nationwide! I’m talking about is pro barbudinho boy. My grandma centavinho MPL. Movement of the Free Pass. Come here my putinho!! Downloading the pants in exchange for a few bucks. Just like your father, old troublemaker. Bandit! Your mom dropped buchuda and sent prac Cuba.

– Go back to text Polish!!

Since then. My Polish grandmother. From his mother’s side. Makowsky. More fight than many deaf vein there. When we complained that the Uncles of the Revolution, the family lunches, received, on the plate, spoon-fed, a piece of polenta larger than ours, street children, without health-education-transport-employment …

– Polish!!

Listen carefully to what my dead body but never deleted in mind (good, polish!), Responding to us, complaining boy, soon after some pounding – this is for you to learn how to take a beating in the life of polaquinho Grandma – answered no, speaking–spoke urged the Polish Nation present pros looking Uncles of the Revolution:

– Gives twenty cents pro boy buy a popsicle he stops complaining about the piece of polenta that his father’re winning grace of Bolsa Família Pras CUT-EN-UNE-MST.

immoral:

Clearer than that, impossible. Take a course to understand Polish.

Moral Final:

– POLENTA EVER HAD IN MY LIFE!! WILL EVEN DYING TO EAT ONE.

https://www.facebook.com/events/260842227391920/

Polenta, French fries, and fried chicken at a ...


Argentina está a um passo do calote

Primeiro a nota da manhã desta sexta-feira (28-11-12) que agita os abutres capitalistas. A agência internacional de classificação de riscos, a Fitch, acaba de rebaixar a nota da vizinha em cinco pontos, de uma só vez. Cai de B para CC. Casualmente, a presidenta brasileira Dilma Roussef está hoje na Argentina. Junto com o assessor Marco Aurélio Garcia. Sugestão: que tal expulsar a Argentina do Mercosul, como fizeram com o Paraguay. Ai, ai, caramba, quer dizer, caracoles.

Traduzindo a conversa, está na bica de acontecer o chamado “Default Técnico”, ou seja, CALOTAÇO, tipo O Último Tango em Buenos Aires. Apesar da turma do deixa disso dizer que isto se deve por causa daquele juiz de New York, o Thomas Griesa, que obriga a Argentina a pagar o que deve, senão… E só para terminar. A Fitch Ratings rebaixou o risco da Argentina pagar a dívida de curto prazo de C para B e a de longo prazo de B para CC, com chances de “default tecnico”, ou seja, Calote, quando daí cai de vez, de CC para DDD, Aí, fucked meu.

O pior é que o socorrista latino de plantão está mal das pernas, em Cuba. Falo da Venezuela e do Hugo Chaves. Então, no lugar de arriba é abajo.

 http://www.ambito.com/noticias/imprimir.asp?id=664889

Estás muy cerca al riesgo de default de Argentina

 En primer lugar señalar la mañana del viernes (12/11/28) saluda a los buitres capitalistas. La agencia internacional calificadora de riesgo, Fitch, sólo rebaja la nota de los vecinos de cinco puntos a la vez. Cai B para CC. Por cierto, el presidente de Brasil, Dilma Rousseff, se encuentra en la Argentina de hoy. Junto con el asesor Marco Aurelio García. Sugerencia: ¿qué hay de expulsar Argentina Mercosur, como lo hicieron con Paraguay. Oh, oh, Dios mío, me refiero a los caracoles.

La traducción de la conversación que está sucediendo en el pico llamado “default técnico”, es decir CALOTAÇO, como El último tango en Buenos Aires. A pesar de la banda ha llegado a decir que debería debido a la juez de Nueva York, Thomas Griesa, que requiere la Argentina para pagar lo que debe, pero … Y así hasta el final. Fitch Ratings rebajó el riesgo de Argentina para pagar deuda a corto plazo de C a B y B a largo plazo para CC, con el riesgo de “default técnico”, por defecto, es decir, con lo que cae de vez en DDD DC , entonces mi jodido.

Lo peor es que el socorrista de guardia América está en mal estado, Cuba. Hablo por Venezuela y Hugo Chávez. Así que en lugar de arriba abajo es.

 Argentina is one step away from default (default)

First note the morning of this friday (11.12.28) shaking the capitalist vultures. The international agency risk rating, Fitch, just downgrade the note in the neighboring five points at once. Cai B to CC. Incidentally, the Brazilian president Dilma Rousseff is in Argentina today. Along with the advisor Marco Aurelio Garcia. Suggestion: how about expel Argentina Mercosur, as they did with Paraguay. Oh, oh, gosh, I mean snails.

Translating the conversation is happening in the spout called “Technical Default”, ie CALOTAÇO, like Last Tango in Buenos Aires. Despite the gang’s come on say it should because of the judge of New York, Thomas Griesa, requiring Argentina to pay what you owe, but … And just to finish. Fitch Ratings downgraded the risk of Argentina to pay short-term debt from C to B and long-term B to CC, with chances of “technical default”, ie default, thereby falls from time to DDD DC , Then my fucked.

The worst is that the Latin rescuer on duty is in bad shape, Cuba. I speak from Venezuela and Hugo Chavez. So instead of arriba abajo is. falls from time to DDD DC , Then my fucked. The worst is that the Latin rescuer on duty is in bad shape, Cuba. I speak from Venezuela and Hugo Chavez. So instead of arriba abajo is.

English: Dilma Rousseff, president of Brazil w...

English: Dilma Rousseff, president of Brazil with Cristina Fernández de Kirchner, president of Argentina during Rousseff’s official state visit to Buenos Aires on January 31, 2011. Português do Brasil: Dilma Rousseff, presidenta do Brasil e Cristina Fernández de Kirchner, presidenta da Argentina durante a visita oficial de Dilma Rousseff a Buenos Aires em 31 de Janeiro de 2011. (Photo credit: Wikipedia)


Shikata ga nai (japonês) = Das ist nichts zu machen (alemão) = 

Não vejo, não escuto e nem cheiro merda nenhuma (brasileiro).

É que na semana, na produtora de imagens onde obro, a colega Maria primeiro se desfaz dos CDS. Coloca-os na mesa comum dos mortais. Pego o de Edith Piaf. Depois, ela traz os livros, mudando que está para uma atitude, digamos, mais roqueira, junto com João,  José  e seus Chorumes.

Qual mendicante descido para a classe C, decido-me por  “Hiroshima”, de John Hersey, um dos maiores jornalistas culturais, mas bota factuais nisto, do século XX.

Assim  começa a perda de apetite para o caminhar dominical deste começo de outono na parte sul cá da Ilha da Fantasia, Brasília.

Hiroshima. Maior crime contra a Humanidade. O presidente dos Estados Unidos é fuzilado no Tribunal de Nuremberg? Necas… o piloto do Enola Gay é condenado àao mesmo fogo dos infernos? Nadica… Dormem soltos. Resultado: Vietnames, Iraques, Guantânamos e muito mais.

“No dia 6 de agosto de 1945m precisamente às oito e quinze da manhã, hora do Japão, quando a bomba atômica explode sobre Hiroshima…”, assim começa o livro de John Hersey, traduzido para o brasileiro. O calor de 6.000 graus centígrados derrete mais de cem mil pessoas e deixa outro tanto aleijadas, despeladas, cancerizadas.

E o pior. Na reconstrução, o Comando Militar Norte-Americano censura qualquer tipo de notícias, no Japão e, principalmente em terras ianques, para não manchar a imagem do Tio Sam Libertador do Mundo.

Mais pior ainda. O governo japonês do imperador colocado de quatro marginaliza os atingidos pela radiação nuclear que atestam a infelicidade de conturbarem os vivos, não-atingidos e abraçados ao inimigo.

– E eu com isto – ouço alguém na resposta ao meu caminhar dominical interrompido.

– Tudo e mais um pouco, pois leia com atenção o final da prosa de hoje:

Shikata ga nai, ou seja, fazer o que, não tem jeito, é isso aí, Das ist nichts zu machen, não tem nada a ser feito.  Esta é a estóica e oriental reação dos desmiolados pela bomba atômica jogada criminalmente pelos americanos em cima da cidade de Hiroshima, no final da Segunda Guerra Mundial.

Concluo, puto por ter perdido minha caminhada dominical:

– Mas não é esta a reação que eu vejo, todos os dias, ao meu lado, nos ditos bípedes eternamente de quatro? Nichevo, diz o russo. Não vejo, não ouço, não cheiro merda nenhuma.

Moral de Merda

No lugar da caminhada, neste domingo de manhã, pego um ônibus, cá na Asa Sul, direção ao Entorno, pós Satélite, com o livro “Hiroshima”, de Johan Hersey, no sovaco endireitado, e sigo o caminho inverso iniciado por Maria com o livro porrada na minha mente e no meu coração. Puxo a campainha e apeio numa estação do metrô, com quem volto.

Tomara que nesta hora o escrito esteja entrando na mente  de uma passageira pessoa. Que leva na cabeça, sem reagir, a cada dia, toda hora, uma porção de partícula atômica, sem nunca reagir, o mínimo que fora, eita Povinho, escuta, Zé Ninguém, ah, este novo livro eu libero domingo que vem, primeiro de abril, por isso adianto logo o papo amargo do Wilhelm Reich. Fala Guilherme:

“Vem comigo, Zé Ninguém.   Não fujas.  Não sou ditador,  embora, quisesse eu sê-lo, a tarefa teria sido fácil perante a tua mediocridade. Bom. Eu tenho as bombas atômicas, e uma só delas pode matar centenas de milhares de pessoas. Parece-me que ainda não entendeste bem, Zé Ninguém. Julgas que são os príncipes e generais que fabricam essas bombas? Não, são homens como tu que as constroem berrando “Viva!”, em vez de se recusarem a fazê-lo.

 Porra, meu, clique logo abaixo e leia o esporro completo, tá, Zé Ninguém!!!           

http://www.culturabrasil.org/zip/zeninguem.pdf