No bloco do eu caladinho, saio na manhã deste domingo para caminhar no Eixão.

Ó néscia pessoa das coisas cá da Ilha, Brasília. Eixão são as sete pistas de asfalto puro que cortam o Plano, de Sul a Norte, por 15 quilômetos. Mas voltando ao meu desértico carnaval a pé no eixão.

– E não me interrompa mais, viste?

Pois então. Aos vinte minutos de caminhada, o pensamento começa a voar que é coisa boa. Daí, passo por uma bonitona e eu rio da cadela. Dela, claro, a potranca, sorry feministas. A cadelinha se mijando de medo de um isopor com os copos de água a um real e o negão sentado ao lado, mudo de todo, eu diria puto da vida.

Daí, já no pensamento solto, libero  à viva voz:

– Você devia arrumar é um cachorrão que nem eu no lugar desta cadelinha tremeliquenta.

– Boa, polaco, gostei, mas por acaso você sabe latir bonitinho assim que nem ela?

– ???

– Vai, late ai para ver se a vale a pena a gente topar uma troca.

Moral 1:

E não é que o polaco aqui latiu? De verdade. Juro pela Graciosa.

Pior foi a reação:

– Isso lá é latido que se preze, polaco? Continue treinando que domingo que vem pode ser que pinte alguma troca. Melhor ainda, se você aprender a latir de verdade, eu dou sem pedir nada em troca.

Explicação: o eixão  fica aberto para os pedestres só nos domingos. Ou feriados … não tem nada a praticar somente uma vez por semana, não.

Moral 2:

Descartei o pedaço de mau caminho, lati feio para a cadela que respondeu muito da convencida, e saí do eixão para as calçadas da entrequadra, na volta para a parte sul que me cabe nesta  ilha.

– Au… Au… Ai…  continuo treinando meu novo latido. E passo pelo mendicante, saco preto dependurado, um lixo, mais o  pedaço de osso a la microfone:

– Então, você quer que eu responda? Pois digo o seguinte. Se uma pessoa é presa, mesmo sem ter feito nada, respondo que ela tem mais é que continuar presa.

– Au… Au… Au…

– Espera aí, dona Bia, deixa eu passar o microfone para um polaco maluco que está passando por mim latindo, quer dizer, tentando latir que nem um cachorro de madame bonita.

– Pergunta o nome dele e diz que está participando aqui do Bia Talk Show, na Rádio SBM, ao vivo.

– Deixa que eu mesmo respondo que ele acaba de levar um fora de uma bonitona ali no eixão. Acontece que este  polaco late mais feio do que a cadela.

– Como é que é? Deixa eu falar com ele.

– Nem pensar, dona Bia, o horário é meu, tá vindo o intervalo comercial, que eu sei, e não tem nada de polaco roubar meu espaço neste tão popular  Talk Show.

– Xô cachorro!  polaco vira-lata!  ladrão de microfone!

É o que eu continuo a ouvir, cada vez mais distante,  enquanto corro em direção ao pedaço de osso  que o mendicante jogou para bem longe. Dele e do Bia Talk Show. Me desculpe mas agora não possa falar mais nada.

Acabo de pegar o osso. Não largo mais. Sou o maior petelho da paróquia.

Saiba mais:

https://mamcasz.wordpress.com/2009/11/20/setenta-por-cento-dos-mendigos-sao-negros/

Anúncios

Minha sogra velha está de volta.

 – Velha é a tua mulher!

Oitenta e oito anos de bateção de perna.

De volta para este genro que ela adora.

– De onde você tirou isso?

Com ele, quer dizer, eu,  ela começa uma vida nova.

Vamos   passear no domingão  na Esplanada dos Mistérios.

– Escreva aí. De braços dados.

Museu da República.

E ela:

– Nova ou Velha?

Exposição: Terra Brasilis.

Na subida da rampa, ela me puxa o cotovelo:

– Esse cara não tem onde dormir não?

E eu:

Tem toda a Esplanada só para ele.

E ela:

– Ah… deitado eternamente em berço esplêndido:

 

https://mamcasz.wordpress.com/2011/08/03/gente-hoje-eu-estou-tao-feliz/


The piss and blood from the beggar in Brasilia, Brazil


     

Sabe aquele mendigo que levou porrada que deixou sangue na calçada aqui perto donde trabalho numa área nobre aqui da Ilha?

https://mamcasz.wordpress.com/2011/06/15/brazil2-se-puder-nao-volte/

E hoje estou TÃO feliz, por que?

Porque hoje de manhã eu passo pela mesma calçada onde ele levou tanta porrada, de madrugada, e olha quem eu vejo ali deitado eternamente em berço esplêndido. O próprio mendigo. De volta ao lar, não mais sem teto, tomara que não lhe caia na cabeça. E numa área nobre, cercado pela burguezia dos Colégios Militar, Marista, Sacrossantésimo Coração da Maria, EBC e tal.

 

Só não sei se estou tão ou mais feliz do que o mendigo.

É que ele acaba de dar um show, aqui na porta da TV.

Cantando rock’n’roll, man.

Longa vida ao meu mendigo.


 Somos dois sofredores, me joga na cara  o mendigo.

 Chego com  meu carrão na quadra interna da Asa  Sul.

Maloqueiras adolescentes me conhecem na intimidade.

Escapam da escola pública onde estudam.

À espera das domésticas, suas mães.

Moram todas nos subúrbios de Brasília.

Um carrinho do lixeiro atrapalha meu entrar na vaga.

Solícito, o mendigo afasta-o para o aqui doutor.

No Big Mercado do BNDES compro bacalhau, alcaparra,

cerveja holandesa, quitutes inúteis mil.

Na volta, separo a moeda de um real.

Chego pro solícito mendigo e a trespasso.

A camisa rubronegra, Flamengo

adornada do símbolo da Petrossal,

ressalta a miserabilidade do brasileiro. 

Nos rasgos, a pele escura abundante de cascos.

Feridas, cicatrizado sangue e lanhos roxos de pauladas recentes.

O fétido fedido mendigo a exalar em considerável distância.

Tanto que jogo a única moeda tipo coisa de dois metros.

Para realçar meu lado ongueiro, fuqueiro, sustentável, o cacete, replico para o bem explorado público:

– Apesar do amigo ser flamenguista.

E o solícito mendigo pergunta na hora:

– O doutor por acaso é Botafogo

E me arrasa de vez:

– Então, somos dois sofredores.

Ipso facto,  concluimos que Eu, o doutor das letras,

e Ele,  o mendigo, sofremos por igual.

Deposito o bacalhau, a alcaparra, o queijo roqueford,

a cerveja holandesa, os quitutes inúteis

e a minha funda vergonha,

tudo no branco banco do meu carrão.

Ao sair, o solícito mendigo me encara suavemente e finaliza:

– O doutor sofredor não se lembra de mim?

Pois não é que se trata do mesmo mendigo

adotado por sob a marquise da TV Brasil?

Ele levou  uma porrada de porradas, de madrugada.

 Deixou as  poças de sangue de lembrança

antes de ser levado ao quase necrotério.

Nenhuma nota na Grande Imprensa

+ entretida no aloprado caso Palocci.

Siga-o, o fedido mendigo, no post, linko abaixo,

cabisbaixo, arrasado.

https://mamcasz.wordpress.com/2011/06/15/brazil2-se-puder-nao-volte/

Moral do lero:

Quase que o mendigo estraga o meu bacalhau.

 Evito o dito ligando o ar

corretamente condicionado do meu caro carro.

Sustentável.  

Ecologicamente correto.

Eticamente roubado.

E me distancio do Zé Povinho.

Fuga que custa apenas um real.

 


The piss and blood from the beggar in Brasilia, Brazil

O mijo e o sangue do mendigo de Brasília

Olha que obra mais linda, que cheia de arte.

Passo por ela, por cima; recrio-a por baixo.

Tudo ao meu alcance,   aqui no trabalho.

De volta à Pátria Amada e Idolatrada.

Capital do Império Latrino.

Brasília City. 

Capital: Brazil !!!

As fotos de hoje fazem parte do que restou, nesta madrugada, do mendigo sem eira nem beira.

Ele   sempre dormia sob a  marquize ao lado de onde trabalho.

Durante o dia, ele enchia o nosso saco, no fumódromo em frente ao prédio.

A gente se livrava do pedido dele – me dá um cigarro aí –  com um rapidissimo chega para lá.

Até porque ele sempre fedia pra burro, coitado, lavar as coisas adonde?

 Mijar?

 

 No chão, jaz o mijo misturado ao sangue do mendigo.

O pior é que não ganhou uma nota na imprensa.

A perita polícia do sequestro de ontem, onde?

Junto com a imprensa nos gabinetes de Brasília.

Poliça: vamos ter mais quatro mil meganhas.

Imprensa: poliça diz que vamos ter mais.

E o mendigo que apanhou a noite toda?

Alguém pelo menos sabe o nome dele?

Moral do lero.

Estou cá a ouvir a seguinte frase no meu penico:

– Hum! mas que cheiro bom de bife acebolado.

Vem do lado oposto, da birosca da grelhada.

O cheiro, não do sangue do mendigo; do bife.

– Descanse em Paz!

  Amém!

Agora me dá licença que vou vomitar no saco.

Está na entrada da produtora onde trabalho:

2 – Este post saiu no jornal de Portugal. Blogs do Sapo.

Se puder não volte

http://noticias.sapo.pt/local/mafra/

Aproveite, veja e oiça também

Setenta por cento dos mendigos são negros

http://podcast1.com.br/programas.phpcodigo_canal=1618&numero_programa=49

BRASÍLIA, CAPITAL DA ESPERANÇA.


     Depois da caminhada pelo eixão, na parte boa de Brasília, abro nesta manhã de domingo o meu grande jornal paulistano, deixou de ser a Folha, que está fazendo 90 anos, já trabalhei nela, tenho a manchete que consegui com ” Abertura Lenta e Gradual”, alguém se lembra disso?

    Vou direto, por estranho que pareça, para a página do horóscopo, na parte dos capricornianos que encostam a bunda na parede, apontam os chifres para a frente, dane-se o mundo que não me chamo Raimundo, mas Eduardo, que no anglo-saxão quer dizer “homem forte e bom”

 

  “Guarde em silêncio tuas agudas observações a respeito das pessoas.

Neste momento, ninguém tem condição de compreendê-las.

Por isso, elas acabam te causando problemas.

Então, guarde em silêncio tuas agudas observações.

Um dia, quem sabe,  tu podes fazer uso delas,  no futuro.”

 

         

          Esta foto tem tudo a ver com meu horóscopo de domingo. Eu a tirei na minha penúltima viagem pelos Estados Unidos. Em Chicago, terra natal do Obama, mas com um crioulo numa situação bem diferente da dele.

        Apesar da figura morar na parte Sul de Chicago, a dita mais violenta, porque a mais pobre, ou seria o diferente, o negão está pedindo esmola no começo da Magnificent Mile, a parte mais chique da cidade que controla, através de sua Bolsa de Valores de Cereais, o preço do alimento no mundo inteiro.

        E o texto do cartaz escrito a carvão diz o seguinte:

 

 I’m J.I.H.

Please help me.

I’m hungry.

 

       Daí que joguei meu horóscopo deste domingo no lixo e continuei lendo o livro que a estagiária Carmem me emprestou, em troca do Direito à Preguiça, que lhe destinei.

     O  livro da iniciante nas lides jornalísticas fala dos segredos do Lao Tsé, apresentados pelo filósofo Sérgio Cortella, que diz o seguinte, já no intróito:

 

“Há, hoje, uma certa “miserabilidade” nas nossas vidas.

 Claro que  não tem nada a ver com a condição financeira.

É que não nos distanciamos do amargo sabor da monotonia repetitiva.

Não rompemos com o eventual conforto dessa miserabilização cotidiana.”