People.
Ich bin in Berlin. Zum tausendsten Mal. Ab dem Zeitpunkt war ich ein Architekt des arabischen Reiches, die Kultur auf der Arabischen Halbinsel gebracht und damit dann die Barbaren, die Westgoten, Germanen und Slawen, sie, wie Polnisch, Karma für die Aufnahme in den Hof gehängt Hispanic bezahlt , das bis heute anhält, aber weiterhin das Gespräch hier in Berlin, Ende April 2012 bis Anfang Juni, und Leonard Cohen, der im September kommt, oh mein Gott, auch wenn jetzt im April, prüft die grandésimo Rufus Wainwright.

Estou em Berlim. Pela milésima vez. Desde na vez em que eu era um arquiteto do império árabe que trouxe cultura à península arábica e, por conseguinte, aos bárbaros de então, os visigodos, teutônicos e eslavos, estes, tipo polacos, carma que pago por ter sido enforcado na corte hispânica, isto mesmo, continuam até hoje, mas continuemos o papo cá em Berlim, final de abril, 2012, até começo de junho, e o Leonard Cohen que está vindo em setembro, ai, meu Deus, ainda bem que agora em abril, reverei o grandésimo Rufus Wainwright.

Pois hoje revi Kreuzberg, amanhã domingo, irei a Friedricstain, Preslauen Berg já era, calma, tudo isto é conversa da contracultura que é o forte de Berlin, acabou o muro, o pessoal riporanga USA do Kreuz invadiu Prez, foi expulso para Fried, e, agora, vai ser expulso ninguém sabe mais para onde. É a turma riporonga mesmo que, como diz o prefeito gayzézimo de Berlim, nós, quer dizer, eles, somos pobres, mas somos chiques, somos gays, mas somos machos, somos germânicos mas não somos nazistas, tanto que o número de judeus está cada vez maior, é só dar um pulo no Mitte.

Pois então. Voltei ao Kreuz. Metrô de superfície, nas alturas. Maior mafuá, nos Seischeles, na divisa da antiga Oeste, capitalista e Oeste, comunista, coisas do passado. Dois anos passados, estive aqui, era pedaço estranho, mafuá mesmo, nada perigoso que nem o entorno de Brasílias, mas, enfim, muito do estranho, e hoje, revejo tudo, muito estranho, depois anos passados, tudo muito limpo, derrubado, algumas coisas, tipo do mano BLU, siga abaixo, cadê os malucos belezas…

Ainda tem o lado antigo comunista, Friedrichshain, a gente ainda sente, senti hoje mesmo, no cheiro de urina, no meio da mesma ponte onde eram trocados os espiões da KGB pelos da CIA e vice-versa, ou seja, tudo a mesma merda, mas, afinal, qual a diferença para a hoje sentida, no meu nariz, mesmo MIJO, hein meu Fritz?

Siga as fotos que estou sem tempo porque estou sainda para a noitada na parte mais baixaria de Berlim que, felizmente, ainda continua sendo a melhor. Mesmo. Tchuss.

Anúncios

Incrível como os gringos, e não parlo de Hollywood, presersam os cenários dos fimes.

Fico assim pensando se a gente tivesse guardado os cenários do Glauber Rocha.

Deus e o Diabo na Terra do Sol.

Não falo de Brasília.

Isto posto, estou passando, pela segunda vez, num lugarejo entre Atlanta e Macon, na Georgia on My Mind, USA.

Lugar da filmagem de Tomates Verdes Fritos.

Pois Juliette é o nome do lugarejo onde foi filmado

TOMATES VERDES FRITOS.

O cenário está tal e qual.

Aliás, isto me lembra que está na hora de voltar para Brasília a tempo, ou seria há tempo, de ver

A MARCHA DAS VADIAS.

Vai ser no dia 18 de junho, tem a ver com o Canadá.

Meio que parecido com a

MARCHA DAS MARGARIDAS.

Tem a ver com Maria da Penha.


Pois é justamente neste Twistle Stop Cafe que acontece tudo no filme

TOMATES VERDES FRITOS.

Tem o maluco, o xerife local apaixonado pela menina forte que tem como amiga a falsa fraca, que ali chega cansada de apanhar do marido que acaba seguindo-a até lá e aí acontece o melhor do filme.

O machão é justamente morto, não fica claro por quem, a menina forte assume, mas não foi ela, tanto que até o pastor local jura sobre a Bíblia, ainda que tipo santo do pau oco, isto é de Minas, uai.

Resumindo.

Neste local, foi no filme, mas parece real, tanto que fiquei cismando fazer o mesmo com uma pessoa inimiga.

Brincadeirinha…

O negão acaba servindo o famoso B.B.Q. (churrasco) justo pro xerife da cidade do machão.

Mas os dois babacas nem imaginam que um está comendo o outro.

Pois o machão morto foi cortado em pedaços.

Com isso, some-se a prova da evidência.

Até porque o poliça o come.

E até elogia o churrasco, ops, a tenra carne do amigo.

Triste fim de todo machão.

T H E    E N D


Estou cá no Mississipi, USA, e para matar a saudade de Caetés, Brazil, invado um
canavial onde, no meio, descubro um alambique.

Sorvo uns baitas goles e ainda levo um galão no gibão de couro.

Me lembra, e chego a jurar que se trata da velha 51.

Pois chega a trote o resultado:

1 – Eu que bebo

e são os outros que soltam um terrorista condenado na Itália por crimes de sangue.

2 – Eu que bebo

e me vem o ex-Lula e me diz que, realmente, ao contrário do que havia lido na imprensa oficial, o

PALOCCI FOI DEMITIDO.

Uai.

 É o que dá beber.

Só falta me aparecer a polícia companheira e me expulsar daqui.

Mulher é que não me falta.

Por isso, vou dar no pé, rapidinho.

http://www1.folha.uol.com.br/poder/927312-lula-diz-que-palocci-foi-demitido-no-momento-http://www1.folha.uol.com.br/poder/927312-lula-diz-que-palocci-foi-demitido-no-momento-certo.shtmlcerto.shtml


Kansas City, metade Missouri e a menor no Estado de Kansas, ou seja, comeco da terra dos cowboys das botas, mulheres de perna grossa, chapelao goiano e musica country.

Pois sinta mnha surpresa.

Pois Kansas City tem o mais antigo museu de jazz dos States.

Jazz do jeito que o amigo Flavinho gosta de ouvir e colocar no programa dele na Radio Senado.

Tanto que a gente achou um lugar otimo para ele comemorar o casamento em agosto.

Fica no distrito Vine and Jazz, na 18 street.

Alem do museu, tem os bares.

Num deles, estava acontecendo jazz ao vivo com poesia.

POETRY JAZZ.

De alunos negros protestando.

Contra o que?

A foto acima foi tirada por uma neguinha da melhor qualidade.

Apliquei o velho golpe do i`m from Brazil, babe.

E ela: mas branco azedo assim?

E eu: acontece que sou polaco.

E ela caiu na minha.

E me chamou de

SO SWEET.


I`m Brazilian, mana!

Me too.

I’m American, carinha!

Me too.

 

Estamos, de verdade, numa cidadezinha no interior do Estado de  Indiana,
nos Estados Unidos.

CHAMADA BRAZIL.

Isto mesmo.

 Fundada e nominada em 1866,   nos tempos do nosso Dom Pedro II.

Ele era nosso imperador bom, mais viajado do que o Lula.

Eis a prova.

Logo abaixo, a gringa que tirou a minha foto e  eu a roupa dela.

Consegui no velho  papo estilo polaco carioca

  I`m brazilian, me too, papo vai, papo vem,  a gente acabou no motel.

 Of course,mostrei a diferenca do Brazil com Z do Brasil com S.

S de sai de baixo mina vem pra cima.

Mas voltando ao Brazil, com Z, do imperador Dom Pedro II.

Matou o papo do Lula 51 de que, com ele, o Brasil, com S,

 ia ser conhecido no mundo.

Desde 1863 que ele, o Brazil, tem sido.

Pelo menos aqui.

BRAZIL, INDIANA, USA.

Tem prefeitura, carro de policia, igreja, biblioteca,
jornal Brazil Times, correios, o escambau.

Inclusive, my brother do PT,  uma big Tavern para o
ex-presidente do povao passar seus ultimos anos de exilio,

tao logo a classe ascendente fique orfao de vez.

Vamos as fotos que to saindo pruns embalos saturday night

com a minha gringa.

Ela grudou ne mim e diz que vai conhecer a Bahia.

Vamu nessa, neguinha.

What, little mam, are you crazy?


Georgia, Estados Unidos, terra da magnolia, dos negos colhendo algodao e das baronesas fazendas aquelas big festas ate que a Guerra Civil trouxe os gringos do Norte e acabou com tudo.

Quer dizer. Tem uma cidade, chamada Macon, que nao foi queimada pelo Marechal Shermam na famosa Cruzada para o Mar. Ia queimando casa por casa.

Acontece que o prefeito de Macon tinha uma irma que dava pro irmao do Sherman que acabou cedendo ao jeitinho brasileiro e passou pela cidade sem queimar nada.

E ficou isto.

Pelo menos aqui, o Vento NAO levou.

Continuou tudo o mesmo dia.

Ate hoje.

E no meio disso tudo eis que aparece Miss Margaret Mitchel, escritora, autora de E o vento levou, que virou o famoso filme GONE WITH THE WIND. Parece mesmo que ela se levanta, na foto abaixo, e tal qual o personagem Scarlet O`Hara, via atriz Vivian Leigh, clamando no meio das cinzas que, pelo menos em Macon, nao aconteceram:

Amanha vai ser um novo dia, manezinha!!!

Georgia on my mind.


IN GOD WE TRUST … QUER DIZER  …

      Passo aqui numa cidadezinha morta em Ohio, chamada Zanesville, e tiro uma foto no parque ao lado do rio chamado Muskingum, 150 anos depois da Guerra Civil norte-americana que matou mais de milhao.

      E escuto-vejo na TV Mister Ozama, sorry, Obama dizendo que, in the name of the GOD, nos acabamos de matar o Ozama Bin Laden, dois dias depois que matamos o filho mais novo do Gadaphi, 20 anos depois do Vietnam e por ai vamos.

      Interessante a reacao aqui dos red neck, que sao os caipiras do matao, e perguntei hoje de manha quando abastecia o carro, gasolina a 4,17 dolares o galao que da 3,7 litros. paguei 3,12 noutra viagem, ha cinco anos.

      Mas dai perguntei pro matuto de Ohio se ele acredita que o corpo do barbudo jogado no mar e do Obama, sorry again, ou do Ozana. Ele deu uma sacudida nos ombros, cocou um dos sacos, o do lado esquerdo, e respondeu:

      – It may be, my king. Or not…

And now, go to September, eleven – 911

https://mamcasz.wordpress.com/2010/09/10/sept-11-in-god-we-trust-sera/