Monsanto, Cargil, Bumge e outras mais.

Reis da Soja.

Vendem implementos, inseticidas, ou seja, insumos agrícolas.

Para o plantio de soja, algodão, milho-etanol, maconha, o escambau.

Entregam hoje, para semeadura em setembro, acertam o preço em sacas futuras.

Têm que ser entregues na colheita pelo preço de hoje

E fazem o tal do hedge. Swap. Fuck  na Bolsa. Beleza!

Foi minha monografia no MBA da FIA-BM&F.

Ou seja, uma tonelada de inseminantes por, digamos, 45 sacas de cannabis.

Geralmente, é soja mesmo.

O lero é por conta do artigo com link abaixo e a foto a seguir.

Antes, lembro do pau que a gente quebrava em San Francisco,CA.

Expliquemo-nos. Durante um curso.

Gringo acusando nós brazukas de acabar com a Amazônia.

E a gente retrucando no ato:

– e os vossos índios, cara pálida?

Se temos os heróis bandeirantes, tendes o John Waine, Mané.

Tem ainda, no link abaixo, justicemo-los, o Vietam.

A Monsanto, rainha da soja, fazia o agente laranja.

O desfolhante usado, para nada, no Vietnam.

Não entrava no buraco do tatu.

De onde saíram os kong e comeram os red neck.

Mas, falando isto, puxa aquilo.

Foi na minha viagem ao Vietnam do Norte, faz pouco.

O guia do partideco se apaixonou pelo garotão ianque.

Mas não me deixou conversar com uma adolescente local.

Nem lhe dar um carinho e cafuné, camuflados.

 Tipo Caramuru, vem cá que te taco fogo.

Que nem fazem os gringos na Amazônia.

Mas agora, vem aí a denúncia:

Moral da Prosa.

Nesta semana, tem mais uma reunião da SBPC, no Goyaz.

Tás lembrado da SBPC da época da fechadura?

Uma beleza.Tinha mina ativista de montão dando sopa.

Prato cheio pros poetas da Libelu.

Mas de volta para o sumiço da floresta amazônica.

E a entrada da soja que ultrapassou o cerrado.

Aliás, tá cada dia mais difícil pastar  baru, cagaita…

Por isso, antes de colocar o link, arremato:

 Enquanto isto, s ongueiras, nesta semana, na SBPC de Goyaz,

Só enchendo o  rabo de pequi …

(Me desculpe o termo. Acho que vou durar pouco no Facebook).

Então, em nome da moral, corrijo o termo:

Só enchendo o rabo de suari …

Tá legal:

De Caryocar brasiliense …

Ah, o link:

http://foodfreedom.wordpress.com/2011/07/08/monsantos-agent-orange-being-used-to-clear-brazils-rainforest/

Mais uns de arremedo de pesquisa:

http://blogdogh.spaceblog.com.br/87875/Episodio-5-Amazonia-ONGs/

Acabo de saber:

http://jaimesautchuk.blogspot.com/2011/07/materia-sobre-agente-laranja-agita.html?spref=fb

Anúncios

Bom Memorial Day.  Maior holliday nos USA. Última segunda de maio. Enforcada com a sexta. Maior farra em memória dos que morreram na defesa da Patria que os pariu. Vale tudo que lado: indios, pretos, cubanos, vietcongs, coreanos, alemanos, chicanos no Alamo e japas.

Tanto que o juramento que cada presidente, prestando ou não, faz na posse, mão na Biblia e tudo, tem a ver com a promessa de acabar com todos os inimigos, internos ou externos. Tipo Cavalo do Apocalipse. A foto abaixo foi tirada diante do Capitóio de Jackson, capital do paupérrimo, pelo menos na pele dos ainda
negros, Mississipi:

O Memorial Day se trata do segundo maior mandamento norte-americano,  vem depois do Te Deum, dia de agradecer pelo leite derramado, coisa que nosotros latrinos nos esquecemos, por pensarmos apenas no pedir, mendigar, solicitar e chorar. Mas o Memorial Day Ianque lembra das lambadas e lambancas,  tipo derrotas no Vietnam, ou, pior, pegos de surpresa pelos japas, em Pearl Harbor, ou pelos talibanos, em Nova Iorque. 

Lógico que neste Memorial Day nunca se lembram dos negros mortos na epoca da KuKluxKan, ou dos indios que pelo menos reagiam antes de morrer. Por isso a foto da bandeira americana, abaixo, em foto tirada em Atlanta, Georgia, e alhures, mesta viagem  on the road again, USA:

 

Vai entao que num cemiterio perdido na poeira, pobreza e abafados  40  graus centigrados de calor, entre Mississipi e
Alabama, presto minha memoria a uma figura cujo nome consta no Monumento aos Pracinhas da Segunda Guerra, no Aterro do Flamengo, Rio de Janeiro, ninguem sabe disso, mas ele lutou na Italia contra os alemaes, ao lado dos norte-americanos e outros ditos mui amigos.

Acontece que meu homenageado especial neste Memorial Day,  acabou os dias esquecido, sem uma perna,
alcoolatra violento, neurotico de guerra, abandonado pela mulher, cansada de apanhar dele, ficaram os filhos, ou seja, meus irmaos.

Mesmo assim, o meu Memorial Day de 2011 vai para meu pai, cabo Bernardo Mamcasz, na foto ainda sonhado noivo de minha future mae, dona Lola, os dois sumidos neste 
Memorial Day:


IN GOD WE TRUST … QUER DIZER  …

      Passo aqui numa cidadezinha morta em Ohio, chamada Zanesville, e tiro uma foto no parque ao lado do rio chamado Muskingum, 150 anos depois da Guerra Civil norte-americana que matou mais de milhao.

      E escuto-vejo na TV Mister Ozama, sorry, Obama dizendo que, in the name of the GOD, nos acabamos de matar o Ozama Bin Laden, dois dias depois que matamos o filho mais novo do Gadaphi, 20 anos depois do Vietnam e por ai vamos.

      Interessante a reacao aqui dos red neck, que sao os caipiras do matao, e perguntei hoje de manha quando abastecia o carro, gasolina a 4,17 dolares o galao que da 3,7 litros. paguei 3,12 noutra viagem, ha cinco anos.

      Mas dai perguntei pro matuto de Ohio se ele acredita que o corpo do barbudo jogado no mar e do Obama, sorry again, ou do Ozana. Ele deu uma sacudida nos ombros, cocou um dos sacos, o do lado esquerdo, e respondeu:

      – It may be, my king. Or not…

And now, go to September, eleven – 911

https://mamcasz.wordpress.com/2010/09/10/sept-11-in-god-we-trust-sera/