Hoje, eu passei pelo inferno,  das 14 às 18 horas.

Clínica de olhos na parte dita nobre. Brasilha. Chique. Apenas revisão. Resultado. Estou pronto para levar gás pimenta de novo.

Agora, meu, vou te contar. Plano de Saúde classe A. Reajuste anual de 30%. Mais de uma milha por mês. Corporativo.

Chego lá. Ambiente down. Japoneses tomaram a Clínica. Despediram 60%. No lugar, contrataram 40% ganhando menos, na média, 50% dos 60% largados.

Me acompanhe.

Guichê de entrada. Pela metade. Nele, 70% de aprendizes. 30% ensinando, antes de serem sucateados. Rola um tempão. Eu, na boa.

Espero pelo médico-oculista-especialista-amigo.

45 minutos depois:

– Eduardo Mam….. Mam….

– Sou eu.

– Que nome esqusito é este. Como se fala.

E eu:

– Onde assino.

-Tá vendo o que, polaco.

– Tudo uma merda só, meu.

– Tô falando das letrinhas.

– A.S.D.F.G.

– Muito bom. Mas já que você trocou os dois cristalinos e teve uma costura a laser no olho esquerdo, faz tempo, deixa eu ver aqui, vamos fazer alguns exames.

E eu pro médico amigo:

– E no olho do teu cu não vai nada.

E ele:

– Vai, polaco.  Faz logo esta merda destes três exames, todos caros, ponto para mim, senão eu perco o meu emprego.

Volto pro guichê de entrada. Repetindo. Pela metade. Nele, 70% de aprendizes. 30% ensinando, antes de serem sucateados. Identidade. Carteira do Plano. Aguarde. Sento. Levanto. Leio Leminski. Sento. 45 minutos depois:

– Eduardo Mam….. Mam….

– Sou eu.

– Que nome esqusito é este. Como se fala.

E eu:

– Onde assino.

– Aqui. Nas três folhas. Andar de cima, Cadeiras da frente. Aguarde chamar o teu nome.

Subo. De escada. Na boa. Sento. Leio Bukowsky. Levanto. Sento. 45 minutos depois.

– Eduardo Mam….. Mam….

– Sou eu.

– Que nome esqusito é este. Como se fala.

E eu:

– Vá tomar no cu.

– Meu senhor!

– Senhor, o cacete.

– Pisque. Abra bem o olho. Agora pisque o olho esquerdo. Vamos pingar um colírio. Pisque de novo. O esquerdo, não, o direito. Não tá bom. Mais um colírio.

– Mas eu nem fumei ainda.

– O que, meu senhor.

– Nada, nada, nada.

– Pisque de novo.

– Pisco o cacete, meu. Sou mais é uma caipirinha, agora mesmo.

– Agora, o senhor volte lá para o setor de colírio, para dilatar este teu olho gordo de polaco, e aguarde seu nome ser chamado.

Desço a escada de novo. Imagina se puto da vida ou alegre por não ser um pobre coitado do SUS com cara de médico cubano. E não me venha com a onda de racista que mando tomar no cu, porra.

45 minutos depois:

– Eduardo Mam….. Mam….

– Sou eu.

– Que nome esqusito é este. Como se fala.

E eu:

– Onde assino. Já estou de saco cheio.

Chego:

– Gatinha. Me mandaram para a dilatação, colírio no olho dos outros é refresco …

– Meu senhor. Aguarde sentado até seu nome ser chamado, serão três pingadas de colírio.

– Mas eu ainda nem fumei-.

– Como, meu senhor.

– Não se come. Traga!

45 minutos depois:

– Eduardo Mam….. Mam….

– Sou eu.

– Que nome esqusito é este. Como se fala.

E eu:

– Onde assino.

45 minutos depois:

– Eduardo Mam….. Mam….

– Sou eu.

– Que nome esqusito é este. Como se fala.

E eu:

– Onde assino.

E ela:

– Aguarde sentado.

Mais um pouco e juro que começo a pensar em ficar puto da vida. Não sei se este é o caso da pessoa bicuda que me vê.

Estou puto. Sento, levanto, sento, levanto, leio um trecho de Ferlingheti. Sento.

– Vamos lá. Levante a cabeça. Abra o olho. Agora o outro. Feche. Pisque. Já volto.

– Hei moça, esqueceu de mim.

– Terceira pingada. Agora – adivinhe, se é que ainda teve saco de me acompanhar no lance até aqui – aguarde até teu nome ser chamado para ser atendido pelo doutor.

– Doutor o cacete.

– Qué isso, meu senhor. Conheço ele. Só sabe pedir uma porrada de exame. E me chame aquele vendedor-representante de laboratório.

– Quem.

– Aquele ali.

– Hei, cara. É. Você mesmo. Me passe uns colírios de amostra grátis. Tô a fim de berimbar o maior baseado depois desta Via Sacra toda. Me passa logo, porra.

Passou. Sento. Levanto. Sento. Leio Cora Coralina. Quer dizer. Vislumbro. O olho esbugalhado. Dilatado. Não estou vendo mais nada, porra, cadê meu olho.

– Eduardo Mam….. Mam….

– Sou eu.

– Que nome esqusito é este. Como se fala.

– Puta que pariu.

– Meu senhor. É apenas para informar que o doutor, teu amigo, que ainda não é cubano, diz que teve que subir para fazer uma operação e já desce.

– Puta que pariu.

– Meu senhor.

– Desculpe, gatinha.

Espero sentado, no caso, 45 minutos depois:

– Eduardo Mam….. Mam….

– Sou eu.

– Que nome esqusito é este. Como se fala.

E eu:

Onde assino.

45 minutos depois:

– Eduardo Mam….. Mam….

– Sou eu.

– Que nome esqusito é este. Como se fala.

E eu:

– Onde assino.

– O doutor disse para esperar aqui na sala dele, pode sentar na cadeira-leito, tá bom assim, quer uma água, relaxe.

Agora, dentro da sala do doutor oculista, gente fina, amigo de uma grande amiga aqui do Facebook e da firma. Não digo o nome para os dois não serem despedidos. Num, os japoneses chegaram. Noutro, os cubanos. E o polaco aqui, morrendo de fome. Cheguei às 14, sem almoçar, lance rápido. São mais das 16 e, porra. Mexo no computador do oculista, dentro da sala, ar frio da porra, demora pra cacete, e me vingo. Acabo de passar esta mensagem pros amigos do Facebook, direto do computador dele, quer dizer, da Clínica Chique de Olhos, Brasília, Área Nobre, Plano de Saúde dos Olhos da Cara.

– Porra, polaco, me desculpe a demora. Estes japoneses da porra me obrigam a atender três casos ao mesmo tempo. Este último tive que costurar o olho de uma velha a laser. Mas vamos aí. Pupila dilatada, hein, malandro. Vamos numa aqui, mas é pó, porque fumaça, já viu, né, os japas ficam malucos. Vamos, cara, mas antes olhe meu olho, tá.

– Por que você não enfia estea luz forte no teu cu.

– Porra, polaco, qualé. Abra o olho. Olhe para mim. Olhe pra direita. Pisque. Olhe para esquerda. Abra bem o olho.

– E o teu olho do cu, vai bem, doutor.

– Porra, polaco, é sério. Deixa eu ver os exames. Beleza, meu. Maravilha. Nem precisa trocar os óculos. Tudo em cima.

E termina a consulta, quatro horas depois da chegada, o doutor amigo, de uma Clínica de Olhos Chique, área nobre do Plano Piloto de Brasília, tudo por conta do Plano de Saúde Corporativo, 30% de reajuste anual.

Daí, o doutor pergunta:

– Mais alguma coisa polaco.

E eu:

– E no olho do teu cu não vai nada, não, porra.

Saio do consultório depois de uma rápida carreira. Olho esbugalhado. Dos colírios, meu. Madame, do lado de fora:

– Tudo bem com o olho do meu Florzinha, doutor.

– Qual deles.

Carrego eu e madame para casa. Sem almoçar. Cinco e tanto da tarde. Uma boa caipirinha para tirar o gosto da porra dos colírios e tudo. Ligo a televisão. Fim dos embargos dos mensaleiros. E escuto, olho esbugalhado, dilatado, garganta seca, o seguinte:

– O deputado federal José Genuíno acaba de entregar à Câmara dos Nobres o atestado médico, fornecido pelo Sistema Único Sírio-Libanês (SUS), requerendo aposentadoria por invalidez permanente, o que lhe assegura pensão vitalícia com o mesmo valor do atual provento.

Moral:

Escreva você mesmo, a seguir, o que eu gritei.

Anúncios

O grande circo da corrupção no Brasil

                   The Attorney General’s Office, Roberto Gurgel,

 chain asks for 36 of the 40 defendants

of the “most scandalous corruption scheme” never before happened in Brazil.

To submit a formal complaint,

more than five hours of presentation of overwhelming evidence.

 I followed every step of finally restart this proce.

                    O Procurador-Geral da República, Roberto Gurgel, pede cadeia para 36 dos 40 réus do “mais escandaloso esquema de corrupção” nunca antes acontecido no Brasil.

                     Para apresentar a denúncia formal,  foram mais de cinco horas de apresentação de provas cabais. Eu acompanhei cada passo do, finalmente, recomeço deste processo.

                   Acompanhe-me, do final para o começo. O que estiver entre “ásperas”, é do procurador. Palavrão indignado, tipo fuck you, é meu mesmo. Até porque o Zé Povinho de merda não está nem aí.

 The End.

                  Procurador-Geral da República do Brasil pede cadeia  imediata dos 36 dos 40 da Quadrilha do Mensalão do PT por desvio de UM BILHÃO E SETECENTOS MILHÕES DE DÓLARES. Tudo comprovado.

                   E o procurador termina com esta frase, parece ironia, do muso do PT, o Chico Buarque de Holanda, que aparece logo avante, no caso da Ana Arraes, do TCU, e irmã da ministra da Cultura.

Leia a letra

 http://letras.mus.br/chico-buarque/45184/

 Ouça o som:

http://letras.mus.br/chico-buarque/45184/

                     Continuando a apresentação da denúncia do procurador da denúncia do Procurador-Geral da República, Roberto Gurgel, no processo contra o Mensalão do PT.

 Final menos 1 –  19h20m

LAVAGEM DE DINHEIRO. Banco Rural e PT. O procurador explica como se faz. Eu aprendi. AUTOMAÇÃO DE RETAGUARDA. (????????) Simples mas extremamente eficiente, garante ele. Um saque por semana, sempre de mais de CEM MIL REAIS cada. O Banco Rural tinha os registros e não informava o Banco Central. Era para o controle interno da QUADRILHA do PT. “Dinâmica delituosa”.

 Final menos-  219h03

             Banco Rural. Gestão fraudulenta. Contratos fictícios para financiar operações ilícitas do PT. Doações em troca de favores do governo. Nunca foram empréstimo porra nenhuma. Sem qualquer cadastro. Informações falsas. Tudo a nível de direção. “Nenhum gerente seria louco de assinar”(RG). Absoluta negligência. TRINTA E QUATRO MILHÕES de reais na sexta renovação.  Teve outro, de DEZ MILHÓES. E mais outro…

 Final menos –  19h13

                O absurdo da situação, segundo o procurador. Delúbio avalizou empréstimo no Banco Rural, pelo PT, no valor de SEIS MILHÕES, dando como uma garantia um velho carro COROLA. “E nem o PT tinha condição de pagar, porque estava com as contas negativas”(RG). E estava com nota de risco H, a mais alta. “Nenhuma agência bancária no resto do mundo teria concedido este empréstimo”. (RG). E digo eu: PQPT. Outro contrato. DEZENOVE MILHOES. Renovado seis vezes, sem qualquer pagamento, com o valor chegando a TRINTA E DOIS MILHOES.

 Final menos 4 –  18h53

                        Sobra para Ana Arraes (deputada federal, mãe de Eduardo Arraes (PSB-go vernador Pernambuco, filha de Miguel Arraes, cacho de Chico Buarque de Holanda). A decisão dela, ministra  no TCU,  beneficiando Marcos Valerio,  foi derrubada logo em seguida. O procurador-geral diz que não se está tratando da privada mas da coisa pública. Ela errou feio. A empresa de publicidade, DNA, pegou dinheiro, comprou bonus, se tivesse lucro, passaria para o Banco do Brasil. Teve mais de dois milhões de reais. Lógico que não repassou porra  nenhuma. Mas, atenção,  entregou tudo para a Câmara dos Deputados, onde estava, na presidência, adivinhe, João Paulo Cunha, do PT.

 Final menos 5-  18h44m

                     “Versões inusitadas é que não faltam nos autos”(RG). Segundo o procurador, a desculpa apresentada por Henrique Pezollato, diretor do Banco do Brasil, foram “esfarrapadas e esdrúxulas.” E digo eu. Quase C E M   M I L H Õ E S.  Outro Crime de peculato. 2 milhões e 900 mil reais. P.Q.P.T.

 Final menos 6 – 18h36m

                       Detenho-me agora na figura de Paulo Rocha-PT do Pará. 853 mil reais, em prestações. Mais 200 mil num quarto de hotel, direto do  Valério. Mais 200 mil através do Charles Dias, via Simone. Mais 300 mil ao vivo, embalado. Um mês depois, mais cem mil. Tudo em BH. Desta vez, seria um cheque, com recibo. Agora, deputado João Magno. 360 mil reais mensalados. Agora, eu. Puta qui pariu, quanta grana. Finalmente, professor Luizinho, VINTE MIL REAIS. “Professor pobre”- recanta madame.

 Final menos 7  – 18h20m

                 Agora, desvio de recursos do BANCO DO BRASIL. Esquema ilícito para o Banco Rural. Empréstimo fraudulento. Desvio recursos públicos. SETENTA E TRÊS MILHÕES E OITOCENTOS MIL REAIS. P.Q.P.T.

 Final menos 8 –  18H15m

                  “Os recibos eram informais”(RG). João Paulo Cunha-PT- retirou para uso próprio 250 mil reais da Câmara. Contratou o jornalista Luis Costa Pinto. Blá-blá-blá. Assessor pessoal. 22 mil reais por mês. Desvio de 250 mil reais num ano.

 Final menos 9 – 18h19m

                Sai João Paulo Cunha da presidência da Câmara. Diz que não tinha a posse do fruto do roubo. “A posse não é só o poder material, mas a possibilidade de vir a usar…”(RG). CONSUMOU-SE ASSIM O CRIME DE PECULATO.

                                 Final menos 10 –  18h03m

              PT. João Paulo Cunha. Lider do PT na Câmara. “Intensos contatos” dele com M.Valerio. “Ligação tão estreita. Firma Valério ganha licitação de publicidade Câmara. Em troca de 50 mil reais. Banco Rural. Esposa Márcia Regina foi buscar o dinheiro já lavado. “Causa perplexidade” não ter usado o sistema “tão aberto e singelo”do doc transferido por banco. “Pobreza”- canta madame aqui a meu lado.

 Final menos 11 –  17h55

               PT e PMDB. Delúbio indicava os beneficiários ao banco. Uma vez, José Borba se recusou a tirar xerox do documento (deputado federal). Mandada outra pessoa, Simone Vasconcelos, que tirou os 200 mil e repassou para o Borba. “Forma escancarada como toda a operação era realizada”(RG). Pagina 16.657. Anderson Adauto, o ministro de Transportes, recebeu 950 mil. Em sete mensalidades. Sempe sacados pela Simone. “Em outros casos há pagamentos semanais”(RG). Mas não foram apenas partidos. Já volto.

 Final menos 12 –  17h42m

         “Os pagamentos eram em agências ou hotéis”. Agora, o PTB. Vultuosos valores. Martinez, sendo 700 mil ao vivo. Teve mais. O motorista Jair buscava. “Numa das vezes, chegou a BH num carro forte, tais os valores recebidos neste esquema criminoso.” Roberto Jefferson , 4 milhões e meio.

 Final menos 13 –  17h28m

           Segundo tempo. Mais duas horas e meia pela frente. BMG – mais de 10 milhões de dinheiro público desviados do Banco do Brasil-Visanet. Sete operações de lavagem de dinheiro. No caso do PP. Através do PT. Agora, a vez do Partido Liberal. 8.885,742,00 reais, através de JA…CINTO LAMAS.

 Final menos 14 –  17h15m

        Contrato fictício, retroativo. Série de transferências em dinheiro, ordenadas por Delúbio, PT.Empresa Guaranhuns, “especializada em lavagem de dinheiro”. 6 milhões 745 mil 402 reais em 63 operações de lavagem de dinheiro. Mais a do Banco Rural : 1 milhão já lavado.
Vamos ao bispo Rodrigues. Em troca de votos. Dia 17… 150 mil em espécie.

 Final menos 15 – 16h35

        Mais de 2 milhões de reais movimentados nos dias de votação da reforma tributária. Na reforma da previdência, sacados 950 mil reais. 9 milhões 550 mil reais num período Agora, só dos parlamentares do PP (progressista?) 2 milhões 905 mil reais.

Final menos 16- 16h20m

      Entrega de dinheiro sempre em espécie depois de lavado. O destino é irrelevante. Não se tratou de “singelos acordos partidários”. Houve “nexo de casualidade”. Movimentação de vultuosos valores em espécie perto de grandes votações. E cita um tal de Ja…cinto Lamas recebendo 900 mil reais.

 Final menos 17 – 16h18m

FICA COMPROVADA A EXISTÊNCIA DA QUADRILHA DO PT.

Final menos 18 – 16h16m

                Banco Rural. Saques gigantescos jamais comunicados ao Banco Central. Crime consumado de gestão fraudulenta. Quadrilha… Notável volume de recursos. Empresa no exterior para viabilizar lavagem de dinheiro. Titular. Duda Mendonça.

 Final menos 19 –  16h03m

               Chega a vez do núcleo financeiro, Banco Rural. Não comunicou movimentações suspeitas. Não exigiu garantias. Avalistas classificação H (caindo da mais alta, A). “José Dirceu está, rigorosamente, em todas.”

 Final menos 20 –  16h01

             Chega a vez do núcleo operacional, líder, Marcos Valério. Várias ocasiões teve que contratar carro-forte. Num deles, 660 mil reais. Tinha até, ironicamente, um Comitê de Prevenção à Lavagem de Dinheiro.

 Final menos 20 – 14h39m.

          Começa a peça de fato. Em seis minutos, a estrela do dia, o PGR, Roberto Gurgel, cita cinco vezes o nome de Raimundo Faoro. Não é réu, mas grande jurista. Agora, sim, começa o principal. Ah… ele fala numa falou tal de METAÉTICA. E diz que a PGR apresentou, na verdade, a denúncia (unção do batismo) contra a “quadrilha”do PT em 2006. Estamos em 2012. O procurador, na verdade, é desprovido das qualidades vocais. Ele quem diz. Parece até Voz do Braziu. Isto digo eu. Pronto. Começou por aqui.

Leia o processo do Mensalão:

http://noticias.pgr.mpf.gov.br/noticias/noticias-do-site/copy_of_pdfs/INQ%202245%20-%20denuncia%20mensalao.pdf/view


Liberté, Fraternité, Igualité, o quê, mané?

– Nós evitamos uma catástrofe.

 Nóis quem, caixeiro viajante?

 Sarkozy, na TV França, oficialesca.

 Depois da puta reunião dos 17 do Euro.

Enquanto isto, nas ruas, a voz do povo ecoa.

Tudo bem que aos pingos.

 Na forma de sussuros, cartazes, pinturas.

União Sindical. Qué isso?

 Fraternité.  Não tem de quê…

 Dívida. Austeridade!!!

Mas quem vai pagar a conta?

 O povinho se sempre, né?

 Greve Nacional?

Sem CUT, UNE, MST, CGT?

O povo nas ruas contra a gatunagem geral?

 Sem Bolsa Família, Gás, Luz, Geladeira e Trepadeira?

Jamais!!!

Leia-se JAMÉ!!!

Só tem um porém.

 Um dia, o povinho zé ninguém,

depois de pagar a conta, acaba assim, ó:


Tô de volta na Amada Pátria Idolatrada.

Capital do Império Latrino.

Primeiro Ato.

Trato da volta da sogra, 87 anos, mora sozinha e tal.

Da volta dela para a mesma quadra em Brasília.

Justo onde hoje acontece o sequestro nacional.

Re-volte, sogra!

 

Mais um ato.

Este cara aí, o coronel Roriz, continua solto.

E acabo de saber dele o seguinte.

Foi um dos fundadores do PT em Luziânia.

Aqui perto, na Baixada de Goyaz.

Vou ver isto de perto.


1)      –  O  deputado federal Francisco Everardo Oliveira Silva, o Tiririca (PR-SP -CE ), é   indicado pela liderança do partido ( Republicano?)  para integrar a comissão de EDUCAÇÃO e Cultura da Câmara dos Deputados Federais.

A clown who won a seat in Brazil’s Congress by a landslide has stayed true to his former profession by messing up his first vote. Francisco Everardo Oliveira Silva, better known by his clown name Tiririca, had pledged to back the government’s austerity proposal for a new national minimum wage in a crucial vote on Wednesday night 

 

2)      –  No final de  2010, a Líbia é eleita para o Conselho de Direitos Humanos da ONU.  

Em 2008, o país é aceito no Conselho de Segurança da dita cuja.

 

 

3)      –  Enquanto isto, em São Paulo, o mesmo PT, amigo de Fidel-Chavez-Irã-Farc-Kadaffi,   se ajoelha para levar no orifício, finge  não perder um fio  anal,  no caso dos 545 de mínimo nacional, e exige agora 845 de piso regional.

 Estou ou não  liberado para balbuciar um:

– Puta que pariu, meu Deus, Alah, Jeovah, Shiva,  o escambau.

E fodam-se os cristãos,  porque são estes os que mais me sacaneam no meu dia-a-dia.

 


Pesquiso na internet como calcular o salário mínimo da classe micha brasileira.

 É para minha  coluna de Economia numa TV tupiniquim.

E encontro esta pérola no blog da GlorinhaMam:

 

“A melhor forma de calcular o valor do salário mínimo

 é virar as costas para este covil de filhas da puta

 e mandar todo mundo prá puta que  pariu.”

 

 Vixe mãe  (virgem?)  santíssima !!!


É  PAU !

http://www.olhonamira.com.br/blog/?p=5696

É  PEDRA ! 

http://www.olhonamira.com.br/blog/?p=5950

É O FIM DO CAMINHO.

É O FIM.