Ex-trato

 Matilde, my cuban brown coat medical, at my “cafofo”, hidden from Madame, in the seventh sexual act, insists:

– My polaquito. Cuba Libre (Free Cuba) for my is this. Look at me.

– Continue, my beladona.

– Two flakes. One, for me. Another, for you, my polaquito “caipirento”. Place the cubes of ice.

Read more, gringo:

        Image

       Matilde, a médica morena cubana que abrigo no meu cafofo-célula-aparelho, escondido de Madame, no sétimo ato, insiste:

           – Mi polaquito. Cuba Libre para mi é esto.

           – Continue, minha beladona apimentada.

         – Dois copos. Um para mi. Otro para usted, polaquito caipirento. Coloque os cubos de gelo. Aíai… este, que caiu, deixe aí mesmo. Uau… uiiii…

           – Matilde!

          – Continue, polaquito.

          – Viva Cuba Libre!

          – Ah. Dois copos altos. Cubos de gelo. Meio limão espremido em cada qual. Agora, lambe…

          – Matilde, minha médica cubana, Libertas quae sera tamem.

          – Fala mais, polaquito de mi corazón.

          – Viva Cuba Libre!

        – Mais… mais… Ah. Copo. Cubo de gelo. Meio limão espremido. Um tanto de rum. Tem que ser o rum dourado. Cachaça 51 manda para a tua Rose.

       – Matilde! Não abuse da liberdade senão tu gobierno de mierda te corta os 20 por cento do salário que o Brasil te manda para lá que nem já fez com os atletas nos Jogos Panamericanos.

        – Prefiro la muerte que viver sem tu, mi polaquito.

      – Entonces, continue com a receita de Cuba Libre, mi morenita medicinal.

       – Falta o principal. Aprendi na Venezuela, de onde vim direto para cá. No lugar de Coca-Cola, dos imperialistas ianques de mierda, eu só uso Guaraná Jesus.

      – MATILDE!!!!

      – Quié, polaquito. 

    – Só aceito se for Cuba Livre de verdade.

   – Pois entonces. É da mesma cor. Bem ladino.

    – Cuba Libre tem que ter Coca-Cola e pronto.  

    – Não tomo.

    – Toma!

    – Toma você! 

     Moral

    Despeço minha médica cubana por incompatibilidade etílica.

    Embora, noutros pormenores, ela seja doutora dos maiores pendores.

    Mas se insistir no Guaraná Jesus, no lugar de Coca-Cola, não tem Cuba Libre.

   – Matilde! Por mim, pode voltar para a Ilha de Cuba agora mesmo. Aproveita a jangada em que vieste. Ah. Passe antes no Maranhão e leve todo Guaraná Jesus que tiver por lá. E use no teu mojito comunista.

Português: O Guaraná Jesus, refrigerante típic...

 

  – Entonces, tá. Adios, mi polaquito imperialista de mierda!

    – Hasta siempre, mi cubanita.

Image

Anúncios