In the overview of studies completed by the International Labour Organization and the IBGE, there is still a serious information that 132 000 families in Brazil are headed by children aged 10 to 14 years old. Eighty-nine thousand children five to nine years old, working without receiving any compensation in return.

OIT: trabalho infantil no Brasil explora quatro milhões de crianças

No apanhado dos estudos concluídos pela Organização Internacional do Trabalho e pelo IBGE, ainda existe a grave informação de que 132 mil famílias no Brasil são chefiadas por crianças entre 10 aos 14 anos de idade. Do total do trabalho infantil, 89 mil crianças que trabalham, a maioria sem remuneração, têm de cinco a nove anos. CINCO ANOS DE IDADE!!!

Então me ouça, pessoa:

http://soundcloud.com/mamcasz/brasil-explora-quatro-milh-es

 Atenção. A prosa de hoje é proibida para menores de idade. Tudo o que eu vou falar  está na pesquisa da Organização Internacional doTrabalho, no Programa de Informações Estatísticas e Monitoramento do Trabalho Infantil, e do IBGE, do governo brasileiro, na Pesquisa Nacional de Amostras por Domicílio. O estudo  tem 245 páginas, acabo de ler, ele se chama Trabalho Infantil no Brasil e de cara, na manchete, grita o seguinte. O trabalho infantil, no Brasil, emprega hoje quase quatro milhões de crianças e pré-adolescentes. Mais um tapa na cara do cidadão que me escuta. Censo do IBGE de 2010. No Brasil, 132 mil famílias são chefiadas por crianças, de 10 a 14 anos.

  

(Foto em Brasília, junto ao Estádio Mané Garrincha, num domingo.)

As regiões Norte, a nossa Amazônia, tem o maior número de crianças trabalhando, na margem dos 10,8 por cento do total. Com um detalhe. As pesquisas ficam no centro urbano, não chegam ao rural. Por isso, no total, dos 5 ao 17 anos de idade. A maior parte fica com atividades infantis não agrícolas. 214 mil do total, 258 mil, arredondando. 22 mil não recebem nada. Ao contrário do Nordeste, onde o trabalho infantil envolve dois milhões e 332 mil crianças dos 5 aso 17. Então, vamos ficar, no Nordeste, no trabalho só das crianças entre os cinco e os nove anos de idade. Isto mesmo. Dos cinco aos nove. É proibido? Lógico que é. Pois então. 190 mil delas trabalham, 150 mil sem ganhar nada.

De volta ao calhamaço de 245 páginas que acabo de ler por isso vamos apressar o passo da mul, sô.Primeira pergunta do ouvinte. E trabalham por que? Agora, lendo no estudo da OIT-IBGE. No conjunto de pessoas de 5 a 17 anos de idade que não são estudantes, 12,1 por cento não frequentam a escola por terem que ajudar a família, trabalhando fora. Pulo correndo para a PNAD do IBGE divulgada na semana.  Vou ler do jeito que está escrito, tá? A população ocupada, de 5 a TREZE anos de idade, está mais concentrada em atividade agrícola, 63,5 por cento, e aproximadamente 74,4 por cento nessa faixa estão alocadas em trabalho sem contrapartida de remuneração, ou seja, não remunerados e trabalhadores para o próprio consumo ou na construção para o próprio uso.

 * * * * *

Ufa, que prosa carregada, né, mas ela existe, tem muita criança trabalhando suado por este nosso Brasil. Apressando o passo da mula na leitura das 245 páginas do estudo Trabalho Infantil no Brasil. O grupo das crianças ocupadas, de 5 a 9 anos de idade, está fortemente concentrado em trabalhos que ocupam até 20 horas semanais. 83 por cento. Na faixa dos 10 aos 14 anos de idade, cumprem jornada de trabalho de 40 horas ou mais de trabalho por semana.E só para fechar a prosa indigesta do Trocando em Miúdo de hoje, acompanhada  das músicas do CD Plantando Cirandas, do Movimento dos Sem Terrinha. Repetindo a sina.  No grupo de crianças trabalhadoras, de 5 a 9 anos de idade, 92 por cento trabalham sem contrapartidada de remuneração.

 Chega!!!

Inté e Axé!

Anúncios