Ele separa o Brasil dos privilegiados dos despossuídos.

Coluna de rádio “Trocando em Miúdo”.

Eduardo Mamcasz.

Chamada:

Este paraibano-pernambucano, que morreu na semana passada, em seus 16 livros de poesia, romances e peças de teatro, mostra a importância da luta do sertanejo nordestino pela dura sobrevivência na parte do Brasil mais pobre.

suassuna samba

Para ouvir, clique:

http://radioagencianacional.ebc.com.br/cultura/audio/2014-07/obra-de-ariano-suassuna-mostra-desigualdade-social-do-pais

Script:

Vinheta de Abertura

Muito se falou e escreveu sobre o grande escritor brasileiro, Ariano Suassuna, que morreu semana passada. Separo na prosa de hoje alguns pontos econômicos das peças mamulengas e repentistas que ele escreveu ao longo da vida. No livro mais famoso, o Auto da Compadecida, ele lembra que o Brasil, na verdade, é dois países distintos de fato. O país dos privilegiados e o país dos despossuídos.

BG voz Suassuna: “Hoje está melhor, mas quando eu era jovem, o povo brasileiro tinha uma opinião muito ruim de si próprio.”

Já no livro o Rico Avarento, ele conta a história do coronel que emprega Tirateima, um rapaz humilde que o vê negar até comida aos pobres e mendigos. Até que um dia o coronel avarento recebe a visita do chefe do inferno que informa. Todo mendigo a quem o coronel negou comida na verdade era Cristo testando a bondade, quer dizer, sua maldade. O pior é que o coronel nordestino conseguiu domar os cães do inferno, e tentou comprar a entrada no céu, e ficou no meio do caminho, o purgatório.

BG voz Suassuna: “Eu vim aqui hoje dizer um bocado de coisas pro senhor que não vai gostar. Então eu disse: não diga. Você mesmo sabe que eu não vou gostar.”

O melhor da parte social de Ariano Suassuna, acho que está mesmo no discurso feito por ele na posse na Academia Brasileira de Letras. Sertanejo nascido no interior da Paraíba, mas tendo vivido a maior parte da vida no Recife, ele lembra que a maneira de se vestir, meio do sertão, indica ser ele um escritor pertencente a um país pobre e convocado por uma sociedade injusta. É a tal da diferença de classes. Tanto que ele homenageia o que chama de Brasil real, o dos arraiais do sertão e as favelas das cidades. E arremata:

Quase tudo o que possuímos é trabalho da nossa gente rude e boa, forte e sadia, que vive no vasto e desafogado ambiente saneado pelo sopro ardente das secas.

BG voz Suassuna: “Havia um desprezo generalizado pelo Brasil. Os próprios brasileiros tinham um complexo de inferioridade.”

Ele aproveita então para atacar os parasitas das cidades que vivem de bolso vazio, tristes e enfezados, “vencidos da vida”, porque temem o sol e desamam a terra quente e fecunda, onde dormem tesouros perenes, reservados aos que mourejam com brio e coragem.

BG voz Suassuna: “Eu tenho uma admiração enorme pelo nosso país e pelo nosso povo.”

Antes de morrer, Ariano Suassuna, e aqui fica esta pequena homenagem, ainda declama:

suassuna velorio

BG voz Suassuna: “Eu não pretendo morrer não. É uma coisa que não está na minha pretensão. Agora, eu não sei se a morte aceita a minha teoria.”

É muito difícil vencer a injustiça secular que dilacera o Brasil em dois países distintos: o país dos privilegiados e o país dos despossuídos.

Então, tá.

Inté e Axé.

Vinheta de Encerramento

Anúncios

The calculation is by IPEA, upon the data collected by IBGE. This is the best increase in income of the poorest since 1960. In the last 10 years was 91%. Nevertheless, Brazil still has the twelfth worst inequality in the world. We have the twelfth worst inequality in the world.

Mais pobres aumentam a renda 550% acima dos mais ricos

O cálculo é do Ipea, em cima dos dados coletados pelo IBGE. Este é o melhor aumento de renda dos mais pobres desde 1960. Nos últimos dez anos foi de 91%. Mesmo assim, o Brasil ainda tem a décima segunda pior desigualdade social do mundo.

(Sede do Congresso Nacional do Brasil, em Brasília, na seca de agosto.)

A notícia boa é justamente esta. Enquanto a renda dos dez por cento mais ricos, nos últimos anos, subiu um cadinho só, o dinheiro recebido pelos dez por cento mais pobres, aqueles que ganham menos do que a metade do salário mínimo, por família, pois então, subiu de montão.

Nos últimos dez anos, a renda das pessoas que vivem em famílias chefiadas por analfabetos subiu 88,6 por cento. No caso das famílias chefiadas por pessoas com 12 ou mais anos de estudo, a renda caiu 11,1 por cento. Caiu. E qual o lado positivo disso? Diminui a distância entre pobres e ricos. Por aí. Que mais?

No Nordeste, o mais pobre, a renda subiu 72,8 por cento. No Sudeste, o mais rico, subiu 45,8 por cento. E por vai. A renda cresceu 85,5 por cento nas áreas rurais mais pobres. E 40,5 por cento, ou seja, menos do que a metade, nas chamadas metrópoles, cidades grandes e ricas. Mais uma. A renda dos pardos sobe 85 e meio por cento. A dos brancos,47,6 por cento.

Então me ouça, pessoa.

 http://soundcloud.com/mamcasz/renda-dos-pobres-sobe-550-por


A região norte brasileira apresenta os melhores dados tanto de emprego quanto de massa salarial de todo o Brasil, de acordo com o último levantamento do Cadastro Geral dos Empregados e Desempregados – Caged e da Relação Anual de Informações Sociais – Rais. O estado do Amazonas é o campeão.

Pois então. Região Norte com maior aumento de oferta de empregos em todo o país. Maior aumento relativo, porque levado em conta com a média da população. Mas é importante. Primeiro, porque indica que o sonho de todo brasileiro encontrar o emprego dos sonhos no dito Sul maravilha está acabando.

Até porque está havendo uma migração ao contrário, tanto para o Norte quanto para o Nordeste. O estado do Amazonas, no Norte, é o campeão. Aumento de 11,47 por cento. O Amapá, vice-campeão. 11,90 por cento. Agora, lógico que isto tem a ver com chegada de indústrias, mineração, economia, todos exigindo melhoria na educação, que está acontecendo, porque há vagas sobrando e faltando capacitação.

 

(Foto do Rio Amazonas, perto de Manaus)

Pois então. A Região Norte tem o maior aumento de oferta de empregos em todo o país. Maior aumento relativo, porque levado em conta com a média da população. Mas é importante. Primeiro, porque indica que o sonho de todo brasileiro encontrar o emprego dos sonhos no dito sul maravilha está acabando.

Até porque está havendo uma migração ao contrário, tanto para o Norte quanto para o Nordeste. O estado do Amazonas, no Norte, é o campeão. Aumento de 11,47 por cento. O Amapá, vice-campeão. 11,90 por cento.

Agora, lógico que isto tem a ver com chegada de indústrias, mineração, economia, todos exigindo melhoria na educação, que está acontecendo, porque há vagas sobrando e faltando capacitação. Quer saber mais?

Então me ouça, pessoa:

http://soundcloud.com/mamcasz/renda-sobe-mais-na-amazonia