A CEB já pagou R$10,3 milhões por apagões neste ano em Brasília. O total pago pela empresa de energia de Brasília, a CEB, não inclui os prejuízos causados pelo apagão desta quinta-feira, que atingiu 70% dos clientes. Sem eles, neste ano, são R$5,6 milhões de multas e R$4,7 milhões por prejuízos.

 

Somos 882 mil clientes da CEB em Brasília, quer dizer, Distrito Federal, porque junta Brasília e as cidades satélites, a explicação é para quem não é daqui e está ouvindo esta conversa parecendo miúda. Dos 882 mil, 560 mil ficaram sem energia. E todos estão pagando, desde 26 de agosto, 1,54 por cento a mais na conta de luz. Lembrando que, e isto vale para todo o Brasil, ainda tem a novela da devolução do que foi cobrado a mais, entre os anos 2002 e 2010. Segundo os últimos cálculos do Tribunal de Contas da União, em todo o Brasil a conta cobrada a mais passa dos sete Bilhões de reais. E o consumidor? Ah… Aneel diz que falta gerência na CEB.

E quanto ao teu prejuízo?

Bom. Se for de equipamento queimado, faz o seguinte. Vá até o posto mais próximo da empresa de energia elétrica pedindo conserto ou reembolso pela queima do equipamento. Junte três orçamentos em empresas diferentes com preços do mesmo equipamento novo. Anote o horário e o local. Marca do aparelho. Modelo. Relato do que aconteceu. Leve a conta de luz no teu nome. Se for imóvel alugado, tem que provar. Ufa. E só para terminar. Se tua casa tiver luz através do gato, adeus equipamento.

Inté e Axé, Mané!

Então, clique e me ouça, pessoa:

http://soundcloud.com/mamcasz/apag-o-amea-a-mensal-o-e-elei

Vale também a leitura gerencial disso:

http://mba.americaeconomia.com/articulos/columnas/gerente-mejore-su-foda


Before the arrival of Dom João VI in Brazil, our money’s worth by weight of the PATACA. Then, it was changing its name and value. Cruzado, new cross, cruise, cruise real and ultimately unlike the beginning, in the plural becomes more reais and not réis.

Dos réis aos reais, a história do dinheiro brasileiro

Antes do Brasil ser descoberto, a moeda de troca se chamava escambo. Depois, com a chegada dos colonizadores europeus, veio a pataca. Depois dos anos 1.700, com Dom João VI chega o primeiro banco. Daí vieram os réis e o real. Com a chega da República, mil réis passam a valer um cruzeiro. Em 1964, cassam o centavo. Volta em 67, junto com o cruzeiro novo. Depois, vira Cruzado. Cruzado Novo. Cruzeiro. Cruzeiro real e, finalmente, valendo até hoje, o nosso real. E o próximo?

(Foto da pataca, que ainda vale em Macao, hoje China)  

Ao contrário dos Estados Unidos, onde o dólar é dólar desde o começo, aqui no Brasil a moeda circulante, ou seja, a representação do dinheiro, em papel ou moeda, além de ter mudado de cara uma porção de vezes também perdeu o valor de vez.

Antes da chegada do rei que fugiu de Portugal e veio para o Brasil, que vira Vice-Reino, a moeda aqui era na forma do peso. Quer dizer, o patacão valia pelo peso de ouro que ele carregava. Simples. Depois,começa a complicar.

Pois então. Chega o rei, funda o primeiro banco,chamado do Brasil que, aliás, quebra de vez quando a família volta para Portugal levando todo o ouro que estava nele guardado, garantindo a moeda que, casualmente, se chamava real, por causa do rei, e um conto dava mil réis. Hoje se fala mil reais, né?

O ouro roubado do Banco do Brasil era o que garantia a quantidade de moeda, ou dinheiro, emitido, regra que vale até hoje quando, por exemplo, circula dinheiro que, somado, corresponde a 80 por cento do nosso PIB, produto interno bruto, soma das riquezas produzidas. Sem o ouro, o Banco do Brasil, o primeiro, fechou.

Português: Cédula de 500 mil réis, emitida pel...

Português: Cédula de 500 mil réis, emitida pela Casa da Moeda entre 1836-1931. Acervo do Museu Paulista. (Photo credit: Wikipedia)

Mas voltando o rumo da prosa para o assunto de hoje. Dinheiro. Em 1942, pouco antes da Segunda Guerra Mundial, acaba o tal do conto de réis. O real. Mil réis deixam de valer um conto e passam a valer um cruzeiro. Foi então criada a figura do centavo. Em 1964, como falei, acaba o centavo.

Três anos depois, volta o coitado do centavo. Mas cai o valor outra vez. Mil cruzeiros passam a valer um cruzeiro novo. Três anos depois, 1970, nova confusão. Volta o centavo. Volta o cruzeiro. Vamos em frente que a confusão ainda não acabou.

1986. Mil cruzeiros passam a valer um cruzado. Ou seja. Um milhão cai para mil. 1989. Nova desvalorização. Mil cruzados valem um cruzado novo. Ano seguinte muda o nome de cruzado para cruzeiro. 1993. Mais uma queda. Mil cruzeiros passam a valer apenas um cruzeiro real.

Ufa… e finalmente chega o real dos dias de hoje. 1.994. Desta vez a pancada é maior. 2.750 cruzeiros passa a valer quanto? UM REAL. Aliás, este real merece uma prosa especial só para ele.

Então me ouça, pessoa. 

http://soundcloud.com/mamcasz/brasil-vai-dos-r-is-aos-reais

Português: Cédula de mil réis, emitida pela Ca...

Português: Cédula de mil réis, emitida pela Casa da Moeda no Período Imperial. Acervo do Museu Paulista. (Photo credit: Wikipedia


Apesar de ser a segunda maior taxa básica de juros do mundo,

logo abaixo da Turquia,

a queda da Selic  dificulta a vida da caderneta da poupança,

dos títulos públicos e

da devolução do Imposto de Renda.

Primeiro, o que é esta tal de taxa Selic. É a taxa básica de juros que o governo federal paga para o pessoal, por exemplo, que compra títulos públicos do Tesouro Nacional. Se for em cima de um bilhão de reais, é uma economia de 70 milhões de reais na dívida pública interna brasileira. E aí atrapalha a vida, por exemplo, dos fundos de pensão, da previdência social privada, não a do INSS. Diminui também a correção do pessoal que tem devolução de imposto de renda e ainda não recebeu. E a minha poupança com esta tal taxa Selic, como fica? Pois é.

Caderneta de poupança. Desde maio que mudou o cálculo do rendimento. Antes, era seis por cento ao ano, ou meio por cento ao mês, mais TR, jazinho explico isto, e pronto. Agora, depende da taxa Selic. Sempre que estiver a oito e meio por cento, hoje está a oito, e logo mais à noite pode cair a sete e meio, a poupança passa a render 70 por cento disto mais a tal da TR. Quer dizer, quanto menor a Selic, menor o rendimento da caderneta de poupança. Selic. Sistema Especial de Liquidação e Custódia. Mais a TR, Taxa de Referência, pela amor de Deus, que é isso?

Taxa de Referência. É o seguinte. Vou falar difícil, que nem técnico. TR é a média ponderada em trinta dias dos CDBs nos trinta maiores bancos, sem o desconto do Imposto de Renda. No caso da TR para uso na poupança, é 70 por cento do apurado. Difícil para caramba, né. Pois troco em miúdo. TR, para uso na poupança, dá zero vírgula quase um por cento ao ano, ou seja, nada. Somado com o 70 por cento da taxa selic, se ela hoje à noite cair para sete e meio por cento, dá menos do que a inflação. Ou seja. Caderneta de poupança é uma aplicação, nunca um investimento. E se depender da Selic do Copom, a poupança está é  ferrada.

Certo?

Então, tá.

Inté e Axé.

And now, clique e me ouça:

 http://radioagencianacional.ebc.com.br/materia/2012-08-29/rendimento-da-poupan%C3%A7-cai-hoje-junto-com-taxa-selic


Tirei umas fotos na construção do Estádio Brazil, em Brasília.

Ainda pode ser a sede da abertura da Copa do Mundo de 2014.

O de antes, Garrincha, virou pó, que nem o craque Mané.

É que construir do zero sai mais caro, rende muuuuiiiito +  

Antes de partir pras 12 arenas

 (nome políticamente correto para estádio)

Garanto que a gastança é farta.  

Tem prá toda gente.

Dava prá fazer uma porrada de hospital, escola,

igreja, bordel, bolsa esmola e tal.

Mas, primeiro, leia os gastos na Alemanha

 e depois compare com os do Braziu…

Novos estádios da 1ª divisão da Alemanha:

Augsburg: R$ 100 milhões

Mainz: R$ 140 milhões 

Estádio dasDunas (Rio Grande do Norte): R$ 400 milhões,

Castelão (Ceará) só a reforma: R$ 452,2 milhões,

Arena Amazônia (Amazonas): R$ 499,5 milhões,

         Mané Garrincha (Brasília):    R$ 671 milhões. 

   Arena Pernambuco (Pernambuco): R$ 532 milhões,

Fonte Nova (Bahia): R$ 591 milhões ou R$ 835 milhões,

(Portal 2014  x Portal Transparência)

Itaquerão (São Paulo): entre R$ 700 milhões e R$ 1,07 bilhão,

Mané Garrincha (Brasília): R$ 671 milhões:

É muito cacique pra pouco índio quer apito….

Maracanã (Rio) – Só na REFORMA:

1 bilhão e 100 milhões de reais.

Só na REFORMA.

Braziu is good,mein.

Prá roubar, meu.

Vou estourar uns bueiros da Light.

Inté e Axé !!!

Na latinha:

Resposta de Ricardo Texeira, presidente da CBF:

 

“Não ligo. Aliás, caguei. Caguei de montão”.

“A imprensa brasileira é muito vagabunda…

Não leio mais porra nenhuma.

A vida ficou leve para cacete.

Tá muito bom.”

 

Clique abaixo e vomite nele:

 

http://www.comunique-se.com.br/index.asp?p=Conteudo/NewsShow.asp&p2=idnot%3D59161%26Editoria%3D8%26Op2%3D1%26Op3%3D0%26pid%3D129356754244%26fnt%3Dfntnl