Como é que o pessoal das classes E, D e C, de menor renda, costuma se virar nas quatro oportunidades de vida, tais quais uma reforma na casinha, começar um pequeno negócio mesmo, melhorar a barraca e dar educação para as crias?

 Para começo de prosa, a pesquisa da Federação Brasileira de Bancos divide as oportunidades em quatro pontos mais procurados e que consomem 20 por cento da renda, divididos em cinco por cento, cada uma, ou seja, reforma da casa, educação, começar um negocinho e, finalmente, ampliar o negócio próprio, mesmo que seja uma barraca na rua.

 No caso do pessoal de renda familiar baixíssima, de um salário mínimo, a classe E, não existe dinheiro para gastar com educação ou negócio. No caso de uma reforma, pequena, na casa, o mais usado é mesmo um sorteio na vizinhança, a velha rifa, isto mesmo.

( Capa do disco de Jards Macalé, censurada, em cima da Declaração Universal dos Direitos do Homem)

Então me ouça, pessoa.

http://soundcloud.com/mamcasz/ciclo-da-vida-03-pobre-gasta

Em frente. Classe D, de baixa renda. Quando aparece uma oportunidade para reformar a casa, vale a caixinha entre amigos e parentes e pegar emprestado com o patrão. Na classe C, de média renda, aparece a oportunidade de um empréstimo bancário. O mesmo empréstimo bancário é usado pela nova classe média C no caso da educaçào dos filhos. No caso da classe de baixa renda, se tiver parente que possa ajudar, tudo bem.

E o que o pessoal faz quando aparece uma oportunidade, ou necessidade, de se começar um negócio próprio, que pode ser até na forma de camelô?

 Na baixíssima renda, nem pensar. Na baixa renda, costuma-se usar a indenizaçào ao ser despedido do trabalho. Na renda familiar média-baixa, ou classe C, a mesma coisa. A indenização ao ser demitido. Agora, um passo a frente. E houver chance de aumentar um negocinho em andamento, o caminho do endividamento passa pelo crediário, cartão de crédito parcelado, cheque especial, agiota e até a rifa.

Inté e Axé.

.

Anúncios

Mister Obama and family já estão em Brasília.

Aliás, Michelle chegou num vestidinho de chita, vermelho com bolinhas, muito do lindo.

Enquanto Brasil e Obama, em Brasília, fingem que não tem nada com a Líbia …

Aliás, Brasil se abstém da exclusão aérea em Tripoli e aceita aqui. Pode?

Brasília, Brazil, tudo OK para a chegada da Família Obama. Até as pedras,  na Esplanada dos Podres Poderes, colocadas em frente ao Palácio do Planalto, estão prontas para serem lançadas quando ele aparecer ao lado de Dona Dilma, no Parlatório.

Na Esplanada dos Mistérios, em frente à Catedral do ateu Niemeyer, os garis limpam os últimos detritos da podridão, mãos sujas, corrupção, tudo ladrão, será que o Obama sabe disso? Welcome ao país da hipocrisia, quer dizer, da utopia.

Ainda na Esplanada, líbios e iranianos, vindos de ônibus, direto da Tríplice Aliança, no Paraguai, se juntam aos outros manifestantes em apoio ao Obama: MST, UNE, PT, CUT, Cufa, Margaridas and all. Ah… mais venezuelanos e cubanos, todos hermanos. Preste atenção na cor das bandeirolas e no cartaz  da ONU.

Em cima da Catedral de Brasília, um atirador de elite se prepara para a passagem do Obama (Cia? FBI? Alkaida? PF? Kadaffi? Hugo Chaves? Fidel Castro? Superman? Ou seria o Lula?)

Muita festa na passagem de Mr Obama por Brasília, com ruas enbandeiradas, parece Copa do Mundo, mas preste atenção na segunda bandeira da foto abaixo. É a bandeira oficial de Chicago, terra oficial do Obama. South Chicaco, hello!

Enquanto isto,no Rio de Janeiro, onde Obama visita o Complexo do Alemão e a Cidade do Diabo, a festa acontece tem mais de uma semana,  com a Cinelândia toda engalanada de bandeiras tupiniquins, colocadas pela turma do Flamengo, só podia ser, além dos de sempre: PT, CUT, MST, UNE et caterva. Tudo que cantava Gringo, Go Home. And now, de quatro, já!

Entonces, Mister Obama, thank you, very much, viste, acá em Buenos Aires, capital de Brasil, líder da América Latrina, quintal da América da Morte,  né, Mr Black? Aliás, por aqui,  tudo acaba em Carnaval mesmo. Abaixo, as duas bandeiras, lado a lado, Brazil & USA. Tipo,  assim,  Aliança para o Progresso, do teu espelho, o Kennedy. Yes, nós temos J.K.

E para terminar, o povo unido na Esplanada, conduzido por MST-PT-UNE-CUT,  saúda efusivamente Mister Barack Bin Ozama pela invasão da Líbia. Tomara que tenham o mesmo sucesso do Vietnan, Coreia, Iraque e Afganistão.

IN GOD WE TRUST, bicho!

Make Peace not War.

Related Articles


                      Quem é que gosta de um vizinho chato?

                     Pois não é que a nossa Amazônia está tendo agora que aturar, pelas ondas da Rádio Nacional, não a nossa mas a co-irmã da Venezuela, um programa chamado “De repente com Chávez”? 

                    A atração, patrocinada pela 51, não tem data e nem hora certa para entrar no ar porque o mote é justamente o de chegar de surpresa, podendo ser até de madrugada. Ou não…

                       E não é que o príncipe latino dos ongueiros da POA já inaugurou hoje este novo estilo de fazer rádio na América Latrina?

                     – Este é um programa novo. De repente … com Chávez. A guerrilha pelo rádio. Esta é a sua Rádio Nacional (da Venezuela, por supuesto).

                      E continua o pop caudilho para quem tem   que ouvi-lo, inclusive na floresta amazônica do lado de cá, de nosotros macaquitos brasilenhos:

                      “Às vezes estou acordado às 3 da manhã, trabalhando ou revisando papéis, e há pessoas que a essa hora ouvem rádio, escutam música ou estão na estrada. De repente, começamos a cantar com um violão músicas românticas” (?).

                        Chavez ainda faz o Café com o Presidente, ops, quer dizer, o Alô Presidente, que não tem nada a ver com o nosso o Presidente responde.

                       Ou tem?

                      De qualquer forma, a organização Repórteres Sem Fronteiras considera os programas “abusivos” por violarem a liberdade de expressão (?).

                      Garçom, outro gole, faiz favoire!!!