Vadias e maconha no forró de Brasília City

Marcha das Vadias.

De mãos dadas com a Marcha da Maconha.

Visto assim, só pode dar a maior gozação.

A mensagem sai desfocada.

Maconha e vadia, um prato cheio.

Igual à velhaMarcha dos Veados.

Vira do Orgulho Gay. Aí, sim.

Hoje, mostra até  gay mulher.

De volta às Vadias de Brasília.

Acusam, de modo torto, seguinte:

Desde janeiro, na Grande Brasília,

DUZENTOS E OITENTA E TRÊS ESTUPROS.

Mais trocadilhos.

Ainda em cima das vadias.

Meu ouvido vira penico, moro ao lado da Escola.

Asa Sul de Brasília.

É creche classe média, depositário diurno de crianças.

Faz-se, então, a festa junina.

Forró no volume distorcido.

Caixas de som rachadas ( desculpe-me, cara vadia).

Nada contra a canarinho fazer forró junino.

Mas pega mal  pré-escola infantil apologizar

ENTRE   TAPAS   E   BEIJOS.

Ao coro de alegres mães funcionárias, algumas, vadias.

Ou pais assessores maconheiros.

Todos marchando unidos, neste sábado.

Em protesto, tasco no meu som, altíssimo volume:

– Meus heróis morreram de overdose!

– Raspas e restos é o que me interessam!

Brazil, mostra tua cara!

Cazuza

Image via Wikipedia

Para arrematar o forró brega da pré-escola infantil,

lasco + Cazuza:

– Só não é feliz quem não comeu a sua mãe!!!

De quem? A minha ou a sua?

A resposta vem rápida no conjunto ao vivo da pré-escola:

-Eu quero ovo de codorna pra te comer!

Aceito a derrota.

 Telefono pruma amiga vadia.

E vou com ela “dormir” noutro lado da cidade. 

Uma pena que seja crime fazer apologia.

De que mesmo?

Boquete infantil a um real?

Dezoito milhões de miseráveis na merda?

Portanto,

Pense!

Ainda não está proibido.


Quebrei o espelho

Torci o joelho 

From Leka do Céu

Ouça:

http://www.youtube.com/watch?v=3n5Nbive2Dw 


Neste  11 de 1 de 11, (um indeciso entre dois um), fiz 63 anos.

Destaco o seguinte presente recebido da consorte:

 

 

Já arrebenta no prólogo.

Lobão e Cazuza num velório, de madrugada.

Preparam duas fileiras enormes de cocaína.

Na tampa do caixão fechado do amigo Júlio.

E rezam juntos:

É a hora dos come-quieto nos fazerem de vilões.

 

 

Não se enganem: o melhor ainda está por vir.

Essa promessa eu fiz aos meus amigos.

Ao pé de suas lápides.

Lobão


                      Ontem, recebo o elogio reservado da minha chefinha carola.  Ela  agradece minha “atenção, disponibilidade e comprometimento com a Rádio Nacional e os ouvintes .”
                      Hoje, trago (???) o Cd duplo de Raul Seixas no sovaco e falo (???) que penso nela ao ouvir este trecho:

                      Caí na tua teia, serei a tua ceia …

                     – Ah Mamcasz, deixa  eu ouvir, deixa …

                    A letra é de Panaróia (não consigo falar Paranóia – esta é uma). Acontece que me distraio na hora e dou pra ela ouvir  o Cambaleche:

   O que não chora não mama,
Quem não rouba é um imbecil,
Já não dá mais. Força que dá
Que lá no inferno  vamos nos encontrar.


                        Depois de uns tempos, volta minha chefinha carola e me devolve o CD:

                       – Mamcasz, o mundo é bom. As  pessoas é que estragam ele:

Photo Mamcasz by Mamcasz

                     Na mesma hora eu sinto meu mijo fora do centro da meta. 

                    Mas me consolo porque, no fundo, no fundo, minha chefinha Carola tem mais é que escutar o Metrô Linha 743:

Um gritou:
Mão na cabeça malandro, se não quiser levar chumbo quente nos cornos.

Eu disse:
Claro, pois não, mas o que é que eu fiz? Se é documento eu tenho aqui…

Outro disse:
Não interessa, pouco importa, fique aí! Eu quero saber o que você estava pensando…

                       Moral: 
                       Mesmo com a pérola jogada pra porca, na saída o estagiário Manero me vê com o Raul Seixas e  conta que adora ele e conversamos e chegamos à conclusão que Deus é mesmo um puto por ter levado ele e deixado o Paulo Coelho no lugar. E discutimos quem é o melhor: Cazuza, pra mim,  Renato Russo, pra ele.
                      Quando chego em casa, no elevador entra a vizinha Atéia, do segundo andar – minha fêmea ainda continua sumida em Paris – e ela me vê com o Raul Seixas, então ela me agarra e me abraça e me beija e me arrasta pra beber todas as letras até porque ela é professora e me mostra deveras que tem tudo na ponta da língua:

http://vagalume.uol.com.br/raul-seixas/metro-linha-743.html