Image

 Foi só eu pensar neste Natal (Joyeux Noël) em Paris, por conta da premente necessidade de recuperação das horas paradas na frente do pensamento, eis que recomeço a receber mensagens do além oceano Atlântico:

 –  Bonjour monsieur Mamcasz.

–  Bom dia!

– Je suis Alexandre, votre chauffeur a Paris, qui remplace Jean-Paul. Enchanté de faire votre connaissance.

 Se não fora pelos camembert,  beaujolais e baguetes, tem ainda o jeito carismático do falar. Eu estou encantado de poder vos conhecer. De faire votre connaissance. Eis um dos muitos motivos que me levam a passar  outro Noël de novo em Paris, mon amour. E a forma como se despedem no escrito:

 – A très bientôt. Bien cordialement, viste, meu rei?

Image

 Pelo citado, referência merecida ao Monsieur Jean-Paul. Nosso chauffeur antigo em Paris. Na primeira vez, levei a ele o Cd Duplo 100 anos de Frevo no Brésil. Noutra vez, um CD do Borguetinho.  E chega a resposta, depois da apresentação do novo motorista porque ele, Jean-Paul agora está aposentando: “Une autre vie commence pour moi et mon épouse… maintenant cést le repos, les voyages, la détente.” E me devolve o amigo parisiense anos já passados:

 Je ne vous oublie pas, j’ai beaucoup aimé votre gentillesse, votre contact humain, j’écoute souvent les CDs de musique traditionelle brésiliene que vous mávez offert. Je vous remercie pour votre grande amabilité.

 – Qué isso, mon cheri amigo Jean Paul. Se estiver em Paris, vamos tomar aquele vinho juntos. Eu, vous, votre épouse e, bien sûr, notre Madame.

 – Bien cordialement mesmo…

Image

Onde ficarei, pardon, ficaremos, moi e Madame, neste Natal, em Paris? Uma única exigência. Perto da Rue Daguerre por conta da passage de pedestres, da loja de vinhos, do ponto dos frutos do mar, da bagueterie na porta de casa, do pequeno mercado, do fromage. Ah. Em cima de uma estação de metrô, aliás, uma das 380 que existem a partir de 1.900. A casa de sempre não está mais à disposição alheia. Portanto, a mais próxima aparece pelo Airbnb. Um dia antes da ida:

– Vous arrivez demain, mon petit Manzinho! J’imagine que vous avez deja l’adresse et ma….

E Madame France, a dona, com minha ficha em Praga e Buenos Aires, também replica:

 – Bonjour.

– Bom dia, madame. Na saída, posso ficar até seis da tarde, por causa do avião?

– Monsieur Mamcasz.

– Sou eu.

– Je vous fais confiance et pas de check out. Vous n’ aurez qu’à laisser les clefs dans l’appartement et claquer la porte em partant. Je ne serai em France à partir du 27.

– Pour moi, tudo bem, Madames.

Image

Pois então. Tem vários lados esta moeda. Primo pela confiança. Mútua. Depois, pela dó que dá em fechar a porta em despedida. Um bilhetinho e uma lembrança, do Brasil, em cima da mesa. A casa mais limpa de quando chegamos. Foi isto que escreveu depois a menina hospedeira em Praga.

E, finalmente, a saudades que dá, a caminho do Charles de Gaule, com o mesmo chauffeur. A lembrança dos códigos que abrem a porta da rua, do jardim e do prédio. O número do telefone. O código de acesso à Internet. Banda larga de verdade. Ah. E o de antes, quer dizer, de agora, porque estou no quase saindo daqui para Paris. 

 – Alguma coisa aqui do Brasil, fique à vontade.

 A resposta de Madame France, um bijous:

 – Je veux bien que vous nous apportiez du soleil et un peu de chaleur!

Image

 Por sinal, no áudio agora me encanta Monsieur Rufus Wainwright, em Complainte de la Butte, cantando isso:

– Petite mendigotte… Je sens ta menotte… Qui cherche ma main

Só falta o discípulo de Leonard Cohen me dizer:

– Bon voyage, Monsieur Mamcasz et Madame aussi.

http://musica.com.br/artistas/rufus-wainwright/m/complainte-de-la-butte-2/letra.html

https://clubedeautores.com.br/book/156311–BIOGRAFIA_DE_UMA_GREVE#.UrRCx_RDtuo

 

 

Anúncios

Brasilia by Mamcasz

 Toda viagem, e são tantas, nestes 30 ou mais anos, From Alaska to Jerusalen, meu livo, três partes:

O antes, o durante e o depois.

Sempre foi assim, mesmo antes do advento deste treco chamado Internet.

Desdos tempos de ligar do orelhão para o agente de viagens de confiança do Amadeus.

Volto agora doutra viage (mais uma,polaco?) e tem umas coisas que dá gosto de sentir.

Por exemplo:

Seguro de Viagem. No caso, Mondial Assistance. Recebo o email.

Bom retorno. Como foi a sua viagem?

Nós estávamos o tempo todo à sua disposição.

De estalo, penso em retrucar:

Graças a Deus não precisei.

Daria margens à malinducação. Não é o caso.

Image

Outra. Apartamento alugado, de novo, pela Airbnb.

Email com o informe de cancelamento da importância no cartão de crédito como garantia.

E o espaço para colocar a opinião, pública ou privada.

Image

Junto, a avaliação – minha, positiva, lógico, né, e a do hospedeiro, idem.

Está logo abaixo doutra, meio do ano, em Praga, da Yana.

Agora, é Tomasz, via Ba4u.  

Dois novos amigos alhures. 

Nos dois casos, apenas o deixar as chaves na mesa e fechar a porta.

Única pena o não abraço de despedida.

Image

Ah. Ainda teve o email da Aerolineas Argentinas, vôo direto BSB-BUE.

Agradecemos ter voado com a gente e te esperamos doutra vez. Quase respondo:

Se for para Buenos Aires, infelizmente, não. Enquanto não se desbolarizar.

Mas posso, quem sabe, ir com ela para a Australia, via polar sul.

Tão logo a empresa se restabeleça da crise econômica argentina de 2001.

Image

 Um dos dois cartões internacionais de crédito também me perguntou se tô de volta, se foi tudo ok.

É bom sentir que a  concorrência tem sentido, sim senhor, na nossa santa hora do lazer.

Ah. Ainda tem o pessoal do Câmbio Justo, no relacionamento confiável que continua. 

Image

http://radioagencianacional.ebc.com.br/materia/2013-10-30/d%C3%B3lar-paralelo-vale-70-mais-do-que-o-oficial-na-argentina#.UnD2K1zs-vM.facebook

Um grande Axé para todos!

Até a próxima viajada.

Amém.

 


Herói caolho de Praga surpreende polaco capenga do Brasil.

Pois então.

Today, we went back to the old way. Spending the day in a corner alone, a neighborhood, a piece. The chosen one was bad famous Zizkov. Same name as the one-eyed hero of the Czech people, riding a Cavalão. Type Duque de Caxias ours.

It starts by Lonely Planet, Brazilian version, calling the neighborhood “kind of rude in extremos and it is very dirty and run down, although the top earning a retread come.”

Hoje, a gente voltou à forma antiga. Passar o dia num canto só, num bairro, num pedaço. O escolhido foi o mau afamado Zizkov. Mesmo nome do herói caolho do povo tcheco, montado num cavalão. Tipo Duque de Caxias nosso.
Já começa pelo Lonely Planet, versão em brasileiro, chamando o bairro de “meio rude nos extremos e muito dele é sujo e decadente, embora a parte de cima venha ganhando uma recauchutada”.

E lá vou eu, Madame de segurança, para a parte baixa que a gente não tem medo de cara feia.
Do bonde 9 descemos e fomos logo rumo ao morro para ver o herói caolho, debaixo de chuva. De lá, voltamos para a dita Zizkov suja, decadente e barra pesada.
Subimos até a Torre de TV, herança dos comunistas, que nem o metrô, os bondes, a burocracia, que mais? A foto das crianças é mais uma aprontada do artista tcheco David Cerney, o mesmo do fiofó do presidente na Galeira Futura, em Smichov.

Zizkov tower

Zizkov tower (Photo credit: Wikipedia)

Da torre, 93 metros de altura, aquela vista 360 graus de Praga por inteira. Dali, direto para o belo e recomendado barzão, desde 1923, U Sadu. De entrada, a garçonete indigesta, conhecida do TripAdvisor, que joga na mesa o Menu em Inglês. Ótimo coisa nenhuma. Os preços começam em 150. O prato do dia é 80. Daí, Madame vai na mesa da calçada, pega o Deni Menu, do Dia, em tcheco mesmo, a gente tinha traduzido no Google, antes de sair de casa, tinha cinco pratos, o 5 tinha acabado, ficamos com o 1 e o 3, mais o chopão, mais um uísque que madame anda gripada, e lá vem a conta … 250 cororas, ou 25 reais.
Ah… a garota indigesta tinha sumido há tempo porque fomos atendidos por um galante rapaz, falante em inglês, simpático e bonito, na opinião da madame.
Moral do lero de hoje.  Zizkov tá com tudo. Pena que eu tenha sido enganado pelas versões mais antigas da Internet, dos tempos em que era, de fato, um bairro decadente, esta tal da República Independente de Zizkov.

Dali, a gente ainda foi…. deixa para lá. Fica para outro dia.


Prague is not only a Castle

Good news is that runs behind the journalist. Since then. At the corner of the house, here in Prague, rented through Airbnb.com has an abandoned building, time still communists. Well breakdown style, rococo clashing neighbors. They say it was one of the venues of DOPS-CODI them, Securitat.

* * * * *

Notícia que é boa corre atrás do jornalista. Pois então. Na esquina de casa, aqui em Praga, alugada através do Airbnb.com, tem um prédio abandonado, do tempo ainda dos comunistas. Bem estilo repartição, destoando do rococó dos vizinhos. Dizem que era uma das sedes do DOPS-CODI deles, a Securitat.

* * * * *

Dobrou zprávou je, že běží za novináře. Od té doby. Na rohu domu, tady v Praze, pronajaté prostřednictvím http://www.airbnb.com má opuštěná budova, tentokrát ještě komunisté. No členění styl, rokokové střety sousedů. Říkají, že to byl jeden z dějišť DOPS-CODI nich, Securitat.
Antonte, druhý den jsem si vzal fotku zvířete a poslán do Pragua Post, Praha přivítání a Magistrátu hlavního města Prahy, napodobuje svého přítele ve firmě, kde Obro v Braziu, Bia. Řekl jsem, že je to škoda, že tráví trubky ve Starém Městě na houfy turistů, a zapomenout na satelity, a dokonce i tam, kde jsem, přilepený k hlavnímu okruhu.
Výborně. Podívejte se na to na fotografii, která mě překvapuje, teď, teď, na vrcholu nabídky, zde domácí okna, Smíchov, Praha. Sirény, rohy, brzdění, izolační pásky hadice, kouř, oheň, ambulance (protože to má několik narkomani, kteří házejí odpadky a kouř … kouř vychází, vpravo). Policie už jen vzhlédl. Sešel jsem dolů. Řekl, že nikdo nemůže zahrávat s Noia. Pouze tehdy, pokud chcete ponechat.

– Co je to za zemi?

A strážný:

– Polsky. Zůstat ve svém.

Kdo chce poslat protest, použijte odkaz níže.

http://www.praguewelcome.cz/en/