Acorda-me de novo o mesmo

canário de peito verde e amarelo.

Postado no peitoril da minha janela.

Sexto andar da sulina Brasília.

Fá-lo de modo muito abrupto.

Rompe-me o sonho erótico.

Vera Fischer na idade da Xuxa pelada.

Olho feio para o passarinho:

– Po . . .

E a Natureza, bem cândida, retruca-me no canto:

– Mamcasz!  Vá te . . . catar (digamos).

Ele escapa-me das minhas curtas mãos.

Pois não é que a vida tem lá suas re-voltas?
Tô hoje numa leve dominical andada.

Cruzo o ponto de gás a sulina quadra.

Vejo então o meu safado passarinho.

Diante do aviso de perigo, tergiveso.

Silencio o que tenho em mente.

Coloco, devagar, a mão no bolso esquerdo.

O meu passarinho tremelica.

Ele é inteligente por demais.

E mais uma vez ele me deixa na mão.

Então, Gente, Boa Semana, tá?

Com ou sem o meu passarinho.

Anúncios