Acabo de pular do muro.

Aproveito que minha fêmea continua sumida em Paris e repasso o contexto da jovem:

Para os estudantes, ir além das paredes é buscar conhecimento empírico.

Além das Paredes é o blog da menina.

Ainda que eu, sei lá, sou mais o pós-real.

Tô falando da  realidade, não deste real de merda, né, mané.

Ô, me desculpe, minha jovem estagiária, sentada aqui ao meu lado, na Rádio Nacional, me socorram, prófis Leandro e Olimpinho.

Eu, Mamcasz, eterno pecador, me confesso (e se confesso, tudo bem, por pior que tenha sido o meu pecado, sempre existe o perdão)  mas, continuando este  dedo de prosa, vai daí que a minha bela jovem estagiária , sentada aqui ao meu lado, há pouquíssimo tempo,  me joga na cara:

“Quando eu era menino, tio Mamcasz, eu falava como menino, via como menino, sentia como menino, discorria como menino mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino.”

Concordo, minha jovem donzela, e permita que eu rediga, ao meu modo rude-polaco:

 Quando eu era menina,  tia estagiária, eu falava como fêmea, via como fêmea, sentia como fêmea, discorria como fêmea mas, logo que cheguei a ser fêmea, acabei com as coisas de fêmea.

 E adentro por ora, minha completa estagiária:

 PASSEI A SER MENINO, MENINA !!!

 Portanto, Manezinha, por seres a minha estagiária, com olhão de camelo perdido  no deserto do Saara, espalho teu blog aos ventos deste deserto cultural em que vivemos.

 Moral:

Ide, meu povo:

 http://alemdasparedes.blogspot.com/

Anúncios