A  lembrança mais antiga que eu tenho do Japão,  fora a da infância, no Paraná,  é esta:

Em 1900 e tanto, estive lá, quando o Heroito, imperador, morreu.

 O ex-Deus,  que levou duas bombas atômicas na cara, jogadas pelos gringos, em Hiroshima e Nagasaki.

Foi  crime de guerra  pior que o do tio Adolfo ou do primo Bin Laden.

E ficou tudo por isso mesmo, ou seja, nada.

Ao meio-dia, daquele dia,um minuto de silêncio pelo Hiroito.

Prefiro, mesmo jornalista, passar o momento no metrô da cidade mais populosa do mundo.

Silêncio. Vazio. Sepucral. Um minuto de silêncio total. Parada mesmo.

E olha que eu estava com a credencial para estar lá dentro do palácio das ninjas.

Este post eu dedico pro Edson,  meu amigo ninsei, que mora no Japão.

 Eu o  conheci no Cambojda, ele a caminho do Vietnã, e eu, continuando para a Birmânia.

 Sorry, nova classe média tupiniqueira. É coisa profunda, do Kmer Vermelho.

Torço que esteja tudo bem com ele.

Moral.

O mesmo para  os ninseis, sinseis, dodescadein, sei lá o quem.

Para quem passou por Hiroshima e Nagasaki, não vai ser uma marola dessas que vai derrubar.

Abraços.

 

Anúncios