Quatro dias de feriadaço sem internet em casa; no fundo, um exercício mental.

Mostra o quanto a gente é dependente da bicha. Nada a ver com a maior parada de gays do mundo, a de São Paulo.

Uma perguntinha só:

TEM GAY MULHER?

Mas de volta ao Brazilzão, quer dizer, à falta de internet em casa.

 1 – Brasileiros roubam os fios de telefone da quadra onde eu moro.

2 – Dois dias para a troca.

3 – Ninguém preso; imagina, isto é Brazil.

4 – Troco a senha no Terra, por segurança; pronto, dá merda no modem e no roteator.

5 – Ligo pra OI, banda larga 10 megas; será?  Tecle 2 se quiser, tecle 3 se mandar, tecle …

Obs. Hoje eu estou absusando no uso do ponto e vírgula.

6 – Ligo pro Terra, provedor; para que?

7 – Moral do lero. É com o Terra, aqui na OI tá tudo ok.Oi? É com a Vivo, aqui tá funcionando. Mas aqui em casa tá tudo uma merda só. Então tecla 10.1.1.1; tô de saco cheio, umas dez vezes e nada. Manda o técnico. Não costumamos mandar – O que? Para onde?

8 – Morro na grana para fazer o conserto no particular.

 FINAL:

 Falando em morro, não os das favelas, mas em morrer, tem concurso público, na cidade paulista de EMBU, para SEPULTADOR – nome poiticamente correto para COVEIRO. Mando a pergunta na inscrição:

– Eu posso enterrar quem eu quiser, por exemplo, um conhecido corrupto?

 Veja mais em:

 http://www.entregabrazil.com.br

 

Anúncios