Este samba vai para a ex-estagiária de olhos de camelo.

Os beatniks, quem diria,  tiveram um canto ici a Paris.

Menos o que mais gosto, o Bukowsky.

Mas eu falo, então, do casal Jack Kerouac, e Allen Ginsberg.

On The Road, Paris, depois da fase de Argélia.

No mesmo hotelzinho, no Quartier Latin, no 9 da Git de Coeur.

Junto com o grande Corso e o Burrougs.

Hotel Relais, que ainda existe, a dois passos do falecido botequim.

Gentilhome, onde eles enchiam a cara de absinto.

Hoje, bebida sem graça, tiraram- lhe a alma.

 Purificaram a bebida que fazia a cabeça.

Acontece que, ao contrário da América, em Paris,

a turma chamada de Lost Generation, acabou sendo outra.

Tudo isto entre os anos 20 e 30 e pouco.

Todos vivendo numa merda que dava gosto.

Tudo de chegada.

Ernest Heminghway tentando escrever Paris é uma Festa.

Scott Fitzgerald, enchendo o saco com o Grande Gatsby.

 Henry Miller e o rejeitado Trópico de Câncer.

E até o irlandês chato com o então obsceno Ulysses.

Nada mais do que o  próprio Joyce.

Que foi salvo, depois sacaneou, pelo casal Sylvia Beach e Adriene,

da famosérrima livraria Shakspeare and Company.

Só sobrou uma reles placa.

Tudo bem. Sobreviveu o que mais importa.

 A palavra.

Afinal, no princípio, era o Verbo.

Au revoir, outra vez, tá?

Anúncios