Semana da Mulher

Eduardo Mamcasz 

Título:

Continua grande a diferença salarial homem-mulher no Brasil

Chamada:

 Segundo o Fórum Econômico Mundial, entre 134 países divulgados, o Brasil ocupa a posição de número 114 entre os que apresentam as piores diferenças salariais entre homens e mulheres. Na média, passa dos 30 por cento.

Ouça:

http://www.radioagencianacional.ebc.com.br/materia/2012-03-06/pesquisa-confirma-grande-diferen%C3%A7-salarial-homem-e-mulher

 

Script:

Tec/ Vinha Abertura Trocando em Miúdo

Tec/ BG Mulher Rendeira

Loc/ Ontem, a prosa nossa foi da renda da mulher. Hoje, a gente toca na diferença que existe entre ela e o homem. Muito boa para esta Semana Internacional da Mulher. Porque um dia é pouco, já falei. Primeira diferença. Fórum Econômico Mundial. Dos 134 países pesquisados, ocupa a posição de número 114 entre os que apresentam as piores diferenças de salários pagos para homens e para mulheres. Pior para elas, lógico, né?

 Tec/ BG mulher rendeira

Tem mais. Se a prosa ficar em cima do estudo publicado pela Confederação Internacional de Sindicatos, feito com 300 mil mulheres em 24 países, as mulheres trabalhadoras brasileiras apresentam as maiores diferenças de salário com relação aos homens, passando dos 34 por cento. Na Polônia, não chega a dois por cento

Esta diferença passa para 30 por cento se for pelo estudo feito pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento. Em 18 países da América Latina pesquisados, a média é de 17,2 por cento. Na Guatemala e Bolívia, homens e mulheres, em princípio, ganham igual.

Tec/ BG mulher rendeira

 Pesquisa do intersindical Dieese revela. Em São Paulo, a cidade mais rica da América Latina, o homem ganha 8 reais e 94 centavos por hora. A mulher, 6 reais e 72 centavo. Já em Salvador, na Bahia, a diferença diminui, mas o homem homem baiano ganha menos do que a mulher paulista. Seis reais e 50 centavos. A mulher baiana, 5 reais e 54 centavos por hora trabalhada fora de casa.

 Tec/ Bg mulher rendeira

 Loc/ A taxa de desemprego da mulheres, na média brasileira, é 62 por cento maior que a dos homens. 7,6 contra 4,7 por cento. No total dos desempregados, 57,6 por cento são mulheres. Mesmo que elas apresentem, em média, dois anos de estudo a mais do que os homens. Acontece que isto não tem adiantado. Quanto maior o nível escolar da mulher, maior a diferença salarial com o homem. Quanto os dois têm curso superior completo, o salário médio inicial do homem é de 3 mil 261 reais e 13 centavos. O da mulher, 1 mil 956 reais e 74 centavos, ou 40 por cento a menos.

Tec/ Bg mulher rendeira

Acontece que a mesma pesquisa do Caged, que é o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, do Ministério do Trabalho e Emprego, a situação, no lugar de melhorar, tem piorado. No final do ano 2003, as mulheres recebiam, em média, 91,8 por cento do salário dos homens. No final do ano passado, caiu para 85,3 por cento, ou seja, aumentou a diferença.

 Tec/ Bg mulher rendeira

E só para fechar a prosa de hoje. A mulher é diferente do homem. Começa pelo salário. Mesmo assim, e esta fica para amanhã, ela tem uma participação muito importante na economia brasileira. E não falo só da mulher chefe de família, não. É mais do que isso.

Entáo, tá.

Inté e Axé

Anúncios