Francês só pensa “naquilo”: comer demorado demorado.

       “Na cozinha francesa, os pratos são feitos para saciar a alma e não a fome”.

       Não sei mais quem escreveu mas que eu li, lá isto eu li, antes da primeira ida à Paris.

       Sou dos tempos da Carta Orange. Agora é Navigo Decouverte, depois explico.

       É que agora estou que nem o francês. Só consigo pensar “naquilo”.

      Ou melhor, nisto, no Chez Papa, o mesmo de sempre, o da 14.

      Da janela, mesma mesinha no canto, olha a rua e, do outro lado, os seguintes:

      Charles Baudelaire e a Dama das Camélias.

     Guy de Maupassant, Samuel Beckett, Man Ray, capitão Richard Dreyfus.

    Numa tumba singela, deitados, mãos dadas, Sartre e Simone.

    Serge Gainsbourg me oferece um ticket do metrô.

   As fãs deixam milhares por causa da canção:

    Le Poinçonneur de Lilas.

    – Madame e monsieur, atenção,  ici votre Salade Boyarde.  Bon Apetit:

http://www.chezpapa.com/index.html

         Mas como estava falando, francês só pensa “naquilo”:

         Comer bem devagar. Divagar. Demorado. Sem pressa,

         Mas tem que ser lento, gradual, sem medo do ápice.

        Até chegar à sobremesa, ao queijo, ao beijo.

       Hora de espraiar um pouco, largar a conversa, olhar.

           Agora, sim, um cigarro e um cafezinho, bien sur.  É de lei.

           Au revoir,meu, que esta vida  é très fragile.

           E vamos que vamos.

          Afinal, ainda nem chegamos a Paris, pela undécima vez.

 Ao fundo, para alongamento deste momento de relax, ouça a música, de 1958,  que ainda leva gente a deixar o ticket do metrô no túmulo do Serge Grinsbourg, no outro lado da rua, no cemitério de Montparnasse.

http://www.youtube.com/watch?v=HsX4M-by5OY

Anúncios