Seguinte. Coloquei acá, alhures, meu atestado de Cabra Vacinado, devidamente autenticado pelo SUS, com a garantia, constante nos autos, de que sou um elemento “MACHO”, ou seja, do sexo dito MASCULINO. No caso, por ser polaco, mero Pleonasmo. Prá quê!!!

1 – Um@ grande amig@ trans me cutuca, escondido@, cobrando-me coerência, blá-blá-blá, e instando-me a entrar na campanha para que gays, lésbicas, trans e tãos sejam assim assinalados no certificado de vacinação de Covid-19 do SUS.

2 – Em respeito a ela-ele-L-e tal, mais ainda pela amizade recíproca, vou a uma rápida pesquisa. Né que a prosa é mais maluca ainda do que a gente pensa que não deveria ser? Pois adveja os dois lados, judeus de um e muçulmanos de outros, os dois, segundo este eu, tão imbecis quanto. Nos comentários abaixo, amig@s, coloco os ditos links, tá?

1- a – O aiatolá Abbas Tabrizian, clérigo iraniano, informa aos seus seguidores, através da plataforma Telegram, que a vacina da COVID-19 está transformando as pessoas em homossexuais.

1- b – Daniel Ansor, um rabino muito popular em Israel, pede que seus seguidores não se vacinem contra o Sars-Covid pois isso poderia “transformá-los” em homossexuais.

Moral:

Não resisto. P.Q.P. é o cacete. Explicito: Puta que os pariu. Bando de maluco. Ah, amig@ trans querid@. Discordo de ti. Acho que o SUS não devia colocar porra nenhuma na hora de identificar o sexo do vacinado. Pronto. Ponto. Falhei. Falei. Fui.

https://observatoriog.bol.uol.com.br/noticias/religioso-conhecido-como-pai-da-medicina-isla-diz-que-vacina-da-covid-19-transforma-as-pessoas-em-gays

https://odia.ig.com.br/mundo-e-ciencia/2021/01/6067400-lider-religioso-diz-para-fieis-que-vacina-contra-covid-19-pode-transforma-los-em-gays.html


Em prisão domiciliar neste ano sabático da moléstia, impedido de viajar, agravo meus queixumes vis por conta da obra no prédio que me habita, impossibilitado da vista outrora aberta para a lua cheia e os aviões que passarolavam diante da minha janela da alma incrustada no sexto e último andar brasílico desta asa sul do plano classe média plus.

Na saída de agorinha, para fins alimentícios e beberírricos potencialmente descartáveis, entro na salinha improvisada do mestre de obras e, bem polaco distraído que sou, capaz de no repente não me reconhecer diante de um espelho, confabulo com a criatura presa no cotidiano do trabalho afinco:

– Bom dia. O fulano está?

– Sou eu.

Queixo caído, envergonhado mas nem tanto quanto merecido, desculpo-me e presto atenção na figura trabalhadora bem mais magra e decaída de há 12 meses passados quando ele começou a obra de restauração do prédio que me habita perseguindo, junto com seus peões paraibanos, os detalhes cotidianos em prol desta minha pobre classe média aprisionada em todos os sentidos.

– E como é que você está, tudo bem – pergunto na lembrança, no meu íntimo, do fato de que o mestre de obras diante de mim, emagrecido e acanhado diante da vida, tinha apanhado, há nove meses, o demoníaco vírus ainda chinês e, mesmo assim, continuado na labuta diária, comendo poeira e lama para que o prédio desta minha pobre classe média se renove a contento.

– Na verdade, desde que peguei esta covida, aqui mesmo nesta obra, ainda sinto dores na coluna, respiro com dificuldade, ando meio cansado e desanimado da vida, sem apetite para nada, tem vezes em que até me esqueço de quem eu sou na verdade sei muito bem, não é mesmo?

Puta que pariu! Palavrão feio, sei-o, mas me senti abaixo do cu do sapo sarnento. Vontade de dar um abraço solidário, fato proibido desde até quando não se sabe, eu totalmente desmobilizado e, com razão, desmoralizado que deixei para lá o motivo da aproximação e, bem tipo imbecil, confesso, apenas consigo, sem pensar, balbuciar:

– Mas você pelo menos está sentindo o gosto das coisas?

– Ah, sim. O cheiro, mais ou menos. O gosto da merda, sim, senhor.

Mais idiota ainda, acrescento e me retiro para esta minha cela tampada para o mundo exterior:

– Ah, que bom. Se não estivesse sentindo o cheiro, aí sim seria pior.

Final:

Silêncio na geral. Engulo a saliva. Subo para a arquibancada. Fico em casa. E daí, porra?

Fui. Inté e Axé.