Outro assunto importante a ser decidido nesta, esperamos, interminável sessão, diz respeito aos procedimentos vingatícios que tomaremos caso o frei Vanildo (ler  Evangelho 26) não volte a ocupar o mesmo espaço deste agora encardido calabouço para oficiar as velhas missas ao vivo pelas ondas potentes, embora curtas, da Rádio Nacional da Amazônia, nos abrindo o espírito dos tradicionais horários matutinos de todos os domingos, prerrogativa católica conseguida durante o Estado Novo.
                              
0019

Poema de Cora Coralina. Edição de Eduardo Mamcasz.

                        A Comissão dos Funcionários Informa:
                      Exigimos  aumento do espaço destinado, durante a missa, ao momento da oração pelos defuntos, ou seja, nós mesmos constantes desta pós-ata, e também que o encontro seja alterado para ecumênico, com a participação  de uma ou mais mãe-de-santo, de terreiro guarnecida, uma vez que estamos mais necessitados do etéreo do que a  carne, que se revelou totalmente inconsistente diante dos vermes e, por isso, desnecessária e desmembrável do passado e do porvir.

                     Damos então início de fato  a esta sessão, convocados que fomos por edital nacional , tanto que estamos  aqui presentes,  artistas cariocas – candangos – amazônicos (ler  Evangelho 27), perseguidos na política e na prática,   disponibilizados – dispensados – despedidos – sacaneados – condenados pela deficiência física , sinônimo de excesso de idade calculada através de metafísicos assassinatos impostos por chefetes prepostos, mesmo que passageiros. 
                    Encontra-se aqui presente a proposta de atitutes a serem tomadas, a nível psíquico, contra   a chefeta que determinava obrigatória reunião dos funcionários na residência dela, nas tardes de sábado (ler  Evangelho 28), a mesma  que quando ficou grávida todos desejamos a não-vinda a este mundo da filha da puta  que, afinal,  veio.
                   Ao lado dessa senhora  também será objeto de nossa análise perfunctória a passada situação de muitos aqui presentes que   de estressados passaram a depressivos e alguns  se  viram  suicidas, em certos momentos, diante de certeiros abates cometidos no insistente cotidiano explorado numa lídima visão  360 graus (ler Evangelho 29).

 

0006

Cidade de Goyaz (Goiás Velho). Trecho de poema de Cora Coralina. Edição de Imagem de Eduardo Mamcasz.