“Companies have their skeletons hidden in the archives of steel, have their childhood wounds” – said (in Brasilia, Nineteen Hours) Eugenio Bucci, past president of EBN – Radiobrás – EBC, to whom he rented his soul for four years, the company that houses The Ghosts of National Radio.
                        Leandro Fortes, the farewell in 2004 (EBC Community in Orkut) wrote that the Radio Nacional is “so eclectic, so full of wealth and misérias, so full of stories and destinations. So Brazil, finally. “

Pombal - photo by Mamcasz

                      Pombal de Gente Inacabada
http://soundcloud.com/mamcasz/tia-heleninha 
                 This is what I am since December 1980 since the previous EBN – Brazilian News, where he was president, which was dismissed by then President José Sarney (ah … the ghosts never die!). In fact, my history with the National Radio begins even before he was born because my father through it, now ghost then expeditionary square in Italy, World War II, sent messages to his then fiancee, my future mother, also a ghost today.
                    This blog is a make of the book in late pregnancy that brings the ghosts of the National Radio of the golden years, the 40s, the undead from the deceased never decrepitude, which began with the suicide of Getúlio old in 50 years. They say it was a plague before the shot in the chest, which initiated the collapse of National Radio, which would never have the golden years of the 40s.
                    And so, VOU DAR LINHA À PIPA QUE O VENTO ESTÁ A FAVOR,    as  said to us my brother Tim Lopes, now ghost-mor (read Offertory, above).

                     Damos então início de fato  a esta sessão, convocados que fomos por edital nacional , tanto que estamos  aqui presentes,  artistas cariocas – candangos – amazônicos (ler  Evangelho 27), perseguidos na política e na prática,   disponibilizados – dispensados – despedidos – sacaneados – condenados pela deficiência física , sinônimo de excesso de idade calculada através de metafísicos assassinatos impostos por chefetes prepostos, mesmo que passageiros. 
                    Encontra-se aqui presente a proposta de atitutes a serem tomadas, a nível psíquico, contra   a chefeta que determinava obrigatória reunião dos funcionários na residência dela, nas tardes de sábado (ler  Evangelho 28), a mesma  que quando ficou grávida todos desejamos a não-vinda a este mundo da filha da puta  que, afinal,  veio.
                   Ao lado dessa senhora  também será objeto de nossa análise perfunctória a passada situação de muitos aqui presentes que   de estressados passaram a depressivos e alguns  se  viram  suicidas, em certos momentos, diante de certeiros abates cometidos no insistente cotidiano explorado numa lídima visão  360 graus (ler Evangelho 29).

 

0006

Cidade de Goyaz (Goiás Velho). Trecho de poema de Cora Coralina. Edição de Imagem de Eduardo Mamcasz.


                Nós declaramos ( nós quem? ) aberta   esta  ASSEMBLÉIA GERAL DOS FANTASMAS DA RÁDIO NACIONAL, agora que é meia-noite de sexta-feira,  um segundo a mais passa a zero hora  do sábado  de Hallelluya (ler  Evangelho 30),  porque seguidos  foram todos os  trâmites citados no edital de convocação e completada   a  chamada única com as presenças provindas de três elementos, quais sejam, o fogo do inferno, o ar do paraíso e a água morna do purgatório que, infelizmente, assim na vida como na morte, faz-se aqui presente  em maior número, no velho círculo vicioso que se observava na terra.
              Alertamos que não temos  término previsto, mesmo porque nosso pós-vida de almas devedoras de penas só se extinguirá com a derrubada deste pardieiro da W3-Sul e com  a implosão do mausoléu da Praça Mauá, onde perdemos nossos melhores anos de vida, mais a queima em praça pública das subchefias que trocaram a alma por um arremedo de calma, às nossas custas. Senhoras, estagiárias, sacanas e eternos aspones.

 Plano 2008 - phto by Mamcasz

             Está aberta esta sessão espírita  com discussões sem discrição, sem direito a veto, mesmo aos que nos perseguiram – demitiram – sacanearam – abusaram – torturaram -menosprezaram – desrespeiteram e se fazem aqui sofrentes.

              Pois é. 
              Parodiando o nobre mulato gaúcho-mangueirense  (Tim Lopes, ler Ofertório), informo estar dando  linha à pipa  para a  extinta companheira, morta numa praia deserta em Santa Catarina, onde deixou com vida o ex-esposo, agora batendo em outras caras que nem as dela, nunca mais inteiras embora caras-metade, parecidas com dezenas de outras batalhadoras companheiras jornalistas que contrapartilhavam as surras a  domicílio com os desmandos no trabalho ganho com o suor do rosto, tarefa que teria sido dado aos machos, no lançamento da praga divina aos descendentes de Adão,  mas que elas acumulavam com o resultado da trepação inconcluída mas o suficiente para o fardo dos nove meses .
         É este, portanto, o tom das almas penadas femininas que passaram pela Rádio Nacional, desde os velhacos tempos do Herivelto colocando chifres na Dalva enquanto o Orlando caía de beiço nas seringas da heroína no mesmo banheiro de onde foram salvaguardadas, na fase final, algumas preciosas gravações saídas do mofo para entrar na histório da Rádio Nacional através do trabalho feito pela BBC em Londres, em cinco LPs, CDs e agora DVDs, pois a terra move mesmo, sô.
        Bom. Vamos à luta, então, seus fantasmas de merda, que vão e voltam, encarnam e desencarnam e nunca conseguem escapar, vivos ou mortos, desta praga viciosa chamada rádio.
       Com isto, dou início á ata de fato da Assembléia Geral dos Fantasmas da Rádio Nacional. Avante porque esta fala não é rala e nem cala.
Antena radioativa - photo by Mamcasz
           Diante da urgência de medidas concretas para estancar o aumento da radiação e da insalubridade que continuam colocando em risco a saúde e até a vida dos funcionários, nós,  seus legítimos representantes na CIPA II, a quem devemos compromissos assumidos, e diante da morosidade da empresa em tomar as medidas legais para a nossa posse, um mês depois da eleição, contamos com o seu apoio, através deste abaixo-assinado, que será encaminhado à Delegacia Regional do Trabalho  e  ao Ministério Público do Trabalho, com a   exigência de envio imediato da fiscalização   da DRT-DF,  junto com a equipe do Corpo de Bombeiros, para realizar uma perícia completa, inclusive medição da radiação, em todo o prédio-sede da EBC, na 702 norte, Brasília. Este é o nosso primeiro ato:

 

Brasília, 12 de setembro de 2008.
Nome completo                                                                             Assinatura

 

 
         Moral: Foram colhidas 237 assinaturas. Até hoje, não deu em porra nenhuma. A não ser, mais casos de câncer e mortes. Continua tudo na lesma lerda ( modo politicamente correto de dizer na mesma merda).