Gente.
Por ser patriota (tem jogo da seleção?),  coloco hoje, Sete de Setembro de 2010,  a  Ana Carolina reproduzindo Elisa Lucinda.
Acho a melhor ação para este Dia da Pátria que Me Pariu.
Primeiro, um trecho esparso para quem souber ler (e entender):
1- In English:
“They say:
It is useless, everyone here in Brazil is corrupt, since the first man who came from Portugal.
I say:
I don’t admit, my hope is immortal.
I repeat, do you hear me?
I – MMOR – TAL ! ! !”
 2 – Now, in Tupiniquin:
 “ Eles dizem:
É inútil, todo mundo aqui no Brazil é corrupto, desde o primeiro homem que veio de Portugal.
Eu digo:
Não admito, minha esperança é imortal.
Eu repito, ouviram?
I – MOR – TAL ! ! ! ”
Por isso, repito  o título do post deste 7 de setembro de 2010:
– Só de sacanagem:
  • Independência ou Morte?
  •  
Agora, a imagem para quem souber ouvir.
Clique:

http://www.youtube.com/watch?v=_xIyS0Dathw&feature=related

Visite também:

http://www.oscosmopolitas.com

 


Tô me preparando para uma nova viagem.

Tô sapeando na Internet.

De repente, levo esta porrada na boca do estômago.

Ana Carolina e Seu Jorge.

Ode aos aloprados mensaleiros de todo e sempre.

Primeiro a letra, depois a foto, depois a imagem-som, tá?

Pela ordem, cumpanheirada:

Neste Brasil corrupção
Pontapé bundão
Puto saco de mau cheiro
Do Acre ao Rio de Janeiro

Neste país de manda-chuvas
Cheio de mãos e luvas
Tem sempre alguém se dando bem
De São Paulo a Belém

Eu pego meu violão de guerra
Pra responder essa sujeira

E como começo de caminho
Quero a unimultiplicidade
Onde cada homem é sozinho
A casa da humanidade
 

Não tenho nada na cabeça
A não ser o céu
Não tenho nada por sapato
A não ser o passo

Neste país de pouca renda
Senhoras costurando
Pela injustiça vão rezando
Da Bahia ao Espírito Santo

Brasília tem suas estradas
Mas eu navego é noutras águas

E como começo de caminho
Quero a unimultiplicidade
Onde cada homem é sozinho
A casa da humanidade

Para ver/ouvir/sentir/latir 

Clique abaixo

http://www.youtube.com/watch?v=jH6grXm1MG4