ECA 21: cinco milhões de menores no trabalho escravo.

 Vinte e um anos de existência do ECA.

 Estatuto da Criança e do Adolescente.

 Conquistas, avanços, direitos e, principalmente, muita coisa a fazer.

 Ainda.

 Por exemplo, e esta é a nossa prosa.

 Com ECA e tudo, no Brasil, hoje, temos quatro milhões e 800 mil meninas e meninos,

 dos cinco aos 17 anos de idade,

 simplesmente trabalhando para sobreviver.

 Twenty-one years of the ECA.

Statute of Children and Adolescents.

 Achievements, progress, rights, and especially a lot to do.

 Yet. For example, and this is our prose.

With this statute and everything in Brazil today,

 we have four million and 800 thousands girls and boys,

from five to 17 years old, just working to survive.

  Só lembrando que de acordo com a Organização Internacional do Trabalho,

 a Constituição do Brasil e o Estatuto de Proteção da Criança e do Adolescente,

 obrigar uma criança até os 14 anos de idade a trabalhar, é crime.

Acontece que trabalham, abaixo dessa idade,

mais de dois milhões e trezentas mil crianças.

 

 Just remember that according to the International Labour Organization,

Brazil’s Constitution 

and the Statute of the Protection of Children and Adolescents,

 forcing a child under 14 years of age is a criminal act.

But,  from five to nine years of age

are 296 illegal workers,

 Não é a toa que, na mesma pesquisa, ficou apurado que

nessa faixa de idade, dos cinco aos 9 anos,

 quatro milhões e meio de crianças informam que

NÃO frequentam a escola.

 Dos 10 aos 14 anos, temos mais um milhão e 935 mil.

Dos cinco  aos 17, a Bahia tem mais: 617 mil.

Seguido de Minas Gerais, com 578 mil,

Maranhão, 417 mil, e por aí vai.

Se a gente levar em conta a proporção da população entre os cinco e 17 anos,

os campeões negativos em trabalho infantil são os seguintes:

 Tocantins – 15,75 por cento.
Piauí – 15,03 por cento.

Rondônia – 14,93 por cento.

No wonder that, in the same survey,

it was found thatthis age group,

 from five to nine years,

four and a half million childrenreport that they do not attend school.

 From 10 to 14 years, we have over

one million and 935 thousand.

 From five to 17, the Bahia has more: 617 000.
Followed by Minas Gerais, with 578 000,

Maranhão, 417 000, and so on.

 If we take into account the proportion of the population

 between five and 17 years,
the champions negative child labor are:

Tocantins – 15.75 percent.

Piauí – 15.03 percent.

Rondônia – 14.93 percent.

Os dados nos 21 anos de existência do ECA são do IBGE,

 no último PNAD.

IBGE é o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas.

 Do governo federal.

PNAD é a Pesquisa Nacional por Amostras a Domicílio.

 E os números?

Pois então.

De cinco aos nove anos de idade,

 são 296 mil trabalhadores ilegais,

ganhando sempre menos do que meio salário mínimo.

 Cento e noventa mil deles estão no Nordeste.

 A maior parte é na agricultura, inclusive em trabalhos perigosos.

 * * *

 The data in the 21 years of the ECA are from IBGE, PNAD last.

 IBGE is the Brazilian Institute of Geography and Statistics.

 The federal government.

PNAD is the Brazilian National Sample Household. And the numbers?

  Minas Gerais, com 578 mil,

Maranhão, 417 mil, e por aí vai.

* * *

 Se a gente levar em conta a proporção da população

 entre os cinco e 17 anos,

 os campeões negativos em trabalho infantil são os seguintes:

Tocantins – 15,75 por cento.

 Piauí – 15,03 por cento.

 Rondônia – 14,93 por cento.

* * *

 No wonder that, in the same survey,

it was found that this age group, from five to nine years, four

 and a half million children report that they do not attend school.

 From 10 to 14 years, we have over one million and 935 thousand.

From five to 17, the Bahia has more: 617 000.

Followed by Minas Gerais.

With 578 000, Maranhão, 417 000, and so on.

 If we take into account the proportion of the population between five and 17 years, the champions negative child labor are:

Tocantins – 15.75 percent.

 Piauí – 15.03 percent.

Rondônia – 14.93 percent

 Ah … só para fechar a prosa.

O lero de hoje é sobre o que mesmo?

Estatuto da Criança e do Adolescente.

Hoje, ele completa 21 anos de idade.

Alcança, portanto, a maior idade.

Emancipado, pode trabalhar.

 Então, tá. Inte e axé.

Oh … just to close this talk.

The lero today about what is it?

Statute of Children and Adolescents.

Today he turns 21 years old.

 It reaches, therefore, the largest age.

 Emancipated, can work. So, okay.

Inté and Axé, Mané!

Obs.

Vinhetas de Passagem do disco “Sem Terrinha”, do MST.

Note.

Vignettes of Passage album “Landless children,”

 the MST – Movement of the Landless.

Clique

http://snd.sc/nbKuVR


Jose Alencar, born in 1931, began a life as a clerk and later became a great entrepreneur, president of the Federation of Industries of Minas Gerais, senator and vice president of Brazil,  in the two Lula’s governments. For ten years  he was fighting a battle against cancer. This, he just lost. By.

  

Produção, Redação e Edição de: EDUARDO MAMCASZ 

Coluna: Trocando em Miúdo 

( Arquivo: Zé Especial – Duração: 03’25”  – Mp3

     José Alencar, nascido em 1931, começou a vida como balconista e depois se tornou um grande empresário, presidente da Federação das Indústrias de Minas Gerais, senador e vice-presidente do Brasil,  nos dois governos Lula. Há dez anos ele travava uma luta contra o câncer. Esta, ele acaba de perder.

Ouça clicando abaixo e acompanhe no script:

 

 http://snd.sc/h1Icwq

  

TEC/  BG 1 – ZE INICIO – 12” – Vinheta Trocando em Miúdo, com Eduardo Mamcasz e entra José Alencar  cantando: meu Senhor do Bonfim, arranje outra morena igualzinha pra mim).

LOC/ José Alencar Gomes da Silva. Nascido em Itamuri, distrito de Muriaé, numa família de quinze irmãos, no dia 17 de outubro de 1931.  De auxiliar de balconista a presidente da Federação das Indústrias de Minas Gerais. Senador e vice-presidente do Brasil nos dois governos do presidente Lula. 

TEC/  BG 2 – ZE LULA – 3” (Acreditava nele, como continuo acreditando).

LOC/ O Zé Alencar, como gosta de ser chamado, nunca tem   meia-palavra, apesar de ser mineiro. E não adianta chegar para José Alencar e sugerir  que deixe esta questão de juros para os técnicos, os economistas, os burocratas, os financistas e tal. Não tem conversa.

TEC/ BG 3 – ZE JUROS  – 4” ( Nós temos que compreender isso. O país é um grande empresa. Alguns trabalhando diretamente. Outros, vivendo de quem trabalha).  

LOC/ A mesma coisa contra o número exagerado de  impostos cobrados atualmente no Brasil. José Alencar, ex-grande empresário do setor de tecidos, nunca  se cansa de defender  a existência de um imposto que seja único. Até porque …

 TEC/ BG 4 – ZE IMPOSTO – 5”   (A fiscalização seria uma só, em cima de um só imposto e  todos iriam contribuir).

 LOC/ Mas no meio do temporal de palavras, quando, por exemplo, estouram os escândalos, a corrupção, o vice-presidente sempre tem, na ponta da língua, uma observação  básica.

TEC/ BG 5 – ZE CORRUPCAO – 12”  ( Não sei se as pessoas teriam coragem de me propor qualquer coisa errada. Eu não sei. Eles têm a certeza antes de que eu não vou acompanhar … (cantando: um abraço, sorriu, pediu a mão, não quis dar, fugiu…). O problema é o seguinte. Você já ouviu falar. O porco magro é que suja a água.

LOC/ Tu sabes o que mais deixa triste o Zé Alencar saído de Itamuri, no interior de  Minas, para ser auxiliar de balconista na cidade grande, migrante de marmita e dormindo no banco da estação de trem?

TEC/ BG 6 – ZE MIGRANTE – 5” (Foram as migrações dos brasileiros, até clandestinamente, para os Estados Unidos e para outros países. Orientados por que? Nós nós não estamos aproveitando o potencial da economia brasileira…).

LOC/  Outra tristeza que José Alencar demonstra   nas   tantas idas a hospitais para a longa batalha que trava com o inimigo,  não é com o câncer, mas com o fato de ali ele ser tratado como vice-presidente do Brasil.

TEC/ BG 7 – ZE SUS – 10” (Os brasileiros não têm este mesmo tratamento e isto não me agrada, eu fico triste. Eu às vezes fico até mesmo me sentindo culpado).

LOC/ Mas agora, José Alencar está tranquilo. A luta dele contra o câncer está acabada. Infelizmente, venceu o câncer. Mas ele está com mais tempo para fazer o que mais gosta, principalmente, cantar:

 TEC/  BG 8 – ZE FINAL – (um abraço, sorriu … é da sua conta … eu ando louco de saudade … então, tá … trocando em miúdo, com Eduardo Mamcasz … pediu a mão, não quis dar, fugiu… meu Senhor do Bonfim, arranje outra morena igualzinho pra mim).

 

 


Nas Centúrias, Nostradamus,1503, profetiza em Revelation 13

 

     “Próximo do terceiro milênio uma besta barbuda descerá triunfante sobre um condado do hemisfério sul espalhando desgraça e a miséria.

      Será reconhecido por não possuir seus membros superiores totalmente completos.

    Trará com ele uma horda  que dominará e exterminará as aves bicudas e implantará a barbárie por muitas datas  sobre um povo tolo e leviano.”

 

Agora, em 2010, a vidente Neila prevê o seguinte para o nosso  Brasil envolvendo  Dilma Sarney. A previsão para 2011 é de arrepiar:

 

   “ A filha distante de vermelho e sem amor pela nossa terra se elegerá graças aos votos de Minas Gerais.

     Tomará posse usando vermelho, mesmo diante da enorme tragédia que acontecerá pouco antes no Brasil, ofendendo aqueles que prezam o luto.

    Haverá apenas um lenço branco.

    Um governo triste e sombrio, porem breve, se iniciará sob o signo da tragédia das pedras.

    Governará ate o dia da grande festa dos soldados, de onde sairá para o hospital.

   A doença invisível que lhe corrói as entranhas mostrará sua força como nunca antes visto.

   Lutará e receberá medicação dos americanos que despreza.

   Sua agonia será forte e intensa.

   O Turco Branco tentará inutilmente se mostrar contrito e respeitoso, mas conspirará na grande casa branca perto do lago, ajudado pelo homem dos cabelos negros que foi falso amigo de Tancredo.

    Serão dias e noites de traição e disputas espúrias e de agonia no grande hospital dos patrícios.

   O Brasil sofrerá com os conchavos e a incerteza.

   Virão dias de medo e ameaças.

   Nunca foi amada e o povo acompanhará sua agonia distante.

Não terá povo no seu funeral próximo ao carnaval.”

 

Eu não acredito em bruxas, mas que elas existem, existem.

E então, como é que a gente fica?

Clique aí:

 

http://triplov.com/triplo2/2010/09/28/profecia-da-vidente-neila-alckmin-2/