De olho no fiofó do presidente

Gente.

O papo hoje, aqui de Praga, é só prá di maió. Com muito respeito, of course.

Minha primeira visita. Galeria Futura. Na esquina aqui de casa. Parece o OI Futura do Cacete. Ops. Do Catete.

São várias instalações numa casa antiga, entra-se na parte de cima e vai-se descendo até o fundo do, digamos, poço, onde tem a atração maior. A estátua criada pelo puta artista tcheco, o David Cerny. Ele tem várias. Uma mais provocativa do que a outra. Esta, no caso, é a Brownnosers, de 2003.

Prague: Futura Gallery 1

Prague: Futura Gallery 1 (Photo credit: grahamc99)

Subindo pela escada, chega-se ao olho do, digamos, ponto mais anatômico do corpo, usado para expelir vapores e excrecência. Quando se olha dentro do … (não ouso dizer a tão curta palavra de duas letras – a terceira consoante e a quinta vogal), vê-se um video do primeiro ministro dando de comer na boca do inimigo dele.
Apenas no sentido de uma compreensão mais ampla do porquê estou eu, aqui em Praga, pertinho de casa, com o meu olho enfiado no olho do, desculpe, não consigo falar, seria a mesma coisa do seguinte, traduzindo para o brasileiro: o corpo seria da presidenta do, no caso, Brasil, e lá dentro o primeiro-ministro, no caso, Lula, dando de comer, na boca, ao prezado ex-inimigo Maluf. Por aí.

Prague: Futura Gallery 2

Prague: Futura Gallery 2 (Photo credit: grahamc99)

Gente, tudo no maior respeito, tá?
 Em nome da arte e da cultura!

Anúncios

In addition to traditional defense of northeastern causes many social and economic issues are present in the lyrics of more than five hundred songs Gonzagão that were alive, would be completing one hundred years. Hear my economic respects.

Luiz Gonzaga faz cem anos de rei do baião brasileiro 

Além da tradicional defesa das causas nordestinas, muitos temas sociais e econômicos estão presentes nas letras das mais de quinhentas músicas do Gonzagão que, vivo fosse, estaria completando cem anos. Ouça minha econômica homenagem.

Clique abaixo para ouvir

https://soundcloud.com/#mamcasz/gonzagao-cem-anos-de-vida

Caruaru (Pernambuco), Brasil. São João 2005. Q...

Caruaru (Pernambuco), Brasil. São João 2005. Quadro de Luiz Gonzaga. Caruaru (Pernambuco), Brazil. Luiz Gonzaga. (Photo credit: Wikipedia)

Script completo

TEC/ Vinheta de Abertura

 LOC/ Luiz Gonzaga, o rei do baião, o maior defensor das causas nordestinas, se vivo fosse, estaria completando cem anos de idade neste dia 13 de dezembro, quinta-feira. E o que o Gonzagão tem a ver com este Trocando em Miúdo, que só fala de Economia? Muito. É só procurar pelas letras das mais de quinhentas músicas dele. Vamos nessa?

 TEC/  (Minha vida é viajar por este país – http://letras.mus.br/luiz-gonzaga/82381/ )

 LOC- Distribuição de renda. Todo mundo sabe que o Sul Maravilha tem muito. O Nordeste, pouco, Na letra da música “Bom? Prá uns.” Luíz Gonzaga canta que “ tem gente que vive por viver, e pra não morrer, vive enganando a vida”. E pergunta para o ouvinte:

 TEC/  (Tá tudo bom?Tá tudo bom?Tá tudo bom … prá uns; prá outros,  não. http://letras.mus.br/luiz-gonzaga/1564329/)

 LOC/ E nestes dias em que tem tanta gente hoje chamada de inadimplente, suando para pagar a dívida, juros altos no banco? Principalmente o agricultor. Pois escuta só o Gonzagão na música dele “Eu sou do banco”. Passa o matuto do sertão, com meia dúzia de bois, e o povo pergunta para o bicho na frente. De quem é esta boiada?

 TEC/ ( Eu sou do banco. Banco do Brasil. Banco do Nordeste. Da peste. Em Pernambuco. Bandepe!  http://letras.mus.br/luiz-gonzaga/1565378/ )

 LOC/ Vamos em frente com o Trocando em Miúdo de hoje em homenagem aos cem anos de vida de Gonzagão, que se completam nesta semana. Só falando de economia, pode? Tanto pode que ele canta, por exemplo, uma coisa que hoje está na moda. Como tirar o dinheiro dos royalties da Petrobrás.

TEC/ (Brasil, meu Brasil/Tu vais prosperá tu vais/Vais crescer inda mais/Com a Petrobrás/

http://letras.mus.br/luiz-gonzaga/1561822/ )

 LOC/ E vamu que vamu. Outra coisa que agora está na moda. Economia sustentável. Preservação da natureza e tal. Pois não é que o nosso Gonzagão, há muito tempo, cantava este xote ecológico. Preste atenção.

 TEC/ (E o verde onde é que está ? Poluição comeu/  Nem o Chico Mendes sobreviveu/

http://letras.mus.br/luiz-gonzaga/295406/ )

LOC/ E só para fechar esta prosa animada de hoje. E apressando a cantoria. A melhor música de todas do Gonzagão, melhor ainda do que Asa Branca, pelo menos para mim, e que fala da eterna seca que atinge o povo nordestino, é a obra prima dele. A Triste Partida. Esta é a nossa homenagem pelos cem anos de nascimento de Luiz Gonzaga, o Gonzagão, nesta semana. É uma música longa, tão longa quanto a seca no Nordeste. Ele começa cantando que setembro passou, quando deveria ter dado a primeira chuva,   e nada. Já tamo em dezembro e o que vai ser de nós…

 TEC/ (Assim fala o pobre/Do seco Nordeste/ Com medo da peste/ Da fome feroz/)
LOC/ Mas noutra esperança, continua Gonzagão na música Triste Partida cantando a seca nordestina, o povo se agarra na   chuvinha no Natal. Nada. O sol veio vermeio. E assim vai, no mesmo verão, até fevereiro e nada.  Apela para março  …

 TEC/ ( Mas nada de chuva/ Tá tudo sem jeito/ Lhe foge do peito/ O resto da fé/)
LOC/ Daí, perdida toda esperança, o nordestino começa a “Triste Partida” de fato em direção ao Sul Maravilha. E este nordestino, antes dele partir para a vida, ele faz o que,  Gonzagão?

 TEC/ ( Vende seu burro/ Jumento e o cavalo/ Inté mesmo o galo/ Venderam também/)
LOC/ E a história continua, cada vez mais triste, isto é economia, do nordestino expulso pela seca a procura de emprego no Sul, onde ele era chamado de nortista. Tem a longa estrada da vida, a chegada, a dor da saudade do agreste, devendo ao patrão, sulista, sofrendo o desprezo de todos, até que Luiz Gonzaga, Gonzagão cem anos de nascimento, dia 13 de dezembro, acaba com esta bordoada:

 TEC/ ( Faz pena o nortista/ Tão forte, tão bravo/ Viver como escravo/ No Norte e no Sul)

 LOC/ Então, tá. Inté e Axé.

TEC/ Vinheta de Encerramento.

English: Statue of Luiz Gonzaga. Campina Grand...

English: Statue of Luiz Gonzaga. Campina Grande (Paraíba), Brazil. Português: Campina Grande (Paraíba), Brasil. Estátua de bronze de Luiz Gonzaga. (Photo credit: Wikipedia)


Dos pelos do nariz às esmaecidas páginas datilografadas.

Das cutículas das unhas roídas às fotos esbranquiçadas.

Sinto uma enorme apegância às lembranças.

Delas me deletar? Que nada. Dói. Daí…

Na página 148, acordada no adormecido livrinho de capa preta (Longa Jornada Noite Adentro-Eugene O`Neill-Edição 1980), estanco e leio:

“Desde que nasceste

Não és mais do que um vôo no tempo.”

( Menotti del Picchia – O Vôo).

Detalhe interessante. 1980. Estrada de terra. Duas da madrugada. Ao lado da Cachoeira de Corumbá de Goiás. O Fiat Uno despenca. Acordo no lado oposto. Na direção. Onde está, inda dantes, minha então namorada.  Morro por um minuto. Tempo do vôo do carro da estrada ao leito do rio. Caminhada até Corumbá. 10 km. Clavícula  estourada. Dela. Em mim, nenhuma trinca. Lua cheia. Carona até Anápolis. Hospital. Mais nada. Quer dizer…

E qual o porquê desta prosa? Ah … a faxina que hoje faço em mim.

No entreato, reabro o livro, encontro a poesia  datilografada, esmaecida, que dia seguinte  ao fato, repasso para a até hoje enamorada, 288 luas cheias ultrapassdas:

“Que importa a rota?

Voa e canta.

Enquanto resistam as asas”.

Mas é claro que dou um tempo nesta faxina de mim mesmo. Do Eu.

 Mesmo porque, na mesma página de onde envolto o poema do Vôo do Menotti del Picchia, no livro Longa Jornada Noite Adentro, do Eugene O`Neill, sobrevive,  por mim sublinhada, é, faço isto nos livros, o trecho em que o persona Edmund cita sardônicamente uns versos de Dowson:

De um sonho brumoso

Energe o nosso caminho por um pouco de tempo

– a seguir se fecha

Novamente num sonho…”

Moral do lero desta Faxina do Eu:

 É melhor deixar os bons fantasmas em paz.

 Inté e Axé.

Clique, vai.

https://mamcasz.wordpress.com/mamcasz/