Estou no meio do meu inferno astral.
Decreto-me uns dias de silêncio.
Rompo-o em legítima defesa.
Converso aqui ao lado:
Estive nos túmulos dos  maiores personagens do século XX.
Mahtma Gandhi, na Índia.
Nelson Mandela, na África do Sul.
( Enterrado por 37 anos na cadeia.Continua vivo).
Martin Luther King, em Atlanta, Georgia,
Pois é.
Todos são uns puta santos naquela de não revidar a violência.
Mas confesso.
Nestes dias de inferno astral, confesso que  não resisto.
Assinado.
Polaco Retesado.
Foto na Liberdade, em Birmighan, Alabama, USA.
Onde Luther King começa a caminhada dos negros.
A caminho da presidência. Né, Mr Obama?
Axé.

 

Anúncios

Martin Luther King. Budha. Mahtama Gandhi.  Maomé!

Krysto, sem as frescuras das ínfimas carolas.

Já o Martin Luther King, prum país KKK ( cruz, cruz, clã), branquelo, USA,  é super.

Inda que um nego, Harvard, esteja na Presí.

Falso negro, sorry Mr Ozama.

Mas eis aí abaixo foto da primeira igreja onde o pastorzinho MLK pregava.

Birminghan, Alabama, USA pobre de marré.

Donde começou a marcha contra negrinho usar lugar no ônibus separado do branquelo.

Nem podia mijar no mesmo penico, meu. Phode?

Mas a negona dar o  peitinho (hummmm…) pro branquelinho mamar, tudo OK.

Translate, Google, vai, Mané!!!

Ah… a photo abaixo é uma produção conjunta.

Eu, Eduardo Mamcasz, e Cleide de Oliveira.

Uma neguinha que encontrei nos USA e trouxe cá prá minha  casa grande.

Ela lava, passa, enxágua, bochecha e muito mais.

Vero!!!

 E aí, meu, num tá demais?

 Confessa, ou te levo prá Guantanamo, Kuba, maior acerto entre USA e Fidel Castro.

El Comandante Fidel tá em Miami tratando da próstata dele.

Seria prostrata?

Junto de Fidel, o Chavez, vulgo Hugo, no mesmo local prostrado. Ou seria bostado?

Vai, gúgui, translate this sheet. É assim mesmo que se escreve MERDA?

TORTURA UNIDA, JAMAIS VENCIDA.

 PORRA!!!!

Me desculpe, extrapolei…

Sorry, viste?

Go to Google to translate this crazy words, manezinho!

11


Estive nos túmulos de Mahatma Gandhi, em Nova Delhi, e no de Martin Luther King, em Atlanta, Georgia.

Os dois são enormes na teoria do derrubar pelo não-agir, pela não-violência e tal.

Os dois lugares são cheios de magia amortecida.

Mas sentimento mesmo sinto agora em Birmigham, Alabama.

Na mesma praça onde começou a famosa March Route.

Os negros a pé, do Alabama até Washington.

Contra a segregação racial nos ônibus, bares e bebedouros.

A polícia branca começou matando negros logo ali, na praça.

Em frente à Sixteenth Street Baptist Church.

Justo onde pulpitava um jovem pastor.

Martin Luther King.

Que depois acabou sendo morto.

As fotos falam:

   


                         Hoje, é o Dia Mundial da Voz.

                        E voz é uma coisa que fica guardada para sempre, mesmo que entalada na garganta. Ou libertada no ar que nem a do negro Luther King clamando que teve um sonho. Ou a do astronauta chegando à lua. Ou a do Getúlio Vargas pensando em se matar.

                     Não importa se a voz foi solta em 1908 ou em 2036. Mesmo que de fantasma, voz  é voz. Posso ouvir, por exemplo,  bem clara, até hoje, a voz do presidente bossa-nova, o Juscelino Kubitschek de Oliveira, o nosso JK, inaugurando Brasília no dia 21 de abril de 1960.

                     Duvidas?

                     Clique abaixo no esquete preparado pela turma do Radiojornalismo da EBC, Lucio Haeser à frente, (sonoplastia de Messias Melo e locução de José Carlos Andrade) no História Hoje, e escute as vozes do além e do aquém:

<iframe style=”margin: 0px;” src=”http://www.podcast1.com.br/ePlayer.php?arquivo=http://www.podcast1.com.br/canais/canal1618/16-04-10_-_Historia_Hoje_-_Dia_Mundial_da_Voz.mp3” frameborder=”0″ width=”450px” height=”60px” scrolling=”no”></iframe>