People. I don`t speak north-american. Only south. And so…

Now it is a early morning of Friday,  13. I’m just fine. The moon, ass down, flirting with me. I swear. A cat barking downstairs. Who? I know not. And if it were a dog loose in the morning? His problem. I’m stuck here in the basket, ops, on the sixth floor of the Fantasy Island. Translation. On brazilian language, cesto is basket, and sexto, is sixth. Let`s go ahead, gringo.

 I`m so  good. I swear. And the photo below, other than at the bottom and also below, I’m not down more, I is a square in Alabama, USA, where just a nigger much more important than the current Ozama went to Washington with a bunch of people suddenly saying do not walk over the bus, we walk, the bourgeoisie stinks, capitalism explodes, occupies Wal Street, okay with me this one in the morning of Friday the 13th, loser?

 After the mad I am. Polish madman is superfluous, even mano.Mas what I was looking at, ah, butt moon, not talking, here, oh, I do not sacanea, I’m in control, oh, the moon, naked, in half-devoid pseudo I know not, since then, a good Friday the 13th, ah, tamém’m reading, the moon, of course, this piece of poem Alen Ginsberg, HOWL, to beat fellow, Kerouac, listen, camel, Bukowsky, the title Malest cornifici tuo Catullo, at this Google`s translation, I don`t undestand, meu, ok, mané?

“It’s hard to eat shit, without visions, when they look at me, to me is paradise”.

Gente.

Uma da manhã desta sexta-feira, dia 13. Eu estou numa boa. A lua, com a bunda para baixo, me paquerando. Juro. Um gato late lá em baixo. De quem? Sei não.  E se fora um cão solto na madrugada? Problema dele. Eu estou preso aqui no cesto, ops, no sexto andar da Ilha da Fantasia. Numa boa. Juro. E a foto mais acima, diferente de em baixo, e também de embaixo, não me abaixo mais, é eu numa pracinha em Alabama,USA, justo donde um neguinho muito mais importante que o atual Ozama partiu para Washington com uma porrada de repente cidadãos dizendo não andamos mais de ônibus, vamos a pé, a burguesia fede, o capitalismo explode, ocupe Wal Street, tá me acompanhando nesta uma hora da madrugada desta sexta-feira dia 13, mané? Depois o doido sou eu. Polaco doido é pleonasmo, mano.

Mas o que mesmo eu estava olhando, ah, a bunda lua, não, falando, aqui, ó, não me sacanea, tô no controle, ai, esta lua, nua, pela metade, pseudo-carente, sei não, pois então, uma boa sexta, dia 13, ah, tamém estou lendo, para a lua, lógico, este pedaço de poema do Alen Ginsberg, UIVO, para os colegas beat, Kerouac, ouça, camelo, Bukowsky, o título Malest cornifici tuo catullo:

“É duro comer merda, sem ter visões; quando eles me olham, para mim é o Paraíso.”

Ah. O neguinho que falo na pracinha em Birmighan, Alabama, USA, era o pastorzinho início de vida, chamado MARTIN LUTHER KING. Me arrepio…

Anúncios

Estou no meio do meu inferno astral.
Decreto-me uns dias de silêncio.
Rompo-o em legítima defesa.
Converso aqui ao lado:
Estive nos túmulos dos  maiores personagens do século XX.
Mahtma Gandhi, na Índia.
Nelson Mandela, na África do Sul.
( Enterrado por 37 anos na cadeia.Continua vivo).
Martin Luther King, em Atlanta, Georgia,
Pois é.
Todos são uns puta santos naquela de não revidar a violência.
Mas confesso.
Nestes dias de inferno astral, confesso que  não resisto.
Assinado.
Polaco Retesado.
Foto na Liberdade, em Birmighan, Alabama, USA.
Onde Luther King começa a caminhada dos negros.
A caminho da presidência. Né, Mr Obama?
Axé.

 


Martin Luther King. Budha. Mahtama Gandhi.  Maomé!

Krysto, sem as frescuras das ínfimas carolas.

Já o Martin Luther King, prum país KKK ( cruz, cruz, clã), branquelo, USA,  é super.

Inda que um nego, Harvard, esteja na Presí.

Falso negro, sorry Mr Ozama.

Mas eis aí abaixo foto da primeira igreja onde o pastorzinho MLK pregava.

Birminghan, Alabama, USA pobre de marré.

Donde começou a marcha contra negrinho usar lugar no ônibus separado do branquelo.

Nem podia mijar no mesmo penico, meu. Phode?

Mas a negona dar o  peitinho (hummmm…) pro branquelinho mamar, tudo OK.

Translate, Google, vai, Mané!!!

Ah… a photo abaixo é uma produção conjunta.

Eu, Eduardo Mamcasz, e Cleide de Oliveira.

Uma neguinha que encontrei nos USA e trouxe cá prá minha  casa grande.

Ela lava, passa, enxágua, bochecha e muito mais.

Vero!!!

 E aí, meu, num tá demais?

 Confessa, ou te levo prá Guantanamo, Kuba, maior acerto entre USA e Fidel Castro.

El Comandante Fidel tá em Miami tratando da próstata dele.

Seria prostrata?

Junto de Fidel, o Chavez, vulgo Hugo, no mesmo local prostrado. Ou seria bostado?

Vai, gúgui, translate this sheet. É assim mesmo que se escreve MERDA?

TORTURA UNIDA, JAMAIS VENCIDA.

 PORRA!!!!

Me desculpe, extrapolei…

Sorry, viste?

Go to Google to translate this crazy words, manezinho!

11


Estive nos túmulos de Mahatma Gandhi, em Nova Delhi, e no de Martin Luther King, em Atlanta, Georgia.

Os dois são enormes na teoria do derrubar pelo não-agir, pela não-violência e tal.

Os dois lugares são cheios de magia amortecida.

Mas sentimento mesmo sinto agora em Birmigham, Alabama.

Na mesma praça onde começou a famosa March Route.

Os negros a pé, do Alabama até Washington.

Contra a segregação racial nos ônibus, bares e bebedouros.

A polícia branca começou matando negros logo ali, na praça.

Em frente à Sixteenth Street Baptist Church.

Justo onde pulpitava um jovem pastor.

Martin Luther King.

Que depois acabou sendo morto.

As fotos falam: