Recife é a região que tem a maior porcentagem de desocupados, 6,7% na última Pesquisa Nacional de Amostras por Domicílio (Pnad), divulgada pelo IBGE, que a partir de agora, passa a classificar este segmento como pessoa economicamente não-ativa.

Só uma explicação antes de continuar a prosa. Desocupado, para os técnicos do IBGE, que fazem a PNAD, Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, que acaba de ser divulgada, é simplesmente a pessoa que se cansou de procurar emprego. Não tem nada a ver com vagabundo. Pelo contrário.

Segundo o IBGE, existem hoje seis milhões e 627 mil desempregados e um milhão e trezentos mil desocupados. Ah … isto só nas regiões administrativas onde a PNAD do IBGE chega, ou seja: Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre. E nos demais?

Então me ouça, pessoa:

Quem são esses desocupados? Mais da metade  são mulheres, 35,1% nunca trabalharam, mais de um terço (33,9%) são jovens entre 18 e 24 anos de idade; 57,6% são pretos ou pardos, ou seja, negros e,  53,6% não completaram o ensino médio, ou secundário, ou segundo grau.

Então, tá.

Inté e Axé!


– Por que hoje é sábado, Vinicius de Moraes,  hein?

Madame dorme pós o lapin a la mode de Montmartre.

Culpa do italiano Chianti.

– Pode me chamar de Gentilesco, bela!

Detesto estes carcamanos! Tão convincentes… e por conta deste episódio revelo  o seguinte incidente que nunca será domesticado:

– Vocês acabam de me entristecer neste sábado.

Esquivo-me então do lar nesta  tarde sombreada, aqui  é Brasilha.

O elevador stop no 6. Entro. Nova parada. No 3. Neta e avô.

– Boa tarde. Lindo dia. Estou indo para a catequese no Cor Jesu.

Terminal.

Descemos juntos. E a prima mulher desta tarde sombreada me desperta:

– Qual seu nome?

– Mamcasz.

– Mamcasz. Meu nome é Madalena. Este aqui é meu avô Joaquim.  Me escute!

E saimos conversando naturalmente, por que hoje  é sábado, Vinicius, hein? No intermezzo das quadras 200 para as 400, isto é Brasília, só não digo a Asa, o avô, meio que incomodado com a naturalidade do mútuo conversar, iniciada no elevador, pega na mão da neta:

– Nossa, que mão fria!

E ela, no ato, pega na minha e:

– Mamcasz, você me acha fria?

Diante do tremelique contido do avô, eu jogo o lero de que fui seminarista (ah, é?), militar (que posto?), perguntadeira tua neta, vai ser que nem eu, jornalista (nem pensar!!!) e continuamos os três, de mãos dadas, quem sou eu para tornar desfeito o sonho ora feito de uma menina de mãos dadas com dois homens belos (é…), bom incentivo na vida longa (dela…).

– Então tchau, Mamcasz. Eu vou para minha catequese.

E fico eu, ela sabia, tínhamos trocado as falas, na mercearia de nível, espanhola, produtos finos, apropriados para esta tarde sombreada, por que hoje é sábado, Vinicius, hein, por que?

– Ah … pergunto eu, olho de olho na neta do avô militar, meu vizinho.

– Qual tua idade?

– Cinco anos, por que?  mas me diga uma coisa, Mamcasz, quem é este Vinicius?

– É meu amigo, o Moraes de Ipanema, estou escutando a poesia dele aqui, fique com ele :

– Coisa antiga este walkman, mas por você, e pelo teu amigo Vinicius, eu aceito. Tchau.

http://www.youtube.com/watch?gl=BR&v=jpfymRLaPaA

Pois bem. Continuemos, eu e a tua pessoa leitora, embora não de mão dadas. Não te conheço…

 E assim zonzo,  pelos dois fatos que acabo de narrar, é vero, juro pelo Cor do Jesu da menina, entro na mercearia espanhola de produtos finos, tipo endivas e tal. Escolho a mexirica, daquele bem miúda. Porção de pistache. Duas endivas, por supuesto. Caqui chocolate. Couve-flor.

 Dobro a esquina para a prateleira do presunto de Parma. À frente, outra mulher.  Opa… Vislumbro-lhe o cabelo a la Janis Joplin. Sinto um leve torpor no cabelinho da minha nuca. Bom sinal. Sem olhar, retorno a meu destino. Acontece que a saída está bloqueada por mais uma mulher,   algo desorientada, sinto-a não madura,  que nem a outra, mas, juro, longe de mim ter fixado o meu id na retina dela. Na verdade, me desoriento, ainda não refeito da pretérita presente pequena menina elevatória do repente.

– Deixa eu ver – converso comigo mesmo, aparentando solidão.  Pão árabe. Esta pequena boina, minúscula, exige o hamus. Cadê o hortelã?

– Ali, senhor.

– Alá!

Redobro na esquina da outra gôndola. Aprecio o cheiro árabe. Absorvo o momento. Sou pela retaguarda da mente, dita cabeça, envolvido por duas mãos que, juro pelo Coração de Jesus da menina do elevador, já as envolvi outrora para que não caísse, numa madrugada, entre os trilhos de Santa Teresa, no Rio, nos tempos em que Kurosawa nos levava a fazer Dodeskadém. Amém.

– Mamcasz!

– Oi – reconheço a voz do elevador.E retruco:  Não foi para a catequese?

– Ainda vou. Queria te perguntar uma coisa. Se Jesus era filho de Maria, ele era neto de quem?

– Ana e Joaquim. Por que?

– Maria era a mãe de Jesus. Quem era o pai?

– José, por que?

– Então, quer dizer que Jesus nasceu da…

– Menina. Pergunte isto lá para o padre.

– É freira, Mamcasz, seu bobo.

– Melhor ainda. Mulher conhece estas coisas de fazer filho, nem que seja Jesus.

– Mamcasz.

– Quié?

– Quem é esta garota, parecendo as cantadas no sábado pelo teu amigo Vinicius, lá na praia de Ipanema, que está tampando os teus olhos com as mãos rodeadas de pintas tão bonitas?

– Ah. É uma amiga que eu tenho faz mais de 40 anos, desde os tempos do Rio de Janeiro,  continua lindo.

– E por que você passou por ela sem falar nada? Vocês estão brigados?

– Nunca na vida!

– E esta outra moça do lado, nossa, Mamcasz, você está mais procurado do que o Vinicius, né?

– É …  esta moça é a filha desta minha amiga desde o tempo em que ela nem pensava na filha.

– Você não pensava em mim, mãe?

– Minha neta, vamos embora.

– Não sou neta. Sou filha.

– Pois eu sou avô.

– E eu sou neta.

– Eu sou filha!!!

E eu:

– Por que hoje é sábado, hein, Vinicius?

Cada qual segue então seu destino na vida. Pamela Nunes, mulher de Elvis, com a filha, para Pirinópolis, Goyaz, Brazil.

A neta, não a filha, com o avô, para a catequese para saber como nasceu Jesus da barriga…

E eu, de volta aos sonhos de madame, pois ela inda dorme.

Adentro o dito sacrosanto lar. Ou seria sacrossanto? ou sacro-santo? Coloco na vitrola o  Elvis Presley, só de músicas religiosas. Volume respeitoso. Tripla homenagem:

À neta – na ida à catequese, na Cor Jesu.

 À  filha – muito desenchavida na vida, por sinal.

 À mãe – amiga unida nesta longa estrada da vida. 

– Quem, Mamcasz?

– É qual, menina. Qual a música.

– Qual de nós você escolhe?

– Stand by me.

http://www.youtube.com/watch?v=jNjq54fgkhU

Moral do lero deste sábado sombreado cá na Ilha, Asa Sul, Brasília.

Madame acorda, livre dos braços do italiano Chianti.

– Que música é esta?

– Depois eu te conto.

– Foi adonde:

– Lugar nenhum. Fiquei aqui no Facebook.

– Você e este teu Face. Tem que sair. Falar com gente…

E lá foi ela, cafezinho e cigarrinho para o quarto da Sky.

Tempo!

– Florzinha. Corre aqui…

Pronto. Emergência. Acelero-me, na medida do possível.

Na TV, o especial “Where you’re strange”.

Cena 1:

I have a dream. Corta! M.L.King. Som do tiro.

Cena 2:

Nos vemos em Chicago. Corta! J.F. Kennedy. Som do tiro.

Enquanto isto, ao fundo,  Jim Morrison canta:

This is the End. Father.I want kill you. Mother…

https://mamcasz.com/2011/07/17/this-is-the-end-my-beautiful-friend/

– Corta!!! Corta!!! Corta!!!

– Qué isso, Florzinha. Cê tá tão esquisito. Só por que hoje é sábado, hein?

Cena 3

Jim Morrison. Som do tiro.

Cena 4

Cemitério Père Lachaise. Paris. Túmulo dele. Já fui. Aliás, acabo de marcar minha próxima viagem.

Paris.

Era para ser Praga. República Checa. Começo a pesquisa pelo Google. Praga. Resposta:

– Praga de baiano!

Mudo para Paris. Respeito é bom e gozo. Olha só no que está dando.

De qualquer forma, o studio, Place de Ternes, me espera.

 Au revoir. A bientot e coisa e tal. Axé!

Moral do Lero.

1 – Sempre tome cuidado ao ficar perto de uma mulher.

2 – Independente da idade: seja Madalena (5 anos), Maria (25 anos), Ana (45 anos), Madame (uma flor) ou até mesmo eu, Jesus (65 anos).

3 – Por que mesmo hoje é sábado, hei, seu Vinicius?

Mesmo assim, dedico esta música à minha amiga, que era a cara da Joplin, belo sábado, ainda que tenha me comportado meio esquisito.  O que vai pensar a filha dela? Aliás, amiga, tua filha….

http://www.youtube.com/watch?v=WIt3bbqMbHE


O IBC Brasil cai abaixo de zero. O Banco Central do Brasil acaba de informar. Em maio, o IPC-Br ficou –0,02%. De 140,64 para 140,61 pontos. Em março, havia caído 0,17 negativos. Para que serve ele?   Antecipar o PIB. Anuncia que acabou o Carnaval. Aliás, qual o teu palpite para o PIB 2012: 4,00% (Mantega); 2,50% (BC); 2,10% (CNI); ou aceita logo que vai ficar mesmo abaixo de dois por cento e não se fala mais nisso.

 


Ai de mim Copacabana

Tu não me engana

Por ti vazo-me de gana de me tornar outrora insana

Persona.

*

Sessenta e Oito.

*

Achego-me a ti

Mínimo reco

Um dezoitinho no meio dos trezoitão

Noviço puro

Sulista

Prato feito

Pré especial

Vizinho do Bornay.

*

Sessenta e Nove.

* 

Mergulho de cabeça

Na praia e nos becos

Da fome matada por Lindaura

Da gula saciada nas curvas da calçadona

Num tal de Cooper

Testo o meu físico

Na espreita da mina

Que surge na tanga da miçanga do kabuletê

Onde desperto meu lado mais bom

De sunga.

*

 Um.

Dois.

Três.

E lá vou eu

Na mira da mina

Do Leme ao Seis

Viro  inconfiável freguês

Se no meio da ida

 Pinta outra mais

Ela me retorna

Aos braços  da Princesa Isabel.

*

Primeiro casamento da minha  ida vida.

Rio.

Choro.

Imploro.

Sofro.

Quase morro.

Minha vida vira favela.

Ressuscito-me.

*

Retorno jornalista.

Eco, Pinel, Túnel, Canecão, estádio do Botafogo

Onde ensaio a minha primeira mulata …  da Portela.

Por ela, abandono  Teresa, a Santa,

Abraço a pecadora da Prado Junior.

Uma zona.

Cinema Um.

O último apito do guarda, duas da madruga.

O primeio, do despertar, seis da matina.

Sanduba.

No flat, no botequim e na praia.

Que se espraia, até hoje, na minha  mente

Que se transmuta pura

Novamente

Na abrupta paixão da Siqueira Campos.

Desmente, polaco, incapaz, rapaz…

Que nada.

Onda acima, onda abaixo,

Despenco eu,  comendo areia

De Copacabana

Minha mãe, mana, amante

 E ora, avó.

Na mente, a transa noturna  na praia.

Tu não me enganas

Mesmo  com o  empata

Dos holofotes no meio da noite

No fim da onda do emissário submarino

Antes da chegada do metrolífero conduto.

Ai de ti, hoje rainha bi-sexagenária,

Eterna Princesinha do Mar.

Ai de mim digo eu

Se ainda me amas

Mesmo sem chama

Proclama:

Polaco, me leva para a  cama

Sem fim

Na candura  passada  

Daquela dormida  

Na areia bacana

De Copabacana

Até hoje  sonhas

Com a graça que a vida tem.

Amém.

***

Copa Bacana

120 anos.

Parabéns.


Hoje, meu amigo desde os tempos da Manchete, por quem foi sacaneado, a exemplo de inúmeros ex-emrpegados da Família Bloch, está fazendo anos. É assim que se diz a respeito dessa efeméride?

Longa Vida, Véi.

Parabéns.

Photos de Elza Fiuza e Toninho Cruz.

Não sei mais qual é de quem.

Teve festa aqui na Firma.

Muita mulher.

Saiba mais:

https://mamcasz.wordpress.com/2010/08/18/como-tem-gente-boa-aqui-na-radio-so/


 Today’s post goes to an Angel named Archangel. Archangel Tim Lopes do Nascimento. He’s here with me, at this carnival of Berlin, May 2012. He, I and more than a million people. We are celebrating together the ten years that he, on June 2, 2002, was roasted alive on a tire in a slum in Rio de Janeiro, Brazil. Killed after a series of stories for TV Globo.

* * * 

Der heutige Beitrag geht an einen Engel namens Erzengel. Erzengel Tim Lopes do Nascimento.Er ist hier mit mir, das Karneval der Kultures von Berlin im Mai 2012. Er, ich und mehr als eine Million Menschen. Wir feiern zusammen die zehn Jahre, die er am 2. Juni 2002, geröstet wurde an einem Reifen in einem Slum in Rio de Janeiro, Brasilien lebt. Getötet nach einer Reihe von Geschichten für TV Globo.

 * * *

O post de hoje vai para um Anjo chamado Arcanjo. Tim Lopes Arcanjo do Nascimento. Ele está  aqui comigo,  neste Carnaval de Berlim, maio de 2012.  Ele, eu e mais de um milhão de pessoas. Estamos comemorando juntos os dez anos em que ele,    no dia 2 de junho de 2002 ,  foi assado vivo num pneu numa favela do Rio de Janeiro, Brasil.  Assassinado depois de uma série de reportagens para a TV Globo.

 

 Conto a seguir o nosso reencontro, aqui em Berlim,    cheio de gírias, magias e orgias, estas só para brincar com as palavras,  para saber que graça elas têm. Elas e o meio milhão de loirinhas. Bem ao gosto do mano neguinho gaúcho da Mangueira.  Por mim, prefiro as caipirinhas. Que nem no antigamente nas ladeiras de Santa Teresa. Então, siga eu eo Tim Lopes  chamando as loirinhas vestidas para tirar a roupa delas no matinho e ensinar a elas a dar com o samba nos pés. Com gentileza, polaco. Então tá, Tim. Chame as três primeiras:

Para tanto, contamos com o apoio de um músico, homem,sim, garante o Tim, eu fico na dúvida, que afina o instrumento, atrás do palco Eurasia, Karneval der Kultures de Berlim, 2012, para se apresentar no Delta Blues und Gangsterlieder aus Odessa, sai dessa,meu.  Para a gente não se perder das loirinhas, o Tim escreveu PINTO no poste, que nem cachorro (não sacaneia, polaco).  Preste atenção nas roupas das três primeiras: Cláudia, Lili e Marlene.

Daí, eu e Tim fomos à luta, companheiro, porque loirinha pelada sem nada é uma gelada, quente tem quem aguente, eu, polaco. Acontece que falta ação, som, bateria, que aparece. Repare só nas costas da menina na esquerda da foto abaixo, olha só o gaito de olho na mina do Tim (não sacaneia, polaco, a gente nem dividiu ainda, pega leve). No lombo da loira, o aviso escrito em brasileiro, aqui em Berlim. EXPLOSÃO. E o x num X bem grandão. É que X em alemão se pronuncia SEX. Chega fundo, polaco!

Delicadeza, polaco, me dizia o Tim nos velhos tempos do O Globo no Rio, quando ele era o dançarino oficial das minhas namoradas. (Quem mandou ser duro no tranco, polaco?). Mulher tem que jogar conversa. Depois, lavar a roupa limpa. Passar e enrolar. E eu: Tim, bandeira pouca é bobagem. E ele, aqui comigo no Carnaval de Berlim: Polaco. Maior bandeira verde no amarelo. Te liga. Esta eu já vida noutras vidas. Olho aberto que caolho só dá coalhada. Maior bandeira.

 Polaco. Quié? Que negócio mais enrolado este Carnaval de Berlim.Por que? Repara só se não foi enrolado errado na palha, na moita, no matinho das loirinhas. Ih… repara só que rolo: bandeira brasileira, capirinha, vodka, pinha colada, Cuba livre (o comandante já morreu?), tudo sambando numa nota só. Que doideira, meu. Larga o microfone. Dê linha à pipa. Besteira pouca é bobagem.

Polaco. Quié? Que negócio mais enrolado este Carnaval de Berlim.Por que? Repara só se não foi enrolado errado na palha, na moita, no matinho das loirinhas. Ih… repara só que rolo: bandeira brasileira, capirinha, vodka, pinha colada, Cuba livre (o comandante já morreu?), tudo sambando numa nota só. Que doideira, meu. Larga o microfone. Dê linha à pipa. Besteira pouca é bobagem.

Mano Tim. Quié, polaco, tu fala, heim, larga o microfone.  Tu presta atenção na fala porque os amigos e amigas todas estão ligados na gente, através de um treco chamado Facebook. Que papo é esse de Face, mermão? Quer dizer que acabou a velha prosa de olho no olho, boca na boca, isso naquilo? Vocês não querem que eu volte? Mas vamos à luta, companheiro, que estas meninas precisam ser salvas, aprender a sambar, assobiar na vara curta. Tim. Quié, polaco.Segura a palavra. Palavra presa quem tem é gago. Cadê as loiras? Ah é, vamos à luta que a vida é curta. Desculpa, tá, mas saiu assim, sem pensar. Manda ver, polaco, que boca vazia é penico de otário.  Ih. Dê linha à pipa que esta já está voando. E veio correndo pro matinho.Juro!!! (três vezes). Tá com roupa dê +. E olha só o olho de salsicha do Fritz aí na tua loirinha, mano.

Polaco. Quié, gaúcho. Olha só esta aí. Esta não. Por que? Por acaso ela já sambou, é? Segredo entre a gente? Não, Tim, é que esta não gosto de matinho. Sei. Ela é mais do aconchego, do sossego, do arrego. Me passa o microfone negro que a vez agora é do branco e vamos dar linha a pipa. Nein, nein, polaco. Primeiro a foto da fraulein. Não é assim que se fala com as loiras daqui? E eu que achava que loira era cerveja no Lamas, sempre quente. A foto, polaco, da fraulein do coração, solta a franga, libera o fruto parido escondido. Tá legal. Lá vai. Direto de Kreuzberg, Berlin, 27-05-2012, Karneval der Kultures:

Então, tá, polaco, vou chamar o cumpadi porque senti que tu tá preso na bexiga. Nein, neim, mano Tim, que é isso, companheiro, logo aqui em Berlim, não faz isso ne mim. Vou te arrumar mais uma loirinha pro matinho. Que tal esta? Faz teu tipo, se é que ainda… Qualé, polaco, sou fantasma mas não sofro de asma. Qualé? Qualé o que? Qual é a loirinha? Ah… mas antes tem que levar pro matim porque tá com roupa por dê +.

E aí, polaco, tem pipa dê + e linha dê -. Saca só aí no chão. O que,  a gente está dando bandeira? Nein, nein. Ah, já saquei. É a bacana de biquini. Porra,polaco, tu tá paradão por dê +. Não é bacana, Tim. Não, polaco. É a BAGANA!!!

Larga o microfone, vamos a luta, etecétera e tal, Karneval der Kultures de Berlim, mas eu quero saber é de uma loira gelada.  Pois, eu, gaúcho da mangueiro, quero quente, mesmo neste frio. E me passe o microfone, coisa boa, vindo lá da Costa Rica, presta atenção. Falando nisto, as loiras ainda estão lá no matinho? Empurra nesta e a gente vai lá logo depois .

Polaco. Quié, Tim. Esta de Costa Rica é boa dê +. Larga o microfone. Dê linha a pipa. Mas me responda uma coisa. Quié? Tá  querendo saber como vão os amigos, é? Também, mas repara uma coisa neste Carnaval de Berlim. Não  tá faltando pé? Por isso que as loirinhas lá no matinho não sambam no pé, né.

Polaco. Quié, Tim. As loirinhas no matinho cansaram de esperar pela gente. Também, né, só no microfone, a pipa parada, o vento ventando. Então vamos à luta, companheiro, passando logo para o Plano B, direto para as sem roupa. Qué isso, polaco, gentileza antes de tudo. E muita fé que este Karneval der Kulture aqui de Berlim tá parado mas a gente agita em meio tempo sem preciar bater nem 1 pênalti. Olha esta aí. Eu fico com a loirinha vestida, tá? Tá… ate porque, por mim, ela está meio torta.

Então, vamos à luta, nada de ficar sentado até meia-noite, mesmo que não acabe. Mas agora é simples, é sentar e escolher. Senta você, Tim, que o leão é manso. Qualé, polaco, não sacaneia. Vai lá e escolhe  uma. Mas na gentileza, tá?  Ah… a loirinha é minha.

 Pô, Tim, a gente já está com loira dê + amarrada ali no matinho doida para tirar a roupa e aprender a dar no pé. Eu quero + é uma neguinha, uma mulata, uma preta, porque Carnaval, mesmo em Berlim, tem que ser Coisa Fina, parafina em cima, nada deste papo gelatina, fica tu com as loirinhas  que eu vou à luta, companheiro, para cima das minhas caipirinhas, tá. Péra aí, polaco, que vou também. Oi leva eu, eu também quero ir…

– Tim Lopes!

– Tô dando linha à pipa que o vento tá a favor. Inté.

– Qualé, polaco?

– Qualé o que?

– E as loirinhas?

– Tão lá no matinho. São todas tuas. Fico com as caipirinhas.

– Não sacaneia.

– Não sacaneia o que, Tim?

– Elas fugiram.

– Problema teu, mané, Vai à luta que a vida é curta. Axé. Te cuida. E tão cedo não espero te ver.

Moral do lero de hoje:

A última vez que vi o mano Tim Lopes hoje neste Karneval der Kultures, aqui em Berlim, foi ele no palco dançando ao som dos tambores dos mestres yorubas.

Saravá!!!

Só tem um porém.

As loirinhas voltaram, estão perguntando por ele.

Acontece que eu só sei remexer com as caipirinhas.

Se alguém souber como fazer com as loirinhas, me escreva.

Inté, Axé e Tchuss, tá,Mané?


No meu engatinhar de Jornalismo dantanho, no Rio, no Globo, havia um neguinho gente fina. Tim Lopes. A gente começou junto, dividia a mesma casa e a mesma geladeira, numa casa em Santa Teresa, no final de uma escadaria enorme que dava, na descida, na ACM, Sala Cecília Meireles, Passeio Público e o Rio aos nossos pés.

 Tempos passados, entro num avião, em Paris, a caminho de Brasília, o jornal tupiniquim do do dia anterior na poltrona e nele a porrada no meio do meu estômago: Meu amigo repórter Tim Lopes tinha sido queimado vivo dentro de um pneu lá no morro.

Mais um tempo passado e imagina minha alegria insana quando eu recebi o Prêmio Tim Lopes de Jornalismo Investigativo.

Praticamente sexagenário, profissão repórter, fiz o trecho Manaus-Venezuela como ajudante de caminhão, à procura do ainda existente contrabando de meninas e meninos do Brasil para serem cidadãos prostitutos na Europa.

Desta vez, devolvi o murro do estômago do meu eterno amigo repórter Tim Lopes. Toma, Tim. Vou dar a linha à pipa porque o vento está a favor.

Nos meus tempos de estagiário , Rio de Janeiro, morava em Santa Teresa e dividia a casa, e tudo que nela entrasse, com um amigo na mesma condição de iniciante na vida adulta.

Á noite, descíamos juntos até à Gafieira Elite, na Praça da República. Sol claro, ele se fazia operário na construção do metrô, Estação Largo da Carioca. Sua pele escura ajudava.

Então, eu passava por ele, minha pele clara realçando o jornalista do Globo, nosso começo. Ele me olhava, segurando a marreta, no lugar da caneta, esta manobrava muito melhor. Fingíamos um não conhecer o outro.

Em casa, no dividir as frutas da feira , ele chiava : – Pô, polaco – era assim que me chamava . – Que foi? – Não precisava me esnobar parecendo de verdade…

Há um ano, o corpo deste meu querido amigo foi colocado dentro de um pneu. Foi detonado . Queimado. Dos ossos , nem o pó . Do sorriso , que encantava as amigas ( maior trabalho desviá-las, não à toa o conselho: – Polaco, antes de tudo, a gentileza… é disto que elas precisam.) pois é … do sorriso desse meu querido amigo, só lágrimas – quiçá gritos – de dentro de um madito pneu onde foi queimado – quem sabe – vivo.

Em sua memória, amigo Tim Lopes, vou dar linha à pipa e que o vento continue a soprar a nosso favor. Até faço uma greve nesta minha rude e polaca imagem. Um beijo no seu coração. Do mano MAMCASZ – saltando no Tempo.

– Larga o microfone, Polaco !

 – É todo seu, Tim Lopes !

http://www.timlopes.com.br/edatlhetim.htm

https://mamcasz.wordpress.com/mortos/