The calculation is by IPEA, upon the data collected by IBGE. This is the best increase in income of the poorest since 1960. In the last 10 years was 91%. Nevertheless, Brazil still has the twelfth worst inequality in the world. We have the twelfth worst inequality in the world.

Mais pobres aumentam a renda 550% acima dos mais ricos

O cálculo é do Ipea, em cima dos dados coletados pelo IBGE. Este é o melhor aumento de renda dos mais pobres desde 1960. Nos últimos dez anos foi de 91%. Mesmo assim, o Brasil ainda tem a décima segunda pior desigualdade social do mundo.

(Sede do Congresso Nacional do Brasil, em Brasília, na seca de agosto.)

A notícia boa é justamente esta. Enquanto a renda dos dez por cento mais ricos, nos últimos anos, subiu um cadinho só, o dinheiro recebido pelos dez por cento mais pobres, aqueles que ganham menos do que a metade do salário mínimo, por família, pois então, subiu de montão.

Nos últimos dez anos, a renda das pessoas que vivem em famílias chefiadas por analfabetos subiu 88,6 por cento. No caso das famílias chefiadas por pessoas com 12 ou mais anos de estudo, a renda caiu 11,1 por cento. Caiu. E qual o lado positivo disso? Diminui a distância entre pobres e ricos. Por aí. Que mais?

No Nordeste, o mais pobre, a renda subiu 72,8 por cento. No Sudeste, o mais rico, subiu 45,8 por cento. E por vai. A renda cresceu 85,5 por cento nas áreas rurais mais pobres. E 40,5 por cento, ou seja, menos do que a metade, nas chamadas metrópoles, cidades grandes e ricas. Mais uma. A renda dos pardos sobe 85 e meio por cento. A dos brancos,47,6 por cento.

Então me ouça, pessoa.

 http://soundcloud.com/mamcasz/renda-dos-pobres-sobe-550-por


– Por que hoje é sábado, Vinicius de Moraes,  hein?

Madame dorme pós o lapin a la mode de Montmartre.

Culpa do italiano Chianti.

– Pode me chamar de Gentilesco, bela!

Detesto estes carcamanos! Tão convincentes… e por conta deste episódio revelo  o seguinte incidente que nunca será domesticado:

– Vocês acabam de me entristecer neste sábado.

Esquivo-me então do lar nesta  tarde sombreada, aqui  é Brasilha.

O elevador stop no 6. Entro. Nova parada. No 3. Neta e avô.

– Boa tarde. Lindo dia. Estou indo para a catequese no Cor Jesu.

Terminal.

Descemos juntos. E a prima mulher desta tarde sombreada me desperta:

– Qual seu nome?

– Mamcasz.

– Mamcasz. Meu nome é Madalena. Este aqui é meu avô Joaquim.  Me escute!

E saimos conversando naturalmente, por que hoje  é sábado, Vinicius, hein? No intermezzo das quadras 200 para as 400, isto é Brasília, só não digo a Asa, o avô, meio que incomodado com a naturalidade do mútuo conversar, iniciada no elevador, pega na mão da neta:

– Nossa, que mão fria!

E ela, no ato, pega na minha e:

– Mamcasz, você me acha fria?

Diante do tremelique contido do avô, eu jogo o lero de que fui seminarista (ah, é?), militar (que posto?), perguntadeira tua neta, vai ser que nem eu, jornalista (nem pensar!!!) e continuamos os três, de mãos dadas, quem sou eu para tornar desfeito o sonho ora feito de uma menina de mãos dadas com dois homens belos (é…), bom incentivo na vida longa (dela…).

– Então tchau, Mamcasz. Eu vou para minha catequese.

E fico eu, ela sabia, tínhamos trocado as falas, na mercearia de nível, espanhola, produtos finos, apropriados para esta tarde sombreada, por que hoje é sábado, Vinicius, hein, por que?

– Ah … pergunto eu, olho de olho na neta do avô militar, meu vizinho.

– Qual tua idade?

– Cinco anos, por que?  mas me diga uma coisa, Mamcasz, quem é este Vinicius?

– É meu amigo, o Moraes de Ipanema, estou escutando a poesia dele aqui, fique com ele :

– Coisa antiga este walkman, mas por você, e pelo teu amigo Vinicius, eu aceito. Tchau.

http://www.youtube.com/watch?gl=BR&v=jpfymRLaPaA

Pois bem. Continuemos, eu e a tua pessoa leitora, embora não de mão dadas. Não te conheço…

 E assim zonzo,  pelos dois fatos que acabo de narrar, é vero, juro pelo Cor do Jesu da menina, entro na mercearia espanhola de produtos finos, tipo endivas e tal. Escolho a mexirica, daquele bem miúda. Porção de pistache. Duas endivas, por supuesto. Caqui chocolate. Couve-flor.

 Dobro a esquina para a prateleira do presunto de Parma. À frente, outra mulher.  Opa… Vislumbro-lhe o cabelo a la Janis Joplin. Sinto um leve torpor no cabelinho da minha nuca. Bom sinal. Sem olhar, retorno a meu destino. Acontece que a saída está bloqueada por mais uma mulher,   algo desorientada, sinto-a não madura,  que nem a outra, mas, juro, longe de mim ter fixado o meu id na retina dela. Na verdade, me desoriento, ainda não refeito da pretérita presente pequena menina elevatória do repente.

– Deixa eu ver – converso comigo mesmo, aparentando solidão.  Pão árabe. Esta pequena boina, minúscula, exige o hamus. Cadê o hortelã?

– Ali, senhor.

– Alá!

Redobro na esquina da outra gôndola. Aprecio o cheiro árabe. Absorvo o momento. Sou pela retaguarda da mente, dita cabeça, envolvido por duas mãos que, juro pelo Coração de Jesus da menina do elevador, já as envolvi outrora para que não caísse, numa madrugada, entre os trilhos de Santa Teresa, no Rio, nos tempos em que Kurosawa nos levava a fazer Dodeskadém. Amém.

– Mamcasz!

– Oi – reconheço a voz do elevador.E retruco:  Não foi para a catequese?

– Ainda vou. Queria te perguntar uma coisa. Se Jesus era filho de Maria, ele era neto de quem?

– Ana e Joaquim. Por que?

– Maria era a mãe de Jesus. Quem era o pai?

– José, por que?

– Então, quer dizer que Jesus nasceu da…

– Menina. Pergunte isto lá para o padre.

– É freira, Mamcasz, seu bobo.

– Melhor ainda. Mulher conhece estas coisas de fazer filho, nem que seja Jesus.

– Mamcasz.

– Quié?

– Quem é esta garota, parecendo as cantadas no sábado pelo teu amigo Vinicius, lá na praia de Ipanema, que está tampando os teus olhos com as mãos rodeadas de pintas tão bonitas?

– Ah. É uma amiga que eu tenho faz mais de 40 anos, desde os tempos do Rio de Janeiro,  continua lindo.

– E por que você passou por ela sem falar nada? Vocês estão brigados?

– Nunca na vida!

– E esta outra moça do lado, nossa, Mamcasz, você está mais procurado do que o Vinicius, né?

– É …  esta moça é a filha desta minha amiga desde o tempo em que ela nem pensava na filha.

– Você não pensava em mim, mãe?

– Minha neta, vamos embora.

– Não sou neta. Sou filha.

– Pois eu sou avô.

– E eu sou neta.

– Eu sou filha!!!

E eu:

– Por que hoje é sábado, hein, Vinicius?

Cada qual segue então seu destino na vida. Pamela Nunes, mulher de Elvis, com a filha, para Pirinópolis, Goyaz, Brazil.

A neta, não a filha, com o avô, para a catequese para saber como nasceu Jesus da barriga…

E eu, de volta aos sonhos de madame, pois ela inda dorme.

Adentro o dito sacrosanto lar. Ou seria sacrossanto? ou sacro-santo? Coloco na vitrola o  Elvis Presley, só de músicas religiosas. Volume respeitoso. Tripla homenagem:

À neta – na ida à catequese, na Cor Jesu.

 À  filha – muito desenchavida na vida, por sinal.

 À mãe – amiga unida nesta longa estrada da vida. 

– Quem, Mamcasz?

– É qual, menina. Qual a música.

– Qual de nós você escolhe?

– Stand by me.

http://www.youtube.com/watch?v=jNjq54fgkhU

Moral do lero deste sábado sombreado cá na Ilha, Asa Sul, Brasília.

Madame acorda, livre dos braços do italiano Chianti.

– Que música é esta?

– Depois eu te conto.

– Foi adonde:

– Lugar nenhum. Fiquei aqui no Facebook.

– Você e este teu Face. Tem que sair. Falar com gente…

E lá foi ela, cafezinho e cigarrinho para o quarto da Sky.

Tempo!

– Florzinha. Corre aqui…

Pronto. Emergência. Acelero-me, na medida do possível.

Na TV, o especial “Where you’re strange”.

Cena 1:

I have a dream. Corta! M.L.King. Som do tiro.

Cena 2:

Nos vemos em Chicago. Corta! J.F. Kennedy. Som do tiro.

Enquanto isto, ao fundo,  Jim Morrison canta:

This is the End. Father.I want kill you. Mother…

https://mamcasz.com/2011/07/17/this-is-the-end-my-beautiful-friend/

– Corta!!! Corta!!! Corta!!!

– Qué isso, Florzinha. Cê tá tão esquisito. Só por que hoje é sábado, hein?

Cena 3

Jim Morrison. Som do tiro.

Cena 4

Cemitério Père Lachaise. Paris. Túmulo dele. Já fui. Aliás, acabo de marcar minha próxima viagem.

Paris.

Era para ser Praga. República Checa. Começo a pesquisa pelo Google. Praga. Resposta:

– Praga de baiano!

Mudo para Paris. Respeito é bom e gozo. Olha só no que está dando.

De qualquer forma, o studio, Place de Ternes, me espera.

 Au revoir. A bientot e coisa e tal. Axé!

Moral do Lero.

1 – Sempre tome cuidado ao ficar perto de uma mulher.

2 – Independente da idade: seja Madalena (5 anos), Maria (25 anos), Ana (45 anos), Madame (uma flor) ou até mesmo eu, Jesus (65 anos).

3 – Por que mesmo hoje é sábado, hei, seu Vinicius?

Mesmo assim, dedico esta música à minha amiga, que era a cara da Joplin, belo sábado, ainda que tenha me comportado meio esquisito.  O que vai pensar a filha dela? Aliás, amiga, tua filha….

http://www.youtube.com/watch?v=WIt3bbqMbHE


Acabo a faxina do lar.  Enquanto madame sorve o café e as notícias do dia,  à cama.

Preparo a mesa. Menu do dia: ENTRE O DESEJO E O SER.

Ao som de “As rosas não falam”, com Cartola, ninguém mais.

Peço uma pausa para madame e declamo, bem cândido:

“Porque hoje é sábado”, com Vinicius de Moraes.

E pensar que este sábado, cá na ilha, está começando…

Um bom final de semana, gente.

http://www.youtube.com/watch?v=te2HfDsXcXs

Um beijo, dona Zica, a quem fui apresentado na casa rosa, Mangueira, por Macalé.

Maninha é testemunha. Madame a meu lado. E Zica: ela tem uma cara de santa…

Já Cartola, beijei a mão dele num show na ABI, eu, um estagiário mequetrefi do O Jornal.

Os jornalistas coroas tremeram na base da vergonha.

Que nem quando dei uma maçã para a Clementina de Jesus, num show em Brasília.

– Su sou o teu Adão!

E por que hoje é sábado, hein?

Uai, Why, quer dizer, Because

Há uma ariana e um polaco.

Há uma mulher dentro de um homem.

Porque hoje é sábado.

 

http://letras.mus.br/vinicius-de-moraes/86516/


Domingo, 20 de Maio de 2012.

Berlim, dia lindo, 28 graus,  povo bonito na rua. Então,  faço que nem todo mundo. Pernas pra quem te quero.

Venha comigo.

Primeiro, um passeio pelos Flömarkt, Fleamarkt, Mercado de Pulgas. Tem muito. É tradição.

Saio de casa, Uhlandstrasse, pego o metrô U3, direção Krume Lanke, subo na primeira parada, na Fehrbelliner Platz.

Compro uma boa mochila por dois euros, uma caixinha de som com minirrádio, design inglês, vermelho, por um euro, e daí já vou para a segunda Feira de Ipanema deste domingão. Tá vendo esta estátua de gesso na foto acima? Quatro euros. Firrrrr eurrrô.

Vou em frente, com os lábios vermelhos debaixo do braço. Levo de presente para madame, a minha florzinha.

Pego o Bus 249, direção Zoo, desço na Blissinerstrasse, pego U7, direção Spandau, apeio em Siemensdamm, trodel mais pobre, mas encontro um vidro antigo com licor de chocolate dentro por 1 euro. Outro presente para florzinha.

Vou em frente.

Para o brunch de domingo porque só de pensar dá fome.

Pego o U 7, direção Rudow, passo para o S 41, que roda na direção leste para oeste, é uma espécie de anel da cidade, desço em Frankfurter Allee, onde começa a vistosa avenida stalinista, e sigo o resto a pé.

Chego.

O Café 100 Wasser fica na Rua Simon-Dach, 39, que começa na parte doidona, perto da estação U-S da Warschauer Strasse, onde tem o Trodel WR, tipo Feira do Rolo, Ceilândia-DF, perto de Brasília, e termina no Trodelmarkt da Boxhagenerstrasse, mais para Feira de Ipanema, perto do Rio de Janeiro. Está no bairro de Friedrichshain, que está deixando de ser doidão-hippie e parte para o yuppie mesmo.

O prato acima é apenas o começo do all-can-you-eat: alcachofra, salmão, tomate seco, queijo, alcaparras, tudo muito simples. 10 euros e meio e pronto. Vezes dois e meio dá em real. Mais o café, preto,  para o fraco, quente, à vontade, tudo selfservice, em mesa dentro ou fora, prefiro dentro porque tem mais presença.

Bom. Tenho a tarde toda, sol bonito, nem quatro horas ainda, o dia hoje fica claro até quase dez da noite, tem concerto clássico na catedral francesa, e ainda muito tempo para fazer o melhor em Berlim: bater perna, ou melhor, ver a perna das pessoas, porque vale a pena.

Portanto, entro na campanha

EU RESPEITO CICLISTA … domingo em Berlim:

 

E agora a pergunta que não quer calar. Enquanto isto, onde está a famosa madame? Bom. Noite passada, houve o jogo, em Munique, finalíssima da Copa dos Campeões da Europa, Bayern contra Chelsea.

E madame torcendo, num telão, a favor dos vermelhos (Bayern München) contra os azuis (FC Chelsea), cervejada, multisservida por alemães, um mais lindo do que os outros, diz madame. 

 O resultado de tudo deixou madame hoje acamada, não sei se pela ressaca ou pelo desgosto de não entender nada de futebol. Já tenho um culpado por eu estar sozinho hoje em Berlim vendo as pernas…

 Um tal de Tião (Bastian Schweinsteigen), o mais bonito, depois do goleiro, está vestido de verde por que? Mas né que combina com o cabelo loiro dele? Madame entende tudo de futebol. O amor me cega, né?

E o tal do Tião? Vermelho de vergonha, bebê chorão. Isto sim, sim senhora.

 No segundo tempo da prorrogação, ele me perde um pênalti.

 No final, na cobrança dos pênaltis, no quinto, tudo empatado, e lá vai o Tião alemão e, bom, faz a mesma merda de novo.

 Resultado.

Primeira página nos jornais de toda a Alemanha neste domingão.

 Bem feito para a madame, não entende nada mesmo de futebol,  ora na cama meio adoentada e eu cá na rua, pernas de fora, para que te quero.

 Ah… olha só a pinta do Tião Chorão Alemão. Bastian… Preste atenção no que está escrito na braçadeira dele: RESPECT.  O cacete, meu.

E vou em frente.

A pé até o S-41, de Frankfurtallee até a Heldebergplatz, depois o U 3, direção Nollendorplatz, stop na Spichernstrasse, e a pé, quer dizer, correndo de volta para os braços de madame que, coitada, não entende nada de futebol, por isso, se já tiver melhorado, vamos juntos, logo mais, para o concerto na Francoisische Catedral para o concerto clássico e tal, entreit frei. Melhor do que futebol.

 Abro a porta do prédio, a do elevador, a de casa, no quinto andar e:

– Florzinha!!! cheguei … iu…iu!!!

Silêncio.

– Florzinha  (meu tom muda um pouco).

Silêncio!!!

Em cima da mesa, a cama arrumada, o bilhete, melhor que estivesse em branco:

– Florzinha.

Sabe o Fritz, que ontem torceu pelo Bayern, ao meu lado, lá no parque?

 O que me trazia a cerveja Berliner toda hora.

 Veio me buscar para uma tal de pelada.

 Ele diz que vou aprender tudo sobre  futebol.

É para você não ficar mais chateado comigo.

 Não me espere hoje.

Depende do jogo.

E como foi teu dia?

Beijos… Tchuss, tá?

Moral do lero deste domingão aqui em Berlim:

Né que perdi a vontade de pedalar?

Tchuss…


Heil, tupiniquim people. Berlin, Domingão 30 degrees, sun six o’clock to ten o’clock. First day in earnest after months of angry winter, rain, cloudy days, and people. Hence, the festival has ever seen, right?

***

Heil, people tupiniquim. Berlin, domingão 30 graus, sol das seis da manhã às dez da noite. Primeiro dia para valer depois de meses de inverno brabo, chuva, dias e pessoas nubladas. Daí, já viu a festa, né?

***

Heil, Tupiniquim Menschen. Berlin, Domingão 30 Grad, Sonne von 06.00 bis 10.00. Erster Tag im Ernst nach Monaten der böse Winter, regen, bewölkten Tagen, und die Menschen. Daher hat sich das Festival je gesehen, nicht wahr?

Outro grande costume em Berlim, aos domingos, além do brunch, café das 10 às 15 horas, come-se o quanto puder, por dez euros, é passear pela porçào de mercados de ruas, flee market, flormarkt, mercado de pulgas, de antiguidades, de coisas passadas e presentes, de um a 50 euros, pode ser um vaso bonito, um sapato, um relógio londrino antigo ou mesmo um colete moderno baratinho. São muitos os locais dominicais perenes.

 

https://www.facebook.com/#!/photo.phpfbid=265680423528259&set=a.110180592411577.17404.100002589112491&type=1


Shikata ga nai (japonês) = Das ist nichts zu machen (alemão) = 

Não vejo, não escuto e nem cheiro merda nenhuma (brasileiro).

É que na semana, na produtora de imagens onde obro, a colega Maria primeiro se desfaz dos CDS. Coloca-os na mesa comum dos mortais. Pego o de Edith Piaf. Depois, ela traz os livros, mudando que está para uma atitude, digamos, mais roqueira, junto com João,  José  e seus Chorumes.

Qual mendicante descido para a classe C, decido-me por  “Hiroshima”, de John Hersey, um dos maiores jornalistas culturais, mas bota factuais nisto, do século XX.

Assim  começa a perda de apetite para o caminhar dominical deste começo de outono na parte sul cá da Ilha da Fantasia, Brasília.

Hiroshima. Maior crime contra a Humanidade. O presidente dos Estados Unidos é fuzilado no Tribunal de Nuremberg? Necas… o piloto do Enola Gay é condenado àao mesmo fogo dos infernos? Nadica… Dormem soltos. Resultado: Vietnames, Iraques, Guantânamos e muito mais.

“No dia 6 de agosto de 1945m precisamente às oito e quinze da manhã, hora do Japão, quando a bomba atômica explode sobre Hiroshima…”, assim começa o livro de John Hersey, traduzido para o brasileiro. O calor de 6.000 graus centígrados derrete mais de cem mil pessoas e deixa outro tanto aleijadas, despeladas, cancerizadas.

E o pior. Na reconstrução, o Comando Militar Norte-Americano censura qualquer tipo de notícias, no Japão e, principalmente em terras ianques, para não manchar a imagem do Tio Sam Libertador do Mundo.

Mais pior ainda. O governo japonês do imperador colocado de quatro marginaliza os atingidos pela radiação nuclear que atestam a infelicidade de conturbarem os vivos, não-atingidos e abraçados ao inimigo.

– E eu com isto – ouço alguém na resposta ao meu caminhar dominical interrompido.

– Tudo e mais um pouco, pois leia com atenção o final da prosa de hoje:

Shikata ga nai, ou seja, fazer o que, não tem jeito, é isso aí, Das ist nichts zu machen, não tem nada a ser feito.  Esta é a estóica e oriental reação dos desmiolados pela bomba atômica jogada criminalmente pelos americanos em cima da cidade de Hiroshima, no final da Segunda Guerra Mundial.

Concluo, puto por ter perdido minha caminhada dominical:

– Mas não é esta a reação que eu vejo, todos os dias, ao meu lado, nos ditos bípedes eternamente de quatro? Nichevo, diz o russo. Não vejo, não ouço, não cheiro merda nenhuma.

Moral de Merda

No lugar da caminhada, neste domingo de manhã, pego um ônibus, cá na Asa Sul, direção ao Entorno, pós Satélite, com o livro “Hiroshima”, de Johan Hersey, no sovaco endireitado, e sigo o caminho inverso iniciado por Maria com o livro porrada na minha mente e no meu coração. Puxo a campainha e apeio numa estação do metrô, com quem volto.

Tomara que nesta hora o escrito esteja entrando na mente  de uma passageira pessoa. Que leva na cabeça, sem reagir, a cada dia, toda hora, uma porção de partícula atômica, sem nunca reagir, o mínimo que fora, eita Povinho, escuta, Zé Ninguém, ah, este novo livro eu libero domingo que vem, primeiro de abril, por isso adianto logo o papo amargo do Wilhelm Reich. Fala Guilherme:

“Vem comigo, Zé Ninguém.   Não fujas.  Não sou ditador,  embora, quisesse eu sê-lo, a tarefa teria sido fácil perante a tua mediocridade. Bom. Eu tenho as bombas atômicas, e uma só delas pode matar centenas de milhares de pessoas. Parece-me que ainda não entendeste bem, Zé Ninguém. Julgas que são os príncipes e generais que fabricam essas bombas? Não, são homens como tu que as constroem berrando “Viva!”, em vez de se recusarem a fazê-lo.

 Porra, meu, clique logo abaixo e leia o esporro completo, tá, Zé Ninguém!!!           

http://www.culturabrasil.org/zip/zeninguem.pdf


Brasília, calor da zorra, volto doidão da caminhada.

Dos 20 minutos em diante, é sempre assim, o grelo gralha na grelha.

Né que hoje a briga, outra vez, foi com uma fêmea deveras?

Ela anda, diz que avoa, a meio metro do chão, sem usar vassoura.

– Polaco. Meu macho só gosta de frutinhas adocicadas.

– O meu também, pensa ela que eu caio nessa, mesmo doidão. Pois a minha fêmea aposto que é que nem tu. Adora chupar um sangue.

– Uai, polaquito, como usted adivinhaste? Que gracioso!

– Sai prá lá, sua porra vagaba, vai chupar o cacete do demo.

– Polaquito, que te pasa, amorzito?

– Amorzito o caralho.

E saí correndo da fêmea.

Moral: tás rindo, né? Pois sabes o nome da fêmea? Aedes Egypti.


No bloco do eu caladinho, saio na manhã deste domingo para caminhar no Eixão.

Ó néscia pessoa das coisas cá da Ilha, Brasília. Eixão são as sete pistas de asfalto puro que cortam o Plano, de Sul a Norte, por 15 quilômetos. Mas voltando ao meu desértico carnaval a pé no eixão.

– E não me interrompa mais, viste?

Pois então. Aos vinte minutos de caminhada, o pensamento começa a voar que é coisa boa. Daí, passo por uma bonitona e eu rio da cadela. Dela, claro, a potranca, sorry feministas. A cadelinha se mijando de medo de um isopor com os copos de água a um real e o negão sentado ao lado, mudo de todo, eu diria puto da vida.

Daí, já no pensamento solto, libero  à viva voz:

– Você devia arrumar é um cachorrão que nem eu no lugar desta cadelinha tremeliquenta.

– Boa, polaco, gostei, mas por acaso você sabe latir bonitinho assim que nem ela?

– ???

– Vai, late ai para ver se a vale a pena a gente topar uma troca.

Moral 1:

E não é que o polaco aqui latiu? De verdade. Juro pela Graciosa.

Pior foi a reação:

– Isso lá é latido que se preze, polaco? Continue treinando que domingo que vem pode ser que pinte alguma troca. Melhor ainda, se você aprender a latir de verdade, eu dou sem pedir nada em troca.

Explicação: o eixão  fica aberto para os pedestres só nos domingos. Ou feriados … não tem nada a praticar somente uma vez por semana, não.

Moral 2:

Descartei o pedaço de mau caminho, lati feio para a cadela que respondeu muito da convencida, e saí do eixão para as calçadas da entrequadra, na volta para a parte sul que me cabe nesta  ilha.

– Au… Au… Ai…  continuo treinando meu novo latido. E passo pelo mendicante, saco preto dependurado, um lixo, mais o  pedaço de osso a la microfone:

– Então, você quer que eu responda? Pois digo o seguinte. Se uma pessoa é presa, mesmo sem ter feito nada, respondo que ela tem mais é que continuar presa.

– Au… Au… Au…

– Espera aí, dona Bia, deixa eu passar o microfone para um polaco maluco que está passando por mim latindo, quer dizer, tentando latir que nem um cachorro de madame bonita.

– Pergunta o nome dele e diz que está participando aqui do Bia Talk Show, na Rádio SBM, ao vivo.

– Deixa que eu mesmo respondo que ele acaba de levar um fora de uma bonitona ali no eixão. Acontece que este  polaco late mais feio do que a cadela.

– Como é que é? Deixa eu falar com ele.

– Nem pensar, dona Bia, o horário é meu, tá vindo o intervalo comercial, que eu sei, e não tem nada de polaco roubar meu espaço neste tão popular  Talk Show.

– Xô cachorro!  polaco vira-lata!  ladrão de microfone!

É o que eu continuo a ouvir, cada vez mais distante,  enquanto corro em direção ao pedaço de osso  que o mendicante jogou para bem longe. Dele e do Bia Talk Show. Me desculpe mas agora não possa falar mais nada.

Acabo de pegar o osso. Não largo mais. Sou o maior petelho da paróquia.

Saiba mais:

https://mamcasz.wordpress.com/2009/11/20/setenta-por-cento-dos-mendigos-sao-negros/


Alô Brasília!

Sou tanto Sul, quanto Norte.

Por ti, minhas asas começam a tremer …

É tão bom voar…

Tu és solta. Aberta.

Tens um lado deserto…

És Quimera. Utopia.

Reticência.

És a minha  Brasília –

Um imenso tão perto.

Abraço por ti todas as éles.

Beijo as dáblius.

E continuo a voar pelo plano

Que nem o Deus-Piloto

Ousaria um dia retocar.


Eu tenho uma amiga em Brasília, très chic, Gloria Machado.

Ela sempre diz para mim:

– Mamcasz, po…., se for para ver pobreza, vá pra p… que p….

Bien Sûr. Então, em homenagem à minha amiga, pardon,Don Fernando.

Taí a foto mais linda que fiz ici a Paris, desta vez:

Place Vendôme. Obelisco construído de 14 mil canhões.

Ministério da Justiça. Do lado direito, Hotel Ritz.

Do lado esquerdo, lojinha Rolex.

No meio, o obelisco.

No outro lado, Chanel, Vuitton, Van Cleef, Prada e escambau.

A pé para pegar o metrô na Concorde, tudo isto, no sinal.

De um lado, o Louvre, antigo palácio de reis.

Do outro, o palácio da minha rainha Bruna.

Quase fui visitar minha filha.

Para azar o caixeiro viajante Sarkozy.

E então, madame Glorita?

Au revoir.


Puta que pariu!!! A Muralha do Medo é a minha Prisão.

Dona Beth Fernandes.

( A partir de um post dela no Facebook).

Escutei cá este tal de Mia Couto, por cinco vezes. Ou mais. Perdi a conta.

Aguarde um pouco, blogueiro amigo,  leia e, depois, escute.

Mas escute, mesmo,  meu.

Serão apenas sete minutos intensos.

Pois, continuando.

Me permita um arroubo.

PUTA QUE PARIU!!!

Há coisa de uns cinco anos, estava em Harare, Zimbábue, na casa de um amigo,

tinha marcado uma entrevista com Mia Couto, em Maputo.

Daí, enquanto faço umas caipirinhas de cachaça, leia-se cathatcha, em africanês,
para a tchurma da Senzala, juro, eles me curtiram, ou a caipirinha, de montão.

Daí, chegou um amigo do amigo, vindo de Moçambique, e me disse:

– Nem pensar. A estrada está cheia de assaltantes.

Era para eu ir pela estrada que entra pelo norte de Moçambique.

Logo eu que tinha saído da Cidade do Cabo, passado pela Namíbia,

atravessado por Botsuana, tudo de busão,
junto com os negros, na maior, eu, cara pálida, polaco e tal.

Pois confesso que telefonei para o Mia Couto e disse para ele:

– Estou com medo.

Daí, ainda tentei pela África do Sul, lado de Durban, no Oceano Índico,

entrar em Moçambique.

Acontece que o pós regime do apartheid, já com o Nelson Mandela,

  tinha simplesmente construído um enorme muro de arame farpado,

milhares de quilômetros de extensão,

 para impedir a entrada dos famintos (O MEDO DA FOME),
moçambicanos de entrar no imperialista império sul-africano.

Por tudo isso, estes sete minutos,  lidos do próprio punho pelo MIA COUTO,

 me arrepiaram sensivelmente.

E o pior de tudo.

Aqui na Ilha, Brasília, parte sulina, confesso:

– Por causa deste imenso medo, eu construí uma imensa muralha, ao meu redor.

Então, meu, clique abaixo e escute, mas escute mesmo;

http://www.youtube.com/watch?v=jACccaTogxE

Com a tua permissão, desabafo, franciscanamente, mais uma ve:

– PUTA QUE PARIU, EU TENHO MEDO, MEU!!!


SÓ NÃO CRÊ QUEM NÃO VÊ.
Brasília, 12 de outubro 2011.
Segunda Marcha Contra a Corrupção.
Foto de Walter Campanato-EBC- Uso Público


                  Eu tenho uma amiga que tem um filho pequeno  que vai na minha chácara e sobe no telhado, pela janela mezzanino,   e eu vou  lá e fecho a reentrada  e tranco a porta  e retiro a escada porque eu sempre  sou  assim com  criança e cachorro: adorado…

                 Está com pena?

                 Pois este filho da minha amiga me faz uma chantagem comigo enquanto  a mãe dele está  no banho pós-ato, de fato, talvez ele tenha…  até Deus nos  ouve:

                – Abra a porra desta janela –grita ele, baixinho, comigo – se não me jogo daqui de cima e te mato!

                  Protetor  de toda e qualquer criancinha  na hora abro a janela da vida  para esta  futura raivosa figura.

            Moral do lero:

           Hoje, ele está preso na Papuda – Penitenciária.

           Intimado, novamente sob chantagem, estou de novo nesta merda da fila de visita, mãe chorando abrindo a bolsa e a vagina, porque nela, diz o meganha, esconde o sustento da ex-criança para que ela não se torne, hoje, a mulher de um malandro enjaulado, e daí vou  levando o papo para que ele não visite  o meu ânus íntimo, peraí, mermão, sou jornalista,branco que nem tu, e ele dá  um tempo, se valoriza e me libera, a mim e a uma incógnita trouxinha de cocaína que vale ouro na cadeia.

            Final:

            Saio da cadeia  com o gosto doído no ouvido do filho da minha amiga me dizendo o seguinte:

            -Esta vida, tio, é uma droga.

           É  por isto que ele está fodido. Se fica só na Esplanada, aconselho no dantes, que maravilha, mas não, se mete a ser independente ou, como se diz na moda, autossustentável, auto-sustentável, alto lá, alguém me diz onde colocar esta merda deste hífen?

             – E minha mãe, como tá,tio?

             – No cemitério, dormindo, meu.

            Pós-saída:

             Entro no decadente ônibus linha 171,  Papuda -Rodoviária, cheia de mães,  moídas e doídas,  e eu, doido para uma fileira de coisa na vida, dou um sorriso e me lembro daquela criança filho da minha amiga. Que saudades, meu,  ele no telhado e a mãe dele embaixo de mim.

           –  Feliz Dia da Criança, meu pequeno marginal.

           Nota:

           Isto tudo não passa de ficção. Nenhuma amiga minha tem filho.

           Isto é para ser lito escutando Nana Caymi cantando:

          – Vem cá meu  mininu….


Sexta, 30, despedida de setembro, 2011, meio-dia em ponto.

Só em Brasília, e num cadinho.

Ao redor do Rei Sol, no espirro de gotículas, forma-se o tal do Halo.

Holístico falo?

Me calo.

Clique abaixo:

http://communaute.lachainemeteo.com/communaute-meteo/meteo-brasilia_bresil/soleil-/photo-le-soleil-et-le-halo-a-brasilia-69909.php


Gente, hoje eu estou tão feliz.

Folks, today I’m so happy.

Hoje, é o Dia Mundial Sem Carro.

Today, it`s World Car Free Day.

Pego meu camelo (bicicleta) e vou para a luta.

I get my camel (bike) and came to fight.

Moro no Recanto das Emas, Cidade Satélite.

I live in Recanto das Emas, Satellite Town.
Brasilia, capital do Brasil.

Brasilia, the capital of Brazil.

Bem na fronteira com o Goyaz.

Well on the border with Goyaz.

Maior Entorno de Vidas Ultrapassadas.

Major Lives around outdated. 

Primeira pedalada. Dia Mundial Sem Carro. Ela falha.

In the first ride, on behalf of the World Car Free Day, it fails.
Corrente empenada, bem feito, nunca tive carro na vida.

Current warped, well done, I never drive in life.

E, pior, os coletivos estão de greve relâmpago.

Worse, the collectives are in lightning strike.

E o raio sempre cai na minha pobre cabeça.

Alwayss the  lightning strikes in my poor head.

Crasse C o caralho, sou pobre de marré.

C Crass kiss my ass, I am poor of gilts.  

Não me venham as ongueiras, não mais vestidas de chita, agora de carango vermelho, não usam espelho nem para se pentear.

Don’t give me the ongueiras, no more than calico dress, but now little car red, they do not use mirror to comb his hair.

Dia Mundial Sem Carro.

World Car Free Day.  

Acordo meus dois filhos mais a filha, todos abaixo dos cinco anos.

I sing wakup this morning to my two sons and a daughter, all under five.

– Hoje, vocês, meus filhos, vão saber o que é cidadania.

– Today, you, my children will know what is citizenship.
– O que é isto, meu pai Mamcasz?

– What fuck is it, my father Mamcasz?

– É o seguinte: hoje, Dia Mundial Sem Carro, a gente vai de …

– Well done, my little people. Today, World Car Free Day, we’re going by …

– De que, meu pai, de lotação? Obaaaaaa!!!!

– What, my father, stocking? Obaaaaaa!!

– Porra, meus filhos. Olha a cidadania. A gente vai de bicicleta!  

– Damn, my children. Look citizenship. We will ride!

Maior silêncio no barraco nesta manhã Todos Sem Carro.

More silence in my shack this morning All Car Free.

– Mas a gente nunca teve carro, meu pai.

– But we never had a car, my father.

– Por isso mesmo. Cada um na sua bicicleta. Vocês não ganharam a de vocês lá na escola? Não teve a festa de inauguração, todo mundo pedalando, o governador comunista, a secretária petista, o ministrado desinducado, os puxassacos, o escambau.

– Exactly. Each one on his bike. You did not get yours at school? They had the opening party, everyone pedaling, the Communist governor, secretary of the PT, the minister desinducado,  the puxassacos and the escambau?

– Quem, meu pai?

– Who, my father?

– Deixem de brincadeira. Hoje, em nome da sustentabilidade …

– Stop playing. Today, on behalf of sustainability …

– O que?

– What?

– Todo mundo pedalando. Bora, bora, cambada sem mãe.

– Everyone riding. Bora, bora, bunch without mother.

– Meu pai Mamcasz…

– My father Mamcasz.

– Quié, cacete!

– Quié, fuck dammit!

– A gente não tem cidadania. A gente não tem bicicleta.

– We do not have citizenship. We have no bike. No one.

– O que? Já trocaram a bicha por cráqui?

– What? It changed the tail by ace? Cocaine?

– Não, meu pai, o ministro desinducado, o governador comunista e a secretária petista pegaram a bicicleta de volta.

– No, my father, the minister desinducado, the Communist governor and secretary PT took the bike back.
– Duvido-dó! 
Filho meu não mente.

– I don`t beleave, my God. My son does not mind.

– Duvida, meu pai? Então ouça o que  a Rádio Nacional de Brasília, num programa que fala de uma tal de cidadania, já tem uns vinte dias:

– In doubt, my father? So listen to Radio Nacional of Brasilia, in program that speaks of such a citizenship, already has twenty days.

Click here:

http://snd.sc/pQ2LGt

 

Moral:

– É o seguinte, meus filhos. Dia Mundial Sem Carro o cacete. Hoje, só para zonear, a gente vai de van pirata. E tem mais. Cada um vai num Van diferente. João, numa. Maria, noutra. José, na terceira.

– The thing is o seguinte, my children. World Car Free Day, my ass. Today, just for zoning, we’ll van pirate. There’s more. Each one goes in a different van. John, with one. Maria, with another. Joseph, in the third.

– E o Senhor, nossa Pai, conhecido por Cristo, vai pra donde?

– And You, our Lord,  Father, known by Christ, where will go?

– Meus filhos, eu vou é para a puta que pariu.

– My children, I’m going to fucking hell.

– Pai!!!!!!!!!!!!

– Father!!!!!!!!

 http://g1.globo.com/distrito-federal/noticia/2011/09/entrega-de-bicicletas-recolhidas-no-df-foi-um-erro-diz-haddad.html

As fotos, de 1 a 5, são de uso público, da EBC.

O áudio, idem, da EBC.